FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Vale a pena ler de novo! Seleção de reprodutores e matrizes

POR MARIA EMILIA FRANCO OLIVEIRA

PRODUÇÃO

EM 10/10/2013

13
0
A seleção de animais é uma prática comum aos sistemas de produção. Emprega-se em situações como, escolha de animais para: introdução no rebanho ou para serem descartados; inscrição em sociedades de registro genealógico; participação em exposições, provas zootécnicas ou programas de reprodução e; destinados à venda. Os critérios a serem utilizados nesta avaliação podem ser vários e basear-se em dados da genealogia, conformação corporal, desempenho e teste de progênie. Em geral, a melhor opção é associar os métodos de avaliação para seleção dos animais.

A reprodução é um dos principais pilares do sistema produtivo. Para tanto, a ideal seleção de reprodutores e matrizes fundamenta a garantia de alta eficiência produtiva da exploração. Além disso, machos e fêmeas são responsáveis a transferência de material genético para suas crias e consequente desempenho do rebanho futuro.

A seleção pela genealogia consiste em diferenciar animais pelo nome dos seus ascendentes (ex.: pais, avós, bisavós). Estes dados são fornecidos pelo Serviço de Registro Genealógico e constam no Registro dos Animais Puro de Origem. A utilização deste instrumento deve auxiliar a seleção, sendo interessante sua associação aos dados de desempenho.

A seleção pela conformação baseia-se no julgamento do exterior do animal, procurando-se encontrar indivíduos com qualidades desejáveis para a formação do plantel. As características mais aplicadas a esta seleção são: raciais, aprumos, número de pares de tetas (fêmeas), aparelho genital (machos e fêmeas), harmonia das formas, e capacidade corporal. Esta última pode ser relacionada ao desempenho do indivíduo. Características como tórax largo e profundo (bom arqueamento de costelas), podem indicar boa capacidade respiratória e circulatória, assim como uma maior capacidade digestória. Da mesma forma, o ângulo e a largura da garupa facilitam o parto e; a melhor implantação e maior volume do úbere. Na avaliação do aparelho genital, estes devem apresentar-se bem desenvolvidos, sadios e sem a presença de defeitos.

A seleção de reprodutores e matrizes pelo desempenho utiliza os dados de produção dos mesmos. As avaliações são realizadas ao longo da vida dos animais e são considerados índices, como: idade ao nascimento, ao desmame e ao primeiro ano; ganho de peso; conversão ou eficiência alimentar; assim como, características da eficiência reprodutiva.

A seleção pela progênie avalia o animal reprodutor pelo desempenho de seus descendentes. São escolhidos os animais cujos filhos apresentaram os melhores resultados nas características de interesse. A escolha de animais pelo desempenho e pela progênie é, sem dúvida, as que permitem mais confiabilidade, entretanto, só podem ser utilizadas tardiamente.

Para a escolha de reprodutores, independentemente do critério de seleção utilizado é fundamental associar o exame andrológico e avaliação da libido, conforme o artigo publicado nesta seção, em 16/04/2009, intitulado "Exame andrológico e avaliação da libido".

Algumas características são consideradas desclassificatórias na seleção dos animais.

Defeitos desclassificatórios aos reprodutores:

- albinismo;
- cegueira parcial ou total;
- retrognatismo ou prognatismo;
- lordose, escoliose e cifose acentuadas;
- membros fracos ou maus aprumos;
- monosquidismo ou criptorquidismo;
- testículos atrofiados;
- hipo ou hiperplasia testicular uni ou bilateral;
- politetia;
- intersexo;
- feminilidade
- defeitos que impeçam a reprodução.

Defeitos desclassificatórios as matrizes:

- albinismo;
- cegueira parcial ou total;
- retrognatismo ou prognatismo;
- lordose, escoliose e cifose acentuadas;
- membros fracos ou maus aprumos;
- úbere com assimetria acentuada ou excessivamente pendulosos;
- tetas extras funcionais;
- vulva infantil e ancas estreitas;
- masculinidade
- esterilidade comprovado ou defeitos que impeçam a reprodução.

Contudo, é importante ter sempre em mente que nenhum animal desempenhará todo seu potencial se as condições gerais de criação referentes à sanidade, alimentação, instalações e manejo não forem adequadas. Da mesma forma, a introdução ou permanência de animais improdutivos ao rebanho afetará a rentabilidade do sistema de produção. Portanto, a melhor forma de avaliação e escolha dos animais está baseada em uma boa escrituração zootécnica.

Referências bibliográficas

-HAFEZ, E. S. E. Reprodução Animal. 6ª edição, Editora Manole ltda, 582p., 1995.

-LIMA, G. F. C.; HOLANDA JUNIOR, E. V.; MACIEL, F. C.; BARROS, N. N.; AMORIM, M. V.; CONFESSOR JUNIOR, A. A. Criação familiar de Caprinos e Ovinos no Rio Grande do Norte - Orientações para viabilização do negócio rural. EMATER-RN/EMPARN/Embrapa Caprinos, 426p., 2006.

MARIA EMILIA FRANCO OLIVEIRA

www.mariaemilia.vet.br

13

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

CRISTINA

RIO MAIOR - SANTARÉM - PRODUÇÃO DE OVINOS DE CORTE

EM 12/08/2015

Boa tarde,

Seria possível facultarem-me mais informação sobre as causas do prognatismo?

Obrigada
CLERISON DOS SANTOS BELEM

SOBRADINHO - BAHIA - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 05/03/2014

Parabéns texto bem didático, é dentro do rebanho que começamos o melhoramento escolhendo os melhores animais para reprodução!
MARA SUEIDA DE SOUZA VIANNA

RIO GRANDE DO SUL

EM 24/10/2013

  Estou me preparando para montar um bom plantel para futura produção de carne ovina no município onde moro e estou colhendo todas as informações possíveis e fazendo cursos que me ajudem a desenvolver a atividade. Por isso quem tiver artigos , reportagens cientificas, estudos e outros podem enviar. Obrigado Mara
MARIA EMILIA FRANCO OLIVEIRA

JABOTICABAL - SÃO PAULO - PESQUISA/ENSINO

EM 14/10/2013

Prezado Bruno. O perímetro escrotal tem grande relação com a capacidade de produção de espermatozóides do macho, entretanto, sua avaliação não deve se restringir a apenas uma medida. A realização de um andrológico completo poderá assegurar se o reprodutor está ou não apto a desempenhar seu papel.

Grata por sua participação.

Maria Emilia
JAIME DE OLIVEIRA FILHO

ITAPETININGA - SÃO PAULO - OVINOS/CAPRINOS

EM 14/10/2013

Bruno vc deve medir a circunferência escrotal, até 2 anos o ideal são 26 cm .
BRUNO

EM 14/10/2013

Tenho um ótimo reprodutor boer,só que os testículos deles não cresceram muito,e por esse motivo ele deve ser descartado?aguardo resposta dos amigos criadores.

ALDO FERNANDO

OEIRAS - PIAUÍ - ESTUDANTE

EM 26/08/2013

muito bom este assunto.
MARIA EMILIA FRANCO OLIVEIRA

JABOTICABAL - SÃO PAULO - PESQUISA/ENSINO

EM 06/08/2010

Agradeço pela participação de todos.
Pelo interesse no assunto, proponho continuarmos debatendo-o na sequência de publicações.

Grata, Maria Emilia Franco Oliveira
JOÃO DA COSTA JÚNIOR

ITUIUTABA - MINAS GERAIS

EM 06/08/2010

Bom dia! Parabéns pela objetividade e clareza na explicação do assunto. Ainda tenho muito a aprender sobre o tema. Portanto, sempre que for possível, gostaria de ter mais acesso a fontes de informação como essa.
MARCELO SPINOLA VIANNA

ARARUAMA - RIO DE JANEIRO - PRODUÇÃO DE OVINOS

EM 29/07/2010

Tema de alta abrangência, mas explicado de forma objetiva e didática. Parabéns!
JAMILSON MACHADO DOS SANTOS

CAMPOS DOS GOYTACAZES - RIO DE JANEIRO - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 28/07/2010

Bem explicado..parabéns!
KILOVIVO - OVINOCULTURA DE PRECISÃO - (65)99784004

TANGARÁ DA SERRA - MATO GROSSO - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 28/07/2010

Prezada Dra. Maria Emília:

Parabéns pela iniciativa de abordar o assunto e pela objetividade, pois a matéria é oportuna e significativamente abrangente. Fico imaginando o tamanho da evolução da ovinocultura de corte nacional, em curto e médio prazo, se, numa situação utópica, 100 % dos ovinocultores brasileiros lessem, pelo menos uma vez, este seu artigo.
Um abraço.
BRUNO JOSE RODRIGUES

LORENA - SÃO PAULO - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 28/07/2010

Boa noite. Este assunto é muito bom para quem está querendo fazer um rebanho de alto padrao. Se você estiver mais algumas dicas me mande, será muito últil. Eu queria saber o que é livro fechado.