FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Utilizando índices de desempenho - parte I

POR DANIEL DE ARAÚJO SOUZA

PRODUÇÃO

EM 13/11/2007

6
0
Para que um negócio, seja ele qual for, torne-se competitivo e gere resultados positivos para os seus proprietários ou investidores, é necessário que haja eficiência na execução dos processos a fim de se atingir metas que viabilizem economicamente o empreendimento.

Na pecuária, uma das principais ferramentas para a avaliação de resultados e análise de processos são os índices de desempenho, particularmente na área de produção, fornecendo a base para a formulação de decisões mais apropriadas que direcionem a empresa ao ótimo econômico.

Os índices de desempenho são produtos de um sistema de coleta e análise de dados referente à escrituração zootécnica do rebanho e que mensuram a eficiência nos processos produtivos relacionados à atividade.

Na pecuária ovina existe uma gama de índices passíveis de serem usados, no entanto, nem todos eles serão úteis na gestão de um rebanho. Além disso, os mesmos variam significativamente a depender do sistema de produção, nível tecnológico e grupos genéticos envolvidos, exigindo que os valores estabelecidos como metas sejam coerentes com a realidade vigente em cada empresa.

Alguns dos principais índices, abrangendo mais a esfera reprodutiva e com metais gerais otimizadas, são mencionados abaixo:

1. Taxa de ciclicidade: refere-se ao percentual de ovelhas cobertas ou marcadas pelo carneiro durante os primeiros 17 dias da estação reprodutiva, sendo um indicador da capacidade de monta dos reprodutores e da situação cíclica das ovelhas, de forma que, alguma falha na marcação das mesmas pode indicar problemas com um ou ambos os grupos. Meta: igual ou superior a 70%. A distribuição dos partos na estação de parição subseqüente é reflexo desse índice, resultando em uma concentração proporcional de partos no início do período a depender da taxa obtida.

2. Taxa de cobertura: trata-se do percentual de ovelhas cobertas ou marcadas pelo carneiro durante a estação reprodutiva. Meta: na estação, igual ou superior a 95% para ovelhas adultas; fora da estação, 70% é uma meta possível; para borregas com 7 a 9 meses de idade, igual ou superior a 75%, podendo ser muito mais baixa na estação anovulatória. Esse índice deve estar em sintonia com a taxa de concepção, e caso contrário, pode ser indicativo de problemas andrológicos com o reprodutor, em especial.

3. Taxa de concepção: é o percentual de ovelhas que foram expostas ao carneiro e apresentaram diagnóstico de gestação positivo. Meta: igual ou superior a 95% para ovelhas adultas; 75% ou mais para borregas acasaladas até os 12 meses de idade; igual ou superior a 70% para ovelhas sincronizadas na estação e igual ou superior a 50% para ovelhas sincronizadas fora da estação. Embora apenas represente, inicialmente, o sucesso do acasalamento, esse índice é um importante critério para a permanência da fêmea no rebanho.

4. Taxa de aborto: é o percentual de ovelhas expostas ao carneiro ou gestantes que tiveram abortos visíveis antes do dia 142 de gestação. Meta: igual ou inferior a 2%. Taxas de aborto de 5 a 7% podem indicar doença enzoótica. Fetos reabsorvidos, morte embrionária precoce ou abortos esquecidos devem ser classificados como falhas na concepção da ovelha. É interessante cruzar esse índice com a taxa de parição para se ter uma noção do nível de falhas na concepção.

5. Taxa de parição: refere-se ao percentual de ovelhas que pariram dentre aquelas expostas ao carneiro na estação reprodutiva. Meta: igual a superior a 90% para ovelhas adultas; igual ou superior a 70% para borregas com idade inferior a 15 meses. A taxa de parição é um índice de fertilidade e de saúde, refletindo, a princípio, a capacidade da ovelha de ovular, conceber, sustentar a gestação e leva-la a termo, assim como, a saúde reprodutiva do carneiro.

6. Idade ao primeiro parto: trata-se da idade média em que a borrega tem o seu primeiro parto. Meta: 12 a 15 meses de idade para borregas criadas sob manejo intensivo e 24 meses para aquelas em condições extensivas. O peso é um fator considerável e varia com o grupo genético, porém a borrega deve apresentar no mínimo 70% de seu peso adulto à cobertura, com um escore de condição corporal entre 3 e 3,5 na estação reprodutiva. A IPP é um indicador do nível de manejo na atividade, principalmente na área nutricional.

7. Intervalo entre partos: refere-se à média de dias entre dois partos consecutivos de cada animal ou de um lote. Meta: 210 a 240 dias para lotes manejados sob programas acelerados de parição do tipo "3 em 2" ou Cornell Star ("5 em 3"). O IEP é um índice geral que depende de duas outras variáveis: o intervalo parto-1o estro e o número de serviços/concepção, porém não é tão exato para medir a eficiência reprodutiva do rebanho, pois não inclui fêmeas com apenas um parto, inférteis e/ou descartadas. De qualquer forma, quando dentro de valores aceitáveis, é um excelente indicador de fertilidade. A partir do IEP é possível calcular ou estimar o número de partos/ovelha/ano, que seria uma outra forma de visualizar esse índice.

Na próxima parte deste artigo serão abordados mais alguns índices de importância para a pecuária ovina.

DANIEL DE ARAÚJO SOUZA

Médico Veterinário, MBA, D.Sc., especializado no sistema agroindustrial da carne ovina. Consultor da Prime ASC - Advanced Sheep Consulting.

Facebook.com/prime.asc

Twitter.com/prime_asc

6

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

DANIEL DE ARAÚJO SOUZA

FORTALEZA - CEARÁ

EM 16/06/2008

Olá Ananias,

De fato, as metodologias de cálculo dos diversos índices de desempenho apresentam variações e cada profissional é responsável por adotar, melhorar ou criar determinados índices, de acordo com suas próprias perspectivas e objetivos. Isso acontece para diversos índices em variadas áreas: de produção, administrativa, econômica, financeira, etc. Sempre há mais de uma forma de se calcular alguma coisa.

Na questão da taxa de ciclicidade, eu realmente tomo como referência o ciclo estral, mas se for utilizado o período de estação reprodutiva é preciso atentar que a TC tende, naturalmente, a cair com o tempo, uma vez que vai havendo a concepção das fêmeas no decorrer do período. No próprio material da Embrapa, citado por você, menciona-se que a TC máxima para bovinos é de 5%, ou seja, 100%/21 dias = 4,76%/dia, cerca de 5%, assim como a TCmáx para ovinos é de 6% (arredondando de 5,88%/d), e tranquilamente, não concordo com o conceito divulgado no material da Embrapa.

Em relação à capacidade de serviço, o método de Chenoweth, que já foi adaptado por pesquisadores brasileiros para touros e adotado pelo CBRA, é um teste de capacidade de monta relacionado unicamente à libido, ou seja, é um teste de libido com uma classificação por escores. Acredito que o termo capacidade de serviço é um tanto robusto demais para ser usado apenas como uma referência de libido. O que adianta um reprodutor com alta libido, mas com baixa produção de espermatozóides e um espermiograma de baixa qualidade, considerando ainda que estas são características independentes?? Ele irá cobrir/marcar um grande número de fêmeas, mas resultará em baixa ou nenhuma concepção. Por isso, eu uso o conceito de capacidade de serviço baseado em 3 pontos: produção espermática, qualidade do sêmen e libido. É baseado nesses três fatores que estimo o potencial de um reprodutor e a melhor relação carneiro:ovelha ou touro:vaca em uma propriedade sob minha consultoria.

De qualquer forma, o mais importante é atingir os objetivos e as metas estipuladas de acordo com cada realidade. Os resultados práticos são os melhores índices que se pode ter dentro de uma fazenda.

Mais uma vez, obrigado pela sua participação e por compartilhar sua experiência e perspectivas sobre os assuntos abordados. Fico feliz com isso!!

Tudo de melhor e espero você em outros assuntos polêmicos!!

Grande abraço,
CAPATAZ ASSESSORIA RURAL

BRASÍLIA - DISTRITO FEDERAL

EM 13/06/2008

Meu caro Dr. Daniel.
Obrigado por atender minha solicitação.
Sem querer polemizar, me parece que a conceituação ou mesmo criação de indicadores de desempenhos é algo subjetivo, isto é: cada um faz o seu da forma que mais lhe convier. Digo isso em face da definição dada pela EMBRAPA:

"Taxa de ciclicidade pode ser definida como a percentagem de fêmeas em estro em relação ao total de fêmeas expostas por dia de estação."
(Fonte: Embrapa - http://sistemasdeproducao.cnptia.embrapa.br/FontesHTML/BovinoCorte/BovinoCorteRegiaoSudeste/reproducao.htm)

Veja que o lapso de tempo para se calcular a taxa de ciclicidade é o tempo da ESTAÇÃO DE MONTA e não o ciclo estral da espécie (17 dias p/ ovinos)

Por outro lado, li, também, que a CAPACIDADE DE SERVIÇO (MONTA) não "é um conceito andrológico", mas sim a quantidade estimada de fêmeas que um reprodutor poderá cobrir durante o ciclo estral.

Para se calcular esse número, usa-se, por exemplo, o método definido por Chenoweth que consistem em observar quantas coberturas completas (penetração e ejaculação) o reprodutor realiza em um curto espaço de tempo (15, 20 minutos). Com base nesse resultado, estima-se que o macho tem capacidade, potencial, de serviço para cobrir n fêmeas.

Peço desculpas, mas não posso concordar com a sua afirmação de que "O indicador exemplificado por você na verdade é a taxa de ciclicidade (TC) elaborada de outro forma, com outro ponto de vista, mas que leva a resultados distorcidos."

O exemplo que dei - na verdade são fatos apurados em nossa propriedade - não pode ser definido como taxa de ciclicidade, pois se assim o for, "leva a resultados distorcidos". Ora, a TC, como o sr. mesmo definiu, possui metodologia que difere daquela usada, por mim, no exemplo. Logo, os indicadores que encontrei não são, e eu não afirmimei que eram, Taxa de Ciclicidade, mesmo que "calculada de uma outra forma ou ponto de vista".

O indicador que encontramos mostra o desempenho (a eficiência) de cada reprodutor durante a estação de monta. Particularmente, entendo que esse indicador (Taxa de Eficiência) é de grande valia, pois mostra "quem é quem" no harém.

Acredito que o Sr., em sendo o profissional que é, não vai ficar sangado comigo, mesmo porque alguma polêmica é salutar, desde que, realizada em alto nível.
abraços e pbrigado.
DANIEL DE ARAÚJO SOUZA

FORTALEZA - CEARÁ

EM 11/06/2008

Olá Ananias,

Sobre a situação colocada por ti, sim, a taxa de cobertura foi 100%, uma vez que a taxa de concepção foi de 100.

Bem, capacidade de serviço ou capacidade de monta de um reprodutor é um conceito andrológico determinado pela produção espermática, qualidade do sêmen e libido do carneiro. Quantidade de fêmeas cobertas é denominada taxa de cobertura.

O indicador exemplificado por você na verdade é a taxa de ciclicidade (TC) elaborada de outro forma, com outro ponto de vista, mas que leva a resultados distorcidos. No exemplo A, onde um macho precisou de 60 dias para cobrir um grupo de 60 ovelhas com média de 1 fêmea/dia, significa dizer que em 17 dias (intervalo médio entre estros de uma fêmea ovina) foram cobertas apenas 17 fêmeas de um total de 60, ou seja, 28,33% (= taxa de ciclicidade). Da mesma forma, no exemplo D, onde o macho IV cobriu 4 fêmeas/dia, significaria dizer que em 17 dias ele cobriu 68 ovelhas, fechando uma taxa de ciclicidade de 113,33%. Nesse caso, o exemplo D seria impossível de acontecer, a não ser se o ciclo reprodutivo das fêmeas fosse de apenas 15 dias que resultaria em uma TC de 100%.

Então, essa forma de calcular conduz a erros e não indica a real taxa de ciclicidade do rebanho de matrizes. O conceito de TC é justamente o percentual de fêmeas ciclando em um período equivalente a um ciclo reprodutivo ou intervalo entre estros. Para ovelhas seriam 17 dias, para vacas 21 dias, etc.

O indicador como calculado por você seria mais correto si adota-se como referência de cálculo o período de um ciclo estral completo e não o período de estação reprodutiva. Considerando um ciclo reprodutivo de 17 dias, a TC MÁXIMA para ovinos seria de quase 6%/dia (5,88% para ser preciso, 100% de fêmeas/17 dias de ciclo estral = 5,88% de fêmeas ciclando por dia). No seu exemplo, seria 3,6 fêmeas/dia (6% de 60 matrizes).

Por outro lado, a TC indica a capacidade de monta de um carneiro em relação à sua libido e condição física apenas, mas não significa concepção ou fecundidade, e é bastante relativa, pois TC baixas podem indicar tanto problemas com as fêmeas quanto com os machos.

Além disso, a TC é um índice para ser usado antes da estação reprodutiva, funcionando como um termômetro da condição estral das fêmeas, indicando se a mesma é favorável ou não para se iniciar a estação reprodutiva e se os processos relacionados ao manejo reprodutivo estão adequados do ponto de vista do retorno da atividade reprodutiva pós-parto.

Espero ter ajudado. Obrigado por sua participação!!

Abraços,

Daniel
CAPATAZ ASSESSORIA RURAL

BRASÍLIA - DISTRITO FEDERAL

EM 11/06/2008

Caro Dr. Daniel.
Quero, inicialmente, parabenizá-lo pelo excelente artigo sobre indicadores de desempenho. Realmente, são informações de grande valor produzidas pela Escrituração Zootécnica e que podem e devem ser usadas pelo criador que busca sucesso.
Gostaria de partilhar com o Sr. um caso, hipotético, porém, possível de acontecer:

Imaginemos quatros grupos composto, cada um, por 60 fêmeas e um reprodutor, em uma estação de 60 dias. No final da estação, apurou-se que todas as fêmeas estavam prenhas, o que implica dizer que a Taxa de Cobertura foi de 100% para todos os machos, certo? Apurou-se ainda a seguinte situação:
a) o macho I precisou dos 60 dias para cobrir todas as fêmeas, ou seja, uma média de 1 fêmeas/dia;
b) o macho II cobriu as 60 fêmeas em 45 dias, ou seja, em média 1,3 fêmeas/dia;
c) o macho III, por suas vez, cobriu todas as fêmeas em 30 dias, com média de 2 fêmeas/dia;
d) o macho IV, precisou de apenas 15 dias para cobrir as 60 fêmeas, numa excepcional média de 4 fêmeas/dia.

Pergunto: como podemos denominar esse indicador?
Capacidade de Serviço? Parece que não, pois, para o Sr. CS é a quantidade de fêmeas cobertas em 17 dias.
Agradeço sua atenção.
DANIEL DE ARAÚJO SOUZA

FORTALEZA - CEARÁ

EM 20/11/2007

Olá Normann,

Fico feliz que tenha apreciado o tema e o artigo!!

Realmente, a gestão adequada do negócio ainda é um ponto falho nas empresas agropecuárias brasileiras, apesar de sua crucial importância para permitir que o empreendimento maximize seus resultados e alcance lucros diferenciados em um mercado cada vez mais competitivo e com margens cada vez mais estreitas. Poucas empresas e pecuaristas já dispertaram para o assunto!

Tentarei, a medida do possível, abordar o assunto de forma a ressaltar a gestão empresarial em si, como sugerido.

Muito obrigado por sua participação e pelos comentários!!!

Abraços,

Daniel
NORMANN KALMUS

CAMPO GRANDE - MATO GROSSO DO SUL - PRODUÇÃO DE OVINOS

EM 18/11/2007

Dr. Daniel,

Concordo completamente com a já famosa frase de Fernando P. Cardoso, que afirma que "somos um país em que as pessoas acham muito, observam pouco e não medem praticamente nada", portanto, só posso considerar de uma importância absoluta o artigo.

Como economista, gostaria de sugerir que os índices de desempenho fossem ampliados para outras áreas além daquelas já abordadas e que digam respeito à administração da propriedade e do negócio como um todo. Afinal, o resultado final deve ser compensador e muitos criadores ainda se mantém céticos em relação a questões cruciais.

Parabéns. Siga em frente!

Normann Kalmus