ENTRAR COM FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Utilizando a polpa cítrica úmida

POR DANIEL DE ARAÚJO SOUZA

PRODUÇÃO

EM 13/06/2006

46
0
Nas regiões do país onde a citricultura é uma atividade significante, sempre há uma grande disponibilidade de bagaço de laranja na época de colheita por parte das indústrias de processamento. O bagaço de laranja in natura, o qual chamaremos aqui de polpa cítrica úmida (PCU), é utilizado na dieta dos animais das propriedades rurais circunvizinhas àquelas indústrias processadoras que não decidiram por investir no processo de secagem do bagaço de laranja para a produção da polpa cítrica peletizada.

A PCU é um subproduto que se caracteriza, sobretudo, pelo seu alto nível de umidade apresentando geralmente entre 75 e 85% de água (ou 15 a 25% de matéria seca), e pelo seu elevado teor de carboidratos fermentecíveis, os quais formam um perfil de alimento cujo adequado armazenamento é crucial para que seu uso seja satisfatório e forneça bons resultados, tanto técnicos quanto econômicos.

A elevada umidade da PCU constitui-se no principal fator limitante a sua utilização, impedindo uma participação mais substancial na dieta. No entanto, esse excesso de umidade pode ser útil quando se trabalha com certos ingredientes na ração total produzindo uma mistura mais homogênea e evitando a seleção de alimentos no cocho, assim como, para suprir os requerimentos de água dos animais, o que pode ser particularmente importante em algumas regiões do país, como o semi-árido nordestino.

A PCU pode ser utilizada na forma in natura podendo participar em até 30% da matéria seca (MS) da dieta, a depender dos outros ingredientes envolvidos, sem comprometimento de desempenho, devendo ser consumida rapidamente uma vez que os altos níveis de umidade e de carboidratos fermentecíveis a tornam um produto de fácil deterioração. Ambas características, associadas às altas temperaturas presentes em nosso país e a um tempo de armazenamento prolongado dão suporte ao crescimento de fungos que promovem a degradação aeróbia do material, comprometendo severamente seu valor nutritivo, além de poderem produzir toxinas (micotoxinas) que afetam a saúde e o desempenho produtivo e reprodutivo dos animais, assim como, podendo levar os mesmos a morte. Sendo assim recomenda-se um período de armazenamento não superior a 3 dias.


Foto 1: PCU armazenada sob lona plástica e por um período de tempo prolongado. A coloração escura, a alta temperatura do material, o odor forte e o visível crescimento fúngico são sinais do avançado estágio de deterioração.

Caso a quantidade comercializada supere a escala de consumo de 3 dias, uma alternativa seria a desidratação da PCU fazendo uso da energia solar, o que aumentaria seu período de armazenamento e permitiria uma maior taxa de inclusão na dieta devido ao menor percentual de umidade.

Uma última alternativa seria o uso da PCU na forma de silagem, no entanto, mesmo sendo possível e mesmo realizando sua pré-secagem para elevar o teor de MS a níveis mais adequados, há grandes perdas de nutrientes durante a ensilagem, e somado a isso os custos envolvidos no processo em si, a silagem de PCU pode se tornar economicamente inviável em uma grande quantidade de situações.

Contudo, e independente de sua forma de utilização, a PCU deve ser analisada economicamente antes de ser adquirida e introduzida na fazenda. Por ser um concentrado essencialmente energético e por entrar na dieta em substituição parcial ao milho, é necessário compará-la com o mesmo levando em consideração o custo da tonelada de MS, e com esse valor avaliar o custo da tonelada de proteína (PB) e energia (NDT), já que a princípio estamos pagando por nutrientes e não por água.



Foto 2: PCU armazenada de forma inadequada apresentando elevado nível de contaminação por fungos. A porção menos deteriorada deste material estava sendo oferecida a um rebanho de ovinos Santa Inês, muitos dos quais apresentavam sinais de intoxicação.

DANIEL DE ARAÚJO SOUZA

Médico Veterinário, MBA, D.Sc., especializado no sistema agroindustrial da carne ovina. Consultor da Prime ASC - Advanced Sheep Consulting.

Facebook.com/prime.asc

Twitter.com/prime_asc

46

COMENTÁRIOS SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Seu comentário será exibido, assim que aprovado, para todos os usuários que acessarem este material.

Seu comentário não será publicado e apenas os moderadores do portal poderão visualizá-lo.

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

DANIEL SOUZA

FORTALEZA - CEARÁ - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 16/11/2016

Caro André,



Na verdade, o rendimento de 73 kgs é sobre a tonelada da fruta fresca, não do bagaço. Essa informação tem como fonte a literatura pertinente.



Desculpe o mau entendimento.



Abraços,



Daniel
ANDRÉ LEITÃO

SALVADOR - BAHIA - DISTRIBUIÇÃO DE ALIMENTOS (CARNES, LÁCTEOS, CAFÉ)

EM 12/11/2016

Daniel boa tarde.

Com relação a sua afirmação "Em nível industrial, cada tonelada de bagaço de laranja gera 73 kgs de PCP sem melaço "

Pergunto como foi feito esta conta já que e divulgado que a polpa critica possui 70% de umidade, em sendo assim teríamos 30% de mateira seca?

Então sabendo que para confecção de PCP precisamos ter em torno de 12% de umidade, penso que teríamos em torno de 40% o peso do PCU.

Sendo assim para 1 tonelada teríamos próximo de 400kg e não 73kg por ton.

Peço o esclarecimento destas contas.
ALUIZIO ANTONIO BITELLO

CONSTANTINA - RIO GRANDE DO SUL - ESTUDANTE

EM 10/10/2015

ola,



por motivo de estar no fim da minha silagem de milho e meu proximo milho ainda não estar pronto pra colheita de silagem queria utilizar polpa citrica para minhas vacas leiteiras, mas tenho poucas informações ainda a respeito de como posso armazenar e por quanto tempo posso deixar armazenada?  E se tem um tempo de armazenazem para que depois então eu possa utilizar a mesma?

LUIZ CLAUDIO

CONTAGEM - MINAS GERAIS

EM 18/06/2015

Bom dia amigo, o meu vizinho produz cerca de 4 toneladas por semana de Casca e bagaço de Laranja, subproduto do Suco Integral que ele produz, e uma polpa com casca e bagaço bem úmida, bem similar as fotos postadas, comecei a tratar do gado (corte) com essa polpa, porém o gado não está comendo bem, já tem 02 dias que comecei com essa dieta in natura, ele extrai o suco e eu trato in natura mesmo logo após o caminhão entregar,.existe um tempo de adaptação, ou alguma dica que possa me encaminhar, agradeço  a materia.
DANIEL DE ARAÚJO SOUZA

FORTALEZA - CEARÁ

EM 07/03/2015

Olá Nataly,



Quando tenho oportunidade, também faço a desidratação da polpa cítrica ao sol, porém logo, depois, a trituro em máquina forrageira, o que facilita a armazenagem e o uso da mesma.



Quais as dificuldades que você está tendo em relação a esse ponto?



A polpa cítrica é utilizada em substituição parcial ou total a outra fonte energética (milho, sorgo) na ração dos animais, então, acho mais prudente trabalhar com níveis de inclusão  (0%, 25%, 50%, 75% e/ou 100%) tendo como base uma ração padrão (controle) balançeada para um determinado desempenho pré-estabelecido.



Abraços,



Daniel
NATALY SOBRAL

DUARTINA - SÃO PAULO - ESTUDANTE

EM 02/03/2015

Boa tarde Daniel!!

Sou estudante do último período de Medicina Veterinária, meu TCC assim como meu projeto de mestrado são baseados na utilização da polpa cítrica úmida na alimentação de novilhas Nelore, onde serão analisados o perfil de ácidos graxos e qualidade final da carne. Utilizo a secagem em lonas grandes expostas ao sol, porém não vejo bons resultados e tenho encontrado dificuldades no armazenamento.

Estou utilizando  quantidades de polpa proporcionais a 1% do PV dos animais em teste, o experimento terá aproximadamente 90 dias de duração, com previsão de abate no início de abril.

Gostaria de saber sua opinião sobre meu projeto, se devo mudar algum quesito mencionado.

Desde já agradeço muito!! Seu artigo foi muito esclarecedor.

Att. Nataly Sobral
PAULA

CATANDUVA - SÃO PAULO - ESTUDANTE

EM 10/09/2014

Boa noite!!!!

gostaria de saber se pode armazenar o bagaço de laranja,em tanque de cimento.





Abraços

  Charles

ELIOMAR

IBICUÍ - BAHIA - ESTUDANTE

EM 29/08/2014

Boa Tarde!!!!!



Caro amigo, sou estudante do curso de agropecuária gostaria de saber a quer tipo de animal posso fornecer e quais são as restrição na utilização da polpa cítrica?



Abraços Eliomar oliveira
DANIEL DE ARAÚJO SOUZA

FORTALEZA - CEARÁ

EM 09/08/2014

Olá Cristiano,



Você pode espalhar o bagaço in natura sobre uma lona grande sob o sol e revirar a cada 1-2 horas, desidratando completamente o material, da mesma forma que um feno.



Dessa forma, seria possível armazenar por 10 dias, sem problema.



O grande problema desses tipos de material é a umidade. Controle a umidade e o você controla a maioria dos possíveis problemas.



Não tem nenhum problema fornecer aos animais junto com as silagens, mas o bagaço da laranja é fonte de energia. A depender da situação e da categoria animal, seria recomendável incluir alguma fonte de proteína (como farelo de algodão ou de soja) nessa suplementação.



Abraços,



Daniel
CRISTIANO DE OLIVEIRA RAMOS

LAGES - SANTA CATARINA - ESTUDANTE

EM 30/07/2014

Daniel não possuo picador, a industria me fornece o bagaço em natura.

Se eu desidratar um pouco ele no sol e depois cobrir com palha de arroz a parte de cima, o que acha?

existiria uma maneira de conservar este residuo por de 7 a 10 dias, sendo que a cada dia é removida uma parte para ser alimentado so animais??

Se fornecer uma grande quantidade aos animais em conjunto com silagem e braquiaria posso ter algum problema?

Obrigado
DANIEL DE ARAÚJO SOUZA

FORTALEZA - CEARÁ

EM 09/07/2014

Olá Elton,



Essa mistura (uréia + PCU) não é recomendada.



É mais recomendado incluir a PCU e a uréia na composição de uma ração concentrada ou total em função dos objetivos para aquela categoria animal.



Dessa forma, os resultados são mais seguros e há menos desperdícios.



Abraços,



Daniel
ELTON CORAZZA

IPEÚNA - SÃO PAULO - PRODUÇÃO DE GADO DE CORTE

EM 01/07/2014

Boa tarde Daniel,



poderia misturar Uréia a PUC (no cocho), em que proporção? Esta mistura forneceria que percentual de proteína?



Obrigado.



Elton.
DANIEL DE ARAÚJO SOUZA

FORTALEZA - CEARÁ

EM 08/06/2014

Olá Roberto,



Desconheço qualquer alteração que a PCU, em boas condições, possa causar na carne. Esses tipos de alteração podem ter diversos fatores envolvidos, desde um alimento deteriorado, utilizado por um longo período, a até processos deficientes durante o abate e manipulação da carne.



Após a PCU estar desidratada, a mesma pode ser usada como qualquer outro grão seco ou farelo, desde que bem armazenada (longe de umidade e insetos).



Eu, particularmente, não recomendo realizar misturas com cereais com objetivo de ensilagem. Fica uma silagem de alto custo e desperdiça grãos que poderiam ser melhor aproveitados se fossem fornecidos diretamente no cocho. Eu prefiro realizar uma leve desidratação (24 horas) para reduzir a umidade, e após isso, sigo o processo de ensilagem convencional (picagem, compactação, vedação).



Com relação ao uso em aves, não tenho informações a respeito.



Abraços e obrigado por sua participação.



Daniel
ROBERTO RODRIGO JULIANI

MARINGÁ - PARANÁ - REVENDA DE PRODUTOS AGROPECUÁRIOS

EM 04/06/2014

Bom dia!



Caro amigo, sou coordenador de logística em uma industria de sucos concentrados no PR, e optamos por comercializar o bagaço de laranja in natura, na safra passada um cliente entre centenas que atendemos, alegou que o PCU estava alterando o sabor da carne (bovino), é possível?



Quanto a armazenagem, indiquei para alguns produtores este processo de secagem solar, após realizar o procedimento quantos dias podemos consumir o resíduo?



Qual seria o cereal mais indicado para misturamos ao ensilar o bagaço de laranja? lembrando que trabalhamos com gado de corte e leite, ovinos também, para finalizar existe algum estudo que comprove a eficácia do mesmo no trato de aves?



Muito bom seu artigo! Att.



Roberto R. Juliani.
ROBERTO RODRIGO JULIANI

MARINGÁ - PARANÁ - REVENDA DE PRODUTOS AGROPECUÁRIOS

EM 04/06/2014

Bom dia!

Caro amigo, sou coordenador de logística em uma industria de sucos concentrados no PR, e optamos por comercializar o bagaço de laranja in natura, na safra passada um cliente entre centenas que atendemos, alegou que o PCU estava alterando o sabor da carne (bovino), é possível? e quanto a armazenagem, indiquei para alguns produtores este processo de secagem solar, após realizar o procedimento quantos dias podemos consumir o resíduo? e qual seria o cereal mais indicado para misturamos ao ensilar o bagaço de laranja, lembrando que trabalhamos com gado de corte e leite, ovinos também, para finalizar existe algum estudo que comprove a eficácia do mesmo no trato de aves?
DANIEL DE ARAÚJO SOUZA

FORTALEZA - CEARÁ

EM 02/04/2014

Olá Cleder,



Eu, particularmente, desconheço qualquer tentativa de realizar a prensagem na própria propriedade, até porque, o investimento no maquinário possivelmente não compensaria. Esse processo de prensagem com adição de hidróxido ou óxido de cálcio é feito a nível de indústria. No caso, aquelas que comercializam a polpa cítrica peletizada que, por sua vez, são, geralmente, produtoras de citrus.



Se você conseguir desidratar um pouco e chegar aos 35% de MS, você pode ensilar a PCU como qualquer outro material, tomando os devidos cuidados em relação a picagem, compactação, vedação e, inclinação do piso do silo (no sentido fundo-frente) para escoamento de qualquer chorume que venha a ser produzido.



Abraços e obrigado por sua participação.



Daniel
CLEDER BARTZ

BRAÇO DO NORTE - SANTA CATARINA - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 27/01/2014

Boa tarde

Vivendo o tempo de discuçoes da publicação, venho pesquisando formas mais otimizadas de fornecer a PCU nas fazendas. Porem vejo que a prensagem é a unica e melhor alternativa junto com a desidrataçao ao sol. Pergunto se tens alguns projeto de presangem nas propriedades desta PCU que chegam, se utilizarmos algum produto (oxido ou hidroxido) auxiliaria rapidamente na desidrataçao por prensa ou auxiliaria na desidarataçao por sol, para fornecer no segundo dia.

Se eu conseguir chegar a 35% de MS posso armazená-la em silos por ainda quanto tempo. Se sim este silo seria com drenagem do resíduo liquido ou não?



Obrigado



Cleder Bartz



DANIEL DE ARAÚJO SOUZA

FORTALEZA - CEARÁ

EM 01/10/2013

Olá Adolfo,



Em relação ao bagaço de laranja, é muito pouco provável a ocorrência de algum problema clínico no rebanho em função de algum microrganismo introduzido na propriedade pela PCU.



Risco pode ocorrer se na propriedade existir pomares de citrus ou do tipo. Mas nesse caso, consultar um Agrônomo especializado é o mais indicado.



Em relação à uréia. Sim, o fornecimento da "mistura múltipla" já é suficiente. De fato, o consumo excessivo de uréia pode levar à perda de condição corporal e a problemas reprodutivos, além de poder causar intoxicação e morte.



Abraços,



Daniel
DANIEL DE ARAÚJO SOUZA

FORTALEZA - CEARÁ

EM 01/10/2013

Olá Eduardo,



Olá Ribeiro,



A polpa cítrica peletizada (PCP) é obtida após 2 prensagens que reduzem sua umidade a cerca de 70%. Após isso, o material sofre secagem a temperatura de 100-115oC, até alcançar um percentual de matéria seca de 90%, possibilitando a peletização. Além disso, para facilitar a liberação da água e reduzir a natureza hidrofílica da polpa, é acrescentado hidróxido ou óxido de cálcio, entre 0,3 e 0,6%, antes das prensagens.



Porém, esse processo é a nível industrial.



A nível de fazenda é possível conservar o excesso do bagaço da laranja na forma de feno. Nesta situação, é preciso espalhar a PCU sobre uma boa lona plástica limpa e sob sol e ventilação, revolvendo o material a cada 2 horas, até o mesmo se encontrar completamente desidratado. Essa é uma alternativa em regiões com alta produção de PCU mas onde não há industrialização da mesma para transformá-la em polpa cítrica peletizada.



Abraços,



Daniel



JAIME DE OLIVEIRA FILHO

ITAPETININGA - SÃO PAULO - OVINOS/CAPRINOS

EM 27/09/2013

Vou adiantar alguma coisa para vc não correr riscos com a uréia,se vc já esta dando a mistura múltipla já é o suficiente ,pois os animais não podem consumir excesso .

O uso da uréia favorece a flora bacteriana do rúmen permitindo o aumento da população das bactérias favorecendo a produção de proteínas para o animal consumir.

O que vc está fazendo já é o suficiente,mas não esqueça com o fornecimento de uréia precisa o animal ter bastante fibra para consumo.