FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Uso de Silicato de Cálcio como corretivo de acidez do solo na agropecuária brasileira

POR LETICIA DE ABREU FARIA

E FELIPE BARROS MACEDO

PRODUÇÃO

EM 11/05/2009

8
0
A pastagem é a principal fonte de alimento na pecuária nacional otimizando a relação custo/benefício desta atividade (PEDREIRA & MELLO, 2000). A produção de massa seca é função de fatores não controláveis, inerentes ao ambiente, como radiação solar, temperatura e umidade do solo, e de fatores controláveis, como fertilidade, pressão de pastejo, dentre outras.

A maior parte do rendimento, qualidade e precocidade do produto final depende de como as pastagens são exploradas. Isso faz com que a formação e o manejo das pastagens assumam importância primordial para evitar sua degradação e garantir sua perenidade, sem decréscimo da qualidade nutricional, pois, segundo HODGSON (1990), quando bem manejada, é a fonte mais barata de alimentação para o rebanho.

Os solos do cerrado brasileiro são, em geral, profundamente intemperizados e lixiviados, com acentuada dessilicatização e pobreza em bases, o que lhes confere uma fração argilosa constituída de caulinita e sesquióxidos (EMBRAPA, 1982).

O silício é reconhecido devido sua influência na resistência das plantas em resposta a ataques de insetos, nematóides, doenças, estado nutritivo, transpiração e, possivelmente, alguns aspectos de eficiência fotossintética (DEREN et al., 1994).

As principais características de uma fonte de silício com finalidade agrícola podem ser encontradas nos silicatos de cálcio e magnésio, que são provenientes das escórias de industria siderurgica, desde que sem potencial de contaminação por metais pesados, são capazes de fornecer ao solo um alto conteúdo de silício-solúvel com boas relações e quantidades de cálcio e magnésio. Constituidos basicamente de CaSiO3 e MgSiO3, seus benefícios estão associados com o aumento da disponibilidade do silício, elevação do pH e com aumento da disponibilidade do cálcio e magnésio trocável do solo (KORNDORFER, PEREIRA e CAMARGO, 2002).

Deste modo, o silicato de cálcio vem sendo usado para fornecer cálcio e silício, contudo, ainda se dispõe de poucos resultados experimentais, principalmente para plantas forrageiras. Luz et al. (2005) avaliaram a aplicação do silicato de cálcio em pastagens de Brachiaria brizantha e obtiveram respostas favoráveis dos atributos químicos do solo relacionados à correção da acidez (pH em CaCl2, Ca, Mg, K, H+Al e V%) com aplicação de níveis de 2 a 6 t/ha e obteve capacidade de elevar os teores de silício no perfil do solo e nas folhas do capim ao longo do tempo.

Luz et al. (2007) apresentaram resultados positivos na produção de massa seca e aumento significativo dos teores de Si na folha a partir de 2 t/ha da aplicação de silicato de cálcio e não houve resposta significativa para a composição bromatológica.

FARIA et al. (2008) concluíram efeito residual do silicato de cálcio, aos 720 dias após a aplicação, para os atributos químicos do solo relacionados com a correção da acidez (pH em CaCl2, Ca2+, Mg2+, K+, H+ Al e V%) e para o teor de Si, porém, esse efeito não alterou os teores dos componentes químicos foliares avaliados e não afetaram a composição bromatológica.

A aplicação do silicato de cálcio na agropecuária como corretivo para a acidez do solo e consequentemente, aumentar os teores de silício no solo e nas plantas pode ser uma boa alternativa, desde que sua composição esteja isenta de metais pesados.

Referências bibliográficas

PEDREIRA, C.G.S. & MELLO, A.C.L. Cynodon spp. In: SIMPÓSIO SOBRE MANEJO DA PASTAGEM: A PLANTA FORRAGEIRA NO SISTEMA DE PRODUÇÃO, 17., Piracicaba, 2000. Anais. Piracicaba, Fundação de Estudos Agrários Luiz de Queiroz, 2000. p.109-133.

DEREN, C.W.; DATNOFF, L.E.; ZINDER, G.H. & MARTÍN, F. Silicon concentration disease response and yield components of rice genotypes grown on flooded organic Histosols. Crop Sci., 34:733-737, 1994.

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUARIA - EMBRAPA. Serviço Nacional de Levantamento e Conservação de Solos. Levantamento de média intensidade dos solos e avaliação de aptidão agrícola das terras do triângulo mineiro. Rio de Janeiro, 1982. 526p. (Boletim Técnico, 1)

FARIA, L.A.; LUZ, P.H.C.; RODRIGUES, R.C.; HERLING, V.R.; MACEDO, F.B. Efeito residual da silicatagem no solo e na produtividade do capim-Marandu sob pastejo R. Bras. Ci. Solo, 32:1209-1216, 2008

HODGSON, J. Grazing management - Science into practice . Essex, Longman Scientific & Technical, 1990. 203p.

KORNDÖRFER, G.H.; PEREIRA, H.S. & CAMARGO, M.S. Silicato de cálcio e magnésio na agricultura. Uberlândia, Universidade Federal de Uberlândia - Instituto de Ciências Agrárias, 2002. 15p. (Boletim Técnico, 1)

LUZ, P.H.C.; FARIA, L.A.; MACEDO, F.B.; HERLING, V.R.; SANCHES, A.B. Reflexos da aplicação de Silício em pastagem de capim-braquiarão nos atributos químicos do solo. In: Reunião Anual da Sociedade Brasileira de Zootecnia - 44ª RBZ, Jaboticabal, 2007. Anais. Sociedade Brasileira de Zootecnia, 2007.

LUZ, P.H.C.; FARIA, L.A.; RODRIGUES, R.C.; SCHALCH JUNIOR, F.J.; MARTINI, G.L.M.; HERLING, V.R.; MORIMOTO, T.K.; SILVA, E.T.M.; SILVA, S.L. Atributos químicos do solo e planta relacionados com a correção da acidez em capim-braquiarão [ Brachiaria brizantha (Hochst ex a. Rich.) Stapf. cv. Marandu] submetido a doses de silício e intensidades de pastejo. In: Reunião Anual da Sociedade Brasileira de Zootecnia - 42ª RBZ, Goiânia, 2005. Anais. Sociedade Brasileira de Zootecnia, 2005.

8

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

RICARDO SANTOS

RONDONÓPOLIS - MATO GROSSO - PRODUÇÃO DE GADO DE CORTE

EM 24/11/2011

Quando trabalhava na Manah tínhamos um produto diferenciado que apresentava Si em sua formulação. Este produto era direcionado para Milho safrinha e Arroz de sequeiro e apresentava resultados muto bons, sendo comparado apenas com um produto da Mitsui, o Arroz Master. Isto se devia ao fato de o Termofosfato da Mitsui, utilizado na formulação do Arroz Master, tbém apresentar teor de Si. Este Si era responsável, decido a quantidade na formulação, não pela correção de acidez, mas pela maior resistência das plantas ao stress hídrico e a sanidade da planta ( menor incidência de brusone no caso do arroz).

Lembro-me bem que discutíamos a aplicação de Silicatos para correção de solo, mas em níveis menores que os comentados no trabalho acima, coisa de 1/3 da dose de calcário recomendada. Outra coisa que era discutida era a disponibilidade de P quando da aplicação do Silicato.

Na literatura agronômica Alemã e Japonesa este é um assunto que apresenta mtos trabalhos, no entanto, no Brasil não temos mtos trabalhos a respeito, mas que deveria ser insentivado, uma vez que é mais uma opção para o produtor.

Infelizmente ficamos a mercê da industria produtora. para ter uma idéia, a Bunge deixou de produzir este produto da Manah com Si, ao invéz de aprofundar mais nas pesquisas sobre este elemento, seja em formulações para Soja, Algodão, Pastagens, etc.
HERBERT VILELA

BELO HORIZONTE - MINAS GERAIS - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 23/11/2011



Realmente o Silicato de Ca e Mg é muito bom como corretivo do solo. Reduz o tempo de reação com o solo - vantagem considerável.
ROMULO SANTOS NUNES

OLIVEIRA - MINAS GERAIS

EM 04/06/2010

Vale lembrar a todos, que este material passa por peneira imantada, sendo assim retirado todo o material pesado, conferindo assim eficiência na aplicação. Este produto deverá ser adquirido atraves de empresa idonea. Em área de milho, há resposta siginificativa sendo jogado a lanço em cobertura sobre a palhada para plantio direto. Vale muito a recomendação.
HELIO CABRAL JUNIOR

GOVERNADOR VALADARES - MINAS GERAIS

EM 21/05/2009

Caros amigos e articulistas,

Como relato pessoal já usei e aprovei o silicato de cálcio! Na pastagem é 10 e na cana é excepcional! Como estou próximo à Usiminas, seu preço é muito mais competitivo que o calcário.

Com relação aos metais pesados, vai um esclarecimento: estes componentes têm alto valor intrínseco e são "reciclados" da escória pela firma que comercializa o silicato (que na verdade para eles não tem "nenhum valor", sendo sua comercialização como corretivo uma saída que até pode render um "troquinho", já que se tivessem que dispensá-lo em um aterro por exemplo, implicaria em alto custo...).

Outra coisa importante que os articulistas não comentaram é que ele tem um poder de penetração no solo de mais do que o dobro do calcário, o que é uma grande vantagem quando da aplicação em cobertura.

Como dica, apenas comprem o silicato de cálcio (no meu caso Agrosilício) em períodos de baixa umidade, pois ele é higroscópio e empedra que é uma beleza quando exposto à umidade.

Uma outra dica é que seu PRNT (no caso do Agrosilicio) é de 84%; seguindo a recomendação da quantidade necessária para elevação da saturação de bases ao índice desejado, acrescentem 10% de gesso agrícola à quantidade estipulada para neutralização de Al+3 em subsuperfície.

Com a correção com silicato (assim como com calcário) não se notará alteração significativa na produção de MS das forrageiras, entretanto deixará o sistema apto a dar altas respostas à fertilização com macro e micro nutrientes (claro que dependendo da capacidade própria de cada gramínea), pois deve se ter em conta que em saturações de base (V%) próximas à 80 ou ph em 6,9 se dá o máximo aproveitamento dos fertilizantes nitrogenados e potássicos e quase o mesmo com os fosforados.

Cordialmente,
Helio Cabral Jr
LETICIA DE ABREU FARIA

PIRASSUNUNGA - SÃO PAULO - ESTUDANTE

EM 21/05/2009

Prezado Jose Eduardo da Silva,
Nos resultados obtidos em nosso experimento, que foi realizado com silicato de cálcio em pastagem de Brachiaria brizantha, não foi observado efeitos nos teores de enxofre do solo, o que indica baixos teores de enxofre neste produto. O enxofre é um macronutriente importante para os vegetais, assim sua aplicação em solos com baixos teores resultará em resposta benéficas das plantas, principalmente, se o solo estiver corrigido (que é a função do silicato de cálcio) melhorando a absorção dos elementos pelas plantas.
LETICIA DE ABREU FARIA

PIRASSUNUNGA - SÃO PAULO - ESTUDANTE

EM 21/05/2009

Prezado Mario Carlo Vargas Pareto,

O uso de resíduos industriais na agricultura tem sido crescente o que, possibilita o desenvolvimento de programas de controle e fiscalização, principalmente quanto a quantidade e composição desses produtos.

Porém como o senhor relatou, infelizmente vivemos em uma sociedade que nos leva a desconfiança na ação da fiscalização e de empresas, nesse caso a atual proposta seria a de que o produtor realizasse amostragens e analisasse o material em laboratórios credenciados a fim de evitar, não somente problemas ambientais, como possíveis prejuízos na produção agropecuária.
JOSE EDUARDO DA SILVA

JANAÚBA - MINAS GERAIS - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 13/05/2009

Isto é bom se você misturar ele com enxofre ai você vai ver o resultado, bom para o eucalipto, pastagens.
MARIO CARLO VARGAS PARETO

RIO DE JANEIRO - RIO DE JANEIRO - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 11/05/2009

Tudo que possibilita a correção do Ph do solo, a partir da reciclagem de resíduos industriais é de grande importância. Entretanto, não podemos esquecer que a natureza da ganância humana pode comprometer o uso sensato destes subsídios. Além da capacidade para corrigir a acidez do solo e melhoras na produção de pastagem, pelo uso de resíduos da industria siderurgica, o que mais me chamou a atenção neste texto foi o alerta em relação ao risco de contaminação por metais pesados.

Como podemos controlar os possíveis fornecedores destes resíduos, para evitar a contaminação do solo e consequentemente do lençol freático por metais pesados, e evitar suas consequencias, entre as quais diversas formas de cancer, se as empresas e organismos de vigilância estão sujeitas a corrupção tão banalisada em nosso país?

Se já existe algum kit de teste, para aferição da presença de metais pesados nestes resíduos, disponível no mercado. Então a responsabilidade pelo uso de resíduos impróprios recairá sobre o produtor, caso contrário, estaremos diante de mais um caso de responsabilidade solidária ou subsidiária, que como já sabemos, acaba varrida para debaixo do tapete.

Portanto, apesar do uso destes resíduos pode apresentar uma grande economia para o produtor, enquanto a solução apresentada não conter um pacote de produto completo e acabado, (exemplo: resíduo + forma de contrôle + diferença de preço sobre insumo tradicional) não existe produto alternativo viável.