ENTRAR COM FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Uso de feno como alternativa alimentar para ovinos

POR RAFAEL CAMARGO DO AMARAL

E EVANDRO MAIA FERREIRA

PRODUÇÃO

EM 10/11/2006

13
0
Em qualquer sistema de produção agropecuário a meta principal é a produtividade com lucratividade. Para isto, devemos nos basear em quatro pontos importantes para o sucesso da ovinocultura: mercado, genética, saúde e nutrição. Após definirmos a genética, devemos nos concentrar na alimentação dos animais, pois por melhor que seja a composição genética do rebanho que passa a ser estabelecido, a não observação do manejo nutricional adequado, irá impedir o aproveitamento pleno da genética adquirida.

Assim, alguns itens devem ser considerados quando discutimos nutrição. Primeiramente devemos ficar atentos ao planejamento da produção forrageira da propriedade, de forma a maximizar a produção e utilização das pastagens no verão, além de produzir volumosos de forma eficiente e economicamente viável para suplementação do rebanho nos meses de inverno, período em que ocorre a redução da capacidade produtiva das pastagens.

Neste contexto, devemos considerar a necessidade de suplementação das matrizes com volumosos, para suprir a queda de produção das pastagens. Além disso, em sistemas intensivos de produção onde se preconiza a produção de cordeiros super precoces, o ganho de peso individual em confinamento deve ser ao redor de 300 gramas/dia para que os animais cheguem rapidamente ao peso de abate, com bom grau de acabamento de carcaça.

Para tanto, se faz necessário à utilização de rações com 16% de proteína bruta e alta energia. Rações com até 90% de concentrado na matéria seca tem sido utilizadas para o atendimento das exigências nutricionais dos animais. Porém, para que se possa obter adequado desempenho dos animais no confinamento, além, do balanço adequado de energia e proteína, um teor mínimo de fibra fisicamente efetiva é requerida.

A fibra é um componente muito importante na dieta de ruminantes, está associada ao estímulo da mastigação, motilidade ruminal, secreção de saliva, manutenção da estabilidade ruminal, consumo de matéria seca, além de fornecimento de energia. Por outro lado, quando há pouca forragem na dieta e as exigências em fibra não são devidamente atendidas, o animal pode apresentar problemas metabólicos, como a acidose ruminal, com redução no desempenho e podendo chegar à morte.

Nas duas situações, o feno surge como uma das possíveis soluções, tanto ao problema da estacionalidade de produção das plantas forrageiras, permitindo que o excedente de forragem, ou em áreas exclusivas de cultivo, possa ser armazenado e empregado na alimentação dos animais em épocas de escassez (período seco do ano). Constituindo-se em importante fonte constante de alimento, também representando excelente alternativa para a utilização como fonte de fornecimento de fibra fisicamente efetiva em dietas de alto concentrado para acabamento de cordeiros em confinamento.

Dentre os fatores a serem observados para produção de feno, convém enfatizar que a qualidade da forragem no momento da colheita é de importância primária. A época ideal de corte seria aquela em que a forrageira estaria mais adequada para a fenação, sob o aspecto qualitativo e quantitativo. Portanto, esta época não pode ser definida em termos somente de crescimento ou de datas de cortes pré-fixadas, mas sim, em períodos de descanso da cultura, condições locais do meio e aspectos econômicos.

O valor nutritivo das plantas diminui com a maturidade, mas à medida que o tempo de crescimento é prolongado a produção de matéria seca por unidade de área aumenta. Com o crescimento, ocorrem alterações que resultam na elevação dos teores de compostos estruturais, tais como celulose, hemicelulose e lignina e, paralelamente, diminuição do conteúdo celular.

Além destas alterações, é importante salientar que a diminuição na relação folha/caule resulta em modificações na estrutura das plantas. Desta forma, é de se esperar que as plantas mais velhas apresentem menor conteúdo de nutrientes potencialmente digestíveis. Dados de Alvim et al. (1996), registram aumentos progressivos no teor de FDN e reduções no teor de PB e na relação caule/folha, para o capim "coast-cross", à medida que o intervalo entre cortes aumentou (Tabela 1).

Tabela 1. Efeitos da freqüência de corte, durante as épocas de chuva e de seca, sobre a qualidade do capim "coastcross".


* F/C: relação folha/caule; PB: proteína; FDN: fibra em detergente neutro; expressos em % da MS.
Fonte: Adaptado de Alvim et al. (1996).

A qualidade de um feno depende de sua composição química, palatabilidade e digestibilidade, que por sua vez estão na dependência de diversos fatores. Variações na composição são causadas por enzimas e é sabido que as enzimas respiratórias e hidrolíticas presentes nas células vivas continuam suas funções até que alguma condição letal intervenha.

A fenação é, portanto, um processo de conservação no qual há a necessidade de desidratação enérgica e parcial da massa, retirando-se a água disponível, para que ocorra a ação deletéria de microorganismos, fazendo com que o produto final (feno) se conserve por muito tempo.

Na fenação, além da perda natural de água, ocorrem outras que afetam partes ou componentes da planta, durante a secagem, principalmente quando esta é exagerada. A principal mudança na composição química refere-se à perda de carboidratos solúveis. Como estes carboidratos são de alta digestibilidade, a perda no valor nutritivo é maior que a perda de matéria seca considerada isoladamente.

Por exemplo, em leguminosas, ocorre decréscimo de 7 para 3,7% nos açúcares totais (base MS). A maior perda é de glicose e frutose, mas há algum decréscimo também de sacarose. Há pouca variação no teor de hexoses após a secagem de uma gramínea por 24 horas, mas significativa perda em sacarose (6,2 para 5,4%) e frutose (9,6 para 5,2%), o que evidência a hidrólise de hexoses livres. A frutosana em uma gramínea decresce, hexoses não mostraram perdas e a sacarose aumenta. Este último fenômeno é explicado pela sua síntese durante o período de emurchecimento.

Muitos pesquisadores verificaram que o amido, como também a frutosana, são hidrolisados e que açúcares desdobrados são perdidos através da respiração. Por outro lado, alguns pesquisadores verificaram aumento de polissacarídeos, possivelmente por síntese. Os carboidratos das paredes das células freqüentemente, aumentam. Este fato pode ser somente aparente, por causa da variação da matéria seca e a porcentagem a ser calculada tendo ela como base. A fotossíntese também pode contribuir no estágio inicial de emurchecimento, mas isto representa muito pouco.

Quanto à perda de substâncias nitrogenadas, a secagem à temperatura ambiente resulta em pequenas perdas quando comparada com as perdas de carboidratos. As proteases da planta são ativas durante o emurchecimento e o nitrogênio solúvel total aumenta. Este é formado por peptídeos, aminoácidos, amidas e bases voláteis. Tendo em vista que todas as formas de nitrogênio são disponíveis para os ruminantes, não há grande perda no valor nutritivo causada por estas interconversões. A estimativa é que ocorre uma perda de 2,5% de nitrogênio.

Diante disto, o feno pode representar uma rica fonte de nutrientes essências para os ovinos. Contudo, de acordo com cada categoria animal, estado fisiológico, e nível de produção as rações devem ser devidamente balanceadas.

Referências bibliográficas

ALVIM, M.J.; RESENDE, H.; BOTREL, M.A. Efeito da freqüência de cortes e do nível de nitrogênio sobre a qualidade da matéria seca do "Coastcross". In: WORKSHOP SOBRE O POTENCIAL FORRAGEIRO DO GÊNERO CYNODON, 1996, Juiz de Fora. Anais... Juiz de Fora: EMBRAPA-CNPGL, 1996. p.45-56.

RAFAEL CAMARGO DO AMARAL

Zootecnista pela Unesp/Jaboticabal.
Mestre e Doutor em Ciência Animal e Pastagens pela ESALQ/USP.
Gerente de Nutrição na DeLaval.
www.facebook.com.br/doctorsilage

EVANDRO MAIA FERREIRA

Doutor em Ciências - Programa: Ciência Animal e Pastagens da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, Universidade de São Paulo (ESALQ/USP). Com área de concentração em Produção de Ovinos e Caprinos/Nutrição de Ruminantes.

13

COMENTÁRIOS SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Seu comentário será exibido, assim que aprovado, para todos os usuários que acessarem este material.

Seu comentário não será publicado e apenas os moderadores do portal poderão visualizá-lo.

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

RAFAEL CAMARGO DO AMARAL

PIRACICABA - SÃO PAULO - PESQUISA/ENSINO

EM 22/08/2012

Prezado Rudimar,



Eu prefiro moer o milho. Estudos indicam que o aproveitamento do amido é maximizado com o processo de moagem, ou seja, a comparação entre o grão inteiro e o grão moído, é que o aproveitamento do milho processado será maior. Isso pode refletir em maior desempenho e também em redução de custos.



A ração vai depender da categoria animal, geralmente a ração é constituída de milho, farelo de soja, casca de soja, polpa citrica. O uso de co-produtos servem para redução dos custos da dieta para um mesmo desempenho. Na ração também se deve incluir o núcleo mineral, o qual deve ser específico para ovinos, pois esta espécie é bastante susceptível a elevados níveis de minerais, como o cobre.



Atenciosamente



Rafael Amaral
RUDIMAR

CONCÓRDIA - SANTA CATARINA

EM 21/08/2012

Rafael o que você me indica é melhor eu dar milho moído ou em grão  para as ovelhas já assisti reportagens  em que vi ovelhas comendo milho em grão o que você me indica.e o que devo mistura para fazer uma boarçâo.
RAFAEL CAMARGO DO AMARAL

PIRACICABA - SÃO PAULO - PESQUISA/ENSINO

EM 17/12/2011

Prezado José Roberto,



Acredito que sim. Por gentileza, me dê algumas informações sobre esse milho hidropônico, por exemplo, a utilização seria da planta inteira, somente da parte volumosa?



Uma análise bromatológica seria essencial.



Atenciosamente

Rafael Amaral
JOSÉ ROBERTO DA SILVA

PONTA PORÃ - MATO GROSSO DO SUL - PRODUÇÃO DE OVINOS

EM 09/12/2011

No inverno poderiamos associar ao feno, o milho hidropônico que é de baixo custo e aumenta substancialmente a quantidade de proteinas dadas ao rebanho. Obrigado Prof. Roberto - roberto.ovinos@gmail.com
RAFAEL CAMARGO DO AMARAL

PIRACICABA - SÃO PAULO - PESQUISA/ENSINO

EM 06/12/2011

Prezada Marli,



Pode alimentar o gado leiteiro com feno de aruana.

A quantidade a ser fornecida é muito dependente da capacidade produtiva e raça dos animais.

Caso possa me passar, consigo te falar a quantidade.

Atenciosamente



Rafael & Thiago
MARLI

MARECHAL CÂNDIDO RONDON - PARANÁ - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 05/12/2011

pode-se alimentar gado leitero com feno de aruana?qual sua proporçao?
RAFAEL CAMARGO DO AMARAL

PIRACICABA - SÃO PAULO - PESQUISA/ENSINO

EM 13/10/2009

Prezado Edmar de Queiroz Machado,

Infelizmente não posso te ajudar muito com informações dessa forrageira, pois nunca trabalhei com a mesma.
Pelo que li a respeito esta forrageira apresenta um alto teor de fibra e sua produtividade não é muito elevada.

Atenciosamente

Rafael
EDMAR DE QUEIROZ MACHADO

QUIXADÁ - CEARÁ - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 12/10/2009

Caro Dr. Rafael, parabens...

Gostaria de receber algumas informações sobre o ¨RAMI¨, como forrageira, particularmente no semi -árido com irrigação, visto o alto teor de proteina.

Grato,
RAFAEL CAMARGO DO AMARAL

PIRACICABA - SÃO PAULO - PESQUISA/ENSINO

EM 08/09/2009

Prezado Noah G. dos Santos,

Apesar de não ter experiência com feno de aruana, acredito que se respeitado a altura de corte correta do capim seu valor nutritivo será positivo. Em relação a outras espécies, as comumente utilizadas são as do gênero Cynodon, como exemplo o capim Tifton 85.
Acredito que o Aruana possa ter uma perda em valor nutritivo em relação ao Cynodon por parte de sua fração fibrosa que é menos disgestível.

Atenciosamente

Rafael Amaral
NOAH G. DOS SANTOS

PARANAVAÍ - PARANÁ - PRODUÇÃO DE OVINOS

EM 31/08/2009

em 1º lugar parabéns Rafael, o seu artigo é realmente consistente.

DR.eu gosteria de saber a respeito da fenação da pastegem ARUANA, qual o valor nutricional desse feno? e qual outra pastagem que eu poderia usar pra fazer fenos pra ovinos?
MUITO OBRIGADO
RAFAEL CAMARGO DO AMARAL

PIRACICABA - SÃO PAULO - PESQUISA/ENSINO

EM 11/03/2008

Prezado Rodrigo Jose Tomasi,

O feno é muito utilizado em rações de alto concentrado para ovinos em terminação, onde a grande maioria dos trabalhos o utilizam na proporção de 10%.

Agora, para outras categorias talvez outras fontes de volumoso pudessem ser utilizadas para redução de custos.

Reprodutores que não estão em monta podem receber 100% de feno de qualidade, ovelhas em lactação de 50 a 60% de volumoso.

Atenciosamente,
Rafael
RODRIGO JOSE TOMASI

GAMA - DISTRITO FEDERAL

EM 09/03/2008

Ótimo artigo Dr. Rafael!
Eu gostaria de saber a quantidade de feno que deve ser fornecido diariamente para as diferentes categorias animais.
MUITO OBRIGADO.
CELSO FERNANDO DE OLIVEIRA VEIGA

LUIS EDUARDO MAGALHÃES - BAHIA - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 14/11/2006

Meus parabéns Rafael. Seu artigo está ótimo. Espero haver maior interesse de criadores de ruminantes pela fenação de gramíneas. Ao meu ver, o sucesso da ovinocultura está diretamente relacionado a uma produção eficiente de fenos.