FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Silagem de grão úmido - o floculado brasileiro - Parte 1 de 2

POR INGRID MONTEIRO MEDINA

E ANDRESSA NATEL

PRODUÇÃO

EM 24/11/2010

2 MIN DE LEITURA

2
0
A silagem de grão-úmido é um processo de ensilagem onde a colheita e estocagem são feitas somente com os grãos da planta de milho, quando a umidade do mesmo estiver entre 30 e 40%. No Brasil ela foi introduzida no final dos anos 80, porém o uso por ruminantes só foi mais difundido nos últimos 4 anos, devido a disseminação das dietas de terminação com alto concentrado e o atendimento das necessidades nutricionais em confinamento com baixos custos. Portanto, hoje, vem sendo extremamente utilizada pelos pecuaristas, por permitir que os mesmos estoquem os grãos em suas propriedades de uma maneira prática, econômica e sem alterar os valores nutricionais do milho.

Tabela 1 - As 10 vantagens do uso do milho úmido sob o milho-grão



A colheita é feita com colhedora convencional de grão e deve ser realizada quando o grão de milho apresentar 30 a 40% de umidade, seu ponto ideal de corte é verificado quando a planta atinge sua maturidade fisiológica. Isso ocorre cerca de 50-55 dias após o espigamento, quando já não há transição de nutrientes das folhas e caule para os grãos. Pode-se identificar esse estágio quando for observada uma camada preta na ponta do grão, para isso o agricultor seleciona algumas espigas de diferentes pontos da lavoura, quebra-as ao meio e observa esse ponto nos grãos centrais da espiga. O ponto de colheita, quando comparado ao milho-grão, é antecipado praticamente em 30 dias, o que possibilita um segundo cultivo em safrinha, se as condições climáticas locais forem favoráveis.



A antecipação na colheita propicia redução nas perdas no campo por acamamento, adversidades climáticas, ataques de insetos, pássaros e predadores. O milho-úmido também diminui os gastos com outras operações dispendiosas como o transporte desse cereal até o silo-graneleiro, limpeza e secagem para armazenamento. Além da vantagem de não computar descontos pagos por umidade, impurezas e grãos ardidos como ocorre com o milho-grão. Essas vantagens conferem ao pecuarista produzir o grão úmido a um custo de 7% a 15% menor que o grão-seco.

Após a colheita, debulha das espigas e moagem o material deve ser ensilado no mesmo dia da colheita, para evitar fermentação indesejável e perda de valor nutritivo. O material deve ser bem compactado que possibilite um ambiente anaeróbico para a fermentação. A silagem deve ser utilizada logo após a retirada do silo, evitando deterioração e perda do valor nutritivo por contato com o meio.



O uso de inoculante traz benefícios como menor perda durante o processo de fermentação, evita formação de ácidos indesejáveis (Butírico e Propiônico) e perdas superficiais. Possibilita uma melhora na fermentação e na palatabilidade. Além de aumentar a estabilidade após abertura do silo.

O desempenho animal também pode ser melhorado com o uso da silagem de grão úmido, tendo relatos de um incremento de até 20% na conversão alimentar observada no milho-grão, pois o milho úmido possibilita uma maior digestibilidade ruminal e degradabilidade do amido proporcionado pela colheita antecipada do milho, o que impede que a matriz protéica que protege o amido se solidifique totalmente, ficando mais disponibilizado.

É importante ressaltar que o tempo de armazenamento da silagem depende da compactação e da vedação do silo, e que após o uso da mesma, o silo deve sempre ficar bem fechado. Durante o fechamento do silo é importante retirar todo o ar que está sob a lona, colocar um peso sob a lona também é importante, para que o vento não levante a lona, e o uso de uma lona de qualidade. Com um bom manejo da silagem, desde a colheita do grão, você consegue um alimento de menor custo com bom retorno no desempenho animal.

INGRID MONTEIRO MEDINA

Mestre em Ciências na área de concentração de Ciência Animal e Pastagens com ênfase em Ciência de Carnes (Qualidade Final)...

ANDRESSA NATEL

Mestre em Zootecnia com ênfase em Produção Animal pela FMVZ/UNESP. Atualmente trabalha como consultora na Sima Consultoria.

2

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

ANDRESSA NATEL

ALFENAS - MINAS GERAIS - PESQUISA/ENSINO

EM 08/12/2010

Prezado Junior, agradecemos sua manifestação, como foi mencionado o ponto ideal de colheita ocorre quando o grão apresenta entre 32% a 36% de umidade. Na prática, o ponto de colheita é quando a espiga apresenta-se com palhas secas e o grão já maturado fisiologicamente. Você irá perceber que haverá uma camada preta formada na base dos grãos, em dias, isso ocorre com cerca de 50 dias após a polinização. Já a silagem de planta inteira, o ponto de corte é quando o grão de milho apresenta-se no estágio farináceo-duro, com teor de umidade entre 65% a 68%. O tempo entre um e outro, em dias, é aproximadamente 15 a 20 dias, entretanto, esse tempo é altamente dependente das condições climáticas, pois se tiver um veranico a planta apresentará um comportamento (perderá mais água) diferente do observado se o período for mais chuvoso (leva mais tempo para secar).
JUNIOR PIASECKI

SÃO MIGUEL DO OESTE - SANTA CATARINA

EM 25/11/2010

Parabéns as Zootecnistas Ingrid e a Vanessa pelo excelente artigo. Muito objetivo e esclarecedor, da forma que precisamos. Plantei milho para confinamento e agora vou colher como grão úmido. Quantos dias a mais precisarei esperar do ponto de silagem pé inteiro para fazer a silagem de grão úmido?

Obrigado