FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Sanidade animal: uma agenda ampla e estratégica para o Brasil

POR FRANCISCO SELMO FERNANDES ALVES

PRODUÇÃO

EM 16/10/2008

3
0
A sanidade animal sempre foi importante e estratégica para qualquer país, principalmente para aqueles que, como o Brasil, são líderes na produção de alimentos. As notícias da incidência de surtos de febre aftosa, mal da vaca louca e gripe aviária, causando prejuízos ao comércio mundial e preocupação à saúde pública, intensificam a importância pelo tema sanidade animal.

A agenda é ampla, dentre esta, temas que envolve a erradicação da febre aftosa, a inocuidade dos alimentos, as zoonoses novas e emergentes, a eliminação da raiva humana e a cooperação das instituições nacional e internacional frente a problemas que surjam na agropecuária e saúde humana. Para isto, a ampliação da base de conhecimento sobre as doenças nas espécies animais permitirá a melhora dos métodos de controle e erradicação das enfermidades, principalmente aquelas que impactam a pauta de exportação.

A formação de equipes em sanidade animal e suas articulações, o intercâmbio com pesquisadores em outros países, a prospecção de novas idéias e formas de prevenção e controle das doenças serão objetivos no fortalecimento aos esforços anteriormente realizados. Como exemplo, destacam-se as tentativas de desenvolvimento de métodos de diagnósticos mais sensíveis, práticos e de custo acessível, bem como da escolha de abordagens técnicas para auxiliar a vigilância epidemiológica e a defesa sanitária animal, tendo como alvo as enfermidades em fase de preparo de campanha de controle e erradicação.

Novas estratégias de controle de doenças que permitam reduzir a dependência de compostos químicos e tenham ênfase na prevenção, podem gerar informações para as agências reguladoras, garantindo processos produtivos saudáveis e alcançando mercados específicos.

A busca por resultados nos programas de sanidade animal deverão ser pautados pelo uso da inovação da informação como instrumento de articulação e cooperação com as instituições de pesquisa, ensino e de defesa sanitária nacional e internacional, visando-se antecipar às perguntas e investigar o futuro. Estes objetivos tem como metas a segurança nacional e visão estratégica, em relação ao risco de introdução de novas doenças, as barreiras sanitárias e comerciais, o que aumenta a importância da Defesa Sanitária Animal e a responsabilidade dos setores público e privado para a sua implementação.

No plano do avanço do conhecimento, resultados deverão ser perseguidos no uso da genômica funcional como instrumento para obtenção de animais resistentes ao parasitismo/doenças, de marcadores moleculares e da proteômica na identificação de moléculas bioativas com potencial de controle de microrganismos causadores de doenças. A produção de novas fórmulas e biofármacos para uso humano e animal serão alvos prioritários. A exploração das características genômicas e proteômicas funcionais para detecção e tipagem de patógenos, análise de genes envolvidos na patogenia, na regulação da resistência e de interesse econômico, o sequenciamento do genoma de microrganismos impactantes para cada espécie animal, bem como a trangenia animal para produção de biofármacos para uso humano serão importantes no contexto animal versus saúde pública. A prospecção e a possibilidade da utilização da nanotectologia como ferramenta biotecnológica para o diagnóstico de doenças, no aumento do desempenho de medicamentos a tratamentos específicos pela liberação controlada e a nanomanipulação de genes serão também priorizadas como áreas estratégicas ao avanço da sanidade animal.

O uso de tecnologias biomoleculares poderão ser utilizadas para avaliar o efeito ambiente sobre a sobrevivência, virulência e detecção de microorganismos, antecipando, assim, as perdas na produção. A validação destas tecnologias visará também ao diagnóstico mais rápido e sensível das enfermidades. A implementação do estudo de vacinas específicas a cada espécie animal também deverá ser prospectada. A busca de experiência nas instituições internacionais no manejo de microorganismo semelhante será uma estratégia adotada visando identificar opções de abordagens que possam aumentar a eficiência dos processos de prevenção já desenvolvidos até então, como também prospectar instituições locais de estudo da microbiota ruminal com intuito de propiciar a redução da produção de metano, o qual representa um fator importante no aquecimento global.

Na questão da inocuidade dos alimentos procurar-se-á acompanhar o desenvolvimento e padronização de métodos rápidos e mais eficientes de detecção e quantificação de agentes biológicos e químicos, de forma a facilitar a rastreabilidade e o controle das matérias-primas e dos alimentos processados, o que garantirá maior segurança e qualidade dos produtos agropecuários. Novas estratégias de implementação da gestão associada à segurança e qualidade dos alimentos através de Boas Práticas Agropecuárias e de Fabricação, Produção Integrada e Análise de Perigos e Pontos Críticos de Controle serão acompanhadas para a redução de perigos biológicos, químicos e físicos, ou seja, o uso de técnicas quarentenárias.

O aprimoramento do acervo do conhecimento existente na área de sanidade animal no contexto Brasil, se consolidará na execução de projetos estratégicos em rede em nível nacional e na validação de tecnologias. Novas propostas servirão para fomentar outras pesquisas criando oportunidades para áreas afins e para o aperfeiçoamento de pesquisadores e técnicos. Tendências novas e direcionamentos no diagnóstico e controle das doenças nas diversas espécies animais deverão ser discutidos em fórum específico, buscando-se o fortalecimento de políticas públicas e da Defesa Sanitária em nosso País.

A melhoria da capacidade interlaboratorial em sanidade animal no Brasil, a produção de insumos e a utilização de técnicas imunológica, microbiológica e molecular deverão ser prioridades com objetivo de fortalecer a nossa agenda ampla e estratégica para o País.

FRANCISCO SELMO FERNANDES ALVES

3

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

PAULO VICTOR SCHMIDT

ALTA FLORESTA D'OESTE - RONDÔNIA - ESTUDANTE

EM 09/07/2014

gostei mas eu queria saber de todas as instalaçoes  do curral de ordenha

JOSÉ TELES DE MORAIS

PAULISTANA - PIAUÍ

EM 07/09/2013

Parabens, Dr.  Francisco Selmo, O texto é otimo, simples, fonte de estudo, abrangindo de tudo um pouco  sanidade animal. Muito bom
MÁRCIO APARECIDO VILARINHO GOMES

CAPINÓPOLIS - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE OVINOS DE CORTE

EM 16/10/2008

Gostaria de saber como faço para programar um calendario de sanidade no meu rebanho de ovino e caprino?