FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Qualidade da carne ovina: parte 2

POR INGRID MONTEIRO MEDINA

E ANDRESSA NATEL

PRODUÇÃO

EM 19/09/2008

7
0
Idade e sexo na maciez

A tendência mundial do mercado de carnes vermelhas está mais direcionada em satisfazer os requerimentos dos consumidores em termos da qualidade do produto. Sendo que o grau de satisfação, derivado do consumo da carne, de modo geral, depende de respostas psicológicas e sensoriais inerentes a cada indivíduo. Os fatores que influenciam na reação de gostar ou não são: aparência, maciez, suculência e sabor. Esses aspectos podem variar de acordo com a idade dos animais, sexo, raça e alimentação. Contudo no Brasil, tratando-se de ovinocultura de corte os consumidores apresentam características de gosto regionais, existindo duas modalidades de produção predominante; cordeiros de maior e menor idade ao abate.

Trabalhos conduzidos com ambas as modalidades de produção, em várias raças de bovinos, mostraram que quanto à força de cisalhamento, isto é, a grandeza da força aplicada correspondente a maior resistência ao corte, valores mais altos foram verificados nos animais mais velhos e, sensorialmente, o atributo maciez apresentou diferença significativa, entre os sexos desses animais. Em um trabalho realizado por BABIKER, KHINDER & SHAFIE (1990), a força de cisalhamento medida no músculo Longissimus dorsi de cordeiros teve resultados médios de 3,6 kg/cm2.

Em ovinos, o sexo e a idade dos animais são determinantes da maciez da carne. A diminuição da maciez ocorre com o avanço da idade do animal, como resultado de mudanças no tecido conjuntivo. O conteúdo em colágeno varia pouco com a idade dos animais, mas seu estado de reticulação, número de ligações cruzadas intermoleculares das fibras de colágeno, provavelmente, aumenta com o crescimento, deixando as fibras colágenas mais robustas, tornando-se cada vez mais insolúveis, resultando uma carne mais dura, de difícil mastigação.

Com o aumento da idade do animal, a flexibilidade e solubilidade de colágeno existente no tecido conjuntivo diminuem, aumentando a dureza da carne. Para TOURALLE (1991), a concentração de colágeno varia com a idade do animal, diminuindo conforme aumenta a idade, deixando a carne menos macia. Por outro lado, pesquisas com carne ovina relatadas por OSÓRIO et. al (1998) mostraram um aumento da maciez, desde 1 mês de idade até os 5 meses.

Em relação ao efeito do sexo com a qualidade da carne a maioria dos estudos demonstra que não há maiores prejuízos no Ph e capacidade de retenção de água, assim como não afeta sensorialmente as características organolépticas da carne (BIANCHI, 2006), tal qual pode ser observado na Tabela 1.

Tabela 1 - Avaliação do consumidor sobre atributos da carne de cordeiro macho e fêmea.


Fonte: BIANCHI (2006)

A percepção da textura é resultado de um conjunto de sensações distintas, entre as quais, a maciez constitui-se um parâmetro importante no estudo de qualidade da carne. A maciez pode ser definida como a facilidade com que a carne se deixa mastigar. A maciez, como um indicador da textura da carne, divide-se na facilidade de penetração e corte e na resistência de ruptura das miofibrilas ao longo da mastigação.

Essa diferença da maciez, entre os sexos, pode ser observada em animais adultos da mesma idade, sendo que as fêmeas fornecem uma carne mais macia. SAÑUDO (1991), trabalhando com animais jovens, não encontrou diferenças na maciez de carne de machos e fêmeas. Mas em animais adultos, parece existir uma tendência dos machos produzirem carne mais dura. Em cordeiros jovens, de 70-90 dias, OSÓRIO et. al (1998) não encontraram diferenças significativas entre machos e fêmeas. Em adultos, a carne de carneiros parece ser significativamente mais dura do que as de ovelhas. Entretanto, ZAPATA et. al (2004), avaliando o efeito do sexo sobre a qualidade da carne de alguns cortes de ovinos, observou na análise sensorial, que a carne de machos castrado obteve melhor textura, seguida pela de fêmeas sendo ambas superiores a carne dos machos inteiros que apresentaram também menor conteúdo de gordura.

O sabor e a aceitabilidade, também são características sensoriais levadas em consideração pelo consumidor no momento de dar preferência a um tipo de carne. Uma vez que a carne ovina, assim como a caprina, cozidas apresenta um aroma bastante característico. MADRUGA et. al (2002), trabalhando com caprinos castrados e inteiros abatidos em diferentes idades, constatou que o fator idade ao abate foi o parâmetro que mais afetou as características físico-químicas e sensoriais da carne caprina. Mesmo não sendo detectada diferença significativa, ficou evidente que os animais mais jovens receberam maior pontuação para as características aparência, maciez e suculência.

Levando-se em consideração o tamanho do território nacional e os distintos gostos regionais, os dados que se tem na literatura não permitem precisar a influência do parâmetro idade de abate, assim como sexo ou o efeito do castrado. Porém, de modo geral, tratando-se de características sensoriais, a carne de animais jovens sempre se mostra a preferida dos provadores.

Referências Bibliográficas

BABIKER, S.A., KHINDER, I.A., SHAFIE, S.A. Chemical composition and quality attributes of goat meat and lamb. Meat Sciense, v.28, p.273-277, 1990.

BIANCHI, G. Alternativas tecnológicas para La produccion de carne ovina de calidad em sistemas pastoriles. Uruguai, 283p., 2006.

MADRUGA, M.S.; NARAIN, N.; ARRUDA, S.G.B.; SOUZA, J.G.; COSTA, R.G.; BESERRA, F.J. Influência da idade de abate e da castração na qualidade físico-químicas, sensoriais e aromáticas da carcaça caprina. Revista Bras. De Zootec., v.31, n.3, p. 1562-1570, 2002.

OSÓRIO, J.C., ASTIZ, C.S., OSÓRIO, M.T., et al. Produção de carne ovina, alternativa para o Rio Grande do Sul. Pelotas: UFPel. 136p. 1998.

SAÑUDO, C. La calidad organoléptica de la carne com especial referencia a la especie ovina. Fatores que la determinan, metodos de medida y causas de variacion. Zaragoza : Universidade de Zaragoza. 225p. 1991.

TOURALLE, C. Qualités organoleptiques des viandes bovine et ovine. Station de Recherches Sul la Viande : I. N. R. A., Theix. p.32-42. 1991.

ZAPATA, J.F.F.; GONÇALVES, L.A.G.; RODRIGUES, M.C.P.; BORGES, A.S. Efeito do sexo e do temperamento sobre a qualidade da carne ovina. Ciênc. Tecnol. Aliment., Campinas, v.24, n.3, p. 459-467, jul-set, 2004.

INGRID MONTEIRO MEDINA

Mestre em Ciências na área de concentração de Ciência Animal e Pastagens com ênfase em Ciência de Carnes (Qualidade Final)...

ANDRESSA NATEL

Mestre em Zootecnia com ênfase em Produção Animal pela FMVZ/UNESP. Atualmente trabalha como consultora na Sima Consultoria.

7

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

NATHÃ CARVALHO

ALEGRETE - RIO GRANDE DO SUL

EM 26/11/2012

Parabéns pela explanação.

Gostaria de saber mais sobre essas técnicas pós-abate e como elas favorecem a utilização desses animais mais velhos. Obrigado.
INGRID MONTEIRO MEDINA

CAMPO GRANDE - MATO GROSSO DO SUL - ZOOTECNISTA

EM 17/10/2008

Prezado Flávio Belmonte R. da Silva.. Como é de conhecimento em um rebanho comercial ovino as ovelhas são utilizadas até 6 ou 7 anos, sendo descartadas com idade avançada, não oferecem assim carne com características qualitativas ideais desejadas. Desta forma, uma das alternativas para a utilização da carne desses animais mais velhos, seria destinar suas carcaças para a fabricação de embutidos, ou aplicar técnicas pós-abate, como o uso de cloreto de cálcio, visando melhorar as características organolépticas da carne, como maciez e sabor, além de mascarar o odor indesejável. Ingrid Monteiro Medina e Andressa Santanna Natel.
ELINEU NOGUEIRA

NOVA ALVORADA DO SUL - MATO GROSSO DO SUL - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 06/10/2008

Parabéns pelo artigo.
Devido ao grande potencial na ovinocultura brasileira, acredito que trabalhos como este fomentam o setor, e o consumidor deve ter mais acesso a informações sobre qualidade da carne ovina para que possa aumentar o consumo.
FLÁVIO BELMONTE R. DA SILVA

SÃO SEBASTIÃO DO CAÍ - RIO GRANDE DO SUL

EM 29/09/2008

Caros amigos.

Sem dúvida um artigo muito interessante. Lamento, porém, como já foi referido, que nosso mercado não está qualificado o bastante para uma maior busca de qualidade. Falta-nos padronização e tipificação de caraças.

Gostaria de saber, se vocês possuem dados acerca da carne de animais adultos.

Explico: Até que idade poderiamos fazer um descarte de fêmeas, de maneira a que o produto não seja de "tão má qualidade assim?".
Saudações.
INGRID MONTEIRO MEDINA

CAMPO GRANDE - MATO GROSSO DO SUL - ZOOTECNISTA

EM 24/09/2008

Prezada Bruna Doti Joaquim, obrigada pela mensagem. Bem, sabe-se que com o aumento do peso corporal e conseqüentemente da idade ao abate, a relação músculo:gordura tende a diminuir, em razão da maturidade fisiológica de cada tecido.

Ou seja, animais adultos apresentam uma maior deposição de tecido adiposo na carcaça, em relação aos jovens. Contudo, uma relação músculo:gordura entre 3,3 a 2,8 pode ser conseguida com pesos ao abate entre 25 a 35 kg, ou seja, em torno de 13kg o peso da carcaça fria seria o ideal, pois proporciona maior equilíbrio quanto às características quantitativas da carcaça.

Não esquecendo que fatores como raça e regime alimentar devem ser levados em consideração quando se trata de deposição de gordura na carcaça. Atenciosamente. Ingrid Monteiro Medina e Andressa Santanna Natel.
LUCIA MABEL SAAVEDRA BOUSSES

CAMPO ALEGRE - SANTA CATARINA - PRODUÇÃO DE OVINOS

EM 22/09/2008

O artigo é muito educativo... é importante que o consumidor consiga perceber estes fatores e assim exigir produtos com estas qualidades. Ao contrario de outros mercados mais estruturados, não temos ainda cortes padronizados que permitam ao consumidor avaliar a qualidade da carne ovina.
BRUNA DOTI JOAQUIM

SÃO BERNARDO DO CAMPO - SÃO PAULO - ESTUDANTE

EM 22/09/2008

Parabéns pelo artigo, é muito complicado falar de qualidade da carne ovina , sem termos um padrão de carcaça ovina , como vocês comentaram na 1° parte . Qual seria o peso de carcaça ideal para conseguir uma relação boa de carne e gordura .

Obrigada.