FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Processos fermentativos da silagem

PRODUÇÃO

EM 01/03/2010

0
0
A silagem é o produto final da fermentação da massa de forragem sem a presença de oxigênio, realizada por bactérias, que consomem, principalmente, os açúcares disponíveis no material depositado no silo.

A fermentação que ocorre no silo é uma conversão de carboidratos solúveis em ácidos orgânicos, através de microrganismos inerentes ao meio ou exógenos, que foram intencionalmente aplicados com o intuito de aumentar a eficiência desta fermentação. Desta forma, a ocorrência destas fermentações é orientada pela quantidade e tipo de microrganismos presentes no silo, bem como pelo teor de matéria seca, poder tampão e teor de carboidratos solúveis do volumoso (glicose, frutose, sacarose e frutosanas) que devem representar de 8 a 10% da matéria seca para uma boa fermentação.

Os ácidos orgânicos oriundos da fermentação de silagens são:

- láctico;
- acético;
- butírico.

A importância da produção destes ácidos está ligada ao abaixamento do pH dentro do silo, que propiciará a conservação da silagem, pois com pH baixo, em torno de 4.0, a multiplicação de microrganismos indesejáveis, como Clostridium, causadores da deterioração do material, é inibida.

A fermentação butírica demora a abaixar o pH, pois o produto desta fermentação é o ácido butírico, um ácido fraco, e que por isto demora a baixar o pH da massa, causando uma extensão do processo fermentativo.

Este prolongamento da fermentação, que causa diminuição na qualidade do produto final, também é causado pelo excesso de água, pois a água em excesso promove uma diluição dos ácidos orgânicos, inibindo o abaixamento do pH dentro do silo.

A presença de água no silo em demasia também favorece a multiplicação de bactérias aeróbias, Clostridium, que são responsáveis pela diminuição do teor de proteínas do volumoso que será ensilado. Por isto, existe a necessidade de se ensilar materiais com teores de umidade adequados e da expulsão do ar do interior do silo.

Portanto, a ensilagem de material com excesso de umidade e sem a expulsão (compactação) do ar impedem a conservação do material original, causando grandes perdas na estocagem.

Na ensilagem de cana de açúcar, por exemplo, a ocorrência de leveduras é alta, promovendo a conversão dos carboidratos solúveis em etanol, gás carbônico e água, ocasionando perdas energéticas e diminuição excessiva de ácidos láticos e acéticos.

Estas leveduras não são controladas pelo abaixamento de pH. Apesar de aproveitável no rúmen dos animais, o etanol é perdido na estocagem, o que ocasiona grandes perdas de energia no material ensilado.

Tabela 01 - Perdas de energia no processo de ensilagem.



Como se pode observar na tabela 01, existem vários fatores que podem levar a perdas de qualidade no material ensilado. Esta redução de qualidade é medida através das perdas de energia ao longo de todo o processo. Algumas destas perdas podem ser evitadas através da adoção de manejos adequados e cuidados específicos.

Os fatores de perdas na ensilagem obrigam o produtor a dar total atenção a todas às fases do processo, a fim de assegurar as melhores condições para que a massa cortada possa gerar uma boa silagem, tentando preservar ao máximo as características que a planta apresentava por ocasião do corte.

As perdas ligadas à planta e seus processos naturais (respiração, fermentação, umidade, etc.) são de difícil controle. O cuidado a ser tomado nestes fatores é o manejo adequado dos processos de corte e transporte do material, para que todo o processo seja concluído no menor tempo possível.

Com relação às outras perdas, silos bem dimensionados, compactação bem feita, uso de inoculantes (quando for o caso), rapidez no processo, perfeita vedação dos silos, etc., são medidas eficazes para reduzí-las.

Se você se interessou pelos conceitos expostos acima e quer conhecer mais sobre todos os aspectos relacionados a produção de silagem, conheça e participe do Curso Online Produção econômica de silagem que abordará princípios fundamentais sobre correto dimensionamento da área e localização do silo, o ponto de corte ideal do volumoso e o maquinário adequado, redução de perdas na ensilagem e desensilagem e conversão do híbrido, plantio, adubação e tratos culturais em volumoso de qualidade.

Este trecho faz parte do módulo 5 do curso online Produção econômica de silagem, que terá início no dia 16/03 e abordará os seguintes temas: planejamento, escolha do volumoso, plantio e condução, colheita, ensilo e desensilo.

O instrutor desse curso é Rodrigo Paniago que possui especialização em Produção de Ruminantes (2006) pela ESALQ/USP e graduação em Engenharia Agronômica pela mesma universidade. É sócio da Boviplan Consultoria Agropecuária, empresa voltada à prestação de serviços e consultoria em pecuária intensiva, elaboração de projetos e desenvolvimento de tecnologias alternativas e nutrição animal. Na Boviplan, atua na área de assistência técnica, desenvolvimento de projetos pecuários e controle de qualidade de alimentos para nutrição animal.

Conheça a programação completa desse curso.

Faça sua inscrição agora mesmo!

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.