ENTRAR COM FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Princípios básicos para a implantação de pastejo rotacionado (parte 1)

POR MARCO A. A. BALSALOBRE

PRODUÇÃO

EM 03/11/2000

3
0
O artigo anterior, que comentou sobre a pecuária do estado de São Paulo, dizia que, apesar de ser o estado mais desenvolvido da Nação, possui cerca de 60% de suas áreas em pastagens, e segundo levantamento da Secretaria de Agricultura do Estado de São Paulo, as regiões com menor proporção de pecuária possuem as maiores receitas por hectare. De certa forma isso é real pois as fazendas de pecuária médias do estado, que possuem por volta de 0,70 UA/ha, apresentam rentabilidade muito baixa.

No final desse artigo, foi colocado que é necessária a introdução de algumas tecnologias para mudar essa situação, e que o pastejo rotacionado seria a primeira a ser empregada.

De certa forma, o pastejo rotacionado hoje, pode ser tido como um modismo, apesar de ser uma técnica muito antiga. No Brasil sempre foi entendido pelos pecuaristas e pela extensão rural como uma técnica a ser usada somente em áreas adubadas. Esse é o motivo de ver o pastejo rotacionado como um modismo, pois propriedades tem introduzido a adubação de pastagens em pequenas glebas, sendo nesses locais introduzido o pastejo rotacionado.

Definindo melhor o pastejo rotacionado, seria uma forma de aproveitamento da pastagem, onde o rebanho consome a forragem respeitando dois princípios, tempo de ocupação de um piquete e tempo de descanso desse piquete, melhor dizendo, intensidade de pastejo e freqüência de pastejo. A outra forma de pastejo seria o contínuo, que é o que normalmente é feito, significando longos períodos de pastejo com pequena variação na carga animal.

Quais são as vantagens de se fazer o pastejo rotacionado? No mundo todo se discute as duas formas de pastejo, rotacionado ou contínuo, bons grupos de trabalhos defendem o pastejo rotacionado, da mesma forma que outros defendem o contínuo. O que fica claro é que, quando do uso de adubações nitrogenadas, necessariamente deve se usar o pastejo rotacionado, principalmente em pastagens tropicais.

Portanto, quais as vantagens do pastejo rotacionado:

- melhor aproveitamento da forragem
- melhor qualidade da forragem durante o período de inverno
- melhor conservação do solo
- melhor administração do sistema
- maior lotação animal

As desvantagens seriam:

- aumento de divisões de pastagens
- melhor acompanhamento técnico do sistema
Qual seria o número de piquetes de um sistema rotacionado? O raciocínio para essa pergunta deve ser o seguinte:

- com que forragem está se trabalhando
- qual a lotação do sistema

Forragens de crescimento cespitoso (Colonião, Tobiatã, Tanzânia, Mombaça, Napier etc), necessitam de maior número de piquetes, enquanto que plantas de hábito prostrado (braquiárias, estrela etc), podem ser manejadas com período de ocupação maior, o que nos leva para um menor número de piquetes.

Em relação à lotação, quanto maior, maior deve ser o número de piquetes. Portanto, áreas adubadas devem ter mais divisões que áreas não adubadas.

Diante disso, resta a resposta para a seguinte pergunta: Qual o tamanho do piquete a ser feito? Para essa pergunta, o raciocínio deve ser o seguinte: Qual o tamanho de lote que a fazenda tem condições de trabalhar ? Pois, quanto maior o lote, maior o tamanho de cada piquete. O tamanho do lote deve estar relacionado com (gado de corte):

- área mínima de cocho de sal mineral
- área mínima de bebedouro
- vazão de água do bebedouro
- largura da porteira do piquete
- largura do corredor
- tamanho do curral

De forma geral, os sistemas de pastejo rotacionado em áreas não adubadas, tem adotado, para pastagens de braquiarão, em torno de 6 piquetes. Desse modo, o período de ocupação seria de uma semana e o descanso de 35 dias. O tamanho do lote na ordem de 300 à 600 cabeças (gado de corte), sendo que existem situações em que o tamanho do lote é maior que 1000 animais. Se o tamanho do lote for em torno de 500 cabeças (aproximadamente 300 UA), e se a lotação no verão for de 1,5 UA/ha, teríamos a necessidade de 200 ha para esse sistema, ou seja, de 6 piquetes de 30 a 35 ha. Pode se perceber que para muitas propriedades a introdução do sistema rotacionado não implica em aumento de divisões, pois essas já possuem piquetes até menores que 30 ha.

No artigo seguinte colocaremos alguns resultados da introdução do pastejo rotacionado e algumas técnicas de controle do pastejo.

3

COMENTÁRIOS SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Seu comentário será exibido, assim que aprovado, para todos os usuários que acessarem este material.

Seu comentário não será publicado e apenas os moderadores do portal poderão visualizá-lo.

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

ELYANDRO TALYULI

EM 30/11/2016

Queria fazer um pastejo rotativo em minha pequena propriedade no sul do Espirito Santo que é de apenas 5,13 ha só que é muito amorada com o capim braquearão, com 10 vacas leiteiras e um boi, Quais raças de vacas você me indicam? Quantos piquetes deveria fazer?

Deverei trocar a pastagem ou deixar a mesma?



Pecuarista, Cruz de Malta, Mimoso do Sul-ES  
ALCIDES DOS SANTOS MOREIRA

BALBINOS - SÃO PAULO

EM 20/12/2014

Alem  das observações bem pautadas dos lotes. e consequentemente o tamanho da área a ser dividida em piquete, tenho uma duvida quanto a concentração de touros?            eles podem brigar e criar um  problemão.  Como evitar
FRANCISCO RODRIGUES DA FONSECA NETO

BOA VIAGEM - CEARÁ - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 08/11/2010

bom dia gostaria que min orietase sobre pastejo rotacionado para 15 vacas com o clima no nordeste obrigado