FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Perfil do comércio internacional do Brasil

PRODUÇÃO

EM 18/01/2011

0
0
Este artigo faz parte do Estudo de Mercado Externo de Produtos e Derivados da Ovinocaprinocultura da editora Méritos. Este trabalho foi viabilizado pela Política de Desenvolvimento Produtivo (PDP) do Sistema Agroindustrial, cuja gestão cabe ao Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior - MDIC.

Sua execução foi possível graças à celebração de convênio entre a Associação Brasileira de Criadores de Ovinos (ARCO) e o MDIC. Elaborado a partir de proposta da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva de Caprinos e Ovinos do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) - representa sinergia entre as ações das Câmaras Setoriais do MAPA e a PDP do Sistema Agroindustrial do MDIC.

Este artigo faz parte do capítulo 7, "Perfil do Comércio Internacional".

Introdução

O Brasil tem balança comercial negativa no caso de produtos oriundos da ovinocaprinocultura - animais vivos, carne, peles e lã. Carne ovina e peles de caprinos são os principais responsáveis. A lã é o único produto da cadeia que apresenta superávit no comércio com o exterior. A lã responde por quase 2/3 das exportações brasileiras de produtos da ovinocaprinocultura, apesar do aumento significativo do valor exportado de peles ovinas e caprinas. A importação de carne ovina é a mais significativa e vem aumentando, porém a importação de peles tem um peso maior do que na média do mercado internacional, perfazendo mais da metade do valor do comércio se forem somadas as peles ovinas e caprinas.

Tabela 1 - Exportações brasileiras de produtos da ovinocaprinocultura (milhões de US$).



Tabela 2 - Importações brasileiras de produtos da ovinocaprinocultura (milhões de US$).



O fluxo de comércio (soma da importação e exportação) é crescente, tendo passado de US$ 53 milhões em 2000 para quase US$ 95 milhões em 2008. No entanto, este crescimento se deve principalmente ao aumento das importações, que mais que dobraram no período. Em 2008, a balança comercial da ovinocaprinocultura brasileira ficou negativa em quase US$ 28 milhões.

Tabela 3 - Saldo da balança comercial de produtos da ovinocaprinocultura (milhões de US$).



A exportação de animais vivos é centrada no fornecimento de genética à alguns países que têm clima semelhante ao brasileiro. O preço médio do animal exportado já indica que são animais puros destinados à melhorar a genética do rebanho importador. Possivelmente estes animais exportados são da raça Santa Inês quando o destino é a África e Dorper quando o destino é o Paraguai.

Tabela 4 - Exportação de ovinos vivos - Brasil. Fonte: Comtrade; MAPA, 2009.




Tabela 5 - Destino das exportações de ovinos vivos - Brasil - 2008.



O Uruguai é o maior fornecedor de animais vivos para o Brasil, com objetivo principal de abate. A Austrália fornece também animais vivos, porém são animais de alto valor genético e tem a finalidade de reprodução no rebanho de elite brasileiro.

Mesmo timidamente, o país vem buscando mercados para sua carne fora do país, principalmente na África de língua portuguesa. Em 2008 foram exportados 20,7 toneladas de carne ovina e 5,5 t de carne caprina.

A carne ovina foi exportada para Angola na forma de cortes refrigerados com osso, a um preço médio de US$ 2.274 por tonelada. A carne ovina exportada para Cabo Verde foi na forma predominante de cortes congelados sem osso, a um preço médio de US$ 7.045 por tonelada. Já a carne caprina alcançou US$ 6.946 por tonelada.

O Uruguai é o principal fornecedor de carne ovina, sendo o único com volumes significativos, pois representa mais de 95% da importação brasileira. O preço médio pago pela carne refrigerada ficou em US$ 2.429 por tonelada, enquanto que pela carne congelada o valor foi maior, US$ 3.001 por tonelada. Esta aparente distorção dos preços se deve ao fato de a carne refrigerada ter sido importada na forma de carcaças, enquanto a carne congelada recebida foi na forma de cortes, que costumam ter valor maior. A importação brasileira é bastante concentrada em cortes congelados com osso e tem o seguinte perfil:

Gráfico 1 - Tipo de carne ovina importada pelo Brasil (mil t) - 2008. Fonte: Comtrade; MAPA,2009.



A exportação de pele pelo Brasil é basicamente de ovinos, com peles curtidas de ovinos e couro preparado representando quase 90% das exportações. Os principais destinos das exportações de pele são a União Europeia e Hong Kong, com quase 2/3 dos embarques, no entanto, diversos países adquirem a pele de ovinos e caprinos brasileiros.

A importação de peles ovinas e caprinas é concentrada em pele curtida, que significam mais de 80% das importações em 2008. Os fornecedores de pele ovina são diversificados, com o Uruguai respondendo por mais da metade da pele crua importada e a União Europeia e o Quênia por metade da pele curtida. Os fornecedores de pele caprina também são vários, não existindo nenhum que se destaque pelo volume. No entanto, Argentina, Nigéria, Índia e União Europeia significaram mais de 2/3 das importações em 2008.

Os países do MERCOSUL são os principais fornecedores de lã para o Brasil, com mais de 80% das aquisições. Já o destino da lã brasileira é a União Europeia e o Uruguai, com quase 85% dos embarques. A lã adquirida no exterior pelo Brasil é principalmente a lã cardada ou penteada, pronta para ser usada na indústria têxtil, que perfaz mais de 90% do volume importado.

Tarifas

Todos os países da ALADI contam com 20% de rebate nas tarifas de Imposto de Importação praticadas, sendo que o Uruguai ainda tem preferência e vantagens por ser membro do MERCOSUL.

As carnes de ovinos e caprinos são importadas pelo Brasil pagando a mesma taxação, independente de serem congeladas ou refrigeradas. Se as carnes forem importadas processadas, em forma de cortes embalados apropriados para consumo direto, são sujeitas à anuência do órgão de vigilância sanitária.

As peles ovinas sofrem taxação de 2% se forem importadas cruas e de 10% no caso de serem importadas curtidas ou preparadas. A pele caprina curtida é isenta de Imposto de Importação, enquanto o couro caprino preparado paga 10%.

Todos os produtos também pagam 1,65% de PIS e 7,60% de COFINS sobre o valor da nota, no momento de entrada no Brasil, inclusive os animais vivos. Não há incidência de Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) nos NCMs da ovinocaprinocultura.

O estudo está disponível para download no site da Associação Brasileira de Criadores de Ovinos (ARCO)

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.