FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Pedúnculo de caju desidratado na alimentação de caprinos e ovinos

POR RODRIGO TENÓRIO PADILHA

E DEBORAH DE MELO MAGALHÃES

PRODUÇÃO

EM 23/02/2007

5
0
O Nordeste brasileiro é uma região onde as condições climáticas adversas prejudicam o desenvolvimento das atividades na agropecuária, gerando carências, principalmente nutricionais. A situação estende-se aos rebanhos de caprinos e ovinos criados na região, cuja baixa produtividade se deve aos manejos alimentares, sanitários e reprodutivos deficientes.

O rebanho ovino no Nordeste do Brasil é de aproximadamente nove milhões de cabeças, representando cerca de 53% do efetivo nacional. Embora a atividade tenha crescido substancialmente nos últimos dez anos, como conseqüência da ampliação dos mercados da carne e da pele desses animais, a sazonalidade do período chuvoso e as secas periódicas que ocorrem na região impõem severas restrições ao suprimento de forragens e, conseqüentemente, à produção dos pequenos ruminantes.

Assim, os produtos oriundos da ovinocultura não atendem as demandas quantitativas e qualitativas sinalizadas pelo mercado. Nas condições atuais de manejo alimentar, onde a forragem básica é fornecida pela caatinga, têm sido registradas reduções nas taxas de crescimento e até perda de peso em animais jovens. Desse modo, os ovinos são abatidos com idade avançada, o que representa perdas substanciais do ponto de vista econômico.

A alimentação representa um dos maiores custos na produção animal, principalmente quando se utilizam fontes de alimentos como o milho, que, apesar das elevadas qualidades nutricionais, apresentam elevados custos. Em geral, alguns produtos industriais, como aqueles da produção da farinha de mandioca, subprodutos da produção de cerveja e de processamento de frutas, possuem potencial e disponibilidade para serem utilizados como alimentos energéticos e podem ser usados na alimentação dos ruminantes.


Figura 1. Animais alimentados com pendúnculo de caju desidratado e Leucena.

A suplementação alimentar alternativa para ser viável economicamente, depende da disponibilidade e custo da matéria prima, e isto varia muito de região para região, pois deve se utilizar produtos ou subprodutos existentes na localidade, visando assim minimizar os custos de produção, viabilizando o sistema.

Com o crescimento da fruticultura irrigada no Nordeste, ampliaram-se as opções de volumosos para dietas de cordeiros e cabritos em confinamento. Assim, várias culturas processadas nas agroindústrias, como o caju, a acerola, a manga, a laranja e o maracujá, produzem quantidades consideráveis de subprodutos de boa qualidade, podendo ser aproveitados para a alimentação animal.

O caju é um caso típico de resíduo da agroindústria que pode ser bem aproveitado. O fruto do cajueiro é constituído da castanha e de um pedúnculo (pseudofruto), o qual a maior parte é deixada no campo após a retirada da castanha, sendo desperdiçado desta forma, mais de 90%. O pedúnculo do caju seco possui um grande potencial para ser utilizado como ingrediente em rações, constituindo uma potencial fonte de nutrientes na ração para a alimentação de ovinos e caprinos, podendo chegar a 20% na ração.

A cultura do caju ocupa uma área considerável do Nordeste. Nos Estados do Piauí, Ceará e Rio Grande do Norte, os maiores produtores, são cultivados cerca de 700.000 hectares deste fruto, e nos tabuleiros costeiros, especialmente no Ceará, são também registrados milhares de hectares ocupadas por florestas nativas de cajueiros. Entretanto, apenas cerca de 5% dos pedúnculos são processados para a fabricação de doces, cajuína, refrigerantes e bebidas alcoólicas, o que representa perdas (ou excedentes) da ordem de dois milhões de toneladas anuais. Portanto, este subproduto constitui uma abundante fonte de volumoso para a dieta de ovinos e caprinos em confinamento.


Figura 2. Cajueiro e cajus.

Existe a possibilidade de transformação do pedúnculo, por microorganismo (levedura) em um ingrediente com maior teor de proteína quando comparado com o pedúnculo do caju seco. Nesta transformação, mais de 30% da energia contida no substrato é metabolizada até a sua conversão em proteína.

As leveduras são de alta eficiência na conversão de açucares em proteína e a muito tempo reconhecidas como reserva natural de vitaminas do complexo B. Conforme os trabalhos de pesquisa desenvolvidos pela Embrapa e por outras instituições, o pedúnculo de caju é rico em vitamina C, fibras e compostos fenólicos.

Tabela 1. Composição químico-bromatológica (%) do pedúnculo do caju desidratado (modificado de Leite et al., 2005).


*MS-Matéria Seca; PB-Proteína Bruta; FDN-Fibras em Detergente Neutro;
NDT-Nutrientes digestíveis totais.

Bibliografia Consultada

LEITE, E. R; BARROS, N. N; BOMFIM, M. A. D;CAVALCANTE, A. C. R. Terminação de Ovinos Alimentados com Farelo do Pedúnculo do Caju e Feno de Leucena. Comunicado Técnico On Line, Dezembro de 2005.

FURUSHO, I.F; PÉREZ, J. R . O. A; LIMA, G. F. C; KEMENES, P. A; HOLANDA, J. S. Desempenho de cordeiros Santa Inês, terminados em confinamento, com dieta contendo pedúnculo do caju. Anais da XXXIV Reunião da SBZ - 28 de Julho a 1o de Agosto de 1997 - Juiz de Fora - MG.

RODRIGO TENÓRIO PADILHA

Médico veterinário,
Mestre em reprodução e sanidade animal,
Doutor em biotecnologia em agropecuária.
Técnico de Registro da ABCC-Ceará

DEBORAH DE MELO MAGALHÃES

5

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

ELIZETE RODRIGUES DE SENA

TRAIRI - CEARÁ

EM 19/11/2015

Muito bom essa matéria e de grande eficácia pra quem trabalha com a criação de animais. .Gostaria de saber quantos kg de ração de caju que um suíno matriz pode comer? E se posso misturar a ração de mandioca com a de caju? Aguardo respostas.
ELIESER FREITAS

CRUZ - CEARÁ - PRODUÇÃO DE OVINOS DE CORTE

EM 14/08/2015

sou criador de ouvinos e gostaria de saber se pode ser acrecido o caju na racao todos os dias, ou não?
ANTONIO VIEIRA DE MOURA

FORTALEZA - CEARÁ - DISTRIBUIÇÃO DE ALIMENTOS (CARNES, LÁCTEOS, CAFÉ)

EM 03/03/2007

Sou criador de caprinos e ovinos de corte e já utilizo há anos o pedúnculo do caju como reforço alimentar para esses pequenos ruminantes.

O que estou fazendo agora, como experimento, é o fornecimento de pedúnculo de caju para alimentação de avestruzes. Tenho observado que o pedúnculo do caju natural e com líquido, sem a castanha, é bem apreciado pelos avestruzes.

Quanto à matéria seca, antes é necessário passar no moinho e misturar com a ração balanceada para ser aceita pelas aves.
RODRIGO TENÓRIO PADILHA

NATAL - RIO GRANDE DO NORTE - OVINOS/CAPRINOS

EM 27/02/2007

Tenho trabalhado com consultoria na área de produção de caprinos e ovinos, inclusive com rebanhos elite, e tenho indicado a utilização do caju e temos obtido ótimos resultados na alimentação com o caju desidratado e depois transformado em farelo e adicionado na ração, tanto para animais adultos como também no alimento utilizado no Creep-feeding.
É uma ótima alternativa pra alimentação animal principalmente porque boa parte dos pseudofrutos são jogados fora.

PAULO JOSÉ THEOPHILO GERTNER

LAURO DE FREITAS - BAHIA

EM 26/02/2007

É muito interessante essa matéria, não só pelas já citadas virtudes do produto, como pela possibilidade de pastoreio entre os cajueiros, onde as gramíneas e as leguminosas nas entre linhas fornecem forragem aos animais, além de matéria orgânica e cobertura para o solo, reciclando nutrientes depois aproveitados pelo Cajueiro. É uma ILP- Integração Lavoura Pecuária das mais viáveis que há.

Das 35 toneladas de pendúculo produzidos, somente 20%, é comercializado como fruta inatura o resto se perde na roça se não tiver ovinos para aproveitarem essa produção e transformar prejuízo em receita (Proteína Animal). Tornando-se a castanha o principal produto, que se não irrigados só dará receita por dois meses no ano, ficando os ovinos, garantindo atividade e renda ao longo de todo o ano.

Portando quem planta Cajueiros, trate de criar ovinos, ou integre com algum criador, nessa parceria viável técnica e economicamente muito interessante.