FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Pastagens em sistemas silvipastoris

VÁRIOS AUTORES

PRODUÇÃO

EM 24/01/2012

22
0
A utilização de pastagens cultivadas ou florestas plantadas de maneira isolada representam uma modalidade de uso da terra cuja exploração é bem mais simples do que sistemas silvipastoris. Dessa forma, nestes sistemas integrados manter o equilíbrio entre os componentes (árvores, plantas forrageiras e herbívoros) e suas interações, além da relação com os fatores ambientais disponíveis, tornam a atividade mais complexa e dependente de um planejamento rigoroso. Para obtenção de sucesso é necessário estudos de mercado, produtos, espécies, arranjo (Andrade et al, 2003) e, principalmente, de manejo da planta forrageira e dos animais.

Quando se trata de espécies forrageiras, é necessário conhecer sua tolerância e capacidade produtiva em ambientes sombreados (Andrade et al. 2003). Além disso, o conhecimento das características morfofisiológicas e estruturais das plantas é de suma importância para que sejam escolhidas e manejadas adequadamente a fim de garantir a longevidade do sistema.

A produção de forragem é afetada pela diminuição da radiação luminosa disponível para as plantas no sub-bosque e o fator luz só deixa de ser o mais importante, quando existem outras limitações mais fortes, como, por exemplo, limitação nutricional, fator que deve sempre ser corrigido. Outros fatores são água, temperatura e comprimento do dia reduzido, os quais comprometem a planta em qualquer sistema. Esses aspectos não inviabilizam, tampouco desencorajam o sistema silvipastoril, mas precisam ser entendidos.

Nos dias atuais, em função de pressões econômicas e ambientais, qualquer atividade precisa ser economicamente viável e ambientalmente correta. Dessa forma, em locais onde a pressão econômica é mais forte e as questões ambientais não são um entrave, os sistemas ainda tendem a ser exclusivos. Nesses casos a silvicultura ou a pecuária são conduzidos separadamente. No entanto, a verticalização (intensificação) da produção está cada vez mais em evidência, e com isso sistemas integrados de produção, normalmente iniciados em menor escala, são o primeiro passo para a diversificação das atividades na propriedade. Outro aspecto referesse ao alto custo da terra em algumas regiões do país que faz com que se busquem alternativas de melhor aproveitamento do solo (não deixando áreas em pousio), obtendo maior retorno no sistema como um todo e melhorando o fluxo de caixa do projeto.

Além disso, quando se propõe um sistema silvipastoril, é preciso ter conhecimento adequado para planejá-lo e gerenciá-lo. Nesse caso é preciso mensurar a quantidade de árvores versus perdas na produção de forragem, incluindo nesse processo o conhecimento de fisiologia de plantas forrageiras para que o manejo do pastejo seja feito de forma a garantir a perenidade da pastagem e, conseqüentemente, a economicidade do projeto.

Neste ambiente está evidente que o efeito da sombra muda toda a dinâmica da planta forrageira, proporcionando aumentos na área foliar específica, na quantidade de lignina, no alongamento de colmos e na diminuição das reservas. Dessa forma, ao implantar um sistema silvipastoril, mais do que nunca, o respeito aos limites fisiológicos das plantas forrageiras, ao período de descanso e ao estande de plantas na área tornam-se aspectos ainda mais relevantes, que se negligenciados podem comprometer o sistema rapidamente. Nesse sentido, a quantidade e o formato de distribuição das árvores tornam-se fatores cruciais no processo.

Algumas espécies de gramíneas de clima tropical foram submetidas a três níveis de sombreamento (0, 30 e 60%). De maneira geral, houve redução na produção em função da redução na quantidade de luz disponível. Brachiaria brizantha cv. Marandu; B. decumbens e Andropogon gayanus cv. Planatina apresentaram redução na produção, e no maior nível de sombra a produção caiu em 27%, 45% e 49%, respectivamente, decorrente da redução da radiação luminosa em ambiente sombreado. Melinis minutiflora e Setaria anceps cv. Kazungula não tiveram suas produções alteradas pelo sombreamento (Castro et al.,1999).

Ainda nesse estudo, uma resposta interessante foi relatada com relação ao Panicum maximum cv. Vencedor, que a pleno sol e com 30% de sombra apresentou produção semelhante, demonstrando o potencial dessa planta em sistemas silvipastoris. No entanto, quando submetido a 60% de sombra, sua produção reduziu em 28%. Por isso, a definição do espaçamento dos renques é de suma importância, para que se tenha ganho com a produção de madeira (árvores), conforto térmico para os animais, sem maiores perdas em produção de forragem.

ANDRADE, C.M.S.; GARCIA, R.; COUTO, L. PEREIRA, O. G.; SOUZA, A.L. Desempenho de Seis Gramíneas Solteiras ou Consorciadas com o Stylosanthes guianensis cv. Mineirão e Eucalipto em Sistema Silvipastoril. Revista Brasileira de Zootecnia, v.32, n.6, p.1845-1850, 2003 (supl. 2).
CASTRO, C.R.T.; GARCIA, R.; CARVALHO, M.M. et al. Produção forrageira de gramíneas cultivadas sob luminosidade reduzida. Revista Brasileira de Zootecnia, v.28, n.5, p.919-927, 1999.

BRUNO CARNEIRO E PEDREIRA

Pesquisador da EMBRAPA Agrossilvipastoril

22

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MARCELO DIAS MÜLLER

JUIZ DE FORA - MINAS GERAIS - PESQUISA/ENSINO

EM 14/02/2014

Prezado Alexandre,

Para escolha de espécies vc deve levar em conta o clima da região. É preciso que vc informe pluviosidade média (quanto chove por ano), número de meses secos, tipo de solo (em termos de fertilidade). Veja, existem espécies como o mogno africano, teca e cedro australiano que tem chamado muito a atenção de produtores e investidores. Entretanto é importante lembrar que estas espécies apresentam exigências mais restritas com relação a aspectos ambientais (solo e clima) portanto dependendo disto podem ou não ser viáveis na sua região. Outra coisa, o conhecimento técnico a respeito destas espécies ainda é escasso o que o força a ficar dependente de especialistas. Para não errar, sugiro o eucalipto, que tem material genético adaptado a diversas regiões, disponibilidade de mudas (viveiros em diversas regiões) e tecnologia consolidada. Além disso cresce rápido, de modo que, se feita uma boa implantação, com 1 ano de idade os animais já podem entrar no sistema. Outra coisa, é uma madeira que pode ser utilizada para diversos fins (madeira serrada, lenha, mourões de cerca, estacas, postes, estrutura para construções rurais) o que amplia as suas possibilidades de mercado.
ALEXANDRE

SANTO ANDRÉ - SÃO PAULO

EM 14/02/2014

Bom dia, pretendo iniciar criação cabras corte e leite, em são paulo, Piedade, adotando sistema Agrossilvipastoril + Voisin, com pastejo diurno e noturno, tamanho pasto de 4 alqueires para divisão, minhas dúvidas: os tamanhos dos piquetes neste esquema, espécies gramínea, leguminosa, arbustos e árvores mais indicados, sendo que penso em madeira de alto valor agregado. Este é um projeto que fará parte de um sistema de permanente cultura. Atenciosamente. Alexandre.
TALMO LÚCIO

GUAPÉ - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 16/05/2013

Boa noite, gostaria de saber se a mombaça em locais sombreadas com o eucalipto tem um desenvolvimento satisfatório para o gado de leite.





Obrigado.
CAIO GOMES

IPERÓ - SÃO PAULO - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 20/09/2012

Olá Caro Marcelo,


Quero lhe agradecer pela ótima exemplificação. Realmente Angico aparenta ser uma boa escolha!


Levarei em conta e pesquisarei, conforme indicação.


Amigos, tenho outra dúvida:


O plantio de uma faixa de árvores para o lado interno do piquete implicaria em perda muito grande de pastejo/lotação? Não possuo corredor largo (4 Metros) e se não puder plantar na parte interna dos piquetes, só poderei plantar na linha da área de descanso, desincentivando o pastejo durante o período mais quente do dia.


Obrigado!
MARCELO DIAS MÜLLER

JUIZ DE FORA - MINAS GERAIS - PESQUISA/ENSINO

EM 19/09/2012

Me intrometendo novamente:

Prezado Caio, a Acacia mangium é uma boa alternativa pois além de ser leguminosa e, portanto, prover benefícios ambientais, tem madeira boa para uso de valor agregado. Entretanto, é sensível à pluviosidade. Abaixo de 1.500 mm, não é recomendada. Além disso o período seco não deve ser prolongado. Guanandi eu tenho receio, apesar de ter um alto valor de mercado ainda se sabe pouco sobre a silvicultura desta espécie (propagação, pragas, doenças, adaptação). O que se sabe é que precisa de água.

Bom se queres crescimento rápido e copa rala, sugiro os angicos (que ainda fornecem madeira boa para lenha e mourões no futuro).

Gliricídia é uma boa opção para alimentação animal e adubação verde (procurar pelo pesq José Henrique Rangel na Embrapa Tebuleiros Costeiros). A maioria dos trabalhos são do nordeste.

Paineira, tem copa bastante rala, mas muitos espinhos no caule. Flamboyant ocupa muito espaço a copa é muito grande o que implica que os animais irão ficar aglomerados embaixo da copa (acaba com o solo). O ideal é que a sombra fique distribuída o mais homogeneamente possível para que os animais possam pastejar e utilizar a área de forma mais homogênea durante todo o dia.
CAIO GOMES

IPERÓ - SÃO PAULO - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 17/09/2012

Caro Bruno, boa tarde!

Primeiramente, obrigado pelo retorno!
- O sistema é semi confinamento, com pastejo em piqueteamento rotacionado de tifton para lactação, jiggs e aruana para novilhas e mombaça para as secas.
- Minhas vacas são 3/4 para 7/8.
- O Clima atinge altas temperaturas (hoje está 34º aqui, e elas estão derretendo embaixo de sombrites, por ex.)
- O solo é arenoso.
A dúvida é: Qual espécie escolher dentro de minhas condições (pasto, clima, solo, manejo, etc.)?
As opções da região em mudas de 3 metros são:
- Albizia Lebbet

- Angico Branco

- Angico Vermelho

- Gliricidia Sep.

- Gliricidia Sep.

- Acacia Mangium

- Acacia Negra

- Açoita de Cavalo

- Angico

- Bracatinga

- Carobão

- Cássia-Rósea

- Dedaleiro

- Farinha Seca

- Flamboyant

- Guanandi

- Ipê Roxo da Mata

- Ipê Amarelo

- Ipê Rosa

- Jacaranda

- Jaracatiá

- Paineira

- Olatano
Grato desde já
Caio Gomes
MARCELO DIAS MÜLLER

JUIZ DE FORA - MINAS GERAIS - PESQUISA/ENSINO

EM 12/09/2012

Bom, quanto à escolha da espécie, vc tem que definir o objetivo do sistema. Se a sua pretenção é produzir madeira, é interessante procurar saber no mercado local quais tipos são utilizadas. Neste caso a espécie mais utilizada é o eucalipto, pelo crescimento rápido ( o que possibilita a utilização da área pelo gado em menos tempo), possibilidade de uso para diversos fins (madeira serrada, lenha, carvão, celulose, mourões, postes, etc.), plasticidade ambiental (se adapta a diversos ambientes) e disponibilidade de material genético e mudas desenvolvido para diversas regiões, além de conhecimento tecnológico bastante desenvolvido e divulgado (muito importante este fator, uma vez que o produtor não fica refém de poucos especialistas na área quando aparecer algum problema). Algumas outras espécies são o mogno africano (mas seu uso é mais voltado para madeira de maior valor agregado), teca (mesma coisa), cedro australiano (mesma coisa) (estas outras espécies tem um crescimento um pouco mais lento, de forma que para se utilizar a área mais cedo faz-se necessária a proteção das árvores).

Se o caso for utilizar as espécies arbóreas como fonte de alimento para o gado (arbustivas forrageiras) daí a opção pode ser Leucena ou gliricídia. Caso o objetivo seja somente o sombreamento, preferência por espécies que não tenham copa muito larga nem densa, a copa deve ser alta e rala com as árvores bem distribuídas no pasto para que a sombra seja bem distribuída e os animais possam aproveitar a sombra pastejando e não amontoados em baixo de uma árvore.
BRUNO CARNEIRO E PEDREIRA

SINOP - MATO GROSSO - PESQUISA/ENSINO

EM 11/09/2012

Oi Caio,



Qual é especificamente sua dúvida? Quais as suas opções? Como é o seu sistema de produção?



Att.



Bruno
CAIO GOMES

IPERÓ - SÃO PAULO - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 10/09/2012

Olá, por favor. Já sei das características que a árvore tem de ter para servir bem de sombreamento natural, porém não consigo decidir por qual espécie escolher.


Vocês poderiam me auxiliar?


Grato


Caio
CELMO ALVES

ITAMARANDIBA - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 05/06/2012

   muito interessante este sistema!!! pretendo fazer uma área este ano.
LEONARDO JOSÉ LENTE

CÁCERES - MATO GROSSO

EM 09/04/2012

Olá Bruno,

Muito bom o seu artigo, que bom que voces nos oferece trabalhos como este que nos garante uma produção acessível  e ao mesmo tempo econômica. É isto que os pecuaristas deveriam se atentar e se beneficiar de modelos de produçao como este. Parabens.

Recentemente fiz um trabalho de  pesquisa a campo com coleta de dados e ánalises laboratoriais com a especie Dipterix alata (nosso conhecido cumbaru), os resultados são impressionantes.
EDUARDO CÔRTES

CARATINGA - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 31/01/2012

Bom artigo.  Pergunto se experimentara outros Panicums, como Mombaça, ou se foi somente o Vencedor?


Obrigado
THALLES VEIGA

PAVÃO - MINAS GERAIS - ESTUDANTE

EM 26/01/2012

  Muito obrigado pela força amigos.

GUILHERME ALVES DE MELLO FRANCO

JUIZ DE FORA - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 26/01/2012

Prezado Marcelo Dias Müller: Obrigado pelos esclarecimentos.


Um abraço,


GUILHERME ALVES DE MELLO FRANCO
FAZENDA SESMARIA - OLARIA - MG
MARCELO DIAS MÜLLER

JUIZ DE FORA - MINAS GERAIS - PESQUISA/ENSINO

EM 25/01/2012

Claro.

Respondendo ao Guilherme,

São coisas diferentes. O sistema de que falei trata-se de quando estamos pegando uma pastagem já degradada, sem floresta, e introduzimos árvores.
BRUNO CARNEIRO E PEDREIRA

SINOP - MATO GROSSO - PESQUISA/ENSINO

EM 25/01/2012

Prezado Müller,



Obrigado pelas informações. Fique a vontade, contribuições são sempre válidas.



Bruno
BRUNO CARNEIRO E PEDREIRA

SINOP - MATO GROSSO - PESQUISA/ENSINO

EM 25/01/2012

Prezado Thalles, obrigado pelo comentário.



Você pode encontrar mais informações em: http://www.cnpf.embrapa.br/pesquisa/safs/



Aqui em Sinop -MT, onde o relevo é completamente plano, temos duas experiências sendo instaladas nesse verão:

1) Gado de leite: a) linhas triplas, espaçadas de 15 metros; b) linhas duplas somente na borda dos piquete e c) sem sombra.

2) Gado de corte: a) linhas triplas (3,5 x 3,0) espaçadas a cada 30 metros e b) sem sombra.



Em alguns tempo, um a dois anos, teremos alguns resultados para divulgar.



Bruno
VANESSA REZENDE

BELO HORIZONTE - MINAS GERAIS - ESTUDANTE

EM 24/01/2012

Muito bom o artigo. Queria saber se o sombreamento, acarreta em diminuição da drenagem e evaporação de água do solo, e medidas para serem tomadas em épocas de chuva.
MARCOS ROBERTO NORA

DESCALVADO - SÃO PAULO

EM 24/01/2012

o que envolve alimentação posso disser que nos estamos no caminho certo,a prova disto esta no desempenho de cada um de nós procurarmos em fazer nossa parte,parabéns a todos que estão empenhado em produzir com melhoria para nos mesmo.
GUILHERME ALVES DE MELLO FRANCO

JUIZ DE FORA - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 24/01/2012

Prezado conterrâneo Marcelo Dias Müller: Este tipo de manejo não é o que foi criado pelo Engenheiro Agrônomo e Pesquisador José Carlos Lira Fleury (também conhecido como "Caio Capim", por ser um dos maiores conhecedores de capim no mundo) - formado na ESALQ - e que o desenvolve, com raro sucesso, na Fazenda Fundão, em Ipameri - GO (leia-se Dirk Herman Mitteldorf - Casas Pernambucanas), tendo sido divulgado, há anos atrás, pela Revista Globo Rural ? O interesse é que, quando residi em Goiás, nos anos de  1990, pude ter o privilégio de tornar-me seu amigo pessoal e ver, de perto, a excelência de seu manejo. Impressionava-se chegar à Fazenda e ver aquela mata fechada. Parecia tudo abandonado, mas, quando se descia a serra, uma maravilha: mais de mil e quinhentas cabeças de Gado Nelore e, outras tantas de Búfalos, criadas em plena mata. O sistema residia em retirar da floresta as espécies corriqueiras, promovendo um espaçamento necessário para que o sol chegasse ao solo, deixando as madeiras nobres , sem que o desmatamento, por tão pequeno, intereferisse no ecossistema. A propriedade tinha certificação do IBAMA como preservação cem por cento. Não havia roçagem de pasto, porque ele me dizia que "Deus fez o casco do boi como se fosse composto de duas foices que, pelo pisoteio constante, fazia o trabalho de deixar o pasto sempre pronto para o próximo manejo".


Um abraço,

GUILHERME ALVES DE MELLO FRANCO
FAZENDA SESMARIA - OLARIA - MG