FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Otimizando a sobrevivência neonatal

POR DANIEL DE ARAÚJO SOUZA

PRODUÇÃO

EM 19/06/2008

1
0
A mortalidade neonatal, tanto em sistemas extensivos quanto em intensivos, constitui um dos principais pontos que impactam negativamente a produção ovina, podendo ser um fator causador de grande perda econômica.

Taxas de mortalidade entre 15 e 25% são comuns em todo o mundo, e a maioria dessas mortes ocorre durante o período neonatal, dentro de 1 a 3 dias de nascimento, sendo este período uma fase fisiologica e metabolicamente instável para o cordeiro, e crucial para sua sobrevivência.

Os principais fatores que predispõem cordeiros neonatos à morte são a hipotermia em regiões subtropicais ou de alta altitude; exposição a condições climáticas desfavoráveis com chuva, ventos, frio, calor e/ou umidade excessivos; insuficiência úteroplacentária; partos distócicos; imaturidade fisiológica ao nascimento, sobretudo, em gestações múltiplas; inanição do neonato devido a debilidade ou competição com irmãos de ninhada; e falha na interação materno-filial, especialmente em ovelhas primíparas.

Figura 1. A sobrevivência neonatal é o resultado final da otimização de diversos processos existentes antes, durante e após a gestação.


Com isso, a viabilidade neonatal depende do comportamento materno-filial, bom peso ao nascer, adequada ingestão de colostro, ótima condição corporal e imunológica da ovelha ao parto, boa higiene na maternidade, supervisão periódica do parto e nutrição de cordeiros abandonados ou órfãos.

Um dos fatores fundamentais para a sobrevivência neonatal é a formação de uma íntima e exclusiva ligação entre a ovelha e seus cordeiros, uma vez que cordeiros neonatos expostos aos sinais maternos (lambedura, limpeza, vocalização e estímulo à amamentação) e que respondem prontamente a esses sinais desenvolvem uma preferência pela mãe e vice-versa, o que também está associado com a ingestão e presença de colostro no trato gastrintestinal durante as primeiras horas após o nascimento.

Figura 2. O comportamento e a ligação materno-filial possuem papéis decisivos na sobrevivência neonatal.


Outro importante contribuinte para a mortalidade neonatal é o peso ao nascimento (PN), que é diretamente influenciado pelo grupo genético, sexo, tamanho da ninhada, temperatura ambiental e nutrição materna, onde o aumento no PN está associado com uma redução na mortalidade de cordeiros nascidos de gestações gemelares em decorrência de inanição e exposição ambiental, e a um aumento na morte neonatal em gestações simples devido a distocia.

Em geral, o cordeiro bem desenvolvido nasce mais rápido, é vigoroso e ativo ao nascimento, mama rapidamente, forma uma forte relação com a mãe, experimenta menos desafios em relação ao seu bem-estar e está mais apto a superar esses desafios. Dessa forma, cordeiros puros ou cruzas de raças de corte que apresentam um peso entre 3,5 a 5,5 kg ao nascimento, possuem menor taxa de mortalidade que, por sua vez, mantém uma relação curvilínea com o peso ao nascer, de acordo com o Gráfico 1.

Gráfico 1. Relação entre taxa de mortalidade neonatal e peso ao nascer.


Baseado no exposto, existem algumas estratégias que podem ser efetuadas para maximizar a taxa de sobrevivência neonatal em rebanhos ovinos comerciais:

1. Controlar o ganho de peso das borregas de reposição durante a fase pré-púbere, imprimindo taxas moderadas de crescimento, a fim de maximizar o crescimento e desenvolvimento da glândula mamária;
2. Iniciar a vida reprodutiva das borregas apenas quando as mesmas atingirem o mínimo de 70% do peso médio do rebanho adulto, garantindo a maturidade ginecológica necessária para sustentar uma gestação;
3. Utilizar reprodutores de grupos genéticos apropriados, de porte condizente com a categoria das fêmeas a serem cobertas e com temperamento calmo, que imprimam maior vigor e tranqüilidade aos cordeiros e facilidade de parto para as fêmeas;
4. Garantir bom nível nutricional às fêmeas nos primeiros 3 meses de gestação, objetivando maximizar o crescimento e desenvolvimento vascular-placentário que, por sua vez, dará suporte ao crescimento fetal;
5. Realizar o diagnóstico precoce de gestação, a fim de identificar fêmeas com gestações únicas e gemelares e formar grupos de gestantes para fornecer manejo nutricional diferenciado;
6. Implementar sistemas de suplementação estratégica para as fêmeas nos últimos 2 meses de gestação, garantindo o pleno crescimento e desenvolvimento do feto e da glândula mamária, uma produção de colostro e leite satisfatória, assim como, um adequado comportamento materno-filial;
7. Monitorar o escore de condição corporal das fêmeas gestantes, evitando-se perdas ou ganhos elevados de escore que possam levar a quadros de cetose;
8. Vacinar (Clostridioses e Raiva) e vermifugar as fêmeas gestantes cerca de 4 a 3 semanas antes do dia previsto de parição, garantindo elevados níveis de imunoglobulinas no colostro e higidez orgânica das fêmeas;
9. Disponibilizar um ambiente de baixo estresse ao parto e dimensionar uma área limpa, seca, segura, tranquila e protegida que funcionará como maternidade para as fêmeas gestantes;
10. Evitar ao máximo interferir ou manipular ovelhas e cordeiros nas primeiras 6 horas após o parto, permitindo o pleno estabelecimento da ligação materno-filial e uma ingestão satisfatória de colostro;
11. Incluir o comportamento materno como critério de seleção genética, priorizando fêmeas que apresentem maior velocidade e facilidade de parto, melhor comportamento de limpeza, lambedura, vocalização, incentivo e facilitação da primeira mamada e temperamento mais tranqüilo e dócil.

DANIEL DE ARAÚJO SOUZA

Médico Veterinário, MBA, D.Sc., especializado no sistema agroindustrial da carne ovina. Consultor da Prime ASC - Advanced Sheep Consulting.

Facebook.com/prime.asc

Twitter.com/prime_asc

1

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

CELSO FERNANDO VEIGA

BARREIRAS - BAHIA - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 21/06/2008

Daniel foi ótima a sua abordagem sobre a sobrevivência neonatal. Acredito que este seja o ponto crítico da ovinocultura de corte. Gostaria de acrescentar que a maternidade em piquetes com taxa de lotação inferior a 10 animais por hectare, e maternidade separada para as primíparas contribuirá para menores taxas de enjeitamento e mortalidade neonatal.