FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

O manejo nutricional afeta a composição do leite? Parte 2/2

POR JUNIO CESAR MARTINEZ

PRODUÇÃO

EM 05/04/2011

8
0
Para ler a primeira parte deste artigo, clique aqui.

Tipo de carboidrato

A presença de concentrados ricos em amido na dieta está frequentemente associada à diminuição no teor de gordura do leite. O amido promove uma rápida fermentação ruminal, decréscimo do pH ruminal e aumento na produção de propionato. Quanto mais processado for o grão de milho, maior será a taxa de fermentação ruminal e maior o seu efeito sobre o teor de gordura no leite.

Cereais com maior digestibilidade ruminal, como a cevada, possuem um efeito ainda mais pronunciado sobre o teor de gordura do leite do que o milho.

Concentrados ricos em pectina, altamente fermentáveis no rúmen, como a polpa de citros, podem ser utilizados em substituição ao amido como forma de manter um ambiente ruminal mais estável. A fermentação ruminal da pectina leva a maior produção de ácido acético do que a fermentação do amido. O caroço de algodão é outro alimento concentrado que possui efeito de fibra que pode ajudar a manter o teor de gordura do leite em dietas com alta proporção de concentrados.

A alimentação com mais carboidratos prontamente fermentáveis usualmente promove um pequeno aumento no teor de proteína do leite devido a maior produção de propionato no rúmen (Emery 1991).

Gordura Dietética

A gordura dietética pode afetar o teor e a composição da gordura do leite. Devemos considerar três aspectos quanto a gordura dietética, sua quantidade, sua composição em ácidos graxos, e sua forma física.

Quantidades moderadas de gorduras protegidas tendem a gerar um pequeno aumento na concentração de gordura do leite, mas grandes quantidades ou o uso de gorduras insaturadas, frequentemente provocam queda de até um ponto percentual no teor de gordura do leite (Sutton, 1989).

A queda no teor de gordura do leite ocorre devido à ação ruminal dos ácidos graxos insaturados sobre os microrganismos do rúmen, diminuindo a digestibilidade da fibra e a produção de ácido acético. Na tabela 9 vemos que os efeitos são extremamente variáveis e dependem dos demais componentes da dieta, além da fonte lipídica utilizada.

Tabela 4. Mudanças relativas na produção e composição do leite de vacas de leite suplementadas com gordura comparadas com dietas controle.



A substituição de fontes de carboidratos fermentescíveis no rúmen por fontes lipídicas insaturadas leva a menor produção de AGV's total e consequente menor produção de proteína microbiana. A menor produção de AGV's no rúmen leva a maior gluconeogênese a partir de aminoácidos, diminuindo o teor de proteína do leite (Wu & Huber, 1994).

Além deste aspecto, o uso de gorduras protegidas ou saturadas pode aumentar o fornecimento de compostos carbônicos (ácidos graxos e acetato) para a célula secretora, aumentando a eficiência de produção de leite por litro de sangue (Cant et al. 1993).

A presença de ácidos graxos oriundos da dieta pode alterar a composição da gordura do leite. O uso de gorduras insaturadas protegidas aumenta a proporção de ácidos graxos insaturados de cadeia longa na gordura do leite (linolêico). A suplementação com gorduras saturadas (sebo animal) pode aumentar a proporção de ácido palmitolênico, esteárico e oléico na gordura láctea (Linn, 1989).

Proteína Dietética

O teor de proteína dietética possui pequeno efeito sobre o teor de gordura do leite. O aumento no teor de PB da dieta que leve a um aumento na produção de leite, está, geralmente, relacionado a um decréscimo no teor de gordura do leite devido a um efeito de diluição.

Em dietas com alta proporção de volumosos, o acréscimo no teor de PB pode levar a melhor ambiente ruminal para as bactérias celulolíticas, aumentando a produção de ácido acético no rúmen, e conseqüentemente, maior porcentagem de gordura no leite (Oldham, 1984).

Também, quanto ao teor de proteína do leite, a proteína dietética possui pequeno efeito, estando mais ligada à produção total de proteína do que com sua concentração.

Quantidades insuficientes de proteína na dieta levam a redução no teor de proteína do leite. No entanto, o aumento da proteína na dieta acima do nível necessário não ocasiona um aumento no teor de proteína do leite.

Tamponantes e outros aditivos

A manutenção do pH ruminal aumenta a produção de acetato relativo ao propionato. O uso de bicarbonato de calcio e óxido de magnésio tem sido associado com a manutenção do teor de gordura do leite em dietas ricas em concentrados, especialmente quando o volumoso é a silagem de milho (Linn, 1989).

O fornecimento de niacina (vitamina B3) tem sido relacionado com uma maior atividade microbiana podendo ocasionar pequenos aumentos na produção de proteína microbiana (Riddell et al, 1981). Em alguns casos, o seu fornecimento pode aliviar o decréscimo no teor de proteína do leite de dietas com suplementação de gordura (Horner et al., 1986). Emery (1991) relata que o fornecimento de niacina pode aumentar o teor de gordura do leite.

O uso de ionóforos (monensina) está relacionado com o decréscimo na porcentagem de gordura do leite. Os ionóforos aumentam a produção de propionato no rúmen, aumentando a produção de leite e diminuindo o teor de gordura do mesmo (Ramanzin et al., 1997).

Referências Bibliográficas

CANT, J. P.; DePETERS, E. J.; BALDWIN, R. L. Mammary Uptake of Energy Metabolites in Dairy Cows Fed Fat and Its Relationship to Milk Protein Depression. Journal of Dairy Science, Chanpaing EUA, v 76, n 8, p.2254-2265, ago. 1993.
EMERY, R. S. Feeding for Milk Components. Large Animal Veterinarian, Mont Morris, Eua, v. 46, n. 3, p. 30-33, mai/jun 1991.
LINN, J. G. Altering the Composition of Milk througt Management Practice. Feedstuff, Minnetonka, EUA, v.61, n. 17, p.18-23, jun. 1989.
OLDHAM J. D. Protein - Energy Interrelationships in Dairy Cows. Journal of Dairy Science, Chanpaing EUA, v.67, p.1090, 1984.
SUTTON, J. D. Altering Milk Composition by Feeding Journal of Dairy Science, Chanpaing EUA, v 72, n 10, p.2801-2814, out. 1989.
WU, Z.; HUBER, J.T. Relationship between dietary fat supplementation and milk protein concentration in lactating cows: A review. Livestock Production Science, v.39, p.141-155, 1994.

JUNIO CESAR MARTINEZ

Doutor em Ciência Animal e Pastagens (ESALQ), Pós-Doutor pela UNESP e Universidade da California-EUA. Professor da UNEMAT.

8

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

DANIEL RUFINO

INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

EM 06/02/2018

Boa tarde, qual seria a dieta ideal para um bom teor de gordura no leite?
BIANCA BORGES

PAULÍNIA - SÃO PAULO - ESTUDANTE

EM 10/08/2012

Professor, o senhor poderia me enviar os artigos também? bborgesfauro@gmail.com

JUNIO CESAR MARTINEZ

TANGARÁ DA SERRA - MATO GROSSO - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 09/10/2011

Prezado Eder.


Não são tantas as diferenças entre as formas de carbonatos e bicarbonatos utilizados como tamponantes. Assim podemos especular que o preço destes poderá ser um bom balizador para a tomada de decisão.
EDER GHEDINI

TAPEJARA - RIO GRANDE DO SUL

EM 21/09/2011

Professor, o uso de tamponantes que citou, ao invés de bicarbonato de cálcio que também é alcalino não seria mais interessante a utilização de bicarbonato de sódio? Quanto ao uso de vitaminas do complexo B, a biotina teria algum efeito neste contexto? Se puder, gostaria também de ter acesso ao material utilizado como suas referências e artigos revisados. Grato pela sua atenção! Abraço.
LEONARDO JOSÉ RENNÓ SIQUEIRA

ITAJUBÁ - MINAS GERAIS - INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

EM 13/04/2011

Prezado Professor Junior

Gostaria se possível, que me enviasse também os artigos revisados.
Grato pela atenção.
Att, Leonardo
JUNIO CESAR MARTINEZ

TANGARÁ DA SERRA - MATO GROSSO - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 11/04/2011

Prezado Gustavo,

Os métodos de preparação de gorduras para ficarem inertes no rúmen não são 100% eficientes. Como o objetivo do tratamento é obter uma gordura "by-pass" sim, o termo gordura protegida é correto. Sobre os artigos, assim que possivel os encaminharei.
GUSTAVO SALVATI

PIRACICABA - SÃO PAULO - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 09/04/2011

Prezado Prof. Junio,

Gostaria se possível, que me enviasse os artigos que citou na bibliografia para ampliar meu estudo. Haja visto que não tenho acesso a todos estes periódicos citados. Meu e-mail é gustavosalvati@hotmail.com. Desde já agradeço pela atenção.

Att,
Gustavo Salvati
GUSTAVO SALVATI

PIRACICABA - SÃO PAULO - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 09/04/2011

Prezado Prof. Júlio,


No texto acima, você fala em gorduras protegidas, este termo é correto? Haja visto que a forma que elas se apresentam parcialmente inativas no rúmen é devido ao fato dos ácidos graxos estarem na forma de sabões de Cálcio, que não protege 100% do ambiente ruminal.Desde já agradeçoe pela atenção e fico aguardano sua resposta.

Att,
Gustavo Salvati