ENTRAR COM FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Níveis de lactato de bezerros oriundos da transferência nuclear de células somáticas

POR TARCÍSIO MARANIN

PRODUÇÃO

EM 09/03/2018

0
4

Autor do artigo: 

Tarcísio Maranin, Médico Veterinário pelo Centro Universitário de Jaguariúna

A bovinocultura é responsável pela maioria dos clones produzidos comercialmente no Brasil. Estima-se que existam aproximadamente 1.500 animais nascidos pela técnica de Transferência Nuclear de Células Somáticas (TNCS) por todo mundo, e em especial, na América do Norte, Japão, Nova Zelândia, Europa, Ásia e América do Sul (HEYMAN, 2005).

A clonagem ou técnica de transferência nuclear (TN) é uma biotecnia que permite a geração de um organismo geneticamente idêntico ao outro. Para sua execução, retira-se o núcleo de uma célula embrionária ou somática de interesse, e após o mesmo é transferido para um óocito previamente enucleado (CAMPBELL et al.; 1996). Os partos dos clones são frequentemente sujeitos a assistência veterinária, especialmente em virtude do fato de que em muitos casos, não ocorre a sinalização fisiológica do parto na matriz, o que contribui para a ocorrência de um grande número de partos cesáreos, a fim de minimizar a ocorrência de problemas de saúde à matriz e especialmente ao neonato (KOMNINOU, 2008).

Em receptoras prenhas de clone, é comum que a gestação se prolongue. Isto ocorre devido à redução dos níveis de cortisol, que passa a ser insuficiente para o sistema IGF (fator crescimento insulina-dependente), ocasionando alterações no processo normal do desenvolvimento do parto (MATSUZAKI & 2 SHIGA, 2002). Em função disto, mesmo que o feto atinja o final do estágio de maturação, a matriz receptora não sinaliza o parto através de sinais fisiológicos, pois não apresenta a dilatação de cérvix. Nestes casos, o feto pode apresentar sinais de sofrimento fetal, razão pela qual, a cirurgia cesariana passa a ser recomendada (HILL et al.; 1999).

As principais alterações fisiológicas caracterizadas como complicações do período neonatal são observadas nas primeiras horas de vida do clone, entre o parto até 24 horas, e ocorrem, na maioria dos casos, devido a distúrbios de adaptação neonatal que envolvem os sistemas circulatórios e cardiovasculares (MARCHESE, 2014). Deficiências nestes sistemas podem desencadear hipóxia por alterações na circulação uteroplacentária ou por distúrbios do cordão umbilical (SIRISTATIDIS et al.; 2003) e a maioria das perdas gestacionais de clones está associada a estas falhas (WELLS,1999); (HILL et al.; 1999); (BUCZINSKI et al.; 2009). Uma circulação fetal ineficiente pode levar ao quadro de hipoxemia e hipóxia tecidual no clone. Esta ocorrência pode se desenvolver muito precocemente, ainda no parto, e desencadear um estado de sofrimento fetal, que neste caso, será provocado por deficiência placentária (KOMNINOU, 2008).

Nas gestações de conceptos clonados, os placentônios apresentam variados números e tamanhos (MIGLINO et al.; 2007) e na grande maioria dos casos, são maiores em tamanhos e menores em quantidade. Esta alteração acarreta um menor fluxo sanguíneo ao concepto e assim, uma menor passagem de oxigênio, ocasionando sofrimento fetal do clone no pré-parto (BATCHERLDER et al.; 2007). Quando os distúrbios fisiológicos atingem o sistema respiratório, é possível utilizar várias manobras para provocar o início dos movimentos necessários à manutenção deste sistema, a fim de evitar hipóxia e acidose, preservando a vida do clone. Uma destas manobras consiste em estimular os termos receptores localizados na pele do animal, derramando 5 litros (em média) de água a 5°C sobre a cabeça do neonato imediatamente após o nascimento.

Nos casos que as manobras não são suficientes, a respiração espontânea pode ser rapidamente estimulada por administração intravenosa na dosagem de 10 a 400 mg de cloridrato de doxapram (KUMAR, 2009). Estes procedimentos auxiliam o processo de troca gasosa do neonato, diminuindo as complicações ocasionadas pela acidose lática de causa respiratória (BLUEL et al.; 2010), ainda preocupante em clones neonato.

A análise da concentração de lactato plasmático, um metabólico bioquímico, após o parto, pode servir como um importante indicador da ocorrência de hipóxia no clone recém-nascido, uma vez que essa molécula é considerada um marcador de perfusão tecidual. Bioquimicamente, o aumento do lactato refletiria uma intensa metabolização das reservas energéticas, causada especialmente pelo aumento da atividade simpática, derivada do estresse adaptativo ao nascimento (STEINHARDT, 1995). 

Ainda que a produção de lactato ocorra em todos os tecidos, o lactato plasmático representa de forma mais efetiva o derivado dos músculos, cérebro, hemácias e intestino. Entretanto, é importante salientar que há circunstâncias onde seus valores estarão elevados e ainda assim, dissociados a hipoperfusão tecidual (SILVA et al.; 2001), tal como na ocorrência de hipoglicemia ou sepse. Os resultados obtidos após a leitura dos níveis plasmáticos do lactato dos 12 clones estão apresentados na figura 1. 

lactato bezerros

Estudos demostram que o lactato também é produzido pela placenta e distribuído na circulação materna e fetal, contribuindo para o aumento do “carbono” no crescimento fetal (pela metabolização da glicose), o que é bastante positivo, especialmente em função do fato de que a taxa respiratória fetal impõe necessidades de mínimas necessárias de fontes carbono ao feto (HAY et al.;1988).

Conclusão

Nesta pesquisa, foi possível constatar que os níveis plasmáticos de lactato nos indivíduos clones da raça Gir foram superiores aos observados nos indivíduos da raça Nelore, tanto no T=0h como nas próximas 48h após o nascimento. Havendo uma alteração significativa nos níveis de lactato no pós-parto (0h), faz-se necessário a introdução imediata de protocolos médicos que visem impedir o desenvolvimento da acidose respiratória ao longo das próximas horas de vida do clone, diminuindo as perdas relacionadas a este importante quadro metabólico que entre outros fatores, desencadeia hipóxia tecidual e que pode ser fatal. 

Referencias bibliográficas

BATCHELDER, C. A.; BERTOLINI, M.; MASSON, J. B.; MOYER, A. L.; HOFFERT, K. A.; PETKOV, S. G.; FAMULA, T. R.; ANGELOS, J.; GEORGE, L. W.; ANDERSON, G.B. Perinatal physiology in cloned and normal calves: hematological and biochemical profiles. Cloning Steam Cells, v.9, n.1, p.8386, 2007.

BLEUL, U.; BIRCHER, B.; JUD, R.S.; KUTTER, A.P.N. Respiratory and cardiovascular effects of doxapram and theophylline for the treatment of asphyxia in neonatal calves.Theriogenology, v.73, p.612–619, 2010.

BUCZINSKI, S.; FECTEAUR, G.; COMEAU, G.; BOYSEN, S. R.; LEFEBURE, R. C.; SMITH, L. C. Ultrasonographic fetal well-being assessment, neonatal and postpartum findings of cloned pregnancies in cattle: a preliminary study on 10 fetuses and calves. The Canadian Veterinary Journal, v.50; p.262-269, 2009.

CAMPBELL, K. H.; MCWHIR,J.; RITCHIEW, W. A.; WILMUT, I. Sheep cloned by cloned nuclear transfer a culture cell line. Nature, v.380, n. 6569, p. 64-66, 1996

HAY, W. W.; MEZNARICH, H. K.; DIGIACOMO, J. E.; HIRST, K.; ZERBE, G. Effects of insulin and glucose on glucose utilization in fetal sheep. Pediatric Research, v.23, p.281-287, 1988.

HEYMANY. Nuclear transfer: a new tool for reproductive biotechnology in cattle. Reproduction Nutrition Development, v.45, p. 353-361, 2005.

HILL, J. R.; ROUSSEL, A. J.; CIBELLI, J. B.; EDWARDS, J. F.; HOOPER, N. L.; MILLER, M. W.; THOMPSON, J. A.; LOONEY, C. R.; WETSHUSIN, M. E.; ROBL, J. M.; STICE, S. L. Clinical and pathologic features of cloned transgenic calves and fetures (13 case studies). Theriogenology, v.51, p.1451-1465, 1999.

KOMNINOU, R. E. Contribuição ao estudo da hematologia de bezerros da raça nelore, originados por meio da técnica de transferência nuclear de células somáticas (TNCS) – Clonagem, 2008.

KUMAR, P. Applied Veterinary Gynaecology and Obstetrics.1ed. India: International Book Distributing Co., 2009, 363p. 6

MARCHESE, F. J. M. Perfil bioquímico de bezerros da raça nelore, originados por meio da técnica de transferência nuclear de células somáticas (TNCS) – Clonagem, 2014. MATSUZAKI, M.; K. Endocrine characteristics of cloned. Cloning Steam Cells, v4, p.262-267, 2002.

MIGLINIO, M. A.; PEREIRA, F. T. V.; VISINTIN, J. A.; GARCIA, J. M.; MEIRELES, F. V.; RUMPF, R.; AMBROSIO, C. E.; PAPA, P. C.; SANTOS, T. C.; CARVALHO, A. F.; LEISER, R.; CARTER, A. M. Placentation in clonedcattle: Structureand microvascular architecture. Theriogenoloy, v.68, p. 604-617, 2007.

SILVA, E.; GARRIDO, A. G.; ASSUNÇÃO, M. S. Avaliação da perfusão tecidual no choque. Medicina, Ribeirão Preto, v.34, p.27-35, 2001.

SIRISTATIDIS, C.; SALAMALEKIS, E.; KASSANOS, D.; LOGHIS, C.; CREATSAS, G. Evalutionof fetal intrapartumhypoxiabymiddle cerebral and umbilical artery Doppler velocimetrywithsimultaneous cardiotocography andoximetry. Archives of Gynecology and Obstetrics, v.270, n.4, p.256-270, 2003.

STEINHARDT, M.; THIELSCHIER, H. H.; LEHR, A.; LADEWIG, J.; SZALONY, S.; SMIDT, D.; IHNEN, B. Clinical chemical and hematological blood values and adaptations during postnatal life in suckler calves. Deutshe Tierarztliche Wochensschrift.; v.102, p.309-405, 1995.

WELLS, D. N. Animal cloning: current process, challenges and future prospects. Revista Brasileira de Reprodução Animal, v.23, p.86-97, 1999.

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.