FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Manejo sanitário da fêmea gestante na Produção Intensiva de Cordeiros

PRODUÇÃO

EM 15/06/2009

1
0
As clostridioses representam o único grupo universal de doenças para o qual todos os ovinos devem ser vacinados. A enterotoxemia causada pelo Clostridium perfringens tipo D é uma doença de ruminantes, especialmente de cordeiros, e apresenta ampla distribuição mundial, sendo particularmente importante em sistemas intensivos de produção, onde a utilização de concentrados na dieta é alta.

O C. perfringens tipo D é um habitante natural do trato digestivo, porém, sob determinadas condições de elevado plano nutricional com alta inclusão de concentrados ricos em amido, os micro-organismos proliferam-se rapidamente nos intestinos e produzem quantidades letais de ε-toxina (toxina épsilon), causando a morte de cordeiros em torno de 2 horas.

A vacinação das fêmeas por volta de 3-4 semanas antes do parto aumenta grandemente os níveis de anticorpos circulantes até a última semana antes do parto, quando, então, devido à migração para o colostro, os níveis na corrente sanguínea decrescem. Esta é uma das melhores estratégias para se combater surtos de enterotoxemia em cordeiros, fazendo uso da transferência passiva de imunidade.

Concentrações de anticorpos de 0,15 a 0,2 UI/mL são considerados suficientes para proteção em ovinos. Assim, a vacinação de ovelhas no pré-parto aumenta significativamente as concentrações de anticorpos dos cordeiros (19 UI/mL) comparadas com a de cordeiros de ovelhas não-vacinadas (2 UI/mL).

A vacinação das ovelhas resulta em cordeiros com concentrações mais altas de anticorpos até a semana 10 pós-parto, quando na semana 12 começam a declinar para níveis em torno de 0,6 UI/mL, e como concentrações de 0,2 UI/mL podem ser protetoras, a vacinação de ovelhas antes do parto promove a proteção passiva dos cordeiros, no mínimo, até a semana 12 após o nascimento, melhorando imensamente a transferência passiva de anticorpos, o que é crucial para aumentar as taxas de sobrevivência neonatal e, como em sistemas intensivos de produção os cordeiros estão prontos para comercialização antes dos 4 meses de idade, a vacinação dos mesmos pode não ser necessária.

As ovelhas que nunca foram vacinadas, devem receber 2 doses de vacina polivalente contra clostridioses com intervalo de 30 dias, sendo a última vacinação realizada por volta de 3-4 semanas antes do parto. Borregas que foram vacinadas após a desmama e ovelhas já inseridas no programa de vacinação devem receber apenas uma única dose nas últimas 3-4 semanas de cada gestação.

Gostou dessa dica e quer saber mais sobre o manejo pré-natal e pós-natal de cordeiros?

Participe do Curso Online Produção Intensiva de Cordeiros - do nascimento ao abate e aprenda os princípios fundamentais para a produção intensiva de cordeiros.

Este é um trecho do Módulo 3 do Curso Online Produção Intensiva de Cordeiros - do nascimento ao abate, que terá duração de 6 semanas e iniciará no dia 25 de junho.

O instrutor desse curso, Daniel de Araújo Souza, é médico veterinário formado pela Universidade Federal da Bahia e consultor em sistemas produtores de carne ovina. Possui especializações em Administração Rural (UFLA) e em Manejo da Pastagem (FAZU), e atualmente é aluno de mestrado em Zootecnia (UFC), com área de concentração em Produção Animal.

Participe deste curso e entenda detalhadamente os conceitos básicos para produzir carne de cordeiro de forma intensiva, obtendo informações desde a escolha da raça e cruzamento até a terminação e abate.

Conheça a programação completa aqui e inscreva-se!

1

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MARCELO BARSANTE SANTOS

UBERABA - MINAS GERAIS - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 12/08/2009

Muito bom o artigo sobre as clostridoises, que é uma das enfermidades que mais matam ovinos jovens e adultos. Muitos acham que a verminose é grane vilã do nosso setor. Mas a clostridiose tambem é um grande mal. Faça a vacinacao correta