FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Manejo nutricional de caprinos e ovinos em regiões semiáridas

VÁRIOS AUTORES

PRODUÇÃO

EM 11/08/2010

3
2
A criação de pequenos ruminantes sempre teve seu lugar no mercado por oferecer produtos de alta qualidade como: leite carne e pele. A exploração racional de caprinos vem se destacando nos últimos anos por suas características de alta lucratividade e rápido retorno financeiro. Porém, vale salientar que, a produtividade é alcançada quando são considerados os aspectos genéticos, sanitários e nutricionais do rebanho, sendo este último, o fator que reflete mais rapidamente sobre a produção. Novos criadores têm surgido e os rebanhos têm sido ampliados. Todavia, ainda existem muitas falhas no manejo nutricional e alimentar desses animais, podendo assim causar prejuízos financeiros ao criador bem como ao bem estar e saúde dos animais.

Muitas vezes as cabras e ovelhas são nutricionalmente consideradas e tratadas como "pequenas vacas", especialmente as de categoria leiteiras. Todavia, apesar de ambas serem ruminantes e, portanto requererem os mesmos princípios nutritivos, as diferenças existentes entre essas espécies são muitas: hábitos alimentares, nível de atividades físicas, exigências nutricionais e de água, capacidade de seleção dos alimentos, aceitação dos alimentos, composição do leite, composição da carcaça, desordens metabólicas e endoparasitoses. Dessa forma, a nutrição de caprinos e ovinos deve ser tratada com especificidade, evitando-se extrapolar indiscriminadamente as experiências obtidas com outros ruminantes.

Nutrir adequadamente um caprino e/ou um ovino significa fornecer-lhe todos os nutrientes necessários, em quantidade e proporção adequadas para atender às suas necessidades, com uma ração sem fatores tóxicos e no menor custo possível. Nesta simples definição, estão envolvidos uma série de conceitos e princípios que devem ser muito bem conhecidos e considerados para se definir o programa nutricional mais adequado à propriedade e ao rebanho em questão, na escolha dos alimentos e na alimentação propriamente dita. Conceituando, a alimentação inclui o processamento dos alimentos, sua mistura e preparação e fornecimento aos animais; a limpeza e o manejo do cocho, e o monitoramento do consumo e do desempenho dos animais também devem ser considerados.

Os alimentos facilmente representam 50% das despesas de uma caprinocultura leiteira, não raramente ultrapassando essa participação, e chegando até a 80% em casos extremos. Por outro lado, sem alimentos de boa qualidade, certamente o desempenho e muitas vezes até mesmo a saúde dos animais serão comprometidas.

Assim, chegamos a um dilema:

a) Que animal alimentar?

b) Que alimentos utilizar na alimentação desses animais?

Ao iniciar uma criação, seja ela caprinocultura ou ovinocultura, o produtor deverá fazer um planejamento de sua propriedade, levando em consideração alguns aspectos. Entre eles, a área disponível para formação de forrageiras, se essa área se adapta ao plantio, se existe água para irrigação, qual a produção por hectare de massa verde dessa forrageira, época de colheita, digestibilidade e nutrientes que compõe a forrageira. E ainda o número de animais que está criando por categoria, descartes e nascimentos do ano.

Em sistemas de produção de pequenos ruminantes, esta pergunta é respondida mais facilmente se os animais forem divididos em categorias de produção, já que os animais dependendo da espécie, idade, sexo e do estádio fisiológico em que se encontram apresentam hábitos alimentares, exigências nutricionais e comportamentos diferentes. Assim, podem ser empregadas as categorias de produção apresentadas na Tabela 1.

Tabela 1 - Sugestão de categorias de produção para o manejo alimentar de caprinos e ovinos.



É sabido que, os custos com concentrado torna-se a fração mais onerosa na produção de um criatório, portanto, é necessário a implantação de capineiras na propriedade para diminuir esses custos. Na alimentação animal é importante que se dê preferência, as variedades de plantas mais adaptáveis à região, desde que sejam bem aceitas pelos animais e tenham bom valor nutritivo. Nas condições do semiárido, geralmente estão disponíveis para alimentação de caprinos e ovinos, a pastagem nativa (caatinga), a cultivada, os volumosos suplementares (palma, feno e silagem), além de alimentos concentrados, geralmente comprados de outras regiões produtoras.

Vale salientar que, animais nutricionalmente mais carentes devem ter acesso à suplementação com feno ou silagem de leguminosas e/ou gramíneas, obtidas do campo de produção de forragem das áreas úmidas da propriedade. Deve ser oferecida uma mistura de sal comum e sal mineralizado, nos cochos, colocados nos apriscos, à vontade.

O efeito do estado nutricional na performance reprodutiva é muito importante. Embora os tipos de fontes nutricionais e os problemas de manejo possam diferir entre regiões, os processos fisiológicos que comandam o desempenho reprodutivo são os mesmos e sob condições nutricionais inadequadas agem negativamente no processo reprodutivo, afetando os índices produtivos do rebanho.

A alimentação é o principal fator do comportamento reprodutivo e de respostas aos tratamentos de sincronização de estros em todas as espécies animais. No semiárido a limitada disponibilidade de alimentos, associada à escassez das chuvas, é determinante no estado nutricional dos rebanhos. Assim, em animais com baixa condição corporal, o atraso e a ausência de cio estão estreitamente relacionados. A taxa de ovulação e a fertilidade são altamente dependentes da alimentação pré-cobertura, enquanto em bom estado nutricional, estes animais apresentam excelente respostas ao tratamento. Fundamentando-se assim, a preocupação e os cuidados que se deve ter com a alimentação animal.

Diante do exposto, é de conhecimento que a alimentação é o fator que mais onera o custo nos sistemas de produção animal. No semiárido, devido à dificuldade de produção de alimentos, esta realidade é ainda mais marcante e implica em cuidados especiais no planejamento alimentar. Muitas tecnologias já foram geradas e muitas ainda estão sendo estudadas e desenvolvidas para o aprimoramento do manejo alimentar de caprinos e ovinos no semiárido.

Referências bibliográficas

ALBUQUERQUE, F. AH. M. A. R; BORGES, I.; NEIVA, J. N. M.; Exigências nutricionais e categoria de produção. In: Do campus para o campo: Tecnologia para produção de ovinos e caprinos. 165-172p. Fortaleza, 2005.288p.

PEREIRA, L.G.R. et al. Manejo nutricional de ovinos e caprinos em regiões semiáridas. In: SEMINÁRIO NORDESTINO DE PECUÁRIA, 11; 2007, Fortaleza. Repensando o agronegócio da pecuária: novos caminhos. Fortaleza: FAEC; CNA; SENAR; SEBRAE-CE, 2007.

SUELI FREITAS DOS SANTOS

Zootecnista

RENAN M. MEDEIROS SANSON

PATRÍCIA ALMEIDA MAPURUNGA

Graduanda em Zootecnia - Universidade Estadual Vale do Acaraú-UVA

JULIETE DE LIMA GONÇALVES

Graduanda em Zootecnia - Universidade Estadual Vale do Acaraú-UVA

NATÁLIA LÍVIA DE OLIVEIRA FONTELES

Zootecnista - Mestranda em Zootecnia - Universidade Estadual Vale do Acaraú-UVA

3

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

OLVAR NETO QUARESMA

EM 30/05/2018

muito legal
JÁDSON

BOA SAÚDE - RIO GRANDE DO NORTE - ESTUDANTE

EM 25/04/2013

achei muito legal, mas estou procurando um trabalho sobre a alimentação de caprinos e ovinos!!!
JOÃO BATISTA DE SOUZA AGUIAR,

PARANAÍBA - MATO GROSSO DO SUL

EM 24/08/2010

A caprinocultura hoje, tem conquistado um espaço na cadeia produtiva em nosso país,e a tendência é aumentar sua expressividade. As informações contidas neste informativo são muito interessantes para a aplicação no manejo nutricional dos caprinos por categorias. João Batista.