FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Introduzindo à biossegurança - parte II

POR DANIEL DE ARAÚJO SOUZA

PRODUÇÃO

EM 11/08/2009

0
0
Na primeira parte desse artigo foi abordado algumas medidas objetivando reduzir a exposição dos animais e da propriedade a potenciais agentes causadores de doença (ACDs). Nessa segunda parte, abordaremos alguns procedimentos visando a proteção do rebanho e da unidade de produção contra infecções potenciais, dentre os quais se destacam:

1. Vacinação - é a primeira medida de ação na proteção de animais de produção. Existe no mercado uma ampla variedade de vacinas, o que reforça a necessidade de se desenvolver protocolos específicos e personalizados para cada propriedade, a partir de uma análise minuciosa do sistema de produção, programa nutricional, condição dos animais, tipo de atividade (cria, recria e/ou engorda), histórico sanitário, problemas sanitários atuais, riscos potenciais e exames laboratoriais.

2. Exames laboratoriais - o exame sorológico dos animais é a melhor forma de se definir o status sanitário de um rebanho, indicando quais agentes infecciosos estão circulando no plantel e a efetividade potencial de um protocolo de vacinação. A necropsia de todos os animais que vêm a óbito é um mecanismo essencial para se estabelecer um programa de vigilância a fim de identificar quaisquer mudanças no padrão sanitário atual, assim como, confirmar as doenças ou condições ocorrentes em um rebanho ou população.

3. Limpeza - em uma propriedade pecuária, as áreas de manejo dos animais, tais como currais, troncos e bretes, são fontes de contaminação geralmente ignoradas. Devido a sua localização externa e, muitas vezes isolada, essas instalações não são limpas regularmente após o uso. As áreas com acúmulo de sujidades devem ser raspadas até o chão, pois, embora a luz solar, o tempo e a secagem sejam bons inativadores de muitos ACDs, para que esses elementos naturais sejam efetivos, é necessário minimizar ao máximo o nível de matéria orgânica (dejetos, poeira, sangue, etc.). Todas as superfícies e áreas de trabalho devem ser completamente lavadas e desinfectadas após cada uso, especialmente entre lotes de animais. As estruturas de armazenamento de alimentos e de água (silos, galpões, bebedouros e reservatórios) são importantes fontes de ACDs, e devem ser limpos regularmente, eliminando-se sujidades, resíduos ou sobras. O equipamento de transporte e de processamento de alimentos (carroças, carretas, misturadores, vagões, etc.) deve ser limpo e desinfectado antes e após cada uso ou periodicamente.

4. Desinfecção - é a destruição de microrganismos sobre superfícies inanimadas, porém, para que os desinfetantes sejam efetivos, os mesmos requerem uma variável amplitude de tempo para interagir com o agente infeccioso em questão para inativá-lo. Todo desinfetante apresenta redução em sua eficácia na presença de matéria orgânica, portanto, há a necessidade de limpeza prévia antes que o processo de desinfecção seja executado. Dependendo do agente e do ambiente ao seu redor, a quantidade de tempo necessária para inativar agentes infecciosos varia desde uns poucos 5 minutos a até mais do que 30 minutos, considerando também o tipo de desinfectante e de sua concentração em solução.

5. Funcionários - todo o time de funcionários deve ter conhecimento e consciência do programa de biossegurança e contra o que os animais estão sendo protegidos. Planos escritos para cada aspecto de biossegurança e treinamentos de rotina devem ser providos para cada funcionário. Um delineamento claro das ações a serem executadas em cada etapa do processo ajuda a assegurar a continuidade e que nenhum passo será ignorado. A adesão à "política" do programa é especialmente importante nos estágios de processamento, tais como, parição, programas de saúde, limpeza e desinfecção, manejo de dejetos e manutenção de registros. Assegurar que o time compreendeu plenamente a importância da visualização regular e freqüente dos partos, da movimentação oportuna às áreas de maternidade, e do adequado manejo dos neonatos é o passo mais importante para a produção de animais livres de doenças ao longo de todo o processo de produção. O treinamento apropriado na administração de vacinas e medicamentos é uma das mais importantes medidas para garantir a continua saúde dos animais e o fornecimento de um produto seguro e saudável para o consumidor.

6. Visitantes e vendedores - podem ser um risco potencial para a introdução de doenças, de forma que o conhecimento e o registro de todos os indivíduos presentes na propriedade deve ser mantido, procurando-se limitar o número de veículos e de ajudantes ou visitantes externos, assim como, conhecer a origem dos mesmos.

7. Identificação animal - a identificação animal permanece como uma prática comum para os produtores de animais pecuários, entretanto, com a crescente demanda do consumidor por alimentos seguros e saudáveis, e com o desejo de um segmento do setor produtivo em fornecer ao mercado produtos de maior valor agregado, a identificação animal individual e permanente tem emergido vagarosamente na forma da rastreabilidade. Para a biossegurança, esse tipo de identificação facilita a verificação (registros) e o monitoramento (epidemiologia) de surtos de doença.

8. Registros - Em um programa de biossegurança, o registro de todos os programas e procedimentos é necessário, uma vez que, é crucial se verificar os programas de treinamento; a fonte, qualidade e disposição de todos os produtos (animais, alimentos, forragens, equipamentos e materiais); produtos e procedimentos médicos e de vacinação; e o movimento de pessoas e equipamentos. No caso de uma incursão de doença, um programa de biossegurança que demonstre registros completos de todos os parâmetros operacionais estará em vantagem para o controle e erradicação da doença, bem como, para a liberação da propriedade e/ou remuneração pelas perdas.

DANIEL DE ARAÚJO SOUZA

Médico Veterinário, MBA, D.Sc., especializado no sistema agroindustrial da carne ovina. Consultor da Prime ASC - Advanced Sheep Consulting.

Facebook.com/prime.asc

Twitter.com/prime_asc

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.