FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Introduzindo à biossegurança - parte I

POR DANIEL DE ARAÚJO SOUZA

PRODUÇÃO

EM 03/06/2009

2
0
Biossegurança é o termo utilizado para descrever programas sanitários - ou o conjunto de medidas planejadas e executadas - que objetivem a prevenção da introdução de patógenos ou elementos considerados potencialmente perigosos à saúde e bem-estar de um rebanho ou de uma unidade de produção.

Os agentes causadores de doença (ACDs) podem ser de natureza infecciosa (a exemplo de bactérias, vírus e parasitas) e não-infecciosa (a exemplo de micotoxinas, metais pesados e agrotóxicos). Por outro lado, o controle de ACDs (prevenindo a transferência para novos grupos de animais) que já estão presentes em uma propriedade rural é chamado biocontenção.

Os efeitos adversos decorrentes da introdução de doenças e/ou tóxicos em uma propriedade pecuária podem variar e atingir áreas operacionais específicas como a reprodutiva (por meio de baixas taxas de concepção, morte embrionária precoce, abortos, defeitos congênitos), a produtiva (baixo peso ao nascimento, baixo peso a desmama, reduzida eficiência alimentar), a sanitária (altas taxas de morbidade e mortalidade) e a comercial (restrições mercadológicas, perda de negócios, perda na qualidade dos produtos).

Como mostrado na Tabela 1, o nível de biossegurança em uma empresa pecuária pode variar, de forma que cada unidade de produção possui sua própria janela de vulnerabilidade e, assim, deve traçar um plano de biossegurança particular e personalizado de acordo com os riscos inerentes ao seu ambiente produtivo.



As áreas e fatores a serem considerados incluem:

- o status sanitário de animais em introdução (temporária ou permamente) ao rebanho;
- a qualidade dos alimentos utilizados (produzidos e adquiridos);
- a qualidade da água de bebida;
- o risco atribuído à exposição a fauna selvagem ou nativa, assim como, a outras espécies domésticas (cães e gatos);
- o risco atribuído aos trabalhadores, prestadores de serviço e visitantes;
- o risco atribuído à ectoparasitas;
- o risco atribuído à nematódeos com resistência anti-helmíntica múltipla;
- a função de equipamentos e instrumentos na introdução e difusão de ACDs;
- o risco de patógenos e contaminantes difundidos pelo vento.

Um dos primeiros e principais passos em um plano de biossegurança visa reduzir a exposição dos animais e da propriedade a potenciais ACDs. Dentro deste tópico, algumas medidas podem ser adotadas, tais como:

1.Assegurar o controle do perímetro - é preciso ter o controle sobre os limites territoriais da propriedade a fim de evitar mistura de animais, contaminações e introdução de patógenos, limitando ou controlaando de forma mais efetiva o acesso de veículos, animais e pessoas. Embora seja uma tarefa mais difícil para sistemas de produção a pasto conduzidos sob grandes áreas, assegurar o bom controle do perímetro e, identificar e dimensionar as rotas de acesso, reduzem significativamente a probabilidade de exposição a ACDs;

2.Adicionar animais de status conhecido - qualquer animal introduzido ao rebanho deve ter seu status sanitário conhecido e ser vacinado usando um protocolo compatível com o rebanho receptor antes do embarque ou envio ao novo rebanho. Exames sorológicos e parasitológicos dos animais adquiridos deve ser um procedimento padrão durante a introdução de novos animais a um rebanho;

3.Isolar todos as novas aquisições - idealmente, todos os animais adquiridos devem ser isolados do rebanho receptor antes da incorporação efetiva, sendo manejados separadamente por um período de 15 a 30 dias e, durante esse tempo, os mesmos devem ser revacinados para otimizar o desempenho e minimizar a possibilidade de doença após a mistura com o rebanho receptor. Exames laboratoriais para algumas doenças de relevância podem ser efetivos durante esse período de quarentena;

4.Isolar os animais doentes - qualquer animal doente ou que apresente sinais clínicos deve ser isolado do restante do rebanho, sendo examinado, manipulado e tratado com equipamentos e instrumentos adequados que, por sua vez, devem ser limpos e desinfectados após cada uso. O diagnóstico deve ser confirmado por exames laboratoriais e necropsia.

5.Assegurar o manejo dos piquetes-maternidade - Muitos pontos de algumas doenças neonatais podem ser atribuídos ao uso repetitivo das áreas de nascimento ou piquetes-maternidade. Tanto a nível de campo quanto de aprisco, as áreas ou baias de maternidade devem ser limpas regularmente e usadas de forma rotativa, mantendo-se as áreas de amamentação separadas das áreas de maternidade, de forma a minimizar a exposição a ACDs.

6.Praticar o manejo de dejetos - a produção de dejetos em sistemas a pasto não é tão problemática quanto em confinamento. As dejeções devem ser removidas frequentemente e utilizadas para compostagem ou produção de húmus de minhoca, ou ainda, serem diluídas e espalhadas como adubo nos piquetes e em áreas de produção de volumosos. Resíduos de alimentos devem ser removidos e encaminhados para compostagem ou espalhados no campo, mas nunca serem reprocessados com outros alimentos para re-alimentação. Animais mortos devem ser queimados, enterrados ou enviados para compostagem.

Na próxima parte deste artigo serão abordados mais alguns tópicos e estratégias relacionados a um plano de biossegurança.

DANIEL DE ARAÚJO SOUZA

Médico Veterinário, MBA, D.Sc., especializado no sistema agroindustrial da carne ovina. Consultor da Prime ASC - Advanced Sheep Consulting.

Facebook.com/prime.asc

Twitter.com/prime_asc

2

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

AFONSO VOLTAN

JALES - SÃO PAULO - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 14/06/2009

Parabéns, Daniel, pelo artigo oportuno e muito importante para todos.
RICARDO SERPA

SÃO LOURENÇO DO SUL - RIO GRANDE DO SUL

EM 04/06/2009

Um programa maravilhoso, mas infelizmente paramos na falta de segurança para que possamos investir. Sou criador de um pequeno rebanho (400) ovinos da raça Merino Australiano. No ano de 2005 vendi minha lã a R$12,00, fui a exposição de Esteio e e comprei carneiros caros, mas otimista e convicto.

Para minha surpresa no ano de 2006 vendi a lã R$ 8,00, em 2007 a R$ 7,00, em 2008 R$6,00 e em 2009 R$4,50, minha média de peso de velo aumentou de 3,1 em 2005 para 4,3 em 2009, mas o meu faturamento passou de R$14.880.00 em 2005 para R$7.740,00 em 2009.

Quanto a carne na minha região os programas de cordeiros querem um cordeiro de 20 a 30 KG e querem pagar R$2.30 o KG vivo com um faturamento em torno R$60,00 por animal, quando vamos comprar um KG de carne vimos um preço na minha região de R$12,00 a R$ 16,00.Como investir?

Meu rebanho está todo a venda, com muito sentimento.