FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Intoxicação por monensina em pequenos ruminantes

POR MV DR. LEANDRO RODELLO, PHD

PRODUÇÃO

EM 01/10/2012

2
0
As doenças existentes que afetam o rebanho, muitas delas estão relacionadas com a alimentação. O manejo nutricional na propriedade tem que ser realizado de maneira correta, desde da escolha das matérias-primas até a forma como é oferecida para o rebanho.

A capacidade do aparelho digestivo em promover a digestão dos alimentos depende das suas funções motora e secretora. Em vários casos, a atividade da microflora é modificada, de modo que a digestão se torna anormal ou cessa. O fornecimento de uma dieta inadequada que ocorre em casos de uma formulação erronia, principalmente na adição de aditivos, com o objetivo de melhorar o desempenho de ganho de peso, acabam levando a um quadro de intoxicação.

A monensina é um antibiótico ionóforo sintetizado pelo fungo Streptomyces cinnamonenesis, sendo utilizada como aditivo na dieta de ruminantes para controlar a coccidiose e estimular o crescimento e ganho de peso. Essa droga é um poliéter carboxílico que forma complexos lipossolúveis com cátions, facilitando assim o transporte de íons através de membranas biológicas e induzindo distúrbios celulares fisiológicos e morfológicos devidos ao desequilíbrio iônico.

A monensina é considerada segura quando usada em espécies-alvo, dentro das dosagens recomendada pelo fabricante, e é rapidamente excretada após sua ingestão, com mínimo acúmulo nos tecidos. O uso inadequado desse antibiótico tem, no entanto, causado intoxicação em animais, com o falso conceito de que aumentando a dose recomendada, maior será o ganho de peso.

O consumo de doses tóxicas de monensina pode estar ligada em erro na mistura do premix na ração ou mistura heterogênia; uso concomitante com drogas que potencializa a ação da monensina (exemplos: tiamulin, cloranfenicol e eritromicina); alimentação de ruminantes com esterco de galinha ( vale lembrar que é proibido o fornecimento de esterco de galinha/cama de frango na alimentação animal) tratadas com esse ionóforo; e ingestão excessiva por animais vorazes com dominância social. A maior parte dos problemas de intoxicação dá-se no período inicial de adição do ionóforo à dieta.

A dose tóxica varia consideravelmente dependendo da categoria animal. A DL50 (dose letal capaz de matar 50% dos indivíduos de um lote) de monensina é de 12mg/kg, enquanto a DL0 dessa mesma droga é de 4mg/kg.

Sinais clínicos

O estado clínico da intoxicação varia de acordo com a intensidade da dose e o tempo de ingestão. As mortes podem ser súbitas ou o animal pode apresentar quadro superagudo, agudo, subagudo e crônico. Os tecidos primariamente afetados são o muscular estriado cardíaco e o esquelético.

A doença clínica em pequenos ruminantes, na qual o aparecimento dos sinais clínicos varia entre 18 horas e 4 dias. Nos casos agudos caracterizam-se por tremores musculares (principalmente da cabeça), hiperestesia e convulsões, durante as quais pode ocorrer a morte. Inicialmente, o quadro clínico inicia por sinais como recusa ao alimento, diarreia, parada ruminal e depressão, seguidos de tremores, fraqueza muscular, andar com arrastamento das pinças e decúbito. O animal pode vir a óbito agudamente, logo após o aparecimento desses sinais clínicos, por insuficiência cardíaca. Nos casos crônicos há atrofia muscular, principalmente dos posteriores, sinais de insuficiência cardíaca, edema de peito, fezes amolecidas ou liquidas e distúrbios respiratórios. Nesses casos, as mortes podem ocorrer em semanas ou até meses após a suspensão da monensina.

Diagnóstico

Os casos de intoxicação podem ser sugeridos pelo histórico da propriedade, quadro clínico e achados de necropsia.

Os músculos e o miocárdio devem ser examinados e os fragmentos desses órgãos devem ser colhidos em formalina a 10% para exame histológico. Uma dica para evitar artefatos é conservar os fragmentos de músculos em refrigeração até o desaparecimento do rigor mortis, antes de serem fixados em formol.

Controle

Infelizmente não existe tratamento específico. O tratamento com selênio e vitamina E não tem efeito após o inicio da intoxicação, mas o balanceamento desses ingredientes na dieta ajudam a reduzir os efeitos. Uma vez suspeitando ou diagnosticado a intoxicação por monensina, a alimentação deve ser suspensa e os animais que apresentam os sinais clínicos devem receber tratamento de suporte com fluidoterapia para uma possível recuperação.

Considerações finais

As doses a serem utilizadas na dieta variam com a idade e tamanho do animal, portanto, a administração deve seguir rigorosamente as recomendações do fabricante e/ou nutricionista. Os níveis aproximados para a ração é de 5-10ppm. Para o controle de coccidiose em cordeiros/cabritos pode ser utilizado de 11 a 22ppm na dieta completa.

Referências bibliográficas

PUGH, D.G. Sheep & Goat Medicine. Philadelphia - USA: Saunders Company, 2002, 468p.

RADOSTITS, O.M., GAY, C.C., BLOOD, D.C., HINCHCLIFF, K.W. Clinica Veterinária - Um tratado de Doenças dos Bovinos, Ovinos, Suinos, Caprinos e Equinos. Rio de Janeiro - RJ: Guanabara Koogan, 2002, 1737p.

RIET-CORREA, F., SCHILD, A.L., MÉNDEZ, M.D.C. Doenças de Ruminantes e Equinos. Pelotas - RS: Ed. Universitária, 1998, 651p.

SMITH, B.P. Medicina Interna de Grandes Animais. 3. Ed. Barueri - SP: Manole, 2006, 1728p.

SOUZA, T.S.; COSTA, J.N.; SILVA, A.E.; MOREIRA, E.L.T.; FERREIRA, M.M.; COSTA, A.F. Intoxicação por monensina em ovinos. Archives of Veterinary Science. v.13, n.4, p.280-84, 2008.

SALVADOR, I.S.; PESSOA, C.R.M.; SILVA, T.R.; ASSIS, A..C.O.; SANTOS, K.C.; MEDEIROS, J.M.A.; DANTAS, A.F.M. Intoxicação por monensina em ovinos no semi-árido Paraibano - Relato de caso. Ciência Animal Brasileira. Supl. 1 - Anais do VIII Congresso Brasileiro de Buiatria, 2009.

MV DR. LEANDRO RODELLO, PHD

Médico Veterinário (UNOESTE - Presidente Prudente), com Residência em Reprodução Animal (UNESP- Araçatuba) e Mestrado, Doutorado e Pós-Doutorado em Reprodução Animal (UNESP- Botucatu)

2

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MV DR. LEANDRO RODELLO, PHD

ARAGUAÍNA - TOCANTINS - PESQUISA/ENSINO

EM 03/10/2012

Prezado Sr. Elton Bock Correa,



Primeiramente obrigado por ter lido a matéria.



No caso a DL50 de 12mg/kg de peso vivo é quando utilizamos a monensina para fins terapeuticos , então você não pode atingir este nível.



No caso em ração/sal mineral, que são as formas, na qual a monensina é mais utilizada o Sr. não pode ultrapassar níveis entre 5-10ppm.



Att. Leandro
ELTON BOCK CORREA

MATO GROSSO DO SUL - INDÚSTRIA DE INSUMOS PARA A PRODUÇÃO

EM 03/10/2012

D DL 50 é 12mg/kg de peso vivo ou por kg de materia seca ingerida?