FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Intoxicação por Lantana camara

PRODUÇÃO

EM 29/06/2010

1
1
Como abordado no radar técnico anterior, "Intoxicação por plantas do gênero Ipomoea asarifolia", pode-se considerar como planta tóxica aquela que possui princípio ativo capaz de promover distúrbios nos animais e no homem.

Embora poucos estudos disponíveis no Brasil reportem especificamente a incidência dos quadros de intoxicação em pequenos ruminantes, dados apresentados por Riet-Correa e Medeiros (2001) para o Estado do Rio Grande do Sul indicam que 7,2% do total de mortes observadas para a espécie ovina ocorrem pelo consumo de plantas tóxicas, resultando em um prejuízo econômico estimado ao redor de US$ 1 milhão ao ano.

Dentre as diferentes espécies de plantas tóxicas descritas no Brasil, destacam-se às do gênero Lantana que são classificadas como plantas arbustivas conhecidas pelos nomes populares de "chumbinho", "camará", "cambará", "bem-me-quer" e "mal-me-quer", apresentando mais de 50 espécies documentadas (BRITO et al., 2004).

A espécie Lantana camara, planta da família Verbenaceae originária das Américas e África, apresenta uma grande importância como causadora de quadros de intoxicação em todo o mundo (MELLO et al., 2005), especialmente por crescer abundantemente em áreas tropicais e subtropicais, representando importante planta invasora de pastagens. Em virtude de sua importância como causadora de prejuízos econômicos e da ampla distribuição no país, os tópicos a seguir descrevem os principais aspectos relacionados aos quadros de intoxicação por Lantana camara.


Lantana camara

Em virtude da beleza de suas folhagens e multiplicidade de cores apresentadas por suas flores, a Lantana camara e suas variedades veem se difundindo pelo Brasil e pelo mundo como importante arbusto ornamental (Figuras 1 e 2). A planta que possui sistema radicular forte, folhas ovaladas e cheiro semelhante ao da erva-cidreira, cresce sob sol pleno sendo bastante resistente a podas, pouco exigente em termos de fertilidade dos solos, possuindo sementes com grande poder germinativo que lhe permitem florescer durante todos os meses do ano e em praticamente todos os Estados brasileiros (ZENIMORI e PASIN, 2006).

Figura 1: Aspecto da folhagem e frutos (verdes e maduros) da Lantana camara (A). Flores multicoloridas de Lantana. (B) *Imagens gentilmente cedidas e adaptadas de Zenimori e Pasin, (2006).



A beleza das flores, porém, se contrasta com o aspecto tóxico atribuído a grande maioria das variedades pertencentes a esse gênero, responsáveis por quadros graves de intoxicação nas espécies bovina, ovina e caprina. Os principais fatores predisponentes para os quadros de intoxicação natural por Lantana spp incluem a transferência de animais para áreas contaminadas pela planta e a escassez de forragem e/ou pastagens degradas que favorecem a perda de seletividade animal durante o pastejo e consequente consumo de ervas tóxicas.

De acordo com Brito et al., (2004), ovinos apresentam a mesma sensibilidade aos quadros de intoxicação quando comparados aos bovinos, que exibem quadros graves de intoxicação a partir da ingestão de doses únicas de 30 a 40g da planta ou a partir de 10g por 4 a 5 dias consecutivos. Quadros graves de intoxicação também podem ser observados em caprinos consumindo doses únicas a partir de 5g de folhas/kg de peso vivo (OBWOLO e ODIAWO, 1991).

As folhas representam a parte de maior toxidez da Lantana camara, ressaltando-se que a toxicidade se mantém por períodos prolongados de tempo, mesmo após a secagem dessas folhas (BRITO et al., 2004). Fatores como a estação do ano, composição do solo e variação genética da espécie de Lantana parecem influenciar diretamente o grau de toxicidade da planta.

Patogenia e Sinais Clínicos

Os princípios ativos tóxicos da L. camara são os Triperpenos (Lantadenos A e B), que atuam diretamente no fígado causando lesões que dificultam ou impedem a excreção biliar de agentes tóxicos resultantes do metabolismo animal, como é o caso da filoeritrina que representa um pigmento originado da degradação da clorofila presente nas forragens (COSTA, 2009; SCHILD, 2001).

Em virtude desse mecanismo particular de lesão, pode-se definir a intoxicação por Lantana spp como fotossensibilização hepatógena (semelhante a que ocorre nos quadros de intoxicação por Brachiaria decumbens), levando a degeneração hepática que se manifesta por icterícia (mucosas amareladas), urina de cor marrom-escura, anorexia, diarréia, depressão, desidratação, edema pulmonar, estase e compactação ruminal e fotossensibilização. Esta última se manifesta como uma dermatite localizada no focinho, úbere e em áreas de pele branca (MÉNDEZ e RIET-CORREA, 2001) que tendem a se espalhar pelo corpo do animal formando cascas e feridas profundas de difícil cicatrização.

O exame histopatológico frequentemente revela vacuolização citoplasmática e necrose hepática, além de lesões dos túbulos renais (OBWOLO e ODIAWO, 1991). O diagnóstico da intoxicação é baseado na observação dos sinais clínicos associados a ocorrência da planta como contaminante das pastagens.

Tratamento e Prevenção

Embora não exista tratamento eficaz para a intoxicação por Lantana spp (COSTA, 2009), medidas como a lavagem gástrica ou ruminotomia dos animais acometidos com a remoção do conteúdo gástrico contendo toxinas e substituição por líquido ruminal proveniente de animais sadios, substâncias tampão e pasto verde picado representam medidas adjuvantes no tratamento (MÉNDEZ e RIET-CORREA, 2001).

Segundo Riet-Correa e Medeiros (2001), a prevenção e o controle das intoxicações por plantas deve-se basear no conhecimento dos fatores associados as plantas, aos animais, ao ambiente ou ao manejo que determinam a ocorrência, frequência e distribuição geográfica das intoxicações, incluindo:

1 - o manejo dos animais e das pastagens tais como evitar o pastoreio excessivo, utilizar animais de espécies ou idades resistentes a determinadas plantas e evitar colocar animais recentemente transportados com fome ou sede em pastagens contaminadas por plantas tóxicas;

2 - a utilização de cercas para isolar áreas contaminadas por plantas tóxicas;

3 - a eliminação das espécies tóxicas, arrancando-as manualmente, utilizando herbicidas, roçando, capinando, lavrando, queimando ou pelo pastoreio com animais não-susceptíveis;

4 - a utilização de sementes controladas para evitar a difusão de espécies tóxicas;

5 - a confecção de fenos e silagem evitando a sua contaminação por espécies potencialmente nocivas aos animais.

Referências bibliográficas

BRITO, M.F., TOKARNIA, K.H., DÖBEREINER, J. A toxidez de diversas lantanas para bovinos e ovinos no Brasil. Pesquisa Veterinária Brasileira, v.24, n.3, p.153-159, 2004.

COSTA, A.M.D. Plantas tóxicas de interesse pecuário nas microrregiões de Araguaína e Bico do Papagaio, Norte do Tocantins. 2009. 107p. Dissertação (Mestrado Área de Concentração: Produção Animal) - Universidade Federal do Tocantins - Araguaína/TO, 2009.

MELLO, F.B., JACOBUS, D., CARVALHO, K. et al. Effects of Lantana camara (Verbenaceae) on general reproductiveperformance and teratology in rats. Toxicon, v.45, p.459-466, 2005.

MÉNDEZ, M.C., RIET-CORREA, F. Intoxicações por plantas e micotoxinas. In:___ RIET-CORREA, F.; SHILD, A.L.; MÉNDEZ, M.C.; LEMOS, R.A.A. Doenças de Ruminantes e Eqüinos. São Paulo: Varela, 2001. vol.2, p.220-230.

OBWOLO, M.J., ODIAWO, G.O. Clinicopathological features of experimental low-dose Lantana camara poisoning in indigenous Zimbabwean goats. Zimbabwe Veterinary Journal, v.21, n.1, p.1-7, 1991.
RIET-CORREA, F., MEDEIROS, R.M.T. Intoxicações por plantas em ruminantes no Brasil e no Uruguai: importância econômica, controle e riscos para a saúde pública. Pesquisa Veterinária Brasileira, v.21, n.1, jan./mar, 2001.

SCHILD, A.L. Fotossensibilização Hepatógena. In:___ RIET-CORREA, F.; SHILD, A.L.; MÉNDEZ, M.C.; LEMOS, R.A.A. Doenças de Ruminantes e Eqüinos. São Paulo: Varela, 2001. vol.2, p.177-180.

ZENIMORI, S., PASIN, L.A.A.P. Aspectos da biologia floral de Lantana (Lantana camara L.). Revista Univap, (Anais do X Encontro Latino Americano de Iniciação Científica e VI Encontro Latino Americano de Pós Graduação), v.13, n.24, 2006.

1

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

DENIS

PINHÃO - SERGIPE - PRODUÇÃO DE OVINOS

EM 30/06/2010

Oi André. Parabéns pelo artigo. Estou acompanhando esses artigos sobre intoxicação alimentar, e sem dúvidas são muito interessantes, pois acredito que muitos produtores presenciam isso em suas propriedades mas não imaginam que possa ser intoxicação, então, é bom mesmo você destacar os sintomas. Um abraço