ENTRAR COM FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Formação de lotes: vacas primíparas e multíparas podem ficar juntas? Qual o tamanho ideal do lote?

POR RAFAELA CARARETO POLYCARPO

PRODUÇÃO

EM 08/08/2008

7
0
Segundo o NRC (2001), vacas primíparas (PP) consomem menos alimentos e de maneira diferente que vacas multíparas (MP); além disso, vacas PP geralmente são mais medrosas e se encontram em posição social inferior no rebanho. Por estes motivos, é bastante comum separar lotes de animais PP e MP.

Philips e Rind (2001) avaliaram os efeitos na produção de leite e no comportamento dos animais misturando ou não grupos de vacas multíparas e primíparas. Foram avaliados três grupos: um com 16 vacas multíparas, um com 16 vacas primíparas e outro com 8 vacas primíparas e 8 vacas multíparas. Os animais eram mantidos em sistema de pastejo rotacionado.

A produção de leite na primeira semana foi 3% menor para o grupo com animais misturados e na sexta semana foi 1% menor que a dos grupos não misturados. A redução na produção de leite foi similar para as vacas multíparas e primíparas. No grupo misturado, todos os animais diminuíram o tempo pastejando e ficaram mais tempo parados, principalmente na primeira semana de experimento; porém, as vacas multíparas deste mesmo grupo aumentaram a taxa de bocado e tiveram mais interações de agressão com as demais vacas do que nos grupos separados.

Os autores concluíram que ao misturar vacas primíparas e multíparas, há interferência no tempo de pastejo e no comportamento social do grupo, resultando com isso em queda de produção de leite.

Em outro estudo realizado por Bach e colaboradores (2006), foi avaliado os resultados na produção de leite e no comportamento animal quando se misturava ou não animais PP e MP. Foram utilizados 2 grupos de animais, um exclusivo de PP, um com 30 % de PP e 70% de MP. Os animais eram mantidos confinados, recebiam a mesma dieta basal e mais 3 kg de concentrado por dia no momento da ordenha.

Não houve diferença de produção de leite e no consumo de matéria seca entre os animais PP dos dois lotes (25,5 kg/d e 18,1 kg/MS para PP sozinhas e 25,9 kg/d e 18, 7 kg/MS para as PP junto com lote de MP).

Tradicionalmente, vacas leiteiras são agrupadas em lotes que tenham de 40 a 100 animais (Albrigh, 1978). Grupos de até 100 animais teriam algumas vantagens como facilidade de locomoção, facilidade dos animais reconhecerem todo o grupo, facilidade para observar todos os animais e de formular a ração que atenda de maneira eficiente. Porém, segundo Grant e Albright, 2000, muitos fatores podem interferir no tamanho do grupo:

1) espaço de cocho, competição por água, alimento;
2) as interações sociais que existam no rebanho;
3) espaço disponível para os animais;
4) tamanho dos animais e idade;
5) condição corporal dos animais;
6) ingestão de matéria seca;
7) presença ou não de sistemas de ventilação.

O tamanho máximo do grupo é ditado pelas características da ordenha; uma vaca não deve esperar mais do que 1h e 45 min para ser ordenhada, considerando de 2 a 3 ordenhas por dia (Grant e Albright, 2000). O tamanho do grupo deve ser no máximo 4,5 vezes o tamanho da ordenha. Por exemplo, para uma ordenha do tipo duplo 10, o grupo deverá ser de no máximo 90 animais (Smith et al. 2000, citado por Grant e Abright 2000).

Referências:

ALBRIGHT, J. L. Social considerations in grouping cows. In: Wilcox, C.J.; Van Horn, H.H. Large Dairy Herd Management. Ed. University Press of Florida, Gainesville, p.757-779, 1978.
BACH, A.; IGLESIAS, C.; DEVANT, M.; Ràfols, N. Performance and Feeding Behavior of Primiparous Cows Loose Housed Alone or Together with Multiparous Cows. Journal of Dairy Science, v.89, p.337-342, 2006.
GRANT, R. J., ALBRIGHT, J.L. Feeding behaviour. In: D'Mello, J.P.F. Farm Animal Metabolism and Nutrition, ed. CABI Publishing. Wallingford, Oxon, UK, p.365-382, 2000.
NATIONAL RESEARCH COUNCIL. In: 7th Revised Edition of Nutrient Requirements of Dairy Cattle. National Academy Press, Washington, DC, 2001.
PHILLIPS, C.J.C; RIND, M.I. The Effects on Production and Behavior of Mixing Uniparous and Multiparous Cows. Journal of Dairy Science, v.84, p.2424-2429, 2001.

RAFAELA CARARETO POLYCARPO

Profa. Dra. Universidade de Brasília - UnB

7

COMENTÁRIOS SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Seu comentário será exibido, assim que aprovado, para todos os usuários que acessarem este material.

Seu comentário não será publicado e apenas os moderadores do portal poderão visualizá-lo.

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

RAFAELA CARARETO POLYCARPO

PLANALTINA - DISTRITO FEDERAL - PESQUISA/ENSINO

EM 11/11/2008

Prezado Rodolfo Coelho de Queiroz,
sugiro estas referências:

Bioclimatologia e instalações zootécnicas: aspectos teóricos e aplicados. In: WORKSHOP BRASILEIRO DE BIOCLIMATOLOGIA ANIMAL, 2., Jaboticabal, 1993. Boletim H148b. Jaboticabal: FUNEP, 1993.p.132-146.

SANTOS, F.A.P, CARARETO, R, PACHECO-JÚNIOR, A, J,D. 2008. Conforto de bovinos leiteiros em sistemas intensivos de produção. 6º Simpósio de Bovinocultura Leiteira . Requisitos de qualidade na bovinocultura leiteira. FEALQ- Piracicaba, SP. 2008. 227-319.
RODOLFO COELHO DE QUEIROZ

PATOS DE MINAS - MINAS GERAIS - ESTUDANTE

EM 24/10/2008

Rafaela,

Como foi citado acima, vários fatores podem interferir na formação de lotes, como: espaço de cocho, competição por água, alimentos. Gostaria de uma sugestão de algum livro de projetos rurais para bovinocultura leiteira.

Desde já agradeço.
ALLAN RODRIGUES PEREIRA

ANÁPOLIS - GOIÁS

EM 10/09/2008

Rafaela ótimo artigo,

acho que algo que deveria ser estudado é a interação entre agrupamento dos lotes e desempenho reprodutivo das primíparas.

Allan Rodrigues
EDILANE SANTOS DUTRA

MONTES CLAROS - MINAS GERAIS - ESTUDANTE

EM 03/09/2008

Rafaela,

Realmente, muito bom seu artigo, parabéns pela escolha do tema, pois muitos preocupam somente com alimentação e reprodução esquecendo de práticas de manejo.

Edilane Santos Dutra

GEOVANE TEIXEIRA XAVIER

MUTUM - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 20/08/2008

Prezada Rafaela,

Com abordagens interessantes e bem colocadas como essa é que vamos conscientizar os produtores de leite deste país que são os detalhes que determinam o sucesso ou o fracasso na atividade.

Parabéns!
Geovane Teixeira Xavier
PABLO GOMES DE PAIVA

CUIABÁ - MATO GROSSO - PESQUISA/ENSINO

EM 15/08/2008

É um assunto muito interessante e que nos prende a atenção quanto ao correto manejo que devemos ter com as diferentes categorias de vacas presentes em uma leiteria. Parabéns pelo artigo!
LUCIANO CALOMENO MACHADO DA ROSA

PONTE ALTA DO NORTE - SANTA CATARINA - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 12/08/2008

Parabéns pelo artigo.

Muito interessante as infomações.