FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Fatores importantes para iniciar um projeto de irrigação

PRODUÇÃO

EM 09/11/2010

6
0
A água é um dos principais fatores do desenvolvimento das culturas e a irregularidade do regime pluviométrico de algumas regiões pode tornar-se uma restrição ao desenvolvimento agrícola. A irrigação tem sido uma das técnicas mais utilizadas na agricultura, visando acréscimos nas produtividades. Um bom sistema de irrigação deve aplicar água uniformemente, até determinada profundidade, propiciando umidade necessária ao desenvolvimento normal das espécies vegetais (DRUMOND, 2003ª).

O déficit hídrico tolerável pelas plantas varia em geral entre 30 e 60% de água total disponível, que depende do tipo de cultura, do tipo de solo e da evapotranspiração.

Plantas forrageiras apresentam efeitos diversos em relação ao estresse hídrico. Esses efeitos são refletidos através da redução no peso da matéria seca, na emergência das panículas e retardamento no alongamento do caule. A resposta mais sensível da planta ao estresse hídrico é a diminuição do crescimento celular, pois está diretamente relacionado à sua expansão e ao vigor.

É importante acrescentar que a água que a planta retira do solo para evolução do seu ciclo é devolvida para a atmosfera numa proporção de 98%, sendo que apenas cerca de 2 % ficam retidos na planta. Sob condições de estresse hídrico, a fotossíntese, a respiração, a divisão celular, a absorção e a translocação de nutrientes são afetados e a planta tem seu crescimento diminuído ou até mesmo paralisado (VIEIRA, 1995).

Fatores importantes em um projeto de irrigação

Primeiramente, para realização de um projeto de irrigação de pastagem deve-se ter:

- Levantamento plani-altimétrico da área com curvas de nível interpoladas de 1 em 1 metro;
- Planta em autocad;
- Planejamento e decisão sobre o projeto;
- Avaliar a vazão disponível;

O conhecimento dos fatores que devem ser levados em consideração em um projeto de irrigação é de suma importância para um técnico julgar um projeto. A seleção dos aspersores, o consumo de energia, a retenção de água no solo e a jornada diária de serviço são fatores essenciais que podem determinar a viabilidade de um projeto de irrigação.

Principais sistemas de irrigação de pastagens

- Pivô central
- Sistemas de aspersão em malha.
- Autopropelido.
- Barras irrigadoras.
- Sistemas de aspersão portátil.
- Sistemas de aspersão fixo.
- Sistemas lineares e de cantos.

Dentre os métodos de irrigação mais utilizados em pastagens, destaca-se a aspersão. A irrigação por aspersão é bastante utilizada, devido à possibilidade de elevada uniformidade de distribuição, à adaptabilidade a diversas culturas e solos, ao fácil controle do volume de água aplicado e à possibilidade de aplicação de fertilizantes e outros produtos através da água de irrigação.

Pivô central e aspersão em malha são os sistemas mais indicados.


Figura 1. Pivô central


Figura 2. Sistema de aspersão

Uma outra possibilidade bastante viável é a aplicação de dejetos líquidos de suínos e bovinos via sistema de irrigação por aspersão (DRUMOND, 2003ª). Estudos comprovam que os estercos de suínos, de bovinos e de aves, quando adicionados ao solo, tem potencial para promover grande melhoria nas suas propriedades físicas, biológicas e químicas (GALBIATTI et al., 1992).

Portanto, sua utilização favorece tanto o produtor, quanto o meio ambiente. A aplicação dos dejetos em pastagens seria uma alternativa, já que normalmente são estabelecidas em solos exauridos e/ou de baixa fertilidade natural, como os solos do Cerrado.

Este trecho é parte do conteúdo do Curso Online Irrigação de Pastagem, que terá início no dia 25 de novembro, e do Livro Irrigação de Pastagem - livro que complementará as vídeo-aulas e apresentações do curso.

O curso será baseado nos fatores mais importantes em um projeto de irrigação; os principais sistemas de irrigação de pastagem; a fertirrigação e aplicação de águas residuárias; o manejo racional da irrigação; a gestão, os investimentos e custos.

O instrutor deste curso é o doutor em Agronomia pela UNESP/Jaboticabal, M.Sc. em Engenharia Agrícola pela UFV, e Engenheiro Agrônomo também pela UFV/MG, Luis César Dias Drumond, que fez cursos de atualização na área de irrigação no Brasil e Exterior, e atualmente é professor e pesquisador da Universidade Federal de Viçosa - Campus Rio Paranaíba.

Participe deste curso e entenda todos os fatores importantes da irrigação de pastagem, tornando a produção das pastagens o mais rentável possível!

Saiba mais e inscreva-se!

6

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

FERNANDO CAROSO

JEQUIÉ - BAHIA - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 17/12/2010

Prezado Luis Drumond,

A cada dia que passa, noto que plantar sem irrigar é o mesmo que criar sem inseminar, de modo que só assim conseguiremos competir de igual para igual num mercado que prima constantemente pela qualidade, falta só mais incentivo governamental, como sempre!

No mais a mais, obrigado por compartilhar o conhecimento, abraço,

Fernando Caroso.
ANTÔNIO ELIAS SILVA

CAMPO ALEGRE DE GOIÁS - GOIÁS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 10/12/2010

Caro Luis César,

Conhece o sistema K-line utilizado na Nova Zelândia? O custo de implantação é menor, mas requere a mudança das mangueiras a cada 12 h, com a ajuda de um pequeno trator.

Bem, digitando K-line no google, vc poderá ver um vídeo do sistema.

O custo de implantação da rede em nalha é mto alto, cerca de R$ 5 mil, o que limita o seu uso. O K-line parece driblar esse problema.

Forte abraço,
A Elias
PAULO LUÍS GONÇALVES CAMPELO

BELO HORIZONTE - MINAS GERAIS - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 09/12/2010

Parabenizo o Dr. Luis César pela qualidade do material publicado.
A Irrigação de pastagens ainda é uma técnica pouco utilizada pelos pecuaristas, mas percebo que, aos poucos, as suas vantagens vem sendo descoberta. Mas é muito importante salientar que a diferença entre o sucesso e o fracasso é o correto dimensionamento do sistema.
Abraços.
CARLOS FREDERICO M. M. DE CARVALHO

CRUZ DAS ALMAS - BAHIA - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 21/11/2010

Caro Dr. Luis Cesar,

Parabéns pelo artigo. Qual seria em média o custo de 01 hectare irigado por aspersão? Obrigado. Aguardo resposta.
HELIO MAURO DIVINO DA SILVA

PIRACANJUBA - GOIÁS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 16/11/2010

Gostei muito desta materia porque estou implantando uma irrigação em meus piquetes de grama jiggis.
CLAUDIR PIVA ROMERO

UMUARAMA - PARANÁ - INDÚSTRIA DE INSUMOS PARA A PRODUÇÃO

EM 09/11/2010

Muito oportuno o artigo do Dr. Luis César Dias Drumond, já que acabamos de passar por um período de grandes estiagens, que comprometeram o desempenho das pastagens em boa parte do Brasil. Sendo a irrigação bem planejada um recurso que o criador pode utilizar para se defender das irregularidades do clima, que tendem a ser cada vez piores diante dos desequilíbrios do clima. Utilizando a irrigação como uma ferramenta a mais para garantir a produção de forragens via pasto, uma forma mais econômica de alimentar seus animais.

Claudir Piva Romero
Engenheiro Agrícola
44 8418-0216