FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Existe necessidade de inoculantes para silagem de milho?

POR THIAGO FERNANDES BERNARDES

PRODUÇÃO

EM 26/02/2010

14
0
Tanto no Brasil como na maior parte do mundo a planta de milho é tida como "forrageira padrão" para ensilagem. Isto quer dizer, que o milho é a planta que alia a maioria das características desejáveis para ensilagem, ou seja, quando colhida no estágio de maturidade correto (planta por volta de 30-35% MS), a planta terá açúcares fermentáveis suficientes para que ocorra o processo fermentativo, com o consequente abaixamento do pH da silagem.

Porém, sempre existe a pergunta: Qual é o melhor aditivo para a ensilagem do milho? E a resposta correta para essa pergunta é: NENHUM. A planta de milho, como já dito anteriormente, alia todos os fatores desejáveis para uma fermentação adequada.

Por outro lado, muitos trabalhos estão sendo desenvolvidos com intuito de se utilizar um aditivo que atue durante o período de pós-abertura de silagens de milho.

Trabalhos publicados em jornais científicos durante os últimos 15 anos avaliaram inoculantes microbianos em silagem de milho. Os inoculantes foram adicionados em taxas entre 1x104 e 1x105 unidades formadoras de colônia (ufc) por grama de forragem úmida. Em todos os estudos, os tratamentos controle ou tratados apresentaram boa fermentação.

A composição de nutrientes (FDN, PB, etc) foi normalmente equivalente entre controle e forragem inoculada. Em apenas um dos 12 experimentos o pH da silagem inoculada foi menor do que o controle. A média de pH dos 12 estudos para silagem controle foi de 3,83 e para silagem inoculada de 3,85.

A concentração de ácido lático foi mensurada em nove experimentos, sendo que em silagens controle foi encontrada média de 4,76% da MS e nas silagens inoculadas a média foi de 4,78% da MS. O ácido lático foi estatisticamente maior nas silagens inoculadas em apenas um experimento. Melhor recuperação de MS foi reportada em cinco estudos, sendo que a média de recuperação de MS foi de 91% para silagens controle ou tratadas.

A estabilidade aeróbica da silagem de milho inoculada (a temperatura em que a silagem começa a demonstrar sinais de deterioração aeróbia) apresenta valores inferiores à da silagem controle. Isto é devido principalmente ao tipo de microrganismo utilizado como inoculante. Inoculantes heteroláticos são utilizados para este propósito, os quais produzem durante a fermentação ácidos fracos, como é o caso do ácido acético. Dessa forma, durante o período de pós abertura esses ácidos impedem o crescimento de fungos filamentosos e leveduras, os principais deterioradores de silagem.

Na Figura 1 pode-se observar que em silagens de milho tratadas com aditivos microbianos o tempo para alcançar a temperatura máxima foi maior para os aditivos T3 e T4, sendo que os mesmo apresentaram menor temperatura máxima.



Figura 1. Tempo para máxima temperatura e temperatura máxima alcançada durante os dez dias de estabilidade aeróbia. (Zoppollato et al., 2009).
(T1: tratamento controle; T2: tratamento com Lactobacillus buchneri, T3: tratamento com Propionibacterium acidipropionici e T4: tratamento com associação de L. buchneri e P. acidipropionici)

O desempenho de animais alimentados com silagem inoculada é muito pequeno. Em um deles não foram encontradas diferenças em produção de leite, composição do leite ou consumo de MS entre vacas tratadas com silagem inoculada ou não (a silagem compreendia 55% da MS alimentar e nenhuma outra forragem foi fornecida).

Três estudos examinaram o efeito de inoculantes em animais em crescimento, sendo que em estudo a silagem de milho inoculada promoveu maior consumo de MS, ganho de peso similar, e menor eficiência de alimentação do que o uso da silagem controle. Nos outros dois estudos não foi encontrada diferença entre silagem de milho inoculada ou não.

A maioria dos trabalhos publicados mostra que a inoculação da silagem de milho tem pouco efeito na fermentação, perdas de MS e no desempenho animal. A inoculação com bactérias heteroláticas pode auxiliar na melhoria da estabilidade aeróbia das silagens, porém este caso, na maioria das vezes, é solucionado com dimensionamento correto de silo e adequado manejo de retirada.

THIAGO FERNANDES BERNARDES

Professor do Departamento de Zootecnia da Universidade Federal de Lavras (UFLA) - MG.
www.tfbernardes.com

14

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

ARNALDO JOSE BORGES

ARAGUARI - MINAS GERAIS - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 03/09/2018

Dalmar, o artigo esta correto, desde que preserve as espigas de milho da planta, a discussão é o quanto o inoculante melhora, e se realmente melhora.
RODRIGO MARONEZZI

UBERLÂNDIA - MINAS GERAIS

EM 07/08/2017

Thiago, respeito seu trabalho.

Entro em pelo menos 3 diferentes silos por semana a 10 anos.

Já trabalhei com Inoculante, hoje não mais.

Os melhores silos que vi são os que utilizavam Inoculantes, você avaliou inoculantes adicionados a enzimas? Pois existem alguns que proporcionam tanta glicose que o efeito de multiplicação das UFC e enorme e a queda de temperatura é mais rápida. Quanto ao Buchneri ele consome muita energia no processo fermentativo, talvez esteja ai sua percepção de que não produziu tanto quanto ao controle.

Para quem tem dúvida use em um silo e deixe o outro sem inoculante.
THIAGO FERNANDES BERNARDES

LAVRAS - MINAS GERAIS - PESQUISA/ENSINO

EM 25/04/2016

Caro José Tadeu,



Não há risco algum. Contudo, se você super dosar os custos irão aumentar, pois irá gastar mais produto por tonelada de silagem produzida.



Att,



Thiago Bernardes
JOSE TADEU PEREIRA DA SILVA

VIAMÃO - RIO GRANDE DO SUL

EM 24/04/2016

Qual o risco em caso de super dosagem?
ROBERTO DE ANDRADE BORDIN

SÃO PAULO - SÃO PAULO - PESQUISA/ENSINO

EM 21/12/2015

Olá amigos...tudo bem?...



Muito boa a discussão...biologicamente e pelas diferentes fontes de matérias primas para a prática de ensilagem os aditivos funcionam de certa forma...porém como avaliamos a produção animal de forma integrada, uso os dados de experimentação biológica juntamente com os dados de Produtividade, Custos, Receita...Lucro e outros mais...O que tenho observado é que se melhorarmos a forma de manejo das pastagens, juntamente com a prática alimentar alimentar animal ajustada a produção e comercialização de leite, bem como o manejo correto do ensilamento, não existe a necessidade de aditivos inoculantes...porém enquanto tivermos falhas em avaliar e executar a produção e o negócio leiteiro...tudo que melhorar o processo é bem vindo...



abs a todos Feliz 2016.
JOSÉ AIRTON RIBEIRO PEREIRA

TRÊS CORAÇÕES - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 12/04/2012

concordo e parabenizo  os srs. dr Rafael e Dr Tiago por nos apresentar resultados de trabalhos comparativos sobre o uso de inoculantes para silagem de milho.  
FONTANA

ERECHIM - RIO GRANDE DO SUL - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 11/01/2012

Dr. Rafael, e´claro que sempre buscamos economizar custos na silagem. Parece-me que  a não utilização de inoculante não é consenso. A dúvida persiste... Um abraço.
GERALDO DORNAS

OUTRO - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 12/05/2010

Caro Rafael,

Planejar melhor a ensilagem, o material a ser ensilado, o tempo de descarga etc.
Isto é o desejavel e seria o correto a ser feito.
Mas sabemos ser impossivel. Temos que nos adapatar aos híbridos que temos, aos equipamentos que temos , e ainda a influencia do tempo. Planejamos a ensilagem e quebra o principal equipamento, ou chove muito e temos que adiar, ou ainda , um equipamento terceirizado , não cumpre o calendario , e nos força a ficar esperando.
A janela de ensilagem de nossos hibridos é muito pequena. Os pneus das maquinas vão trazer junto ao material a ser ensilado , barro , terra e outros contaminantes.
Ainda assim , com tudo fora do tempo e da forma correta, os inoculantes não terão nenhum efeito ?
ab.
Geraldo
MARIA REGINA FERRETTO FLORES

BENTO GONÇALVES - RIO GRANDE DO SUL - INDÚSTRIA DE INSUMOS PARA A PRODUÇÃO

EM 19/03/2010

Rafael: Chegar a 3,8 de pH em tão pouco tempo, só me indica que passei o que chamamos de fase 2 da fermentação (anaeróbica a pH maior que 4,5) onde a perda de MS é maior, rapidamente e isto me traz preservação de MS.
Por valor nutritivo, é melhor abrir depois de um ano do que depois de 30 dias: as hidrólises do grão de milho acontecem dentro do silo com alta umidade e a digestibilidade é maior. Mas são processos diferentes: uma fermentação rápida me preserva valor nutritivo. Uma abertura em mais tempo, me dá mais digestibilidade do grão.
Viabilidade econômica de utilizar a dosagem de células viáveis necessárias: só vai haver viabilidade econômica se tivermos preservação de MS; do contrário, é dinheiro posto fora.
Bactérias propiônicas ao pH da silagem: realmente, a maior parte delas trabalha a altos pHs. Porém, existem algumas poucas que dão excelentes resultados a pH em torno de 4,0. É questão de trabalhar com elas. Eu trabalho, na minha silagem de planta inteira, com propionica há uns 10 anos, pois se não o fizer, tenho produção de álcool. Demorei muito tempo para entender porque e a resposta que me parece mais lógica para minha lavoura, é que estou perto de uma vinícola e nela, após a fermentação alcoólica, a casca é prensada e vai para as lavouras de meus vizinhos como adubo. Penso que isto me traz uma contagem de leveduras mais alta que o normal e daí a produção de álcool. Com uma propionica, não tenho álcool.
Heteroláticas: tenho lido sobre vários estudos e o que vejo até agora, é que a produção de ácidos graxos de cadeia curta ainda é muito baixa para dar estabilidade aeróbica. O que não quer dizer que não se chegue a cepas capazes de produzir os teores necessários. É questão de seguirmos estudando e procurando.
Um abraço.
WALTER CELANI JUNIOR

UBERABA - MINAS GERAIS - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 16/03/2010

Gostaria de dizer do apoio ao que disse a Maria Regina, já que atesto a qualidade dos produtos da KERA, já tendo usado e observado a grande diferença.
E é muito bom que saibamos, a diferença entre inoculantes e aditivos, o que não me parece muito claro para alguns amigos que escreveram comentando o artigo.
Não há necessidade de ADITIVOS para milho e sorgo por exemplo. Mas há a necessidade de ADITIVOS para capim.
O que é completamente diferente de INOCULANTES.
Talvez esteja aí o problema, existem muitos recursos no Brasil, e são de ponta.
O que falta, é ter conhecimento, ou buscar alguém que o tenha.
Eu, em lugar da Maria Regina, posso sugerir aos produtores, que entrem no site www.kerabrasil.com.br e se informem.
Os experimentos ali colocados, são feitos por instituições qualificadas e sem interesse comercial.
Grato
Walter Celani
MARIA REGINA FERRETTO FLORES

BENTO GONÇALVES - RIO GRANDE DO SUL - INDÚSTRIA DE INSUMOS PARA A PRODUÇÃO

EM 16/03/2010

Nenhum inoculante com concentrações de 10e4 ou 10e5 vai ter desempenho satisfatório, mas de maneira nenhuma isto quer dizer que inoculantes não funcionam. A forragem leva, em média, 10e5 UFC/gr de bactérias selvagens, homo e heteroláticas. Se quisermos predominar com homoláticas e baixar o mais rápido possível o pH, deveremos entrar com uma contagem de, no mínimo, o dobro da flora selvagem. Isto está muito claro na pesquisa, é só respeitar os dados da pesquisa sobre quantidade de UFC/gr de forragem são necessárias para termos maior preservaçãop do valor nutritivo.
O que importa, aqui, é em quanto tempo baixamos de pH 6,0-6,5 para menos de 4,5. Enquanto o pH estiver acima de 4,5 coliformes e clostrídios estarão se desenvolvendo e consumindo energia e proteínas, e se inativam abaixo de 4,5. Bactérias homoláticas produzem 2 moléculas de ácido lático por molécula de glicose ou fritose, sem perda de nenhum carbono.
Conclusão: quanto menos tempo levarmos para baixar o pH, maior será a preservação de valor nutritivo.Eu abri um silo meu de milho planta inteira depois de 36 horas de fechado, há alguns dias atrás e estava com 3,8 de pH e foi servido desde este momento ao meu rebanho. Quantidade bactérias por grama de silagem que usei? 320.000UFC/gr (ou 3,2 x 10e5) de forragem. E tem diferença!! E não é pouca. Faço isto há 18 anos e tenho muitíssimas análises mostrando a diferença.
Agora: estabilidade aeróbica não se consegue com bactérias láticas, já que elas se inativam a pH abaixo de 3,2 e fungos e leveduras se inativam abaixo de pH 2,0.
A solução, aqui, é usar bactérias formadoras de ácidos organicos de cadeia curta, que têm atividade fungistática, desde que nas concentrações necessárias para produzir o teor de ácido suficiente para funcionar como fungistático. No nosso país temos a opção de bactérias formadoras de ácido propionico, ou acético.Quando a silagem necessita de mais estabilidade aeróbica, devemos recorrer a este tipo de formulação.
CLAUDIO WINKLER

CARAMBEÍ - PARANÁ - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 09/03/2010

Prezado Rafael,

tendo em vista ser muito difundida a utilização de inoculantes em países como os EUA, e considerando que lá se investe muito em pesquisa, que os produtores de lá não são burros para queimarem dinheiro à toa (ainda mais na atual situação em que se encontram), e que, considerando os fatores anteriores, provavelmente o uso de inoculantes por lá deve sim ter algum valor positivo, me fica a pergunta:

Por que lá funciona e aqui não? Digo isso não de forma sarcástica, como que duvidando do artigo (que por sinal está muito claro, parabéns!). Apenas é uma questão que me intriga. Imagino que o mais provável seja o fato de que estes inoculantes são desenvolvidos e testados por lá, funcionando portanto para a flora bacteriana comumente presente nos silos de seus países de origem. Posso acreditar que as "nossas" cepas sejam outras, o que praticamente anula o efeito desses produtos importados em silagens aqui no Brasil. Poderia ser isso? Se sim, de fato, seria um grande desperdício financeiro o investimento nesses produtos, principalmente os importados (além de um ótimo argumento nas eternas discussões com os representantes comerciais que semanalmente aparecem em nossas propriedades, e com os quais é sempre bom conversar, mas nem sempre agradável ficar sem argumento ...).
RONALDO MENDONÇA DOS SANTOS

UBERABA - MINAS GERAIS

EM 08/03/2010

Parabéns pela divulgação! No caso de utilização de volumosos de baixo teor de carboidrato, por exemplo, capim napier há melhora na qualidade quando adicionamos aditivos ou inoculantes?

Atenciosamente,
Ronaldo.
DALMAR TADEU PIRES ROLIM

TANGARÁ DA SERRA - MATO GROSSO - PRODUÇÃO DE GADO DE CORTE

EM 05/03/2010

Prezados Senhores, tenho um coninamento na região de Campo Novo do Parecis, MT, e este ano mudarei o volumoso do mesmo, era cana e usarei silagem de milho, e a dúvida que eu estou é justamente em ralação ao uso do inoculante para silagem, pelo artigo que vi, não é necessário, gostaria de confirmar com voces esta recomendação. Obrigado.