ENTRAR COM FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

É possível atender a demanda nutricional de matrizes utilizando apenas a pastagem? Parte II de III: Fase de Gestação

VÁRIOS AUTORES

PRODUÇÃO

EM 24/02/2012

4
0
No artigo anterior mostramos que a demanda nutricional de matrizes em mantença e em reprodução pode ser atendida utilizando-se a pastagem como fonte exclusiva de alimento. Neste artigo vamos discutir sobre as necessidades nutricionais de ovelhas e cabras gestantes, e demonstrar como a pastagem pode suprir a demanda nutricional destes animais.

Devemos lembrar que o período de gestação é subdividido em dois períodos: 2/3 iniciais ou primeiros três meses de gestação, e 1/3 final ou últimos dois meses de gestação. As necessidades nutricionais são muito diferentes nestes dois períodos e, dessa forma, o planejamento forrageiro deverá ser ajustado para atender a demanda nutricional de matrizes em início e final de gestação.

Início de gestação

A demanda nutricional de ovelhas e cabras em início de gestação (2/3 iniciais ou primeiros três meses) é pouco superior a demanda nutricional na fase de mantença. Esse aumento é de 24 a 42% nas necessidades de ingestão de matéria seca (MS) e energia, e de 35 a 60% na necessidade de ingestão de proteína para ovelhas em início da gestação. Cabras em início de gestação têm aumento de 17 a 27% nas necessidades de ingestão de MS e energia, e de 50 a 75% na necessidade de ingestão de proteína em relação à mantença. Além disso, as necessidades de ingestão de macrominerais como cálcio e fósforo são 2 a 3 vezes superior a necessidade na fase de mantença para ovelhas e cabras (NRC, 2007).

As necessidades nutricionais aumentam lentamente nos primeiros três meses de gestação, acompanhando o desenvolvimento do(s) feto(s) que também é lento nesse período. No entanto, a intensidade do aumento na demanda nutricional depende da condição corporal apresentada pelas matrizes ao final do período reprodutivo/início do período gestacional, e do número de fetos que estão sendo formados.

Recomenda-se que ovelhas e cabras iniciem a gestação com escore de condição corporal (ECC) igual ou próximo de 3 pontos (em escala de 5 pontos). A demanda nutricional aumenta de forma mais intensa em matrizes que iniciam a gestação com ECC menor que 3 pontos, e naquelas que estão gestando dois ou mais cordeiros/cabritos. Matrizes muito magras (ECC menor que 2 pontos) e que estão gestando três ou mais cordeiros/cabritos apresentam maior incremento nas necessidades de ingestão de MS, energia, proteína, cálcio e fósforo que os descritos anteriormente. Nessas condições, as matrizes aumentam a ingestão de MS para atender as necessidades nutricionais para recuperação do ECC e para formação do maior número de fetos.

Considerando o lento desenvolvimento do(s) feto(s) nos primeiros três meses de gestação, o ganho de peso esperado é de 20 a 80 g/animal/dia para ovelhas, e de 10 a 50 g/animal/dia para cabras. Dependendo do peso corporal das matrizes, ofertas de forragem que variam de 3,6 a 9,7 kg MS/animal/dia para ovelhas, e de 2,3 a 6,8 kg MS/animal/dia para cabras (Tabela 1) são suficientes para atender a demanda nutricional e garantir o bom desempenho das matrizes no início da gestação. Nesse período, forragem de média/boa qualidade, com 8 a 10% de proteína bruta (PB) e 53% de nutrientes digestíveis totais (NDT), deve ser ofertada na pastagem. Estes níveis de proteína e de energia podem ser observados em pastagens formadas por gramíneas tropicais ou temperadas, manejadas de forma adequada (ver artigo anterior) e adubadas corretamente.



Final de gestação

No final da gestação (1/3 final ou dois últimos meses) as necessidades nutricionais das matrizes são bastante superiores aos primeiros três meses de gestação. Comparado a este período, a necessidade de ingestão de energia é 23 a 35% maior, e de proteína é 28 a 37% maior em ovelhas no final da gestação. Em cabras a necessidade de ingestão de energia é 27 a 34% maior, e de proteína é 45 a 50% maior no final da gestação em relação ao início da gestação. Destaca-se que a demanda por proteína é cerca de 2 a 2,6 vezes superior, e a demanda pelos macrominerais cálcio e fósforo é cerca de 2 a 4 vezes superior a fase de mantença, para ovelhas e cabras (NRC, 2007).

O aumento das necessidades nutricionais no final da gestação ocorre devido ao maior crescimento do(s) feto(s) (cerca de 70%), ao desenvolvimento do ambiente uterino e a produção de colostro nas últimas semanas de gestação. Além destas mudanças fisiológicas, as matrizes devem manter o ECC entre 3 e 3,5 pontos até o momento do parto, para que a produção de leite durante a fase de lactação seja suficiente para nutrir os cordeiros/cabritos de forma adequada. Assim como ocorre no início da gestação, o aumento da demanda nutricional no final da gestação é mais intenso nas matrizes que iniciam esse período com ECC baixo, e naquelas que estão gestando dois ou mais cordeiros/cabritos.

Diante das diversas alterações fisiológicas e da necessidade de manter o ECC acima de 3 pontos, o ganho de peso esperado no final da gestação é alto, e varia entre 70 e 305 g/animal/dia para ovelhas, e entre 40 e 195 g/animal/dia para cabras (Tabela 2). Para alcançar este ganho de peso, pastagens de alta qualidade (9 a 14% de PB, 55 a 66% de NDT) devem ser utilizadas onde, dependendo do peso corporal dos animais, a oferta de forragem deve ser de 4 a 12,9 kg MS/animal/dia para ovelhas, e de 2,7 a 8,5 kg MS/animal/dia para cabras (Tabela 2).



Pastagens formadas apenas por gramíneas, principalmente por espécies tropicais (gêneros Brachiaria e Panicum), dificilmente apresentam níveis de proteína e energia suficientes para atender a demanda nutricional de matrizes no final de gestação. Outro aspecto importante está relacionado ao teor de fibra das gramíneas, pois espécies que tendem a acumular alto teor de fibra (forrageiras tropicais de hábito cespitoso) podem reduzir a ingestão de MS. Naturalmente, a capacidade de ingestão de alimento é reduzida no final da gestação devido à pressão que o útero exerce sobre o rúmen. Assim, a ingestão de forragem muito fibrosa pode impedir que as matrizes atinjam o potencial de ingestão de MS e de nutrientes, resultando em baixo ganho de peso no final da gestação. Se esta condição for observada em matrizes mantidas em pastagens, estratégias de suplementação deverão ser adotadas.

Recomenda-se, portanto, que no final da gestação as matrizes tenham acesso a pastagens de gramíneas consorciadas com leguminosas (Figura 1), ou a áreas formadas apenas por leguminosas, seja na forma de "bancos de proteína" ou de pastagem. Nessas condições, a demanda nutricional no final da gestação pode ser atendida com forragem de alto valor nutritivo, com alto teor de proteína e elevada digestibilidade. Outra vantagem é que algumas espécies de leguminosas forrageiras, como trevo branco (Trifolium repens) e cornichão (Lotus corniculatus), têm efeito anti-helmíntico (Nery et al., 2009). Portanto, a presença destas espécies na pastagem pode melhorar a condição sanitária das matrizes, o que é importante, pois as mudanças hormonais que ocorrem no final da gestação levam a diminuição da imunidade (Sousbay, 1987).

Figura 1 - Pastagem de grama estrela (Cynodon spp.) consorciada com diversas espécies de leguminosas, entre elas: trevo branco (Trifolium repens), trevo vermelho (Trifolium pratense) e cornichão (Lotus corniculatus).

Utilizada na terminação de bovinos, o mesmo padrão de pastagem pode ser utilizado com ovelhas e cabras em final de gestação.
Local: Fazenda Guaraúna, Palmeira-PR (01/02/2011).



Estimativa da oferta de forragem para matrizes em gestação

Conforme demonstrado no artigo anterior para as fases de mantença e de reprodução, as ofertas de forragem para o início e o final da gestação podem ser estimadas com base no peso corporal médio (PCM) das matrizes (Tabela 3). As equações apresentadas na Tabela 3 foram estabelecidas com base no NRC (2007) e nos conceitos de Hodgson (1990).

Nos rebanhos de ovinos e caprinos criados em pastagem, onde as matrizes são mantidas em monta natural no período reprodutivo, observa-se maior frequência de matrizes gestando um ou dois cordeiros/cabritos. Em geral, independente do tipo de gestação, as matrizes compõem um único rebanho dentro do sistema de produção. Dessa forma, a oferta de forragem deve ser calculada para atender a necessidade de ingestão de MS da categoria que apresenta maior demanda nutricional, ou seja, as matrizes que estão gestando dois cordeiros/cabritos (Tabela 3). Porém, o PCM deve ser calculado considerando todas as matrizes que compõem o rebanho, e não apenas aquelas que foram diagnosticadas com prenhez positiva para gestação dupla (caso o diagnóstico de gestação tenha sido realizado).

Finalizamos este artigo lembrando e ressaltando a importância de ofertar suplemento mineral de boa qualidade e água potável à vontade para matrizes gestantes criadas em pastagem. Assim como proteína e carboidratos, minerais e água são nutrientes essenciais para formação do(s) feto(s) e do ambiente uterino, e para produção de colostro nas últimas semanas de gestação. Conforme ocorre com os demais nutrientes, a demanda por minerais e por água aumenta com o avanço do período gestacional.

Referências bibliográficas

HODGSON J. Grazing management: science into practice. New York: John Wiley & Sons, 1990. 203p.

NATIONAL RESEARCH COUNCIL - NRC. Nutrient requirements of small ruminants: sheep, goats, cervids and new world camelids. Washington: National Academy Press, 2007. 362p.

NERY, P.S.; DUARTE, E.R.; MARTINS, E.R. Eficácia de plantas para o controle de nematóides gastrintestinais de pequenos ruminantes: revisão de estudos publicados. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, v.11, n.3, p.330-338, 2009.

SOUSBY, E.J.L. The evasion of the immune response and immunological unresponsiveness: parasitic helminthes infection. Immunology Letters, v.16, n.3-4, p.315-320, 1987.

SERGIO RODRIGO FERNANDES

Zootecnista pela UFPR. Mestre e atualmente doutorando em Ciências Veterinárias na UFPR. Participa de pesquisas com sistemas de produção de bovinos (LAPBOV-UFPR), caprinos e ovinos para corte (LAPOC-UFPR). Atua na área de nutriçao de ruminantes.

LUCIANA HELENA KOWALSKI

Médica Veterinária pela UFPR. Mestranda em Nutrição e Produção Animal pela UFPR- Campus Palotina. Tem experiência e atua na área de produção e reprodução de ovinos e caprinos.

DAMARIS FERREIRA DE SOUZA

Médica Veterinária pela UFPR. Com experiência em ovino e caprinocultura.

4

COMENTÁRIOS SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Seu comentário será exibido, assim que aprovado, para todos os usuários que acessarem este material.

Seu comentário não será publicado e apenas os moderadores do portal poderão visualizá-lo.

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MARCELO TAVARES PINHEIRO

CAMPOS DOS GOYTACAZES - RIO DE JANEIRO - INSTITUIÇÕES GOVERNAMENTAIS

EM 05/04/2012

Parabéns uma vez mais por este artigo.

Série muito boa.

Abraços.
DIMAS CRUZ

FORTALEZA - CEARÁ

EM 29/02/2012

Oi, Sérgio!



Foram fantásticos seus esclarecimentos!

Somos curiosos na atividade, e é através dos escritos esclarecedores  de vocês que vamos melhorando nossos conhecimentos. E... tocando a vida, neste Nordeste velho de meu Deus, como dizia meu avô...
SERGIO RODRIGO FERNANDES

CURITIBA - PARANÁ

EM 27/02/2012

Prezado Dimas Cruz!

Obrigado pelo interesse e pelos comentários sobre o artigo! Com relação as suas dúvidas, de fato o período de gestação de ovelhas e cabras é de 150 dias e pode variar para poucos dias a mais ou a menos, pois é normal alguns animais atrasarem ou adiantarem o parto. No entanto, quando trabalhamos com rebanhos manejados apenas a pasto devemos considerar também o período de tempo em que é realizado o monitoramento da condição da pastagem, que geralmente é feito mensalmente (avaliação da massa, altura, produção de forragem). Por isso, dividimos o período de gestação em meses (3 meses iniciais e 2 meses finais) p/ que o manejo da pastagem possa ser ajustado de acordo c/ a necessidade nutricional dos animais. Isso é importante, principalmente quando o rebanho de matrizes é manejado em pastagens diferentes no início e no final da gestação, pois essa mudança implica, também, em alterações no monitoramento da condição da pastagem. Nesse caso, as características como massa, altura e produção de forragem mudam conforme a pastagem utilizada.

Espero que tenhamos esclarecido suas dúvidas! P/ quaisquer outras, estamos a disposição!

Att.
DIMAS CRUZ

FORTALEZA - CEARÁ

EM 24/02/2012

Muito bom o artigo. Excelente.

Podemos observar e achamos interessante que os autores dividem, assim como nós leigos, naprática, o período gestação dos animais, em três terço, ficando os dois primeiro terços com noventa dias (os três primeiros meses), e o último com sessenta, ou seja dois meses, para um só terço.de gestação. O último terço fica bem mais comprido que os demais, não?

Não entendo porque os autores, em geral, não usam os termos como por exemplo: ...os cem dias correspondentes aos dois primeiros terços da gestação... e ...os cinquenta dias correspondentes ao último terço da gestação do animal...

Ou ainda: ...os três primeiros quintos... e ...os dois últimos quintos...

Comentei apenas por comentar. Nada que diminua o mérito do artigo. Até mesmo porque é através de artigos como estes que vamos adquirindo algum conhecimentos sobre a atividade da ovinacaprinocultura..