FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Diferenças de carcaça de cordeiros em diferentes sistemas de terminação

POR SARITA BONAGURIO GALLO

PRODUÇÃO

EM 01/12/2006

5 MIN DE LEITURA

1
0
Algumas medidas de carcaça são feitas por servir de parâmetro de qualidade. O rendimento de carcaça, por exemplo, é um importante parâmetro de qualidade, por estar relacionado com a sua comercialização.

O rendimento verdadeiro é obtido com a divisão do peso da carcaça quente pelo peso corporal vazio (peso vivo ao abate subtraído do peso do conteúdo gastrintestinal). O rendimento comercial é obtido pela divisão do peso da carcaça fria pelo peso do animal vivo antes do abate. Seu valor pode variar conforme a raça, peso ao abate, idade de abate, nutrição, sexo, etc.

O peso da carcaça totaliza a quantidade de tecido, ou seja, e a soma de músculo, osso e gordura. Já a conformação da carcaça indica, de forma indireta, a quantidade de músculo, ou seja, de carne. Uma conformação boa é aquela que apresenta equilíbrio em todas as partes da carcaça, mas com maior valorização para as que têm maior concentração muscular nas partes nobres da carcaça, como o pernil.

O índice de compacidade da carcaça e da perna faz uma avaliação da quantidade de músculo e gordura em relação ao comprimento da peça. O índice de compacidade da carcaça é feito pela divisão do peso da carcaça fria pelo comprimento interno da carcaça. E o índice de compacidade da perna é obtido pela largura da garupa dividida pelo comprimento da perna.

No trabalho de Santello et al. (2006), foram usadas cordeiras de cruzas Dorset x Santa Inês abatidas com 30 kg de peso vivo, e criadas confinadas ou mantidas em pastejo com suplementação de concentrado. Até o desmame os animais tiveram acesso a ração pelo sistema de creep feeding (ração com 20% PB, 3,0 Mcal de EB/kg na MS, 1,46% de Ca e 1% de P).

A composição da dieta dos animais confinados tinha em média 15,46% PB, 4,32 Mcal de EB/kg na MS. E os animais do semi-confinamento receberam uma suplementação de 27% PB e 4,51 Mcal de EB/kg na MS. O pasto utilizado foi o coast-cross, com 10,21% PB, 4,01 mcal de EB/kg na MS e 66,42% de FDN. O preço do quilo da ração do confinamento foi de R$ 0,39 e do semi-confinamento de R$ 0,54. Provavelmente a suplementação do semi-confinamento ficou mais cara devido a maior quantidade de soja presente na sua composição.

Na Tabela 1 observa-se a idade de abate (IA), o peso vivo ao abate (PVA), condição corporal (CC), peso da carcaça quente (PCQ), peso da carcaça fria (PCF), rendimento verdadeiro (RV) e rendimento comercial (RC), índice de compacidade da carcaça (ICC), índice de compacidade da perna (ICP).

Tabela 1. Médias de medidas do animal e carcaça de cordeiros cruzas Dorset com Santa Inês terminadas em confinamento e em pastagem mais suplementação.


Não houve diferença entre os sistemas de terminação para as característica de carcaça avaliadas, o que indica que carcaças de cordeiros terminados no pasto e no semi-confinamento, abatidos com idade semelhantes, são iguais.

Não houve problema com verminose nos animais do semi-confinamento devido ao manejo adotado: eram recolhidos no período noturno em instalações cobertas e piso suspenso, e soltos na pastagem após a secagem do orvalho e feito controle da verminose com uso de vermífugo.

Os autores fizeram um levantamento de custo, sendo considerados o preço de mercado dos ingredientes da ração de confinamento e do suplemento, e o valor pago na região pela carcaça de cordeiro (R$7,00/kg).

Para o sistema de terminação na pastagem foi atribuído o custo com o arrendamento da pastagem, referente ao valor pago na região com o arrendamento para plantio de cana-de-açúcar. Observaram que o semi-confinamento foi mais lucrativo, e justificam devido ao custo total da ração consumida (quantidade de ração) ser maior pelos animais confinados. Outro ponto importante é que o ganho de peso dos animais no confinamento não foi satisfatório, sendo inferior a 200 g/animal/dia. A renda líquida obtida para 100 cordeiras terminadas no confinamento foi de R$ 2.608,54 e no semi confinamento de R$ 3.210,01.

Desta forma pode-se concluir que o sistema de terminação do pasto com suplementação ou no confinamento não influenciou na qualidade da carcaça. Porém pela análise de custo, recomenda-se a terminação das cordeiras em sistema de pastagem + suplementação.

Almeida et al. (2006), comparou cordeiros machos das raças Ideal, cruzas ½ Border Leicester x ½ Ideal e ¾ Border Leicester x ¼ Ideal, terminados em pastagem cultivada, pastagem cultivada mais suplementação e pastagem natural + suplementação (PNS), na região de São Borla no Rio Grande do Sul. Eles observaram que a suplementação de animais em pastagem possibilita a obtenção de animais com carcaça mais pesada (maior peso da carcaça fria e rendimento de carcaça) quando comparado com os animais terminados somente no pasto.

Frescura et al (2005), estudaram cordeiros cruza Ile de France x Texel, terminados em pastagem de azevém, ou confinado com alimentação privativa previa (creep feeding), ou confinados sem receber alimentação privativa previa. Concluíram que não houve diferença entre as medidas de qualidade de carcaça entre os cordeiros, assim como o seu desempenho foi semelhante.

Ao avaliar esses trabalhos, com foco na qualidade da carcaça, pode-se concluir que não há diferença entre animais terminados no confinamento e no semi-confinamento, bem alimentados (dieta balanceada e alimento a vontade) e com ótimo controle sanitário (principalmente a verminose). O que o produtor deve fazer é um bom planejamento da sua criação, em todas as etapas, para ser o mais eficiente possível, levando em consideração a disponibilidade de mão de obra treinada, custo da alimentação, instalações, preço da terra, consumo de ração, vermífugo, etc., e só então avaliar o custo beneficio (R$ = lucro) de cada sistema de terminação para poder definir qual deverá ser empregado.

Literatura citada
ALMEIDA, H. S. L., et al. Características de carcaça de cordeiros Ideal e cruzas Border Leicester x Ideal submetidos a três sistemas alimentares. Ciência Rural, v. 36, n. 5, p. 1546 - 1552, 2006.

FRESCURA, R. B. M., et al. Sistema de alimentação na produção de cordeiros para abate aos 28 kg. Revista Brasileira de Zootecnia, v. 34, n. 4, p. 1267 - 1277, 2005.

SANTELLO, G. A., et al. Características de carcaça e análise do custo de sistemas de produção de cordeiros ½ Dorset Santa Inês. Revista Brasileira de Zootecnia, v. 35, n. 4, p. 1852 - 1859, 2006 (supl).

SARITA BONAGURIO GALLO

Professora de Pequenos Ruminantes, FZEA/USP

1

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

RODOLFO MENEGUELLO

CORONEL FREITAS - SANTA CATARINA - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 05/12/2006

Acredito que em confinamento o ganho mínimo que o animal precisa ter para que este sistema de produção seja viável seja de 230 gramas por dia. Um outro fator importante a ser ressaltado é que quando os animais são 100 por cento confinados, os gastos com verminosese são bem menores e as perdas com esta moléstia também o são.

Outro ponto a ressaltar é que, como um todo, a realidade das pastagens onde os animais são criados fogem em muito aos taios campos de azevém e outras forrageiras de alta qualidade. Estudo e trabalhos de campo desenvolvidos e acompanhados na Universidade Estadual de ´Maringá demonstram a eficência do sistema de produção de ovinos em confinamento, tendo também chegado a um módulo mínimo ecoômico para a atividade.

Creio também que para um sistema de confinamento existem cruzamentos mais adequados, onde utilzamos rebanho materno Santa Inês para podermos aproveitar seus 1,5 partos ao ano. Este rebanho materno criuzados com animais de garnde potencial para a terminação, tais como Texel, Ile ou o próprio Dorper, resultaram em bons indices de lucratividade e uma qualidade de carcaça imcomparável.

A adoção da raça paterna Dorper, apesar de seu custo elevado se torna muito viável e interessante pois a venda de suas fêmeas 1/2 sangue bem como de reprodutores dá ao criador um lucro muito satisfatório, sem falar que o mesmo pode destinar parte de seu rebanho para fazer cruzamento absorvente aumentando assim sua rentabilidade.

Um dado muito interessante é que o lucro obtido com a venda de uma fêmea cruzada Santa Inês X Dorper é seis vezes maior que a receita líquida obtida no caso do mesmo animal a ser abatido.

Concluindo creio que o sistema de confinamento, quando bem estruturado, com o cruzamento correto e com boas práticas de manejo figuram como uma boa opção para o produtor tornar sua propriedade mais rentável e produtiva.