ENTRAR COM FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Dicas para a boa formação de pastagens

PRODUÇÃO

EM 30/05/2006

1
0
Por Patricia Menezes Santos1, Luciano de Almeida Corrêa1 e Marco Antonio Alvares Balsalobre2

Boa formação do pasto é essencial para o sucesso de sistemas de produção animal em pastagens. Dentre as causas de insucesso na implantação de pastagens, podem-se citar: métodos incorretos de semeadura; espécies forrageiras inadequadas; tipo de solo inadequado; baixo vigor e baixo valor cultural das sementes; equipamentos para semeadura mal regulados ou inadequados; época do ano em que é feito o plantio; pragas e doenças; falta de umidade no solo; cobertura insuficiente da semente; cobertura demasiada da semente; formação de crostas no solo; falta de corretivos e fertilizantes; drenagem insuficiente; e presença de plantas invasoras.

Dessa forma, para boa formação do pasto, os seguintes itens devem ser observados: escolha da espécie ou cultivar; escolha da área; preparo do solo; época de plantio; calagem e adubação de formação; qualidade e quantidade de mudas ou sementes; e método de plantio.

O preparo do solo deve ser feito de forma a criar condições ideais para a germinação das sementes e para o crescimento da planta. Como as sementes de gramíneas forrageiras são, de modo geral, muito pequenas, o preparo adequado do solo (evitando o preparo excessivo e a degradação física) é muito importante, a fim de permitir maior contato da semente com as partículas de solo.

Esse processo irá facilitar, também, a colocação das sementes em profundidade adequada. Para a maioria das espécies forrageiras, a profundidade de plantio recomendada é de 2 a 4 cm.

As forrageiras tropicais devem ser plantadas durante o período chuvoso e quente do ano, quando as condições climáticas são mais favoráveis ao desenvolvimento das plantas. Na região Sudeste do Brasil, recomenda-se que este seja realizado entre novembro e janeiro.

A aquisição de boa semente ou muda é essencial para o sucesso da implantação. A semente deve ser de procedência idônea, para evitar a contaminação do solo com plantas daninhas indesejáveis e garantir a integridade genética da espécie ou cultivar adquirido.

A escolha da semente deve ser feita com base em sua qualidade. Esta pode ser determinada por meio de procedimentos específicos de análise, em que serão determinados a pureza física, a presença de plantas daninhas, e o vigor e o valor cultural das sementes. É importante ressaltar que o valor cultural da semente, de modo isolado, não é um bom critério de escolha. Sementes com alto valor cultural, porém contaminadas com determinadas espécies invasoras ou com vigor muito baixo devem ser evitadas.

A densidade de semeadura varia de acordo com a espécie forrageira. Na tabela 1 é mostrada a densidade de semeadura recomendada para algumas gramíneas tropicais.

Tabela 1. Número de sementes por grama e recomendação para plantio de sementes puras viáveis para alguns capins tropicais


Para as gramíneas que não produzem sementes, como os cultivares do gênero Cynodon, a formação é feita por via vegetativa. Nesse caso, deve-se utilizar mudas maduras e sadias, colhidas de locais livres de pragas, doenças e plantas daninhas. Mudas jovens, pequenas e tenras não devem ser utilizadas, pois desidratam rapidamente no sulco.

Para o plantio de espécies do gênero Cynodon, as mudas devem ser colhidas com cerca de 110 dias e serão necessários 2,5 t/ha de mudas para plantio no sulco, 3,0 t/ha de mudas para plantio em covas e 4,0 a 5,0 t/ha para plantio a lanço (Rodrigues et al., 1998). O mais indicado é o plantio em sulcos, que devem ser feitos com 50 a 100 cm de espaçamento, a 5 a 15 cm de profundidade. Neste caso, dois terços da muda devem ser enterrados, deixando-se o terço apical sobre o solo.

Referências bibliográficas

RODRIGUES, L.R. de A.; REIS, R.A.; SOARES FILHO, C.V.S. Estabelecimento de pastagens de Cynodon. In: SIMPÓSIO SOBRE MANEJO DE PASTAGENS, 15., 1998, Piracicaba. Anais. Piracicaba: FEALQ, 1998. p.115-128.

VIEIRA, J.M.; KICHEL, A.N. Estabelecimento e recuperação de pastagens de Panicum maximum. In: SIMPÓSIO SOBRE MANEJO DE PASTAGENS, 12o, 1995, Piracicaba. Anais. Piracicaba: FEALQ, 1995, p.147-196.



____________________________________
1Patricia Menezes Santos, Embrapa Pecuária Sudeste
1Luciano de Almeida Corrêa, Embrapa Pecuária Sudeste
2Marco Antonio Alvares Balsalobre, Bellamn Nutrição Animal e B&N Consultoria

1

COMENTÁRIOS SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Seu comentário será exibido, assim que aprovado, para todos os usuários que acessarem este material.

Seu comentário não será publicado e apenas os moderadores do portal poderão visualizá-lo.

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MARCIO TRAJANO BORGES TELLES

ITUVERAVA - SÃO PAULO - PRODUÇÃO DE GADO DE CORTE

EM 30/05/2006

O artigo correspondeu à minha expectativa, visto que não se trata de um trabalho de aprofundamento, e sim de uma visão geral. Gostei, e mais uma vez estou satisfeito com as artigos da MilkPoint.