FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Controle integrado de plantas invasoras em pastagens

PRODUÇÃO

EM 24/09/2010

3
0
O controle integrado de plantas invasoras em pastagens engloba, principalmente, métodos culturais, mecânicos e químicos. A escolha e combinação destes métodos devem ser feitas em função da condição de ocorrência das invasoras.

Pastagens bem formadas e manejadas adequadamente

As espécies invasoras que normalmente se estabelecem em pastagens bem formadas e manejadas adequadamente apresentam características intermediárias entre as tolerantes ao estresse e as competidoras. As populações destas espécies devem ser continuamente monitoradas, dando-se especial atenção às espécies tóxicas e com espinhos.

O controle de invasoras em pastagens bem manejadas deve ser feito quando o nível de infestação ainda é baixo para reduzir o custo da operação. A roçagem com foice é o método mais utilizado para o controle de plantas invasoras nesse caso. Para as espécies com elevado potencial de rebrota, recomenda-se que o controle mecânico seja associado ao controle químico. Neste caso, o herbicida deve ser aplicado no toco, logo após o corte da planta.

Pastagens em processo de degradação "agrícola"

Nas pastagens em processo de degradação "agrícola", a capacidade competitiva da planta forrageira é baixa, possibilitando o estabelecimento de invasoras. Nestes casos, devem-se aliar técnicas de controle mecânico e químico, para eliminar espécies invasoras já estabelecidas, com técnicas de controle cultural, para elevar a capacidade competitiva da planta forrageira.

A roçagem, seguida ou não de aplicação de herbicida no toco, e a aplicação foliar de herbicidas são as principais técnicas de controle recomendadas para pastagens em processo de degradação "agrícola". Nas áreas infestadas por plantas com caule lignificado e grosso (capoeiras), pode-se utilizar o "trilho" ou o "link" para eliminar as espécies invasoras. Esta prática, no entanto, não é recomendada para capins que formam touceiras.

Dentre as técnicas de controle cultural, as principais são o ajuste da taxa de lotação e da frequência e intensidade de pastejo e a adubação do solo. A taxa de lotação deve ser ajustada de acordo com o ritmo de crescimento da planta forrageira, evitando-se o super-pastejo e o pastejo desuniforme.

A adubação do solo, principalmente com nitrogênio, eleva o ritmo de crescimento da planta proporcionando maior e mais rápida cobertura do solo. É interessante, portanto, eliminar as plantas invasoras antes da adubação por meio de técnicas de controle mecânico e/ou químico.

Em áreas com níveis de infestação muito elevado e com baixa população de plantas forrageiras (menos de 3 a 5 plantas/m2 ou áreas superiores a 3 m2 de solo descoberto), a reforma do pasto pode ser economicamente mais interessante que sua recuperação. Nestes casos, deve-se adotar técnicas de controle cultural relacionadas à implantação de pastagens, como: manejo do banco de sementes; escolha da espécie ou cultivar; preparo do solo; época de plantio; e qualidade e quantidade de mudas ou sementes.

Pastagens em processo de degradação "biológica"

Nas pastagens em processo de degradação "biológica", a capacidade de manter o acumulo de biomassa do solo foi reduzida por razões de natureza química, física ou biológica. A recuperação do potencial produtivo do solo ou o ajuste da espécie forrageira às condições prevalecentes, portanto, é primordial para o controle da infestação do pasto.

A recuperação química do solo é feita por meio da aplicação de corretivos e fertilizantes; já a recuperação física é feita por meio de técnicas que promovam a descompactação do solo (gradagem, subsolagem, plantio de espécies biodescompactadoras) ou por práticas de conservação (construção de terraços e de bacias de captação de água ao lado de estradas).

O aumento dos níveis de matéria orgânica (recuperação biológica) pode ser obtido de forma direta, por meio da aplicação de material orgânico (ex.: esterco), ou de forma indireta, por meio da adubação da planta forrageira.

A vedação do pasto também é uma técnica importante para a sua recuperação. Ydoyaga et al. (2006) verificaram que o deferimento do uso do pasto por 138 dias, principalmente quando aliado à aplicação de fertilizantes nitrogenados e fosfatados, é uma boa alternativa para a recuperação de pastagens degradadas no Agreste Pernambucano.

A eliminação das plantas invasoras já estabelecidas pode ser feita por métodos mecânicos ou químicos. No entanto, é importante verificar se o mais indicado é a recuperação ou a reforma da área. De modo geral, em áreas muito infestadas ou infestadas por plantas muito agressivas, é mais interessante reformar o pasto. Nos casos em que a espécie forrageira não é adequada ao ambiente, recomenda-se a renovação do pasto com a substituição do capim.

É importante reforçar a necessidade de recuperação do potencial produtivo do solo nas áreas em processo de degradação "biológica". O controle das espécies invasoras por meios químicos ou mecânicos, sem a adequação do sistema, será temporária e, em pouco tempo, o pasto estará infestado novamente.

Este trecho faz parte do módulo 5 do Curso Online AgriPoint, Plantas Invasoras: impacto e controle para alta produtividade das pastagens, que tem como instrutor Leandro Coelho de Araujo, Zootecnista e Técnico Agrícola com mestrado em "Ciência Animal e Pastagens" pela ESALQ/USP onde atualmente cursa o programa de doutorado.

Neste curso você aprenderá os métodos químicos, culturais e integrados de controle de plantas invasoras, responsáveis por uma séria de prejuízos para a produção; e a fazer a identificação botânica, conhecer o hábito de crescimento, a forma de dispersão e a competição de plantas invasoras de pastagens.

Para saber mais sobre esse assunto e as particularidades do controle de plantas invasoras, participe do curso que terá início no dia 14 de outubro.

Conheça a programação completa deste curso e faça sua inscrição agora mesmo!

3

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

RAIMUNDA BANDEIRA

ACARAPE - CEARÁ

EM 10/02/2011

Gostaria de saber informações sobre a minhocultura. Pois estou implantando vários minhocários nos Assentamentos onde trabalho. Desde já agradeço antecipadamente,

Rai
HAMILTON VALADARES CARNEIRO

ARAXÁ - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE GADO DE CORTE

EM 17/01/2011

Exelente, aqui onde moro ARINOS MG e NÂO ARAXA (não há opção da minha cidade) tenho serios problemas com plantas invasoras nas pastagens e toda instrução recebida é muito bem vinda.
Parabens.
BRUNO BERNO DE OLIVEIRA

RIO DE JANEIRO - RIO DE JANEIRO - PRODUÇÃO DE GADO DE CORTE

EM 10/10/2010

Excelente Reportagem!!Parabéns!!