ENTRAR COM FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Confinamento: desempenho pré-desmame de cordeiros puros e cruzados Suffolk e Santa Inês - Parte I

VÁRIOS AUTORES

PRODUÇÃO

EM 08/10/2010

4
0
Um sistema eficiente de produção de carne ovina é reflexo da prolificidade materna, dos cruzamentos entre raças, do potencial de crescimento dos cordeiros, do sistema de produção, da eficiência reprodutiva e do rendimento em carne.

A raça deslanada Santa Inês vem apresentando considerável demanda no Sudeste do Brasil, devido à capacidade de adaptação e eficiência reprodutiva e por não apresentar comportamento estacional (SANTOS et al., 2003). No Estado do Paraná, também se observa grande interesse pela mesma, devido à baixa susceptibilidade às infecções parasitárias. Porém, a literatura cita (CUNHA et al., 2001) que, em sistemas intensivos, os cordeiros Santa Inês têm apresentado desempenho e características das carcaças inferiores às tradicionais raças de corte.

Figura 1 - Fêmeas da raça Santa Inês (LAPOC/ UFPR).



Nas regiões Sul e Sudeste do Paraná, a raça Suffolk para carne está presente em grande número de propriedades. Assim, o uso destes reprodutores de corte sobre ovelhas Santa Inês pode resultar em maior potencial para ganho de peso, reduzindo o tempo para abate e, assim, o custo de produção dos cordeiros.

Figura 1 - Cordeiros da raça Suffolk. Fonte: http://www.highfieldhousefarm.co.uk/suffolk-sheep-c12.html



Contudo, deve-se ter em mente que o fato de se realizar o cruzamento com raças especializadas para produção de carne, não implica necessariamente em obtenção de produto melhor. Para que ocorra a expressão do potencial do cruzamento faz-se necessário bom manejo sanitário e nutricional.

No artigo desse mês iremos apresentar um trabalho que foi realizado no Laboratório de Produção e Pesquisa de Ovinos e Caprinos (LAPOC), na Fazenda Experimental da Universidade Federal do Paraná, em Curitiba, com o objetivo de avaliar o desenvolvimento ponderal de cordeiros confinados resultantes dos seguintes cruzamentos:

(1) carneiro Suffolk e ovelhas Suffolk: cordeiros Suffolk;

(2) carneiro Suffolk e ovelhas Santa Inês: cordeiros Suffolk X Santa Inês;

(3) carneiro Santa Inês e ovelhas Suffolk: cordeiros Santa Inês X Suffolk;

(4) carneiro e ovelhas Santa Inês: cordeiros Santa Inês.

Nesta primeira parte do artigo iremos discutir o efeito dos grupos genéticos acima sobre o desempenho dos cordeiros na fase pré-desmame.

Manejo dos Animais

Após o nascimento, os cordeiros foram pesados e identificados e aos desmame foram vacinados contra as clostridioses.

Desde a 1ª semana de vida, os animais tinham à disposição dieta composta de ração farelada (20% PB) e silagem pré-secada de aveia em creep feeding. Durante o período de aleitamento, as ovelhas e os cordeiros foram mantidos em aprisco suspenso ripado. As ovelhas recebiam silagem de milho "ad libitum" e 500 g de ração concentrada (17,2% PB) por dia. (Tabela 1)



Em idade pré-estabelecida de 45 dias, os cordeiros foram desmamados, pesados e everminados pela primeira vez. Foram então confinados em baias coletivas de 6,3 m x 4,0 m, com piso ripado suspenso, até atingirem o peso vivo de abate de 30-32 kg.

Resultados obtidos

Na tabela 02 são apresentadas as médias estimadas e os desvios-padrão dos pesos ao nascer e ao desmame e o ganho médio diário pré-desmame de cada grupo genético. Os cordeiros da raça Suffolk apresentaram peso médio ao nascer superior (P<0,01) aos demais grupos genéticos. Lembre-se que o peso ao nascimento está diretamente relacionado a fatores de ordem genética!



Observe na tabela acima que os pesos ao nascer dos cordeiros Santa Inês (3,637 kg) e dos cordeiros dos grupos carneiro Suffolk X ovelha Santa Inês (4,020 kg) e carneiro Santa Inês X ovelha Suffolk (4,333 kg) não diferiram entre si.

Este resultado obtido não concorda com o relatado na literatura nacional para cruzamentos entre reprodutores lanados com ovelhas deslanadas SRD no Nordeste Brasileiro, onde os cordeiros mestiços lanados apresentaram peso ao nascimento superior aos deslanados (BARROS et al., 1999; FURUSHO-GARCIA et al., 2004; MACHADO et al., 1999). Entretanto, o peso ao nascimento (3,6 a 4,3 kg) observado no presente trabalho é superior ao relatado na literatura, em que são descritos valores de 3,22 kg para cordeiros mestiços Santa Inês em parições em confinamento (MACHADO et al., 1999).

Observe na Tabela 2 que houve efeito do grupo genético sobre o peso ao desmame e o ganho médio diário do nascimento ao desmame. No entanto, não houve diferença entre os dois grupos cruzados quanto às variáveis citadas. Os animais da raça Santa Inês não apresentaram diferença no peso ao desmame (11,450 kg) em comparação aos filhos de carneiros Suffolk e ovelhas Santa Inês (14,222 kg), mas diferiram dos cruzados Santa Inês X Suffolk (15,240 kg), mostrando a influência da raça materna nesta característica. As matrizes também tiveram efeito sobre o ganho corporal nessa fase pré-desmame: cordeiros Santa Inês X Suffolk ganharam mais peso nessa fase que os Santa Inês puros.

RODA et al. (1983) obtiveram aumentos significativos nos pesos ao nascer e ao desmame, com animais resultantes dos cruzamentos de carneiros Suffolk sobre fêmeas deslanadas em relação aos puros deslanados, o que não foi observado no presente trabalho.

Neste trabalho foram observadas correlações positivas entre os pesos das mães (ao parto e ao desmame) e o desempenho dos cordeiros nas fases pré e pós desmame confirmando a importância da condição corporal das ovelhas ao parto e a importância da lactação para o desempenho dos cordeiros.

Na segunda parte do artigo iremos apresentar os resultados obtidos na fase pós-desmame (do desmame até o abate) e as conclusões sobre os resultados obtidos.

Referências bibliográficas

BARROS, N.N.; FIGUEIREDO, E.A. P.; BARBIERE, M. Efeito do genótipo e da alimentação no desempenho de borregos de cruzamento industrial em confinamento. Revista Científica de Produção Animal, Brasília, v. 1, n. 1, p. 59-67, 1999.

CUNHA, E.A.; SANTOS, L.E.; BUENO, M.S.; et al. Utilização de carneiros de raças de corte para obtenção de cordeiros precoces para abate em plantéis produtores de lã. Revista Brasileira de Zootecnia, v.29, n.1, p. 243-252, 2001.

FERNANDES, M.A.M.; MONTEIRO, A.L.G.M.; BARROS, C.S.; et al. Desempenho de cordeiros puros e cruzados Suffolk e Santa Inês. Revista da FZVA, v.14, n.2, p. 207-216, 2007.

FURUSHO-GARCIA, I.F.; PEREZ, J.R.O.; BONAGURIO, S.; et al. Desempenho de cordeiros Santa Inês puros e cruzas Santa Inês com Texel, Ile de France e Bergamácia. Revista Brasileira de Zootecnia, Viçosa, v. 33, n. 6, p. 1591-1603, 2004.

MACHADO, R.; SIMPLICIO, A.A.; BARBIERI, M.E. Acasalamento entre ovelhas deslanadas e reprodutores especializados para corte: desempenho produtivo até a desmama. Revista Brasileira de Zootecnia, Viçosa, v. 28, n. 4, p. 706-712, 1999.

NRC. NATIONAL RESEARCH COUNCIL. Nutrient Requirements of sheep. Washington: National Academy Press, 1985.

RODA, D.S.; SANTOS, L.E.; OLIVEIRA, A.A.D.; et al. Crescimento ponderal de cordeiros deslanados Suffolk e cruzados deslanados x Suffolk. Boletim Indústria Animal, v.40, n.1, p.25-30, 1983.

SANTOS, L.E.; BUENO, M.S.; CUNHA, E.A.; et al. Desempenho e características de carcaças de cordeiros Santa Inês e cruzados com raças especializadas para corte. Ovinos Brasil Online.

MARIA ANGELA MACHADO FERNANDES

Médica Veterinária pela UFPR
Doutoranda do Programa de Ciências Veterinárias da UFPR
Integrante do LAPOC - Laboratório de Produção e Pesquisa em Ovinos e Caprinos da UFPR

ALDA LÚCIA GOMES MONTEIRO

Coordena o Laboratório de Produção e Pesquisa em Ovinos e Caprinos (LAPOC) da UFPR

CARINA BARROS

Médica veterinária
Mestre em Ciências Veterinárias UFPR
Doutora em Nutrição e Produção Animal FMVZ-USP
Pós-doutorado FMVZ-USP
Atuação na avaliação econômica e modelagem

4

COMENTÁRIOS SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Seu comentário será exibido, assim que aprovado, para todos os usuários que acessarem este material.

Seu comentário não será publicado e apenas os moderadores do portal poderão visualizá-lo.

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MARIA ANGELA MACHADO FERNANDES

CURITIBA - PARANÁ

EM 13/10/2010

Pezado Thiago, na fase pré-desmame, os cordeiros receberam concentrado + silagem à vontade no creep feeding. Na fase pós-desmame (terminação), o consumo de alimento (concentrado e volumoso) foi avaliado e iremos discutir no próximo artigo, que sairá ainda esse mês! Aguarde!!! Abraço, Maria Angela
MARIA ANGELA MACHADO FERNANDES

CURITIBA - PARANÁ

EM 13/10/2010

Prezada Helen, agradecemos seu comentário!
A raça Suffolk é especializada para corte, ou seja, produção de carne. Outras raças de ovinos especializadas para produçãode carne: Hampshire Down, Dorper, Texel, Ile de France, Border Leicester, entre outras. Você pode encontrar informações sobre as características de cada uma das raças nos sites das associações! Atencisamente Maria Angela Machado Fernandes
THIAGO ALVES DE OLIVEIRA

REGISTRO - SÃO PAULO - REVENDA DE PRODUTOS AGROPECUÁRIOS

EM 11/10/2010

Quanto foi fornecido de concentrado por cordeiro no peródo de terminação?
HELEN RENNER

SANTA CRUZ DE MONTE CASTELO - PARANÁ - ESTUDANTE

EM 08/10/2010

Oi Maria Angela, parabéns pelo trabaho, gostei muito. Quais raças possuem características parecidas com a Suffolk? Obrigado