FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Como a nutrição influencia a função reprodutiva dos machos?

POR VICENTE DE FRANÇA TURINO

E ANDRÉ MACIEL CRESPILHO

PRODUÇÃO DE LEITE

EM 23/05/2008

7 MIN DE LEITURA

3
0
Quando o assunto é nutrição, praticamente todos os técnicos e produtores buscam por informações de dietas e/ou estratégias nutricionais para maximização do ganho de peso, diminuição dos custos com a alimentação, utilização de ingredientes alternativos e níveis de inclusão de determinado ingrediente em substituição a outro.

Entretanto, pouca atenção é dada ao efeito específico da nutrição sobre o desenvolvimento fisiológico e reprodutivo dos rebanhos. A relação entre nutrição e reprodução vem merecendo destaque em muitos trabalhos de pesquisa desenvolvidos ao longo dos últimos anos. No caso dos reprodutores, diversos trabalhos tentam explorar algumas "respostas nutricionais" que viabilizem a melhoria dos índices de fertilidade seminal e congelabilidade, os quais são mediados por constituintes da dieta.

Aspectos reprodutivos dos carneiros

A fertilidade dos reprodutores depende de sua produção diária de sêmen e da capacidade em produzir maior concentração de espermatozóides liberados por ejaculado, especialmente no caso dos programas de monta natural (SELAIVE-VILARROEL e MORAES, 1987). Quantitativamente, a produção espermática depende do desenvolvimento testicular (COUROT, 1976). Em virtude da associação entre o volume testicular e produção espermática, variáveis como o perímetro escrotal correlacionam-se positivamente com a motilidade espermática e negativamente com o percentual de anormalidades espermáticas (FERREIRA et al.; 1988).

Cada raça possui um limite presumido de tamanho de testículo, o qual é determinado pelo patrimônio genético de cada carneiro. Todavia, a nutrição exerce influência significativa no desenvolvimento testicular (SIQUEIRA-FILHO, 2007). Uma observação interessante do ponto de vista prático, é que o volume dos testículos dos carneiros usualmente diminui durante a estação de monta, provavelmente pela redução da ingestão em função da exacerbação do comportamento sexual.

Estresse nutricional e desenvolvimento reprodutivo de machos

De uma forma geral as exigências nutricionais variam de acordo com o tipo de exploração, idade, sexo, status fisiológico e objetivos produtivos previamente traçados. Um programa nutricional desenvolvido para machos e/ou fêmeas é dinâmico, alterando-se à medida que os animais evoluem em seus estágios produtivos (SIQUEIRA FILHO, 2007). Dessa maneira, podemos dividir simbolicamente em uma escala temporal os efeitos deletérios do manejo nutricional inadequado e as possíveis conseqüências reprodutivas para machos da espécie ovina: subnutrição na fase gestacional, pré-puberal e adulta.

A subnutrição gestacional é decorrente da baixa disponibilidade de alimento disponível para as ovelhas durante a gestação.

A subnutrição pré-puberal representa a escassez de alimento para animais que iniciarão suas atividades reprodutivas.

A subnutrição no período adulto compreende o incorreto aporte nutricional na fase em que os animais estão no auge de sua atividade reprodutiva (servindo em monta natural ou como doadores de sêmen para multiplicação anima).

A escassez de alimento para a fêmea em gestação está relacionada a menor peso ao nascimento e influencia decisivamente o desempenho reprodutivo futuro dos machos. O trabalho de Da Silva et al., (2001) (Tabela 1) demonstra como o estresse nutricional pode acarretar um retardo na puberdade e na produção de hormônios reprodutivos. Tais alterações podem se tornar irreversíveis (mesmo com posterior adequação da dieta), demonstrando que um erro de manejo infringido aos animais ainda no ventre materno pode acarretar prejuízos que comprometem toda a trajetória de vida do reprodutor.

Tabela 1. Efeito do aporte nutricional materno (subnutrição ou exigência nutricional de gestação atendida) durante o período gestacional sobre o desenvolvimento das características reprodutivas de borregos condizentes com o estabelecimento da puberdade.


Adaptado de DA SILVA et al., (2001). Letras diferentes na mesma linha expressam as diferenças significativas observadas.

A nutrição tem grande impacto em muitos aspectos reprodutivos do desenvolvimento pré-puberal do macho, influenciando a maturidade sexual, que é expressa pelo início da espermatogênese (processo de formação dos espermatozóides) e da libido (Carpenter et al., 1997). Fernández et al., (2005) apontam que o baixo aporte nutricional para ruminantes durante o período pré-puberal levam à diminuição do crescimento testicular e inibição do desenvolvimento do sistema endócrino.

Em função da menor massa testicular apresentada, uma menor quantidade de espermatozóides são produzidos por animais submetidos às dietas de restrição. Segundo relatos de Dunn e Moss (1992), machos sob estresse nutricional apresentaram diminuição no tamanho das células de Leydig (responsáveis pela produção de testosterona testicular) e dos túbulos seminíferos intra-testiculares (responsáveis, entre outros fatores, pela manutenção e transporte dos espermatozóides para os pontos de estocagem nos epidídimos).

Já na fase adulta, Kheradmand et al., (2006) verificaram evidências que as disfunções ou deficiência no metabolismo dos carboidratos, proteínas e ácidos nucléicos podem impedir a espermatogênese, a libido e a fertilidade dos machos, além de acarretarem na morte embrionária, anestro pós-parto, pior qualidade dos óvulos e menores taxas de prenhez no caso das fêmeas ovinas.

Segundo Dunn e Moss, (1992) o consumo insuficiente de energia ou proteína na dieta determinam um estado de balanço energético negativo, caracterizado pela falta de substrato para o desempenho das principais funções reprodutivas. De acordo com os mesmos autores, o manejo nutricional inadequado propicia o comprometimento do escore de condição corporal (ECC) dos reprodutores. Tal situação está diretamente associada à diminuição da produção espermática diária, além da queda na concentração de espermatozóides ejaculados e do tamanho testicular. A maioria das alterações observadas são decorrentes da diminuição das concentrações de testosterona na corrente sanguínea e no interior dos testículos.

Em contrapartida, a superalimentação também acarreta prejuízos ao desempenho dos reprodutores. O estabelecimento de dietas constituídas por grandes quantidades de concentrados pode atuar de maneira prejudicial, acarretando em comprometimento da qualidade dos espermatozóides, que podem apresentar maior número de defeitos e menor motilidade. Segundo Dunn e Moss, (1992), machos submetidos a dietas ricas em concentrados (80%) apresentam diminuição das reservas espermáticas nos epidídimos (anexos testiculares que armazenam os espermatozóides previamente a ejaculação).

A superalimentação representa uma situação tipicamente comum no caso de animais elite devido à exigente preparação necessária para feiras e exposições. Tal preparação geralmente consiste em formulações de dietas com alta densidade energética, ocasionando, em muitas situações, a reprova dos animais durante a execução do exame andrológico.

Elevadas concentrações de amônia ruminal e plasmática são decorrentes do consumo de dietas contendo elevados teores de proteína bruta (PB) ou a ausência de sincronismo na degradação de proteína e energia para a síntese microbiana no rúmen. Este excesso de amônia circulante pode prejudicar a espermatogênese, atuando diretamente nos túbulos seminíferos testiculares (MANN e MANN, 1981). Além da atuação direta na gônada, o excesso de nitrogênio circulante também interfere na produção/secreção dos hormônios da reprodução, prejudicando a espermatogênese e libido. Siqueira-Filho (2007) indica que dietas mais adequadas para a manutenção da qualidade do sêmen de carneiros devam apresentar 13,4 % PB e consumo de 210g de proteína metabolizável/dia. Animais que receberam dietas contendo teores de PB acima ou abaixo do recomendado apresentaram alterações nos parâmetros reprodutivos.

Tabela 2. Efeito do tipo de manejo nutricional (extensivo vs intensivo) na determinação das características escrotais e testiculares de carneiros Dorper*.


*Adaptado de FOURIE et al., (2004). Letras diferentes na mesma linha indicam diferenças significativas entre os grupos estudados.

Tabela 3. Efeito do tipo de manejo nutricional (extensivo vs intensivo) nas características seminais de carneiros Dorper*.


*Adaptado de FOURIE et al., (2004). Letras diferentes na mesma linha indicam diferenças significativas entre os grupos estudados.

Em conclusão, assim como as ovelhas que apresentam sérios prejuízos ao desempenho reprodutivo quando submetidas a um baixo aporte de nutrientes, os reprodutores ovinos apresentam sérias limitações quanto ao desenvolvimento testicular e produção espermática quando submetidos a um manejo nutricional inadequado. Esta situação acarreta prejuízos econômicos e atua como um sério empecilho à implementação de biotecnologias da reprodução como a congelação de sêmen e inseminação artificial, além de interferir no índice de fertilidade de rebanhos que utilizam monta natural.

Referências

CARPENTER, D.B.; HALLFORD, D.M.; HUNG, L.S.; et al. Semen traits and metabolic and gonatropic hormone profiles in ram lambs treated with glucose. Theriogenology, v.46, p.625-639, 1997.

COUROT, M. Semen quality and quantity in the ram. In: TOMES, G.T.; ROBERTSON, D.E.; LIGHTFOOT, R.J. Sheep Breeding, Butterwords: Londres, 1976.

DA SILVA, P.; AITKEN, R.P.; RHIND, S.M.; et al. Influence of placentally mediated fetal growth restriction on the onset of puberty in male and female lambs. Reproduction, v.122, p. 375-383, 2001.

DUNN, T.G.; MOSS, G.E. Effect of nutrient and excesses on reproductive efficiency of livestock. Journal of Animal Science, v.70, p.1580-1593, 1992.

FERNÁNDEZ, M.; GIRÁLDEZ, F.J.; FRUTOS, P.; et al. Effect of undegradable protein concentration in the post-weaning diet on body growth and reproductive development of Assaf rams. Theriogenology, v.63, p. 2206-2218, 2005.

FERREIRA, J.M.M.; SILVA, J.F. e MORAES, J.C.F. Associação entre caracteres reprodutivos, peso corporal, época do ano e sua potencial importância na seleção de borregos Corriedale. Revista Brasileira de Reprodução Animal, v.12, p. 69-76,1988.

FOURIE, P.J.; SCHWALBACH, L.M.; NESER, F.W.C.; et al. Scrotal, testicular and semen characteristics of young Dorper rams managed under intensive and extensive conditions. Small Ruminant Research, v. 54, p.53-59, 2004.

KHERADMAND, A.; BABAEI, H.; BATAVANI, R.A. Effect of improved diet on semen quality and scrotal circumference in the ram.Veterinarski Arhiv, v. 76, n. 4, p.333-341, 2006.

KNIGHT, T.W. Methods for the indirect estimation of tests weight and sperm numbers in Merino and Romney rams. New Zealand Journal of Agricultural Research, v.20, p. 291-295, 1977.

MANN, T.; MANN, C.L. Male reproductive function and semen. Themes and trends in physiology, biochemistry and investigative andrology. Berlin : Spring-Verlag, 1981. 495p.
SELAIVE-VILARROEL, A.B.; MORAES, J.C.F. Estudos sobre produção de sêmen em carneiros. 3 - Efeito da raça e da idade. Revista Brasileira de Reprodução Animal, v.11, p. 37-45, 1987.

SIQUEIRA-FILHO, E.R. 2007. Influência dos níveis protéicos fornecidos na dieta sobre o sistema reprodutivo de carneiros. 92 f.. Dissertação (Mestrado): Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, FMVZ, UNESP, Botucatu, Brasil. 2007.

VICENTE DE FRANÇA TURINO

ANDRÉ MACIEL CRESPILHO

VetSemen - Primeiro laboratório privado especializado na análise de qualidade do sêmen utilizado em programas de inseminação artificial.

3

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

DANILO CORRRÊA SILVA

ANÁPOLIS - GOIÁS - ESTUDANTE

EM 12/07/2008

gostei muito desse artigo, gostaria de saber se além do nitrogenio quais outros elementos que podem influenciar na qualidade do sêmen ? selênio seria um deles?
VICENTE TURINO

BOTUCATU - SÃO PAULO - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 26/05/2008

Prezado Jamilson Machado dos Santos

É difícil fazer recomendações pontuais sem avaliar a propriedade e os animais.

Entretanto, ai vão algumas dicas:

- Independente da empresa que venda a ração, esta deve atender as exigências nutricionais de fêmeas em pré-parto (ou seja, o animal possui uma determinada exigência nutricional e a ração deve suprir as deficiências que seu volumoso estará oferecendo).

- O feno de alfafa é um excelente alimento, porém, como todos os outros possui vantagens e desvantagens.

É uma leguminosa, ou seja, possui elevado teor de proteina em sua composição. E, como descrito no artigo, o excesso de proteina pode causar efeitos deletérios na espermatogênese.

Não deixe de utilizar o feno de alfafa depois dessas informações. Como disse, todo ingrediente tem vantagens e desvantagens.

O importante é você utilizar o que tem na fazenda, porém, de forma balanceada.

Sugiro que procure por orientação de um nutricionista especializado para que consiga ajudá-lo com suas dietas, conciliando os objetivos produtivos, sem prejudicar a reprodução de seus animais.

Espero ter conseguido ajudar.
Grande abraço e agradeço por ter lido nosso artigo.
JAMILSON MACHADO DOS SANTOS

CAMPOS DOS GOYTACAZES - RIO DE JANEIRO - OVINOS/CAPRINOS

EM 24/05/2008

Achei a materia excelente, qual a ração comercial que recomenda para pré lactação de cabras e reprodutores em época de monta ? Ou só o feno de alfafa resolve ? Como avaliar o semen em camara de neubauer?