FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Botulismo em pequenos ruminantes

POR FELIPE MONTEIRO TELLES

PRODUÇÃO

EM 14/12/2009

41
3
Antes de falar do botulismo propriamente dito, é importante ressaltar a diferença entre uma intoxicação e infecção, para que possamos entender como ocorre à contaminação dos animais e como deve ser feita sua prevenção. Uma infecção ocorre quando o microorganismo, por exemplo, uma bactéria invade o organismo animal seja através de uma ferida ou ingestão de alimentos contaminados. Já na intoxicação não é necessária a ingestão do microorganismo, mas sim da(s) toxina(s) produzidas por ele enquanto está no alimento, água ou ambiente. Algumas das toxinas são destruídas mais facilmente, mas outras resistem por longos períodos, mesmo quando o microorganismo é eliminado.

O botulismo é uma intoxicação causada pela ingestão de uma neurotoxina produzida pelo Clostridium botulinumn. Existem sete tipos de C. botulinum, classificados de A a G, de acordo com a produção de toxinas, sendo os tipos C e D e raramente A e B os responsáveis pela doença em animais (GARRITY, 2005).

O C. botulinum é uma bactéria anaeróbia estrita, ou seja, vive em locais onde não há oxigênio. A contaminação dos animais pode ocorrer devido à osteofagia, que é o habito dos animais ingerirem ossos encontrados nas pastagens, pela ingestão de alimentos contaminados com matéria orgânica em decomposição, ingestão de silos em más condições, cama-de-frango contaminadas com carcaças de animais mortos ou ingestão de água estagnada de lagoas ou poços contaminados.

Por se tratar de uma intoxicação, a velocidade de evolução e aparecimento dos sintomas clínicos estão diretamente relacionadas com a quantidade de toxinas ingeridas pelo animal, logo seu prognóstico também dependente desse fator. A doença pode ser dividida em quatro formas distintas (superaguda, aguda, subaguda e crônica), de acordo com a gravidade dos sintomas e do tempo de vida do animal (Ristic & McIntire, 1981).

Geralmente no início da doença os animais começam a apresentar algum grau de incordenação e ataxia, nesta fase dificilmente param de se alimentar.

Com a evolução da doença, surge um quadro de paralisia flácida, que pode ser mais comumente notado nos membros pélvicos e faz com que os animais permaneçam a maior parte do dia deitados em decúbito esterno-abdominal. Ao assumirem a posição de decúbito os animais começam a ingerir menos alimento devido à dificuldade de locomoção, o que leva a uma piora do seu quadro clínico.

Com o passar do tempo a doença continua avançando fazendo com que a paralisia progrida para os membros torácicos, pescoço, músculos da mastigação e deglutição, se tornando cada vez mais acentuada. Nesta fase o animal não consegue mais se alimentar, caminhar e raramente se mantém em decúbito esternal, ficando cada vez mais prostrado até que seu quadro evolua para a morte.

Os sintomas do botulismo podem demorar de algumas horas até dezoito dias para aparecer, mesmo após a retirada da fonte de intoxicação, variando apenas a severidade e velocidade de seu aparecimento, sendo de um a sete dias, dependendo da quantidade de toxinas ingeridas e da resistência do animal.

O diagnóstico da doença deve ser baseado na sintomatologia e histórico dos animais, levando em consideração as práticas de manejo sanitário e alimentação de cada propriedade no período. É de extrema importância a investigação de possíveis fontes de infecção como silos, alimentos armazenados de forma precária, ossos de outros animais na pastagem e fontes de água.

O tratamento do botulismo pode ser feito através de terapia de suporte com fluidoterapia, antibióticos a fim de evitar infecções secundárias e soroterapia específica com soro antibotulínico, porém esse tratamento muitas vezes não se justifica por se tornar muito dispendioso e apresentar baixo índice de sucesso. Antes de tratar um animal doente devemos sempre eliminar a fonte de intoxicação.

Por se tratar de um rebanho, a maior preocupação deve ser a saúde de todo o grupo, através da adoção de medidas preventivas. A prevenção do botulismo pode ser feita através de vacinação, correto armazenamento de rações e feno a fim de evitar materiais em decomposição, utilização correta do silo, tanto durante a "ensilagem" quanto "desensilagem" sempre mantendo o material coberto de forma adequada e desprezando pedaços com odor fétido ou enegrecido. Bebedouros e comedouros devem ser lavados periodicamente para remoção de sujidades e matéria orgânica em decomposição.

Referências bibliográficas

GARRITY, G.M. Bergey's manual of systematic bacteriology. 2.ed. Hardcover, 2005. 2816p.

Iveraldo S. Dutra, Jürgen Döbereiner, Ivan V. Rosa, at AL. Surtos de botulismo em bovinos no Brasil associados ingestão de água contaminada . Pesq. Vet. Bras. 21(2):43-48, abr./jun. 2001

LOBATO, F.C.F. et al. Botulismo causado pelo Clostridium botulinum tipo B. Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinária e Zootecnia, v.40, p.445-446, 1988.

LOBATO, F.C.F. et al. Potência de toxóides botulínicos bivalentes C e D produzidos e comercializados no Brasil. Revista Brasileira de Medicina Veterinária, v.20, n.1, p.35-38, 1998.

RISTIC, M.; McINTYRE, I. Diseases of cattle in the tropics. The Hague : Martinus Nijhoff, 1981. 662p

SANTOS, B.L. et al. Botulismo experimental em caprinos pela toxina tipo C. Pesq. Vet. Brás.,v.13, p.73-76, 1993.

Para comentários e dúvidas, utilize o box abaixo.

FELIPE MONTEIRO TELLES

Médico veterinário de São Paulo, residente em Dunsandel/Christchurch - Nova Zelândia. Herd manager na empresa Synlait Farms

41

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

JOSE ANILTON OLIVEIRA

EM 27/06/2019

bom dia, estou com uma ovelha, que estar perto de pari, agora apareceu com parte da barriga inchada e sem querer comer e que deve ser e o qual procedimento devo fazer?
DANIELI ANTUNES DE SOUZA

EM 03/12/2018

Boa tarde, estou com um carneiro de uns 3 meses e ele está tremendo, não consegue ficar em pé com a boca espumando e não está se alimentando bem bebendo água. Oque pode ser?
TIAGO ANDRÉ PEREIRA DE SOUSA

EM 24/11/2018

Estou com uma ovelha que esta com a bareiga i chada e nao conssegue ficar em pe ja nao come e nem bebi o que faser?
MATHEUS JUCÁ

CANINDÉ - CEARÁ

EM 05/11/2018

Muito boa essa explanação.
KATIA CARDOSO DE SOUSA

EM 01/11/2018

BOA TARDE TENHO UM BODE COM TRÊS MESES E ELE ESTÁ TREMENDO E SEM CONSEGUIR FICAR EM PÉ. o QUE PODE SER?
APARECIDA C C LOPES

EM 17/09/2018

Meu carneiro tem um mês, e está inquieto n consegue se alimentar e não está iliminando fezes e nem urina. Aparentemente parece estar impugnado
JAKELINE ARAUJO

EM 10/09/2018

Meu bode de 2 meses não está voltando a comida para remoer, estou muito preocupada. o que está acontecendo?
DEBORA LILLIAN FERREIRA DA SILVA

EM 10/09/2018

Minha ovelha 4 meses ta mancando e triste com falta de apetite, o que devo dar ou fazer, alguem pode me ajudar
JAKELINE ARAUJO

EM 10/09/2018

Olá. Tenho um bodinho com 2 meses e ele não está conseguindo voltar a comida para remoer, o que pode ser?
GEORGE FERREIRA

EM 16/08/2018

estou com uma ovelha do meu rebanho desanimada queita demais e não quer comer, o que pode ser?
RUBINHO SANTOS

EM 30/07/2018

Tenho uma pequena criação de caprino e menos espera os meus animais fica tonto chega ate more..que doença e essa e como tratala....
ANDRÉA ALVES MOTA

EM 10/07/2018

Olá. Meu carneiro amanheceu ruim, a barriga muito inchada não consegui ficar em pé as pernas trêmulas e está expulsando. O que fazer quero ajuda
BATMIRIN BATISTA FILHO

EM 03/04/2018

Bom, muito bom!
WILLIANS EDGARDO RODRIGUEZ

EM 02/04/2018

eu tenho uma cabrita que ta com o joelho muito inchado e ela so concegue andar mancando sabe me dizer oque pode ser e como posso tratar
MILENE BATISTA RIBEIRO

EM 20/03/2018

Bom dia Dr.Felipe.
Estamos iniciando a criacao de carneiros e, em menos de um mes ja morreram 3 cabecas, todas gordas, principal sintoma o animal fica tremendo nao consegue mais se levantar.
EDILIO SOUZA

OLINDA - PERNAMBUCO - OVINOS/CAPRINOS

EM 22/12/2017

To com uma carneiro cansado ..triste... sen comer  o q serar... ringi muito os dentes..   outros morreram os membros  param ... muita diarréia. ..
JULIANA FERNANDES

TORITAMA - PERNAMBUCO - ESTUDANTE

EM 13/11/2017

A minha ovelha está em dia de pari e paro de come e os peito dela de um lado está saindo secreção e estava enchado o q pode ser
ERICLES DOS SANTOS

SÃO SEBASTIÃO - ALAGOAS - ESTUDANTE

EM 15/10/2017

Boa atarde sou de alagos. Queria saber oq fazer com minha ovelha. ela era bem gorda e depois foi parando de cormer e foi esmaquecendo logo depoi ele deu criar mas naum durou mts dias o cabritinho morreu. ela corme pouco mas so vever com a barrica exada as vezes vai andando e cair e da trabalhor pra levanta e faz xixi bastante e varias mas q o normal. oq fazer mim ajunde por favor.
CIBELE

CURITIBA - PARANÁ - PESQUISA/ENSINO

EM 14/09/2017

Algum produtor de ovino para tirar uma dúvida?
DARIO CAVALCANTI

AFRÂNIO - PERNAMBUCO - OVINOS/CAPRINOS

EM 15/08/2017

bom dia  essa ai do sr. ENEAS GONÇALVES DE SOUSA , é botulismo comprovada... sou criador no ramo,  ja vi muitos desses  casos ai n restam duvidas... so esperar morrer