FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Bagaço de cana-de-açúcar: fonte alternativa de alimento

POR INGRID MONTEIRO MEDINA

E ANDRESSA NATEL

PRODUÇÃO

EM 04/03/2011

5
0
Em virtude de algumas cartas, recebidas no último artigo, indagando sobre o uso de resíduo de cana-de-açúcar na alimentação de ruminantes, resolvemos focar esse tema no presente artigo.

A cana-de-açúcar tem destaque por proporcionar um aproveitamento total dentro dos seus processamentos industriais. Na safra de 2009/2010, estimou-se no Brasil uma produção de aproximadamente 541,5 milhões de toneladas de cana, destinadas principalmente ao setor sucroalcooleiro. Essa produção gera um problema ecológico que é a formação de resíduo, como o bagaço de cana-de-açúcar, que segundo SILVA et al. (2007) é o resíduo agroindustrial obtido em maior quantidade no Brasil, aproximadamente 280 kg/ton moída (30% do total moído).



Uma das formas para gerir essa questão ambiental, é a utilização deste subproduto. Na agropecuária pode ser utilizado como forma alternativa de volumoso suplementar para a época de estiagem, sendo uma opção interessante para minimizar custos na produção animal, consequentemente, aumentando o lucro líquido da atividade. Porém, a utilização de bagaço de cana-de-açúcar na alimentação de ruminantes, depende da viabilidade técnica e econômica, sem esquecer de considerar as vantagens e limitações do seu valor nutritivo, pois o bagaço é um produto de baixo valor nutricional (média %MS, 1,5% PB, FDN 58%, digestibilidade baixa 27%). Assim, com a finalidade de melhorar a composição química deste alimento, foram desenvolvidos tratamentos biológicos, químicos e físicos, que objetivam promover um aumento da qualidade nutricional, da digestibilidade e do consumo deste produto pelos ruminantes.

O tratamento biológico usa fungos, bactérias ou suas enzimas para decomposição da lignina do bagaço da cana ou de outro substrato qualquer, aumentando assim a digestibilidade do alimento.

Já os tratamentos físicos e químicos provocam mudança na parede celular visando eliminar ou diminuir os efeitos prejudiciais da lignina sobre a degradação de compostos celulósicos pelos microrganismos do rúmem, promovendo a ruptura das complexas ligações químicas daquele componente com a celulose e a hemicelulose, disponibilizando o material, teoricamente, para adesão da população microbiana e ataque de enzimas fibrolítica (VAN SOEST, 1994).

O tratamento com pressão e vapor (alta temperatura) é o método físico que foi muito utilizado, década de 80, para elevar o valor nutritivo do bagaço de cana-de-açúcar, tornando-o um volumoso de médio valor nutritivo (BEM, 1991), com aumento no teor de compostos fenólicos e carboidratos solúveis. Entretanto, segundo MARI e NUSSIO (2009), atualmente esse processo tem sido pouco utilizado em virtude do custo de oportunidade do bagaço na co-geração de energia. O bagaço de cana auto-hidrolizado, comumente chamado nas indústrias, apresenta uma composição média (%MS) de 46% MS, 2,16%PB, 59,5% FDN e 55%NDT (BURGI, 1995).

Assim, em virtude da facilidade de manipulação e baixo custo, o tratamento químico de alimentos volumosos tem crescido bastante nos últimos anos e várias pesquisas têm evidenciado que o valor nutritivo de diferentes volumosos pode ser melhorado com a utilização de produtos químicos (REIS et al., 2001; SANTOS et al., 2004).

Agentes alcalinizantes como o hidróxido de sódio (NaOH), o hidróxido de cálcio (Ca (OH)2), a amônia anidra (NH3) e mais recentemente o óxido de cálcio (CaO) são utilizados para melhorar os coeficientes de digestibilidade do bagaço de cana (PIRES et al., 2004). Esses agentes atuam solubilizando parcialmente a hemicelulose, promovem o fenômeno conhecido como "entumescimento alcalino da celulose", que consiste na expansão das moléculas de celulose, causando a ruptura das ligações das pontes de hidrogênio, as quais, segundo JACKSON (1977), confere a cristalinidade da celulose, aumentando a digestão desta e da hemicelulose, contudo não há alteração no teor de lignina.

Porém, o hidróxido de sódio (NaOH), um dos tratamentos químicos mais utilizados, apresenta uma série de limitações:

a) o efeito da diluição sobre a população de microrganismos, devido à intensa ingestão de água, provoca uma menor eficiência na degradação da fibra;

b) aumento da velocidade de passagem do alimento, refletindo no decréscimo do tempo de retenção no rúmen;

c) aumento de excreção urinária eliminando assim o excesso de sódio ingerido, o qual pode resultar em acúmulo no solo;

d) influi negativamente, no balanço mineral, aumentando a absorção do Na pela parede celular no rúmen e diminuindo as atividades das bactérias celulolíticas, proporcionando assim um decréscimo na digestão das fibras potencialmente digestíveis no rúmen (REXEM e THONSEM, 1976 e TEIXEIRA, 1990).

Normalmente, sua recomendação como agente hidrolizante é de aproximadamente 3% da MS, segundo a literatura, a hidrolização de alimentos de baixo valor nutritivo, como o bagaço de cana, com NaOH, proporciona ganhos de 20 a 50% na DIVMS (PEREIRA FILHO et al., 2003).

Outro processo químico bastante utilizado para o bagaço de cana é a amonização com ureia, adição de ureia diluída em água para melhorar o valor nutritivo do material fibroso. Deve ser aplicado na proporção de 5% do peso do material, ficar bem vedado e ser fornecido aos animais após 20 dias na proporção de 1,5 a 2% do PV. Segundo FREITAS et al. (2001), o tratamento com ureia melhora a qualidade bromatológica do bagaço devido ao aumento do conteúdo de PB e redução no conteúdo de FDN e FDA, assim pode contribuir para a melhoria da digestibilidade da MS do bagaço. A amonização do bagaço de cana-de-açúcar também pode ser realizada com amônia anidra e/ou sulfeto de sódio (4% MS), porém seu uso está limitado pela dificuldade no manejo e risco de intoxicação e elevado custo do tratamento.

O uso da cal virgem ou óxido de cálcio (CaO) e o hidróxido de cálcio como agentes oxidantes para a hidrólise da cana-de-açúcar, tem sido muito difundido. A composição media (% MS) do bagaço tratado com cal virgem é de 1,6% PB, 57,6% FDN e 5,5% EE. O processo é simples, o material deve ser colocado em camadas e sobre elas aplicada uma solução de 3% de cal virgem. O fornecimento aos animais pode ser realizado após dois dias, essas recomendações resultam em aumento de 35% para 60% da digestibilidade da matéria seca do bagaço de cana-de-açúcar, fato observado com caprinos e ovinos (PIRES et al., 2004). Entretanto, os resultados científicos de tais técnicas são escassos, havendo recomendações baseadas em experiências de campo e observações empíricas (MARI e NUSSIO, 2009).

Contudo, o uso de bagaço de cana-de-açúcar é uma alternativa estrategicamente interessante, em especial para os períodos de estiagem forrageira, em virtude de sua alto produção e baixo custo. Mas é prudente ressaltar que se trata de um resíduo desbalanceado de nutrientes que precisa ser corrigido e analisado com critério para utilização como alimento para ruminantes.

Além do bagaço, há outros resíduos gerados pela cana-de-açúcar que podem ser utilizados na alimentação animal como a ponta de cana, a vinhaça, a torta de filtro e a levedura.

Referências bibliográficas

BURGI, R. Utilização de resíduos culturais e de beneficiamento de na alimentação de bovinos. Simpósio sobre nutrição de bovinos da FEALQ (6º.), Anais..., 1995. PiracicabaSP, p. 153-169.

BEM, C.H.W. Efeito de bicarbonato de sódio e/ou lasalocida sobre digestibilidade de dietas com bagaço de cana. Piracicaba, SP: ESALQ, 1991. 71p. Dissertação (Mestrado em Zootecnia) - ESALQ /Universidade de São Paulo, 1991.

JACKSON, M. G. The alkali treatments of straws. Animal Feed Science and Technology, v. 2, n. 2, p.105-130, 1977.

MARI, L.J.; NUSSIO, L.G. Opções para hidrólise de cana-de-açúcar, 2009. Disponível em: http://marcosveterinario.blogspot.com/2009/04/opcoes-para-hidrolise-de-cana-de-acucar.html. Acessado em: 21/02/2011.

PIRES, A. J. V.; ROTH, M. T. P.; ROTH, A. P. T. P. Inoculantes microbiológicos e aditivos químicos na fermentação e estabilidade aeróbica das silagens de cana-de-açúcar (Saccharum officinarum L.) cru e queimada. In: Reunião anual da sociedade brasileira de zootecnia, (41ª.), Anais ... Campo Grande: SBZ, 2004. CD-ROM.

REIS, R.A., RODRIGUES, L.R.A., PEREIRA, J.R.A. Sementes de gramíneas forrageiras. In: Simpósio sobre nutrição de bovinos, 6, 1995. Anais... Piracicaba: FEALQ, 1995. p.259-280.

SANTOS, J.; CASTRO, A. L. A.; PAIVA, P. C. A. et al. Efeito dos tratamentos físicos e químicos no resíduo de lixadeira do algodão. Ciênca Agropecuária , v.28, n.4, p.919-923, 2004.

REXEM, F. e THONSEM, K.V. The effect on digestibility of a new tecnhique for alkali treatment of straw. Anim. Feed Science and Tecnology, v. 1, p. 73, 1976.

SILVA, V. L. M..M.; GOMES, W. C.; ALSINA, O. L. S. Utilização do bagaço de cana de açúcar como biomassa adsorvente na adsorção de poluentes orgânicos. Campina Grande - PB., 2007, 6p. Revista UEPB, 2007.

TEIXEIRA, J.R.C. Efeito da amônia anidra no valor nutritivo da palha de milho mais sabugo e do capim elefante (Pennisetum purpureum Schum) cv. Camerom fornecidos a novilhos nelore em confinamento. Viçosa, MG, UFV, 1990. 97p. Dissertação (Mestrado em Zootecnia) - Universidade Federal de Viçosa, 1990.

VAN SOEST, P.J. 1994. Nutritional ecology of the ruminant. 2.ed. Ithaca: Comstock Publishing Associates. 476p.

INGRID MONTEIRO MEDINA

Mestre em Ciências na área de concentração de Ciência Animal e Pastagens com ênfase em Ciência de Carnes (Qualidade Final)...

ANDRESSA NATEL

Mestre em Zootecnia com ênfase em Produção Animal pela FMVZ/UNESP. Atualmente trabalha como consultora na Sima Consultoria.

5

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

SILVIO VARELLA ANTONINI

COLINA - SÃO PAULO

EM 12/05/2016

Olá, gostaria de saber se posso usar no mesmo momento o bagaço com ureia diluida em agua, sem aguardar 20 dias. Bagaço,milho e ureia, grato Silvio.
SERGIO DIAS

IBITUVA - PARANÁ - REVENDA DE PRODUTOS AGROPECUÁRIOS

EM 30/04/2016

Bom dia,Amigos me chamo Sergio Dias e produzo silagem de bagaço de cana a mais de 5 anos aqui no Parana e agora esto indo estalar uma base de distribuição no Ceara ( Pedra Branca) um alimento forte e barato,mais inf,agrodias10@gmail.com,um abraço a todos.
JOSUÉ

IBICUÍ - BAHIA

EM 11/09/2015

Gostaria de maiores informações de como preparar e como armazenar



Abs,
CARLOS

SANTA BÁRBARA D'ESTE - SÃO PAULO

EM 06/07/2013

gostei ,mais gostaria de melhores informacoes,arrespeito . bagaco de cana com ureia na alimentacao do gado.  ex: como faser, como guardar depois pronto,etc... poderia indicar algo. obrigado.
FRANCISCO ANTÔNIO ROSA

NOVA RUSSAS - CEARÁ - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 06/03/2011

Gostei do trabalho.
Aqui no Nordeste uma das maneiras de se utilizar o bagaço é associado a palma forrageira e pretendemos difundir este uso já que são dois alimentos para ruminantes de baixo custo e que atendem a alimentação (a parte volumosa) no período de estiagem.