ENTRAR COM FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Atualidades e perspectivas para o mercado doméstico da carne ovina

POR DANIEL DE ARAÚJO SOUZA

PRODUÇÃO

EM 15/07/2015

17
0
Após o registro de 334,7 mil cabeças ovinas abatidas em 2009, o volume de abates sob inspeção federal iniciou um processo sistemático de queda que perdura até o presente, de forma que o ano de 2014 fechou com um volume oficial de 95,8 mil cabeças (barras em azul, valores à esquerda) – o menor valor registrado nos últimos 10 anos, conforme o Gráfico 1.

 
Com base nos dados disponibilizados pelo Serviço de Inspeção Federal (SIF/MAPA) estima-se uma ínfima produção (linha em vermelho, valores à direita) de cerca de 1,53 mil toneladas (equivalente carcaça) de carne ovina em 2014. Embora não estejam computados os abates sob inspeção estadual, é muito pouco provável que estes apresentem a capacidade de alterar a curva da produção formal de maneira significativa.

Por mais um ano, houve forte retração no volume de abates em todos os Estados com participação relevante na produção doméstica, porém, sem alterações importantes na configuração da produção, como demonstrado no Gráfico 2.
 
Como líder tradicional, o Estado do Rio Grande do Sul abateu, em 2014, aproximadamente 85,0 mil cabeças, cerca de 12% a menos do que em 2013, representando uma redução de 11,6 mil animais em sua escala de abates. A Bahia fechou o ano com um volume de 3,9 mil unidades e queda de 70,5%, o que representou menos 9,3 mil cabeças na produção do Estado, em relação ao ano anterior. Por sua vez, São Paulo e Sergipe, apresentaram retração de 85,4 e 21,4%, respectivamente, confirmando que a queda contínua nos abates é um fenômeno nacional. Embora os reais motivos ainda não estejam completamente claros, a redução drástica da produção formal ao longo dos últimos anos envolve tanto fatores impactando na oferta de cordeiros para plantas SIFadas quanto nos registros oficiais de abate.

Para 2015, os dados até então disponíveis indicam mais um ano de retração para os abates sob inspeção federal, havendo uma queda de 41,1% no volume de abates entre janeiro e maio em relação ao mesmo período de 2014, de acordo com o Gráfico 3.
Em 2014, as importações brasileiras de carne ovina (Gráfico 4) atingiram a marca recorde das 9,93 mil toneladas (peso de embarque), um incremento de 12% comparado à 2013, com um valor de US$ 56,8 milhões de dólares, aproximadamente 23,7 pontos percentuais acima dos valores alcançados no ano anterior. A alta mais acentuada no valor embarcado é resultado não apenas do crescimento do volume, mas também, da valorização da carne ovina no mercado internacional em função da menor oferta global nos últimos anos. Tendência essa, que deve se manter no médio prazo.


Do total importado em 2014, cerca de 91,4% teve origem no Uruguai, enquanto o restante se dividiu entre Argentina, Chile e Nova Zelândia, os quais participaram com 5,0, 3,1 e 0,4 pontos percentuais, respectivamente.

O rebanho de cria do Uruguai encontra-se relativamente estabilizado desde 2010, porém, a produção de 2013 superou em 43,9% àquela de 2012, por meio do aumento no volume de abate em todas as categorias, particularmente, de ovelhas. Em 2013, o abate de ovelhas cresceu 114,8% em relação ao ano anterior e a categoria teve uma participação de 23,1% no volume total de abates, fortalecendo as baixas perspectivas de crescimento para o rebanho ovino uruguaio no médio prazo.

No ano agrícola de 2014, o Uruguai exportou 17,2 mil toneladas, das quais 52,8% foram direcionadas para o mercado brasileiro, 30,2% para a China e 10,6% para a União Europeia. Com o aumento da produção uruguaia, o montante embarcado para o Brasil tem crescido regularmente nos cinco últimos anos, apresentando uma variação positiva de quase 20% desde 2012.

Apesar dos embarques para o Brasil serem dominados por um único país, o destino das importações é diverso, como é possível observar no Gráfico 5.

 

Do total embarcado em 2014, quase 91% foi destinado aos Estados de Santa Catarina, Mato Grosso do Sul, Rio Grande do Sul e São Paulo, seguidos por Pernambuco, Minas Gerais e Paraná, além de Rio de Janeiro, Ceará e Bahia (‘Outros’) com uma participação mais discreta.

Em 2015, pela primeira vez desde 2011, observa-se uma baixa no volume das importações com redução de 25,4% nos embarques entre janeiro e maio (Gráfico 6). Os motivos envolvem o fechamento de algumas importantes operações industriais no Cone Sul.


Como o dólar fechou 2014 em uma média de R$ 2,345, os preços dos produtos importados, conforme a Tabela 1 abaixo, permaneceram atrativos para os setores de processamento e varejo, considerando os preços ao produtor e ao consumidor praticados no mercado interno, e as boas margens trabalhadas por esses elos.


 No entanto, com a desvalorização do real desde o final de 2014 e o dólar já operando em maio de 2015 a R$ 3,04, a viabilidade das importações tende a ficar mais comprometida, sobretudo, em um cenário doméstico de crescente aumento nos custos de logística e de armazenamento, e cujas perspectivas do mercado para o final do ano envolvem um dólar cotado a R$ 3,20.

Em 2014, apesar da redução na produção doméstica, a disponibilidade interna formal (Gráfico 7) cresceu quase 5,0% em relação a 2013, alavancada pelas importações e alcançando o patamar das 11,4 mil toneladas.


Nesse contexto, a participação dos produtos importados no mercado interno atingiu 86% em 2014, reforçando a dependência da cadeia produtiva brasileira do mercado externo, sobretudo a nível de varejo.

Com a retração tanto na produção doméstica quanto nas importações, as perspectivas para 2015 são de queda na oferta de carne ovina no mercado interno e, consequentemente, de alta nas cotações do cordeiro, o que tende a afetar, em última instância, o consumo.

A demanda firme do mercado manteve os preços nominais do cordeiro (em R$/kg carcaça) aquecidos em 2014, com os mesmos apresentando altas de 4,8% nas praças do Rio Grande do Sul e São Paulo, e de 11,4% na Bahia, como demonstrado do Gráfico 8.



Com isso, as cotações encerraram o ano com médias recordes de R$ 9,04 no Rio Grande, R$ 10,41 na Bahia e R$ 12,29 em São Paulo, registrando variações de 50,1, 123,8 e quase 51%, nas respectivas praças, ao longo dos períodos analisados.

Por sua vez, os preços deflacionados com base no IGP-DI (Índice Geral de Preços – Disponibilidade Interna, da FGV) apresentaram uma tendência baixista a partir de 2011 e contabilizaram retrações de 0,6 e 0,7 pontos percentuais, no Rio Grande do Sul e em São Paulo, respectivamente. Por outro lado, na Bahia, o cordeiro não sofreu com o efeito da inflação, sustentando uma valorização real de 5,5% nas cotações, conforme o Gráfico 9.


No entanto, como as perspectivas atuais do mercado para o IGP-DI em 2015 recaem sobre um valor acumulado de 7,07%, é possível que a valorização nominal (Gráfico 10) que está ocorrendo desde o início do ano seja afetada pela inflação crescente.



Entre o período de janeiro a maio desse ano, os preços nominais do cordeiro apresentaram uma variação positiva de 12,8, 7,0 e 25,7 pontos percentuais com fechamento em médias de R$ 9,95 no Rio Grande do Sul, R$ 11,01 na Bahia e R$ 14,50 em São Paulo, respectivamente, de acordo com o Gráfico 10.

Dessa forma, o preço nominal do cordeiro tem mantido um longo ciclo de alta com as cotações atingindo valores médios recordes nas principais praças do país, onde, em centros importantes de consumo, como São Paulo e Rio Grande, por exemplo, o aumento nos preços tem sido acima da inflação do período. Assim, em relação aos preços, o setor produtivo está em ótima fase e esse movimento deve se manter durante todo o ano, em função da menor disponibilidade formal de carne ovina no mercado interno como resultado da queda na produção doméstica e nas importações.

Por outro lado, no atual cenário econômico de recessão, onde as atuais perspectivas do mercado apontam para um IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) próximo de 9%, taxa de juros (Selic) de 14% a.a., dólar a R$ 3,10 e atividade econômica (Produto Interno Bruto) em retração de 1,35 pontos percentuais, a situação do consumo formal e, concomitantemente, dos setores varejista e industrial, torna-se preocupante.

Embora os estudos avaliando o perfil do consumidor de carne ovina demonstrem que 60 a 70% possuem renda familiar cerca de 2x maior ao rendimento real habitual médio do brasileiro (R$ 2.117,10, segundo IBGE), o desempenho da cadeia produtiva ovina deve acarretar prejuízos em 2015, tanto pela menor oferta de produto quanto pela condição financeira da indústria e do consumidor final, pressionados por dívidas, tributos, crédito restrito, inflação crescente e incerteza.

Nesta conjuntura, o produtor deve ter prudência em relação ao mercado e investir com coerência para se beneficiar dos preços vigentes.

Fontes consultadas

BACEN. Banco Central do Brasil.

EMATER-RS. Associação Riograndense de Empreendimentos de Assistência Técnica e Extensão Rural.

FGV. Fundação Getúlio Vargas.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística.

INAC. Instituto Nacional de Carnes do Uruguai.

MAGP. Ministerio de Agricultura, Ganadéria y Pesca da Argentina.

MAPA. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

MDIC. Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior.

SEAGRI-BA. Secretaria da Agricultura, Irrigação e Reforma Agrária do Estado da Bahia.

UNICETEX-USP. Centro de Inovação Tecológica e Extensão Universitária da Universidade de São Paulo.
 

DANIEL DE ARAÚJO SOUZA

Médico Veterinário, MBA, D.Sc., especializado no sistema agroindustrial da carne ovina. Consultor da Prime ASC - Advanced Sheep Consulting.

Facebook.com/prime.asc

Twitter.com/prime_asc

17

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

ARLINDENOR PEDRO

QUELUZ - TOCANTINS - PRODUÇÃO DE OVINOS DE CORTE

EM 04/07/2017

Tenho uma propriedade no município de Queluz em SP, com estrutura pronta para iniciar a produção de cordeiros para abate ( apriscos, pastos rotativos, etc) . Porem não consigo vislumbrar nenhum frigorífico mais próximo que viabilize o escoamento da  produção . Tenho medo de ficar  com o mico de cordeiros produzidos sem comprador . Quais os caminhos para solucionar este problema ? A falta de comprador ( frigoríficos ) ..
DANIEL SOUZA

FORTALEZA - CEARÁ - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 20/01/2017

Cara Roberta,



Pode entrar em contato comigo pelo dansouza.07@hotmail.com.



Abraços,



Daniel
ROBERTA ASSIS

JATAÍ - GOIÁS - PESQUISA/ENSINO

EM 19/01/2017

Daniel, boa tarde! Por gentileza, poderia me enviar seu e-mail? Muito obrigada.
SABRINA RIOS

VÁRZEA DO POÇO - BAHIA - ESTUDANTE

EM 19/07/2016

Parabéns pelo artigo! Gostaria de uma informação, sou Sabrina Rios, estudo curso técnico em agropecuária na Escola Família Agrícola de Jaboticaba, Quixabeira-BA. Estou fazendo projeto de ovinos F1 Santa Inês e Dorper, e gostaria de saber quanto dar de ração no creep feeding por dia para os cordeiros para que eles possam ser abatidos com 30 kgs em média, aos 5 meses. Se puder ajudar, agradeço muito.
ALEXANDRE GOIS

ARAPIRACA - ALAGOAS - OVINOS/CAPRINOS

EM 11/06/2016

OLÁ DANIEL!!! BOM DIA. É COMO BASE NESSES DADOS QUE ESTOU INICIANDO UMA CRIAÇÃO DE OUVINOS E GOSTARIA DE RECEBER DICAS E ALGUMAS PLANTAS PRA QUE EU  POSSA FAZER UM APRISCO RÚSTICO. DESDE JÁ OBRIGADO E PARABÉNS PELA PESQUISA, SÃO DADOS ANIMADORES
WAGNER TORRES

MARINGÁ - PARANÁ

EM 10/03/2016

Boa noite Daniel e caros amigos.

A minha região fica ao norte do Paraná, pois nesta localidade o forte é a pecuária. Em  se tratando na Ovinocultura é muito fraca não temos informações sobre criação e venda dos animais para abate.

Quem poderia nos esclarecer esta situação?

Obrigado.
CARLOS

SÃO PAULO - SÃO PAULO - OVINOS/CAPRINOS

EM 08/03/2016

Prezado Daniel,



Estou procurando área para arrendamento no entorno de São Paulo e minha pergunta é simples, porém não encontrei ainda resposta.

Qual a relação entre número de animais x área?, ou seja, cab/ha?

Muito grato.

Carlos
DENNIS VERSCHOOR

CARAMBEÍ - PARANÁ - PRODUÇÃO DE OVINOS DE CORTE

EM 16/01/2016

Bom dia Daniel!

Primeiramente parabéns e obrigado por disponibilizar todas estas informações, a ovinocultura está muito carente de trabalhos deste grau de profissionalismo

Falando do que eu penso sobre a ovinocultura:

Estamos ha algum tempo batalhando para viabilizar a atividade na nossa região. A nossa região, é de grosso modo, voltada principalmente para a produção de soja, milho, leite e carne suína. Encontrar uma brecha para a ovinocultura é para "os fortes".

Estamos trabalhando com a ideia de implantação de um condomínio de ovinos, no sistema 100% confinado. Gostaria de contar com a sua ajuda, se puder nos ajudar favor entrar em contato: dennis@deltad.com.br, ou acesse nossa página no Facebook https://www.facebook.com/SheepLoversBR/?fref=nf

Att
DANIEL DE ARAÚJO SOUZA

FORTALEZA - CEARÁ

EM 08/12/2015

Olá Carlos,



A associação entre baixa oferta e o perfil predominante de consumidor nos permite ter boas perspectivas para a mercado da carne ovina no curto prazo, mesmo com a atual conjuntura político-econômica do país.



Quanto ao Canadá, creio que uma visita a região de Alberta valeria a pena, se for possível.



Abraços e obrigado pela participação,



Daniel
CARLOS

SÃO PAULO - SÃO PAULO - OVINOS/CAPRINOS

EM 03/12/2015

Olá,

Pretendo iniciar um projeto de ovinocultura próximo à São Paulo (resido na capital) e gostaria de saber se, mesmo com essa queda vertiginosa do número de abates nos últimos 6 anos, a atividade continua promissora e rentável e qual a perspectiva para os próximos 24 meses.

Estou indo ao Canadá agora em Dezembro e gostaria de saber se existe algo interessante para visitar por lá.

Grato, um abraço.

Carlos
DANIEL DE ARAÚJO SOUZA

FORTALEZA - CEARÁ

EM 29/10/2015

Olá Bruno,



Realmente, a atual conjuntura política-econômica do país afeta toda a cadeia produtiva. No entanto, me preocupa, particularmente, o aumento nos custos de produção uma vez que os preços de muitos dos insumos que utilizamos ao longo do processo produtivo sofrem influência direta do dólar, além dos custos de logística que tiveram uma alta alarmante.



Quando o consumidor limitar o avanço dos preços de nossos produtos, as margens de cada elo irão se estreitar automaticamente devido aos custos de produção mais elevados. Neste ponto, a pressão sobre os menos eficientes vai ser definitiva.



Grande abraço e obrigado por sua participação.



Daniel
BRUNO FERNANDES SALES SANTOS

PESQUISA/ENSINO

EM 29/10/2015

Olá Daniel,



Parabéns pelo excelente artigo! Gostaria de fazer uma observação que pode ser pertinente para entender o contexto deste mercado. Sabemos que a disponibilidade formal (produção doméstica + importações) representa menos de 10% do consumo total estimado, e este fato é um dos grandes problemas na estruturação da cadeia produtiva. Existe um tremendo potencial ainda inexplorado, e a suposta "retração" do mercado de abate formal não é causada por problemas de preço, mas sim pela estrutura da cadeia produtiva.



Curiosamente, as iniciativas viáveis para solucionar estes problemas continuam sendo ignoradas pela maioria dos participantes da cadeia produtiva, e por quase todos os líderes da atividade. A situação é preocupante, e infelizmente, neste momento, é difícil termos qualquer pespectiva positiva com relação à estruturação da cadeia produtiva de ovinos no Brasil. É cada um por si!



Grande abarço,



Bruno
DANIEL DE ARAÚJO SOUZA

FORTALEZA - CEARÁ

EM 17/08/2015

Olá Geraldo,



Há uma diversidade de fatores influenciando neste fenômeno.



Em relação à redução do efetivo nacional, os principais fatores envolvem o nível elevado de abate de fêmeas, criando dificuldades para reposição e expansão do rebanho; e as condições climáticas desfavoráveis nos últimos 4 anos em várias regiões do país, eliminando ou reduzindo os rebanhos.



No que se refere às importações, a exigência do mercado urbano por um produto de melhor qualidade, a oferta limitada de cordeiros com potencial para gerar tal produto, a baixa produtividade do rebanho brasileiro e os preços mais atrativos dos produtos ovinos importados são alguns dos principais fatores a estimularem as importações.



Abraços e obrigado por sua participação.



Daniel
GERALDO DOS SANTOS TUPINAMBÁ

IACIARA - GOIÁS

EM 15/08/2015

Quais os fatores que tem levado ano após ano a redução do rebanho ovino nacional, com a gradual dependência do mercado externo ?
DANIEL DE ARAÚJO SOUZA

FORTALEZA - CEARÁ

EM 20/07/2015

Olá José Carlos,



Sim, a produção de carne ovina possui rentabilidade compatível com as melhores opções de pecuária a pasto (ruminantes). Naturalmente, essa rentabilidade irá variar em função de diversos fatores, como valor da terra, produtividade, capital imobilizado, eficiência produtiva, custos variáveis, etc.



O mercado brasileiro possui uma demanda firme para carne ovina, independente das importações. Tanto que os preços do cordeiro, em todo o Brasil, têm se valorizado nos últimos 10-12 anos.



Nem sempre sistemas "altamente tecnificados" possuem o melhor resultado econômico. Tecnologia é um instrumento excepcional mas desde que apropriadamente selecionada e corretamente aplicada.



Abraços e obrigado por sua participação.



Daniel
JOSÉ CARLOS ARAUJO

BELO HORIZONTE - MINAS GERAIS

EM 20/07/2015

Prezados senhores,



Só tenho uma pergunta: A produção de carne ovina no Brasil, é rentável ao de competir com

a carne importada? Vale a pena investir na produção de carne ovina altamente tecnificada?



José Carlos Araújo
MARIANA POMPEO DE CAMARGO GALLO

PIRACICABA - SÃO PAULO

EM 16/07/2015

Olá Pessoal,



Para quem quiser saber mais sobre produção de ovinos e como dimensionar as instalações, as inscrições para o Curso Online "Instalações para ovinos" já estão abertas!



Durante todo o período do curso, os alunos poderão tirar suas dúvidas diretamente com o instrutor do curso Daniel Souza.



Para participar, inscreva-se em: http://www.agripoint.com.br/curso/instalacao-ovinos/



Ou entre em contato: cursos@agripoint.com.br , (19) 3432-2199.