FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

As máquinas e as perdas no descarregamento do silo

POR THIAGO FERNANDES BERNARDES

E RAFAEL CAMARGO DO AMARAL

PRODUÇÃO

EM 19/07/2007

2
0
Quanto mais a massa de silagem é porosa, mais facilmente o ar poderá penetrar no seu interior, portanto, a redução da porosidade é a prerrogativa principal para conter perdas por deterioração aeróbia. Além deste fato, quanto mais matéria seca (MS) é estocada dentro de um mesmo volume, menores serão os custos fixos de armazenamento por unidade de MS.

A densidade e a porosidade são propriedades inter-relacionadas, sendo dependentes do conteúdo de umidade, estrutura da forragem, espécie forrageira, estádio de maturidade, tamanho de partícula e pelo manejo imposto durante a confecção e desabastecimento do silo.

Na remoção, a densidade poderá ser afetada principalmente pelo modo como a silagem é retirada (por exemplo: equipamento utilizado no corte da fatia do painel), devido às perturbações que poderão ser provocadas na estrutura da massa remanescente, o que pode levar a maior susceptibilidade à penetração de oxigênio.

A retirada e o fornecimento da silagem aos animais têm funcionado como um importante dreno de matéria seca e energia durante o processo de ensilagem. No Brasil, parte desse problema está na dificuldade que o produtor encontra em adquirir equipamentos que desenvolvam um trabalho considerado ideal durante o desabastecimento do silo.

Com grande freqüência, fazendas de grande porte têm utilizado pás carregadeiras frontais na remoção de silagem; contudo, esta máquina não é apropriada para este tipo de operação, devido à desestruturação provocada ao longo do painel, o que leva ao intenso ingresso de ar na massa, além dos acidentes que têm ocorrido com os operadores pelo desmoronamento da porção superior do silo. O uso de pás carregadeiras cria condições para que o oxigênio caminhe tanto no sentido horizontal, como no vertical (Figura 1), aumentando as perdas por deterioração.

Figura 1. Manejo correto e errôneo durante o desabastecimento do silo e as formas com que o ar penetra na massa ensilada.


O manejo de retirada poderá ser auxiliado com o uso de desensiladoras (providas de rolo giratório e lâminas de corte), que executam o trabalho com precisão, promovendo o corte do painel no sentido de cima para baixo (Figura 2). Embora, este equipamento possa ser encontrado com preço elevado, pois são poucos os fabricantes dentro do mercado nacional, o que inviabiliza na maioria das vezes a sua compra.

Figura 2. Desensiladora provida de rolo giratório e lâminas de corte.


D´Amours & Savoie (2004), estudando a densidade de silagens de milho em silos trincheira, avaliaram o painel em duas profundidades (0 a 18 cm e 18 a 36 cm) e verificaram que na camada mais profunda, a silagem é 9% mais densa quando comparado com a camada de 0 a 18 cm (Tabela 1). Segundo os autores, as propriedades A e E utilizavam desensiladoras com rolos giratórios, o que colaborou para os valores mais altos de densidade na camada menos profunda.

Ainda segundo os autores, o equipamento utilizado e a forma como a silagem é removida são componentes essenciais na diminuição de perdas após a abertura do silo.

Tabela 1. Densidade de silagens de milho (Kg MS/m3) em função da profundidade no painel.


Fonte: Modificado de D´Amours & Savoie (2004)

Outro maquinário que tem sido utilizado com freqüência nas fazendas brasileiras é o garfo hidráulico (Figura 3), principalmente em sistemas que trabalham com silagem de capim, o que facilita a confecção imediata de rações totais. Entretanto, o uso da mandíbula na prensagem da silagem durante a retirada parece promover perturbações nas camadas laterais, quando o trabalho de desabastecimento está sendo executado (observações de campo), o que necessita ser avaliado experimentalmente.

Figura 3. Garfo hidráulico durante a remoção de silagem de capim.

THIAGO FERNANDES BERNARDES

Professor do Departamento de Zootecnia da Universidade Federal de Lavras (UFLA) - MG.
www.tfbernardes.com

RAFAEL CAMARGO DO AMARAL

Zootecnista pela Unesp/Jaboticabal.
Mestre e Doutor em Ciência Animal e Pastagens pela ESALQ/USP.
Gerente de Nutrição na DeLaval.
www.facebook.com.br/doctorsilage

2

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

RAFAEL CAMARGO DO AMARAL

PIRACICABA - SÃO PAULO - PESQUISA/ENSINO

EM 10/06/2008

Prezado camilo xavier da costa,

Sim, existe a possibilidade da realização com essa forrageira de silos tipo fardo. Apenas é necessário saber qual o tipo de equipamento o senhor tem disponível na propriedade, pois caso a máquina colhedora não seja destinada para corte de capim, poderá haver problemas no recolhimento do material picado.

Atenciosamente,
Rafael e Thiago

CAMILO XAVIER DA COSTA

PRODUÇÃO DE LEITE

EM 09/06/2008

Sou produtor de leite, gostaria de saber se é possível fazer silagem de capim colonião e se pode fazer tipo fardos, para um período maior. Obrigado.

Camilo da Costa

<b>Resposta dos autores</b>

Prezado Camilo Xavier da Costa,

Sim, existe a possibilidade da realização com essa forrageira de silos tipo fardo. Apenas é necessário saber qual o tipo de equipamento o senhor tem disponível na propriedade, pois caso a máquina colhedora não seja destinada para corte de capim, poderá haver problemas no recolhimento do material picado.

Atenciosamente,
Rafael e Thiago