ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Um novo projeto

PRODUÇÃO DE LEITE

EM 22/06/2012

2 MIN DE LEITURA

6
1
Os tempos mudaram e o cenário econômico internacional acena cada vez mais para o Brasil como o “celeiro” do mundo, devido à capacidade e possibilidade de expansão da sua produção: há espaço para crescimento em termos de produtividade (aumento de produção/área) e através da exploração de novas áreas (fronteiras) que, necessariamente não implica em destruição do meio ambiente e derrubada de matas e áreas de conservação Brasil afora.

Estudos recentes sobre o uso da terra em nosso país demonstram que temos 60 milhões de hectares ocupados com agricultura e 198 milhões de hectares ocupados com pastagens. O restante do nosso território é ocupado por 200 milhões de hectares de cerrados, 354 milhões de florestas e 135 milhões de hectares de áreas de preservação permanente (APP´s). A ocupação urbana perfaz apenas 38 milhões de hectares. Antes de haver destruição e ocupação de novas áreas, grande trauma midiático proferido por ambientalistas, devemos ressaltar que ainda há muito trabalho a ser realizado nas áreas existentes, podendo a agricultura substituir áreas de pastagens improdutivas e pastagens improdutivas e/ou degradadas serem recuperadas promovendo aumentos significativos de produtividade (aumento da taxa de lotação média anual). Não estamos levando ainda em consideração aumentos possíveis de serem obtidos com a aplicação de práticas adequadas de manejo que possibilitam o crescimento da pecuária como maior controle sanitário e reprodutivo, gerando menor mortalidade, maior natalidade, acelerando o ciclo como um todo.

Resta, então algumas perguntas: que país no mundo possui esta riqueza natural? Que país no mundo pode “cobrar” do Brasil um trabalho em benefício do meio ambiente? A grande diferença é que nós temos meio ambiente enquanto que em regiões globais populosas, como Europa, a devastação foi praticamente total. Em termos de mercado e cadeia do leite, a realidade atual também difere muito dos tempos de “vacas magras”. Houve significativa expansão industrial com crescimento e fortalecimento de muitas empresas do segmento e profissionalização de muitos laticínios. A modernização de diversas plataformas captadoras associadas à implantação e imposição legal da coleta à granel proporcionou ao mercado um novo perfil de produtor: o profissional do leite. Parte dessa modificação pôde ser percebida até mesmo nas prateleiras e refrigeradores dos supermercados: mercado consumidor aquecido com expansão do crédito. O maior poder aquisitivo da população. O fortalecimento e crescimento da classe C alavancaram a demanda, proporcionando maior diversificação dos derivados lácteos (tendência mundial) com produtos direcionados para diferentes perfis de consumidores e nichos de mercado.

Mediante os pressupostos acima surgem algumas perguntas como:

É possível produzir leite em quantidade, com qualidade e de forma eficiente e barata?

Qual é ou seria o melhor sistema de produção?

É possível produzir leite em qualquer região do país?

Entre essas e muitas outras perguntas, surgiu a ideia e iniciativa do PORTEIRA ADENTRO, em parceria inovadora com o MILKPOINT em expor aos leitores e usuários, de forma diferenciada, dinâmica, com acesso a dados estatísticos, fotos e vídeos a experiência acumulada na atividade por diferentes produtores de leite e diferentes sistemas de produção. Visite nossa página e participe!

Fonte: www.redeagro.org.br (dados sobre distribuição e ocupação territorial do Brasil)

6

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

JOÃO PAULO V. ALVES DOS SANTOS

LENÇÓIS PAULISTA - SÃO PAULO - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 28/06/2012

Prezado Paulo Cortizo,

Agradecemos os cumprimentos!

Um abraço, até!
PAULO CORTIZO

ILHÉUS - BAHIA - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 28/06/2012

Muito bom! Parabéns a todos envolvidos neste projeto inovador.
JOÃO PAULO V. ALVES DOS SANTOS

LENÇÓIS PAULISTA - SÃO PAULO - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 28/06/2012

Prezado Jacques,

Agradecemos suas palavras. O objetivo é esse mesmo: poder trazer informações importantes e interessantes ao setor.

Um abraço!
JACQUES NOGUEIRA PORTO

CARLOS CHAGAS - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 28/06/2012

Considero a ideia muito boa. Espero que este projeto possa ganhar asas e contribuir com a divulgação de informações no setor leiteiro. Parabéns pela iniciativa!!!
JOÃO PAULO V. ALVES DOS SANTOS

LENÇÓIS PAULISTA - SÃO PAULO - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 22/06/2012

Prof° Paulo,

Obrigado pelos comentários e sugestões! Vamos atrás. O objetivo é esse mesmo. Em tempos de vida agitada e correria, fica cada vez mais difícil o produtor pegar seu carro, deixa sua fazenda e procurar informações e novidades, visitando colegas. Felizmente a internet, hoje, tem ferramentas que permite que esse trabalho, essa interação seja realizada "virtualmente" e com bons resultados, acredito.

Um grande abraço, até!
PAULO R. F. MÜHLBACH

PORTO ALEGRE - RIO GRANDE DO SUL - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 22/06/2012

Parabéns João Paulo e Marcelo pela feliz iniciativa!
Um projeto de sucesso e que se vale muito bem dos recursos da Internet para ampliar a interrelação entre os membros da comunidade produtora de leite.
Deixo a sugestão de também procurar envolver a mão-de-obra operacional responsável nas entrevistas e depoimentos, até como estímulo e motivação, já que é, cada vez mais, o "calcanhar de Aquiles"
MilkPoint AgriPoint