ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Sorgo: escolha de híbridos e adubação

POR MARCO A. A. BALSALOBRE

E PATRICIA MENEZES SANTOS

PRODUÇÃO DE LEITE

EM 25/07/2003

3 MIN DE LEITURA

0
0
A estacionalidade de produção das gramíneas forrageiras é um fato já bem conhecido por técnicos e produtores. Existem várias formas de se contornar este problema como, por exemplo, venda de animais, diferimento de pastagens e/ou suplementação com cana-de-açúcar ou forragens conservadas. Devido ao seu potencial de produção e qualidade da silagem, o milho e o sorgo têm sido bastante utilizados para ensilagem em propriedades comerciais.

A qualidade de uma silagem depende, antes de mais nada, da qualidade do material original produzido. Gontijo Neto et al. (2002) verificaram o efeito da adubação sobre a produção e a qualidade de cinco híbridos de sorgo, sendo dois comerciais ( AG-2002 e AG-2005E) e três, na época do teste, experimentais (AG-X202, AG-X213 e AG-X215). O nível de adubação recomendado para a área, com base na análise de solo, foi de 350 kg/ha de 06-28-08 no plantio e 350 kg/ha de sulfato de amônio em cobertura (total de 91 kg/ha de N, 98 kg/ha de P2O5 e 28 kg/ha de K2O). Os níveis de adubação testados foram: sem adubação de plantio e cobertura, metade, uma vez e duas vezes a adubação recomendada de plantio e cobertura.

A produção de matéria seca foi maior para os híbridos de porte alto (Tabela 1) e aumentou linearmente com o nível de adubação. A produção de proteína bruta por hectare apresentou uma resposta quadrática à adubação. A digestibilidade "in vitro" da matéria seca foi maior para o AG-2002E (duplo propósito) (Tabela 1). A digestibilidade "in vitro" da matéria seca e a produção de matéria seca digestível aumentaram linearmente com o nível de adubação (Figura 1). Foi observada uma alta correlação entre a produção de matéria seca e a produção de matéria seca digestível (0,91%).

Tabela 1: Produção de matéria seca e matéria seca digestível e digestibilidade "in vitro" da matéria seca de cinco híbridos de sorgo.




Figura 2: Estimativa da digestibilidade "in vitro" da matéria seca (DIVMS) e da produção de matéria seca digestível de híbridos de sorgo em função da adubação.
Fonte: Gontijo Neto et al. (2002)

Comentário: O sorgo, apesar de atualmente ser menos cultivado para ensilagem que o milho, apresenta como vantagens a possibilidade de rebrota e a maior resistência a veranicos. O trabalho de Gontijo Neto et al (2002) mostra o efeito da adubação sobre a produção e qualidade de cinco híbridos de sorgo. A partir dos resultados apresentados pelo autor é possível observar que a adubação determina um aumento significativo na produção de matéria seca digestível. A extração de nutrientes em áreas de silagem é bastante elevada, o que pode determinar reduções na produtividade e qualidade da forragem produzida. Nestas áreas, é preciso determinar, com especial atenção, os níveis de adubação com potássio. Ao contrário do que ocorre em áreas utilizadas para a colheita de grãos ou em pastagens, a reciclagem de potássio para o solo nos locais utilizados para a produção de silagem é muito baixa e, consequentemente, a extração deste nutriente torna-se bastante elevada. Outro ponto a ser ressaltado é quanto à qualidade e produtividade dos híbridos testados. Apesar dos resultados apresentados por Gontijo Neto et al. (2002) apontarem uma alta correlação entre produção de matéria seca e produção de matéria seca digestível, é importante notar que a digestibilidade "in vitro" do híbrido de duplo propósito (AG-2005E) é muito superior à dos demais (62% contra 53 a 54%). Com isso, apesar do híbrido AG-2002 produzir, aproximadamente, 6t/ha de matéria seca a mais que o AG-2005E, a diferença na produção de matéria seca digestível é de apenas 2t/ha. Como a diferença na produção de matéria seca digestível entre os híbridos forrageiros e o de duplo propósito (maior porcentagem de grãos) não é muito grande, mas a qualidade deste último é muito superior à dos demais, pode-se concluir que a produção de silagem a partir de híbridos de duplo propósito é mais interessante que a utilização de híbridos forrageiros.

GONTIJO NETO, M.M.; OBEID, J.A.; PEREIRA, ºG.; CECON, P.R.; CÂNDIDO, M.J.D.; MIRANDA, L.F. Híbridos de sorgo (Sorghum bicolor (L.) Moench) cultivados sob níveis crescentes de adubação. Rendimento, proteína bruta e digestibilidade in vitro. Revista Brasileira de Zootecnia, v.31, n.4, p.1640-1647, 2002.

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint