ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Sinal de alerta: Brasil e Argentina com política industrial comum no setor de lácteos

PRODUÇÃO DE LEITE

EM 18/02/2010

3 MIN DE LEITURA

6
0
Sinal de alerta: Brasil e Argentina com política industrial comum no setor de lácteos
Vejam a mátéria com esse título publicada no Espaço Aberto do Milkpoint sobre assunto que acho preocupante e que revela a pouca ( para não dizer nenhuma ) preocupação do Governo com os produtores de leite brasileiros.

Sem dúvida nós, técnicos e produtores somos responsáveis pela lamentável situação a que chegamos. Mas não adianta chorar. O que temos a fazer é trabalhar para mudar essa situação, para que técnicos e produtores sejam respeitados e ouvidos. Na Leite São Paulo temos trabalhado para dar nossa contribuição para que essas mudanças ocorram.

Acrescento que havia uma reunião da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva de Leite e Derivados marcada para 25 de fevereiro próximo, para a qual foi silicitada sugestões para a pauta.

Transcrevo a seguir o que enviamos para a Secretaria da Câmara como sugestão para a pauta da reunião:

"O Brasil durante décadas não produziu leite suficiente para atender ao mercado interno, caracterizando-se como importador de leite. Praticamente só no período 2004/2008 conseguimos atingir a auto-suficiência para abastecer o consumo interno e ter algum excedente para exportação. No segundo semestre de 2008 sob alegação que a oferta de leite era muito grande e que a indústria tinha grandes estoques, foi reduzido substancialmente o preço pago ao produtor. Todavia já em janeiro de 2009 começaram a ser feitas grandes importações de leite em pó da Argentina e do Uruguai, e apesar do cancelamento de licença automática para importação, o volume de importação foi tanto que em 2009 o equivalente em leite fluido das importações superou a 0,5 bilhão de litros. No final de 2009 os preços ao produtor nacional cairam na contramão do que acontecia internacionalmente. Em audiência pública a Comissão de Agricultura e Pecuária da Câmara se comprometeu a verificar a relação de preços entre o que o consumidor paga e o que o produtor recebe para verificar se não estaria havendo abuso de poder econômico e comercial no varejo e na indústria.

Penso que se estes aspectos não forem discutidos com transparência e tomadas as providências cabiveis, corremos o risco de voltarmos a importar grandes quantidades de leite em 2010 e corremos o risco de voltarmos a ser por muitos anos, tal como aconteceu poe décadas, ser grande importador de leite.

Por isso minha sugestão é que a pauta da reunião de 25 de fevereiro próxima se concentre na discussão no que aconteceu no mercado em 2008/2009 em termos de produção, consumo interno, exportações e importações, e com a distribuição das margens entre produtores, indústria e varejo e na perspectiva de equacionar os problemas constatados para o período de 2010/2011.

Seria importante nessa reunião a presença de representantes da Comissão de Agricultura e Pecuária da Câmara, para relatar sa providências que se seguiram depois da audiência pública de 2009 e participar das discussões."

Mas hoje, depois de ler a matéria no Correio Popular, sobre negociações com a Argentina sobre uma política comum para o setor lácteo,  e que me motivou a escrever o artigo publicado no Espaço Aberto, acabo de receber e-mail cancelando a reunião, em função da pouca evolução dos assuntos da pauta desde a última reunião, e informando que assim que a nova data seja definida os participantes da câmara serão informados.

A existência dessas negociações com a Argentina sem conhecimento dos produtores, além de ser um sinal de alerta, reforçam que a pauta da próxima reunião da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva de Leite e Derivados deve se concentrear na discussão no que aconteceu no mercado em 2008/2009 em termos de produção, consumo interno, exportações e importações, e com a distribuição das margens entre produtores, indústria e varejo e na perspectiva de equacionar os problemas constatados para o período de 2010/2011, incluindo a discussão do que estaria sendo tratado com a Argentina nas  negociações que estariam sendo conduzidas pelo pelo presidente da Agência brasileira de Desenvolvimento Industrial e pelo secretário de Comércio Exterior, em sequência  a uma negociação política que teria havido entre o ministro Miguel Jorge, do Desenvolvimento, Indústria e Comércio, com a ministra argentina da Produção, Debora Giorgi.

Achamos que  a pecuária leiteira nacional merce uma reunião da Cadeia Produtiva de leite e Derivados só para tratar desses assuntos, que podem ser determinantes do futuro da atividade no País. E quanto antes essa reunião for realizada, melhor.
 


Marcello de Moura Campos Filho
 Presidente da Leite São Paulo





6

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MARCELLO DE MOURA CAMPOS FILHO

CAMPINAS - SÃO PAULO - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 22/02/2010

Prezado Osmar U. Carvalho

Agradeço o comentário;
Se o próprio produtor não defender seus interesses seus interesses, como pode esperar que outros o defendam?
Além da ação de produção, feita da porteira para dentro, o produtor preciça de ação da porteira para fora.
Uma sugestão: você e outros produtores da região poderiam procurat o sindicato rural e pedir que este pleiteie à FAEMG e CNA ação de forma a impedir que qualquer integração do nosso setor lácteo seja efetivada sem antes uma amla discussão com as entidades que representam os produtores sobre como seria essa integração e se inso é de interesse para a pecuária leiteira nacional.

Abraço
Marcello de Moura Campos Filho
OSMAR U. CARVALHO

TEÓFILO OTONI - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 22/02/2010


Enquanto o produtor se esconder no curral ou pastoranda as vacas

seremos menosprezados e meros joguetes nas mãos da industria.

Que falta de conhecimento de um um ministerio com os outros no que se refere ações unilaterais que destroem o ânimo de uma classe que sempre
respondeu e responde : PRESENTE com a sua parcela de produção neste país?
MARCELLO DE MOURA CAMPOS FILHO

CAMPINAS - SÃO PAULO - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 20/02/2010

Prezado Wilson Mendes Ruas

Obrigado pelo comentário. É precisso que os produtores realmente se mobilizem para defender os seus legítimos interesses. A melhor forma de você contribuir é, se possível com mais alguns produtores, procurar o sindicato rural aí em Belo Horizonte peiteando que a FAEMG e a CNA liderem um movimento junto ao Governo, no sentido de que não se tome nenhuma decisão de integração do setor lácteo do Brasil com o da Argentina, sem que sejam ouvidos os produtores e o assunto seja amplamente discutido internamente com a cadei produtiva.

Abraço

Marcello de Moura Campos Filho
WILSON MENDES RUAS

BELO HORIZONTE - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE OVINOS

EM 20/02/2010

Prezado Marcelo,

Nós produtores de leite temos muito a agradecer-lhe por este alerta. Quero dizer-lhe que estou a sua disposição para comparecer aonde for para precionar o governo, para deixar de atrapalhar uma classe, que muito emprega neste País, a despeito de tantos contratempos, a exemplo deste. Espero que cada produtor de leite deste Brasil, venda pelo menos uma vaquinha e vá à luta em defesa do leite brasileiro, antes que todo o rebanho vá para o açougue. Precisamos acreditar e apoiar todos os movimentos em favor desta sofrida classe. NÃO À IMPORTAÇÃO DE LEITE QUE SIGNIFICA MORTE DO PRODUTOR NACIONAL.

Wilson Mendes Ruas
Produtor de Leite em Curvelo-MG
MARCELLO DE MOURA CAMPOS FILHO

CAMPINAS - SÃO PAULO - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 19/02/2010

Prezado Thomas

Agradeço o comentário. Mas o fato de hoje o Governo ignora o produtor é devido o produtor se manter amórfo, se preocupando só com o trabalho da porteira para dentro. Há trabalho para fazer da porteira para fora, e é mais do que hora dos produtores e suas lideranças trabalharem para mudar esse estado de coisas. A minha proposta nesse caso é uma reunião extraordinária da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva de Leite e Derivados para discutir o caso e verificar as providências cabíveis, inclusive fortalecendo a posição do Ministro da Agricultura na defesa de nossa pecuária de leite que, através dos empregos diretos e indiretos que proporciona, é grande geradora de emprego e renda no interior do País.

Abraço

Marcello de Moura Campos Filho
THOMAS STRAUSSS

SÃO PAULO - SÃO PAULO

EM 19/02/2010

Prezado Marcelo,
Aparentemente alertas bem baseadas como o seu não mereçem mais atenção das nossas autoridades. A situação descrita me lembra muito da negociação de compra do caça RAFALE com a diferença que da pecuária leitera dependem muito mais famílias.
MilkPoint AgriPoint