FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

O que você sabe sobre a Tinea bovina?

POR RENATA DE OLIVEIRA SOUZA DIAS

PRODUÇÃO DE LEITE

EM 15/02/2002

3 MIN DE LEITURA

8
1
No último artigo desta secção foi publicado uma pequena revisão sobre a Papilomatose bovina, todavia muitas pessoas confundem esta doença com a Dermatofitose, mais conhecida como Tinea.

A Dermatofitose é a principal infecção causada por fungos em bovinos. Os principais agentes envolvidos são Trichophyton verrucosum, T. mentagrophytes e Microsporum canis (esses dois últimos em menor escala).

Com a intensificação dos sistemas de produção, os rebanhos aumentaram de tamanho e um número maior de animais foi concentrado em áreas menores, ocasionando uma maior possibilidade da disseminação de doenças tais como a Tinea. Esta micose é considerada uma doença de rebanho.

A doença ataca principalmente bezerros abaixo de um ano de vida, estabulados em grupo. Animais imunodeprimidos, animais debilitados e magros podem também atuar como focos da infecção. Não há diferenciação da prevalência entre as raças e nem entre os sexos. Além disso, a dermatofitose é uma zoonose, podendo contaminar as pessoas que têm maior contato com os animais acometidos.

Instalações úmidas e escuras constituem um ambiente favorável para o crescimento do fungo. Por isso, os animais confinados têm uma maior predisposição a contrair, e disseminar a doença. Os esporos estão presentes não só na lesão, mas também em todo o pêlo do animal, nas ferramentas utilizadas no manejo, paredes da instalação, cercas, ou seja, em todos os lugares!

A principal fonte de contaminação é o animal infectado, mas os insetos (moscas) e a cama dos animais também disseminam a doença. O fato dos animais lamberem a si próprios e lamberem também outros animais, auxilia na disseminação. A doença pode entrar no rebanho através da compra de animais, durante o transporte de animais, em leilões e exposições.

Os esporos do Trichophyton verrucosum permanecem viáveis na pele por até quatro anos. Seu longo período de sobrevivência e as facilidades de contágio favorecem a proliferação da micose.

Geralmente, as lesões possuem uma distribuição irregular, as áreas mais afetadas são ao redor dos olhos, na fronte, orelhas, no pescoço, região lombar e cauda.

Na maioria das vezes, a lesão se caracteriza por áreas ovaladas de alopecia, com presença de crostas, podendo também ser encontradas pápulas, nódulos e úlceras. As lesões variam de 0,5 cm a 10 cm. Após a infecção da pele o fungo penetra nos folículos pilosos formando os esporos. A doença evolui em quatro estágios, sendo eles:
Estágio 01: Período de incubação, ocorre entre os dias 7 e 17 após a infecção. Neste período, há uma rápida multiplicação dos fungos.

Estágio 02: Ocorre entre os dias 14 e 28 após a infecção, nesta fase há uma reação da pele, os pelos sofrem autólise e caem.

Estágio 03: Ocorre entre os dias 28 e 49 após a infecção. Nesta fase ocorre o pico da inflamação, surgem lesões vermelhas e úmidas, e finalmente as crostas. Ocorre ainda a paraqueratose e acantose.

Estágio 04: Ocorre entre os dias 49 e 63 após a infecção. Nesta fase ocorre a regressão do quadro, as crostas caem e surgem os novos pelos.

Muitas vezes, a Tinea apresenta uma recuperação espontânea, mas o processo de cicatrização varia muito, podendo ocorrer em 3 semanas, e em outros casos, levar até 9 meses. Animais que se recuperam da infecção podem ganhar resistência à doença durante o período de um ano ou mais.

As lesões causadas pela Tinea são típicas e facilmente identificadas, mas a confirmação do fator etiológico só é possível através do exame microscópico e da cultura.

O material a ser enviado para análise:

- amostras de pêlos
- escamas da pele

* No caso de cultura, a área lesada deverá ser lavada com água e sabão antes da coleta.

O tratamento consiste na aplicação tópica de pomada à base de Tiabendazole (5 à 10%). Uma alternativa mais prática é aspergir os animais afetados com uma solução de Água Sanitária a 10% (o produto adquirido como Água Sanitária deve ser diluído em água, no intuito de se obter uma concentração de 10%). As lesões devem ser tratadas até a recuperação do quadro.

Para controlar esta micose nos rebanhos afetados, deve-se minimizar a densidade animal por lote, enfatizar a limpeza das instalações, a drenagem dos malhadouros e a sanidade dos animais (procurando dar maior atenção aos animais mais debilitados de cada lote)


Foto: Animais acometidos com a Tinea bovina


Fonte:
Cutsem, J. V. et al., Mycoses in Domestic Animals, Saunders: Janssen Research Foundation, 1991. Cap.3, p.47-54.

Onde saber mais:
< a href=http://persephone.agcom.purdue.edu/AgCom/Pubs/VY/VY-56.html>< http://persephone.agcom.purdue.edu/AgCom/Pubs/VY/VY-56.html

RENATA DE OLIVEIRA SOUZA DIAS

8

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

ALCIO AZAMBUJA DE AZAMBUJA

PELOTAS - RIO GRANDE DO SUL - PESQUISA/ENSINO

EM 02/05/2019

No exterior há vacinas, aqui no Brasil existem disponíveis?
JOÃO LEONARDO PIRES CARVALHO FARIA

MONTES CLAROS - MINAS GERAIS - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 15/01/2019

Muitas vezes à campo, se confunde com dermatofilose ou até mesmo a própria papilomatose bovina!
RUDIGER DANIEL OLLHOFF

CURITIBA - PARANÁ - PESQUISA/ENSINO

EM 21/05/2017

Importantíssimo neste artigo que faz falta: a doença é uma zoonose, infecta o homem, e especialmente importante para crianças que não atingiram a puberdade ainda. Nestas crianças poderá haver lesões profundas do couro cabeludo, com cicatrizes onde não mais cresce cabelo. O bovino se que passou pela infecção fica imune pelo resto de sua vida !

Portanto, formas de tratamento que evitam o contato direto com as lesões devem ser preferidas. No exterior, existem vacinas disponíveis para os bovinos.
NATALÍCIO TENORIO

QUEBRANGULO - ALAGOAS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 04/02/2016

Muito bom o artigo!!
FELCIO MANOEL ARAUJO

CARIACICA - ESPÍRITO SANTO - ESTUDANTE

EM 08/04/2015

MInha cara colega edimara sousa pode tentar o tratamento com iodo,voce poderár pegar uma escova e esfregar bem a area afetada e com um algodão embebecido com iodo passe sobre a area afetada .

E assim você terá sucesso.
ARNALDO

SANTO ANTÔNIO DE PÁDUA - RIO DE JANEIRO - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 11/06/2012

Já tentou ivermectina?
EDIMARA SOUZA

UMUARAMA - PARANÁ - PRODUÇÃO DE GADO DE CORTE

EM 19/07/2011

Estou com um caso desse (único e jamais visto). Não existe superlotação ou confinamento. Administrado antibióticos a base de penicilina e de oxitetracilina. Passado spray sobre o corpo.  Nada resolveu. Não regride. Todo o corpo está tomado. O que fazer? Veterinário disse que não tem cura. Só com o tempo. Bezerra fêmea com 08 meses. Problema surgiu por volta dos 03 meses. Alguém pode auxiliar?
PAULO DUTRA VIEIRA NETO

NITERÓI - RIO DE JANEIRO - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 28/02/2002

Muito interessante o artigo. Muitas doenças fúngicas ocorrem e não são diagnosticadas como tal. Com isso tem-se insucesso no tratamento, disseminação da enfermidade no próprio animal e rebanho acarretando sérios prejuízos. Parabéns pelo artigo.
MilkPoint AgriPoint