ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

O edema de úbere (parte 2)

POR RENATA DE OLIVEIRA SOUZA DIAS

PRODUÇÃO DE LEITE

EM 13/11/2002

4 MIN DE LEITURA

2
0
O objetivo de abordar este tema é voltar a atenção dos técnicos e produtores para a importância da ocorrência clínica -edema de úbere- propriamente dita. Habitualmente, o edema é abordado juntamente com outros temas (nutrição, mastite, doenças metabólicas,etc) e, com isso, o foco é desviado para outras informações. No primeiro artigo, foram apresentadas algumas considerações gerais sobre o assunto e neste texto, serão relatados os resultados obtidos em duas pesquisas que enfocaram o edema de úbere.

O edema excessivo causa muito desconforto ao animal, favorece uma maior ocorrência de traumas nos tetos e na própria glândula mamária, atrasa a ordenha devido à dificuldade na extração do leite, predispõe à ocorrência de danos nos ligamentos suspensórios do úbere, favorece a ocorrência da mastite, e por todos esses fatores, pode até mesmo ocasionar o descarte precoce do animal.

Além dos fatos destacados acima, vale a pena lembrar que o edema ocorre em um momento delicado e complexo do ciclo produtivo: o periparto. Nesta fase, o animal encontra-se imunodeprimido devido ao balanço energético negativo e às mudanças hormonais que ocorrem no período do parto.

Pesquisadores da Universidade de Purdue, nos EUA, avaliaram a severidade do edema da glândula mamária de 73 novilhas de primeira cria. O objetivo do estudo foi associar o efeito dos hormônios no periparto com a gravidade do edema em primíparas, bem como avaliar o efeito de outros fatores associados, tais como idade ao parto, peso do bezerro e tempo de gestação. A idéia de avaliar os hormônios tem embasamento no conhecido fato de os hormônios endógenos estarem envolvidos com o desenvolvimento da glândula mamária e o início da síntese do leite.

O trabalho foi conduzido avaliando-se as concentrações hormonais diárias no periparto e avaliando-se o escore da severidade e extensão do edema a cada dia. Os escores eram atribuídos pela observação visual, obedecendo aos parâmetros apresentados na Tab. 1.

Foi observado que o edema aumenta progressivamente nos últimos 7 dias antes do parto e permanece elevado um dia e meio após o parto (Graf. 2). Concluiu-se ainda que o edema no periparto aumenta em primíparas mais velhas e nas primíparas que apresentam um período de gestação mais longo (Graf. 3 e 4). Todavia, não houve variação entre a ocorrência do edema e o período do ano, a temperatura e o fotoperíodo. O aumento do edema no pré-parto apresentou uma correlação positiva com os níveis de estradiol -17a no plasma e foi negativa para os níveis de estradiol -17ß e progesterona. Os níveis de prolactina no plasma não apresentaram relação com o escore de edema. Não foi possível identificar um hormônio determinante da gravidade do edema. Em suma, os resultados do estudo evidenciaram uma complicada interação entre os hormônios esteróides e a ocorrência do distúrbio, onde alguns esteróides favorecem e outros inibem a ocorrência do edema em novilhas de primeira cria.

Tabela 1- Escore do edema de úbere



Gráfico 2- Constatou-se que o escore do edema aumentou progressivamente nos últimos 7 dias antes do parto e permaneceu elevado um dia e meio após o parto



Gráfico 3- Associação entre a idade ao primeiro parto e a ocorrência de edema de úbere



Gráfico 4- Associação entre o tempo de gestação e a ocorrência de edema de úbere



Este ano, no Brasil, foi publicado uma pesquisa que investigou a epidemiologia do edema de úbere em rebanhos de manejo intensivo. Os autores destacaram que, embora o edema seja uma ocorrência clínica amplamente conhecida no meio científico internacional, não havia ainda qualquer levantamento da sua ocorrência no Brasil. O estudo foi desenvolvido por pesquisadores da Universidade Estadual de Londrina, no Paraná, e as 18 fazendas onde foram realizadas as avaliações localizavam-se em regiões tradicionais de produção leiteira sob manejo intensivo.

Este estudo também avaliou o edema de úbere com uma metodologia de escore. No entanto, a classificação é um pouco diferente da utilizada na pesquisa relatada anteriormente. Observe na Tab. 2 a classificação utilizada neste levantamento.

Tabela 2- Escore do edema de úbere



Animais de diferentes faixas etárias foram incluídos nesta pesquisa, totalizando 108 animais avaliados. Em relação ao escore, os autores relataram que 21,29% das vacas apresentaram escore 2; 52,78% tiveram o escore 3 e 25,93% apresentaram o escore 4. Foi também avaliada a amplitude de variação em relação ao período no qual o edema foi observado, sendo que antes do parto o edema foi evidente em 43 animais e após o parto em 63 bovinos. Foi possível também, detectar a preferência terapêutica de diferentes produtos nos casos que necessitaram de intervenção clínica. Foram utilizadas com maior freqüência as seguintes terapias: corticóide + diurético (forma injetável) em 51,85% dos casco; 12,04 % dos casos foi utilizado apenas diurético; 11,11% dos casos foi utilizado apenas linimento (tópico) e 4,63% dos casos foram utilizadas duas drogas diuréticas e corticóide (forma injetável); em 0,93% foram utilizados linimentos e injeções de Dimetilsulfóxido (DMSO); 0,93% foi aplicada uma droga antiflamatória não esteróide e, 18,51% dos casos não receberam tratamento, por opção dos proprietários, apesar da demora em desaparecer os sintomas do edema.

Dentre as medidas profiláticas praticadas nas propriedades, observou-se: a redução da quantidade de grãos na dieta do pré-parto; a utilização de dietas catiônica-aniônica no pré-parto; a suplementação com vitamina E, sais de magnésio e cloreto de cálcio no pré-parto e até mesmo, que muitos produtores exercitam os animais com caminhadas antes e depois do parto. Todos estes fatores apresentaram efeitos positivos quando bem utilizados e balanceados na dieta dos animais.

Fonte:

MARÇAL, W. S.; WESTERING, A.J.V. Aspectos clínicos, epidemiológicos e terapêuticos do edema de mama em bovinos leiteiros. R. Bras. Méd. Vet., v.24,n.3, p.114, 2002.

MALVEN, P.V.; ERB, R.E.; FRANCES D'AMICO, M.; STEWART, T.S.; CHEW, B.P. Factors associated with edema of the mammary gland in primigravid dairy heifers. J. Dairy Sci., v. 66, n.2, p.246, 1983.

VESTWEBER, J.G.E.; AL-ANI, F.K. Udder edema in cattle. Compend. Contin. Educ. Pract. Vet., v.5, n.1, p.85, 1983.

SCHUTZ, M. Milking pre-fresh heifers may be benefical. Dairy Herd Mangement, July, 2002.

RENATA DE OLIVEIRA SOUZA DIAS

2

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

LUIZA AMBRÓSIO

EM 17/06/2019

JUNIOR

MURIAÉ - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 11/06/2008

Tenho uma vaca que criou a 60 dias. Já foi medicada com corticóide e diurético, sem mamite clinica ou sub clinica, mas seu edema de ubere não melhora. O que posso fazer, neste caso?
MilkPoint AgriPoint