ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
FAÇA SEU LOGIN E ACESSE CONTEÚDOS EXCLUSIVOS

Acesso a matérias, novidades por newsletter, interação com as notícias e muito mais.

ENTRAR SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

O básico em nutrição de gado de leite

POR MARCOS NEVES PEREIRA

PRODUÇÃO DE LEITE

EM 22/10/2002

5 MIN DE LEITURA

5
2

Marcos Neves Pereira1

Ao longo dos próximos meses discutiremos alguns aspectos da alimentação de vacas leiteiras. A idéia é começar com conceitos básicos necessários aos aprofundamentos futuros. A indústria atual da nutrição animal ainda utiliza conceitos não novos. Os termos proteína bruta (PB), fibra bruta (FB), extrato etéreo (EE), cinzas e extrativo não nitrogenado (ENN) têm sido amplamente utilizados por aqueles que encaram a alimentação de animais como uma ciência. Mas será que todos entendem o porque da adoção deste sistema e quais as suas falhas quando o animal a se alimentar é uma vaca ?

O Sistema de Weende, também chamado Sistema de Análise Proximal, foi criado por Henneberg em 1860, na Weende Experimental Station, na Alemanha. Este é um dos maiores exemplos da inteligência humana, já que poucas tecnologias neste mundo permanecem sendo usadas por tanto tempo. As análises laboratoriais visam separar os componentes dos alimentos em frações de digestibilidade e metabolização previsíveis, a um custo analítico baixo e utilizando métodos rápidos. Análises laboratoriais devem ser utilizadas para dar uma idéia aproximada do valor nutricional de determinada dieta, que é a mistura de todos os ingredientes oferecidos a um animal.

O conceito de dieta é muito confundido no Brasil. A dieta de uma vaca leiteira é composta por forragens e concentrados. Estes devem ser misturados em uma proporção ótima para se obter uma mistura de conteúdo nutricional previsível conciliada a uma boa eficiência econômica. Esta é a filosofia no uso da Dieta Completa (a TMR) como sistema alimentar e do computador para cálculo dietético. Dieta em nutrição é sinônimo de ração: tudo que um animal consome por dia. Para suínos e aves, dieta, ração e concentrado significam a mesma coisa, pois estes animais não consomem forragem. Um cálculo de ração para aves é um cálculo de concentrado, mas para herbívoros o cálculo tem que incluir a forragem. Recomendações do tipo "o concentrado (que chamamos ração, inclusive eu) para vacas leiteiras deve ter de 18 a 24% de PB" são uma mera aproximação. Se isto fosse correto, uma vaca consumindo cana com 2% de PB poderia comer o mesmo concentrado que uma vaca comendo alfafa com 18% de PB. A dieta deveria ser o objeto de cálculo, o concentrado deve suprir as deficiências da forragem.

Após a desidratação dos alimentos obtemos a matéria seca. Na alimentação de herbívoros conversar em quantidade de alimentos úmidos ou concentração nutricional na matéria natural não tem sentido. A variação na porcentagem de umidade das forragens exige a padronização para a matéria seca. Após a incineração da matéria seca para mensuração das cinzas, supostamente representativo dos minerais dietéticos, sobra a matéria orgânica. A digestibilidade da matéria orgânica em uma dieta com baixo conteúdo de gordura, típica dos ruminantes, é próxima ao valor dos Nutrientes Digestíveis Totais, o NDT, uma medida energética antiga e ao mesmo tempo mais atual do que nunca, devido às novas metodologias de cálculo desta variável propostas pelas mais recentes normas alimentares para vacas leiteiras, o NRC (2001).

Dentro da matéria orgânica os nutrientes podem ser divididos em ideais e não-ideais. No sistema de análise proximal os nutrientes ideais, assim chamados por terem digestibilidade alta e pouco afetada pela velocidade de passagem da digesta pelo trato digestivo do animal, a chamada taxa de passagem, seriam: a PB, o EE e o ENN. O nutriente não-ideal, de baixa digestibilidade sendo esta determinada pela taxa de passagem da digesta, seria a FB. Como a variabilidade no conteúdo dietético de PB e EE é baixa, o grande determinante da digestibilidade das dietas seria a relação FB/ENN. Baseado neste conceito, seria correto afirmar que dietas com alto conteúdo de FB seriam dietas de baixa digestibilidade. No entanto, esta premissa nem sempre é verdadeira.

Nutricionalmente a FB deveria representar todos os carboidratos de degradação lenta e que ocupam espaço no rúmen, a definição nutricional de fibra. Por isto fibra excessiva limita a concentração energética da dieta e pode deprimir o consumo de matéria seca pelo animal. O ENN, calculado por diferença, ENN=100-(PB+EE+FB+Cinzas), deveria representar os carboidratos de alta degradabilidade no rúmen. Quimicamente o ENN deveria representar amido, em dietas à base deste nutriente, sacarose, em dietas à base de cana-de-açúcar, ou pectina, em dietas com alta inclusão de polpa cítrica, citando apenas exemplos prevalentes em nossas fazendas leiteiras. A digestibilidade da FB deveria ser sempre inferior à digestibilidade do ENN.

No entanto, existem várias evidências experimentais mostrando maior digestibilidade da FB comparativamente ao ENN. Este fato inviabiliza o uso deste nutriente como indicador de qualidade dietética. Isto decorre do fato da técnica laboratorial de FB não representar todos os carboidratos de degradação lenta presentes no alimento, ou seja, parte da fibra pode ser computada como ENN. Nem tudo era perfeito no método de Weende criado em 1860. A única inovação neste sistema adotado pela indústria da nutrição animal foi a substituição da mensuração de FB pela mensuração da Fibra em Detergente Neutro, a FDN. Foi assim criado o que conhecemos como sistema de Van Soest. Considero que Van Soest só não foi um Einstein porque escolheu trabalhar com ruminantes. Por este sistema os carboidratos não fibrosos (CNF), de degradação rápida no rúmen, são calculados semelhantemente ao antigo ENN, CNF=100-(PB+EE+FDN+Cinzas). A relação FDN/CNF é um bom indicador do potencial de digestão de determinada dieta ou alimento. Dietas com baixo FDN são frequentemente de alta digestibilidade.

No gráfico abaixo está representado uma dieta pouco comum em nosso meio. Esta seria uma dieta de alto conteúdo energético devido ao baixo teor de FDN. Em dietas à base de milho e farelo de soja, ambos concentrados com baixo conteúdo fibroso, está formulação seria plausível. Dietas com estes níveis nutricionais são pouco utilizadas em nossas fazendas por alguns de motivos. Um dos motivos seria o alto conteúdo de fibra de nossas forrageiras, o que exigiria o uso excessivo de alimentos concentrados por litro de leite produzido para obter esta concentração dietética de FDN. Outro motivo é a disponibilidade de vários subprodutos da indústria de alimentos humanos, ricos em fibra, às vezes de boa digestibilidade, mas que substituem CNF dietético. Melhorar a qualidade e a eficiência econômica de nossas dietas passa primariamente por reduzir o conteúdo de FDN das forragens, para permitir alta inclusão dietética destes alimentos sem reduzir o aporte de energia para o animal, e ter consciência da qualidade da fibra nos vários subprodutos fibrosos disponíveis no mercado brasileiro. Como a sua dieta se compara à dieta abaixo ?

 



______________________________________
1Professor da UFLA

MARCOS NEVES PEREIRA

Professor Titular da UFLA (Lavras, MG)

5

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

GLEDSON CARLOS MACHADO

SEBASTIANÓPOLIS DO SUL - SÃO PAULO - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 18/06/2018

Professor como posso usar o bagacinho de cana com caroco de algodao polpa e casquinha de soja na dieta de vacas leiteiras.
desde ja agradeco fico no aguardo
GLEDSON CARLOS MACHADO

SEBASTIANÓPOLIS DO SUL - SÃO PAULO - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 18/06/2018

professor, na dieta das vacas usar bagacinho de cana com caroço de algodao e polpa citrica, casquinha de soja, qual seria a formulacao correta.
BRUNA UÊNE DE FREITAS SILVA

PORTO VELHO - RONDÔNIA - ESTUDANTE

EM 15/06/2010

Professor, qual a importância de se determinar a matéria seca de alimento forrageiros?


<b>Resposta do autor</b>

Bruna, animais consomem matéria seca (MS). Em forrageiras, diferentemente de alimentos concentrados como o milho e a soja, o teor de MS varia muito. Pense na diferença entre um feno, uma pastagem e uma silagem, por exemplo. Determinar o teor de MS (% da matéria natural) é necessário para determinar a produtividade de forragens (toneladas de MS por hectare), para definir ponto de ensilagem e fenação, para ajustar a inclusão dietética de forragens em fazendas que utilizam dieta completa, para vender forragem, para definir a taxa de lotação animal de fazendas com base na produtividade de forrageiras, etc.

Marcos

EDSON JUNIO SOUSA MAGALHAES

PATOS DE MINAS - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 13/04/2010

professor, gostaria de saber se acrecentar a massa da mandioca na dieta da racao o gado melhora mesmo a producao de leite.
E parabens pelos trabalhos divulgados.


<b>Resposta do autor:</b>

Massa de mandioca, estou assumindo que não é mandioca integral, e sim algum subproduto da extração de polvilho ainda úmido. Correto ? De qualquer maneira é um concentrado energético. Se tirar soja (proteína) da dieta e colocar massa de mandioca acho que o leite pode cair.

Se acrescentar massa em uma dieta exclusiva de pastagem (fibra alta, baixa energia) o leite pode subir. A resposta pode variar dependendo de como o ingrediente entra na dieta, substituindo o que. Massa é certamente pobre em proteína e minerais e pode ter algum amido, caso seja resíduo da extração do polvilho (um subproduto fibroso).

Se for mandioca integral, ai será alto amido, um substituto direto de milho. Massa sem adequado balanceamento protéico não vai melhorar a produção. Se tiver custo competitivo e disponibilidade, pode ser um ingrediente viável em uma dieta balanceada. Para usar corretamente tem que existir um cálculo de dieta.

NILSON NUNES MORAIS JÚNIOR

COLATINA - ESPÍRITO SANTO - PESQUISA/ENSINO

EM 04/11/2002

Gostaria de parabenizar o site pela alta qualidade técnico da matéria do Prof. Marcos Neves. Materias como estas são muito importantes pois esclarecem pontos importantes da nutrição de bovinos, principalmente aos produtores, que muitas vezes estão acostumados com determidadas "verdades" citadas no artigo, como por exemplo que o concentrado de vacas de deve ter 18 a 24 % de PB e que a relação leite: concentrado ideal é 3:1, mas quando nos aprofundamos em nutrição vamos observar que isto não é uma verdade, e que a % de proteína bruta e outros nutrientes do concentrado deverão ser ajustados à qualidade da forragem utilizada e da exigencia nutricional da vaca, e que a relação leite:concentrado pode variar, não sendo necessariamente 3:1, e sim a que a apresentar um menor custo final na dieta balanceadada para uma determinada produção de leite.

Mais uma vez parabéns, principalmente por apresentar conceitos como o sistema de Van Soest, ainda pouco utilizado por profissionais menos atualizados na nutrição animal e pouco conhecido dos produtores.

Nilson Nunes Morais Júnior
Professor de Bovinocultura da EAF-Colatina-ES
Mestrado em Produção Animal
MilkPoint AgriPoint