ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
FAÇA SEU LOGIN E ACESSE CONTEÚDOS EXCLUSIVOS

Acesso a matérias, novidades por newsletter, interação com as notícias e muito mais.

ENTRAR SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Milho causa cálculo urinário. Será?

POR VICENTE DE FRANÇA TURINO

PRODUÇÃO DE LEITE

EM 25/07/2006

2 MIN DE LEITURA

11
0

Quem nunca teve um caso de urolitíase (cálculo urinário) em sua propriedade? E quem nunca ouviu falar que o milho é que causa tal enfermidade? Mas será que ele é realmente o causador desta doença?

Dietas altamente energéticas são utilizadas para a obtenção de cordeiros precoces e/ou superprecoces, sendo que o milho é bastante utilizado como base destas dietas (pela alta concentração energética que possui e também pela constante oferta). Geralmente os níveis e a relação entre cálcio (Ca) e fósforo (P) não são corrigidos, fazendo com que a incidência de cálculos aumente no rebanho, tornando o milho o principal "vilão" desta história.

A urolitíase é uma doença nutricional que ocorre em conseqüência da precipitação de minerais no trato urinário de bovinos, caprinos e ovinos, tendo como conseqüência a obstrução da uretra. Ela ocorre em ambos os sexos e possui grande importância em ovinos e caprinos machos (devido à anatomia do sistema urinário, principalmente o apêndice vermiforme).

Os cálculos urinários mais freqüentes e mais importantes são formados pela sedimentação de P na bexiga.

A incidência é maior em animais confinados devido a suas dietas possuirem grandes quantidades de ingredientes concentrados, os quais geralmente são ricos em P. Isto faz com que esse tipo de alimentação quase sempre esteja com níveis de P acima do recomendado para as exigências do animal, assim como sua relação com o Ca apresentar-se desbalanceada.

Apesar de o milho conter uma considerável concentração de P (cerca de 0,28%), outros ingredientes - como o farelo de trigo (cerca de 0,99% de P) possuem valores muito superiores.

Entretanto, se a dieta estiver bem formulada e ajustada tanto para as concentrações de Ca e P, quanto para relação Ca:P (2,2:1 a 3:1), dificilmente ocorrerá acúmulo de minerais no trato urinário, minimizando-se as chances de aparecimento dos cálculos.

A utilização de aditivos acidificantes de urina também é uma estratégia muito eficiente para a prevenção da urolitíase. Geralmente esses aditivos são incorporados em pequenas quantidades (0,5 a 0,8% da matéria seca da dieta), tendo excelente custo x beneficio.

Portanto, o milho ou sua concentração de fósforo não são causadores diretos de urolitiases. Independente do ingrediente utilizado na dieta, esta deve ser corrigida para seu balanceamento mineral, de forma que a relação entre Ca e P estejam equilibradas e as exigências para crescimento atendidas sem excessos.

VICENTE DE FRANÇA TURINO

11

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

LUIZ GONZAGA NETO

PETROLINA - PERNAMBUCO - PESQUISA/ENSINO

EM 07/12/2009

Parabenizo o autor, mas seria interessante que o mesmo exemplificasse os acidificantes referidos no texto bem como as concentrações e modo se uso.
Att
luiz Gonzaga neto
PAULO DA SLVA

ARAPONGAS - PARANÁ - ESTUDANTE

EM 07/05/2008

Como posso balancear uma ração se ñ tenho como fazer análise bromatológico da pastagem, para ter um calculo exato de cálcio e fósforo
LUIZ GONZAGA NETO

PETROLINA - PERNAMBUCO - PESQUISA/ENSINO

EM 02/05/2008

Muito interessante e esclarecedor o artigo. Sugiro porem que seja ditos quais aditivos ou substancias podem ser usados e como para prevenir calculo .
VICENTE TURINO

BOTUCATU - SÃO PAULO - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 11/02/2008

Prezado Tulio Pinto Filho,

Não recomendo a diluição em água, visto que, o produto deve ser introduzido na dieta, de forma a deixá-la com BCAD negativo.

Se você administrar via água, continuaremos com a dieta catiônica, situação em que há grande possibilidade formação de urólitos no trato urinário dos animais.

A recomendação é que a dieta total contenha 5% de produto acidificante.

Obrigado por ler o artigo.

Atenciosamente,

Vicente Turino
TULIO PINTO FILHO

PORTO ALEGRE - RIO GRANDE DO SUL - PRODUÇÃO DE OVINOS

EM 05/02/2008

Gostaria de obter mais informacoes sobre a introducao de aditivos acidificantes. E se existem quantidades especificas destes aditivos para cada racao. Eles podem ser diluidos em agua? Atenciosamente.
THIAGO ALVES DE OLIVEIRA

REGISTRO - SÃO PAULO - REVENDA DE PRODUTOS AGROPECUÁRIOS

EM 13/12/2006

O que fazer se numa dieta estiver sobrando um pouco de P, mas a relação Ca:P estiver entre 2,2 e 3 pra 1? Pois é difícil fechar uma ração com níveis adequados de P, sempre sobra um pouco. Obrigado.
FLÁVIO BELMONTE R. DA SILVA

SÃO SEBASTIÃO DO CAÍ - RIO GRANDE DO SUL

EM 07/09/2006

Sou iniciante na criação de ovinos, porém apaixonado pelo assunto. Tenho me deliciado com as matérias e aprendido muito. Os artigos são ótimos e breve pretendo participar mais ativamente colocando minhas experiências e solicitando esclarecimentos. Parabéns. Um abraço.
DANIEL PIMENTEL GOMES

FORTALEZA - CEARÁ - PRODUÇÃO DE CAPRINOS DE LEITE

EM 06/09/2006

Olá companheiros,
Como é bom ter conhecimento, pois até pra ter meios de informação no meio da caprinovinocultura é dificil e estas dicas são importantissimas.
Mais uma que eu aprendi, abraço.
Daniel Pimentel Gomes
VICENTE TURINO

BOTUCATU - SÃO PAULO - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 31/07/2006

Olá Leandro.

A manipulação da dieta para acidificar urina nada mais é do que se formular uma dieta aniônica (muito utilizada em vacas leiteiras de alta produção no período de pré-parto).

Isto consiste em incluir ingredientes minerais com valência negativa nas rações, de modo que as mesmas possuam BCAD (balanço de cátions e ânios da dieta) negativo.

Com isto, o animal apresentará uma branda acidose metabólica, o que propicia diminuição do pH (acidificação) dos fluidos corporais.

Formulando-se de forma correta, consegue-se acidificar a urina (diminuindo-se seu pH para 6,0 a 6,5), a qual é fisiologicamente alcalina.

As fontes aniônicas mais conhecidas e comumente utilizadas na alimentação animal são o Sulfato de Magnésio (MgSO4), Sulfato de Amônio [(NH4)2 SO4], Cloreto de Amônio (NH4Cl) e Cloreto de Cálcio (CaCl2).

De todas as fontes citadas, a minha experiência é com o cloreto de amônio. A vantagem desta fonte é que ela possui maior poder de acidificação.

A desvantagem é que se utilizada de forma incorreta pode ocasionar diminuição do consumo voluntário (diminuir a palatabilidade da dieta).

Espero ter solucionado a sua dúvida, assim como a de outros leitores do site.

Grande abraço
LEANDRO PEDROSO MENDES

IRATI - SANTA CATARINA - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 27/07/2006

Quais os produtos utilizados como aditivos acidificantes de urina mais recomendados
nas formulações de ração?
MARCOS MURILO GONÇALVES

ARIQUEMES - RONDÔNIA - PRODUÇÃO DE GADO DE CORTE

EM 25/07/2006

Parabéns pelo texto altamente explicativo e didático, sãos através de iniciativas dessas do FarmPoint, com artigos de ótimos profissionais, que os produtores vão descobrindo novos rumos e novas oportunidades de desenvolvimento e lucratividade, de modo a se manterem atualizados e de olho no que pode e no que não pode ser feito.

Mais uma vez, parabéns pela qualidade do texto e importância do assunto abordado.
MilkPoint Logo MilkPoint Ventures