ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Irrigação de pastagens e fatores limitantes ao desenvolvimento das plantas forrageiras

POR MARCO A. A. BALSALOBRE

E PATRICIA MENEZES SANTOS

PRODUÇÃO DE LEITE

EM 08/08/2002

3 MIN DE LEITURA

2
0
Os primeiros experimentos relacionados à irrigação de pastagens no Estado de São Paulo foram desenvolvidos por Guelfi Filho (1972 e 1978) em Piracicaba - SP. O autor observou que a irrigação proporcionava aumento na produção total de matéria seca dos capins elefante e colonião durante o ano, entretanto, não contribuía para alterar a curva de estacionalidade de produção de matéria seca, sendo que as irrigações efetuadas durante o período de "verão" (quente e úmido) eram mais vantajosas que as irrigações feitas durante o período do "inverno" (frio e seco). O autor verificou também que o uso da água para produção de matéria seca pela planta forrageira durante o "verão" era cerca de três vezes mais eficiente que durante o "inverno".

Estes resultados fizeram com que o uso de irrigação em áreas de pastagem fosse esquecido por algum tempo. Nos últimos anos, no entanto, tem-se observado um grande interesse por parte dos produtores na adoção desta tecnologia... mas ainda persiste a pergunta... em que condições é vantajoso irrigar áreas de pastagem?

A aplicação de água elimina (ou reduz) os efeitos do estresse hídrico sobre a planta, aumentando a produtividade do pasto. Desta forma, ela será interessante em situações em que a produção seja limitada, principalmente, pela deficiência hídrica. Em diversas regiões do Brasil, no entanto, o desenvolvimento das plantas forrageiras no período de entressafra é limitado também (ou principalmente) pela temperatura. Neste caso, como foi determinado pelos experimentos realizados na década de 70, a irrigação poderá aumentar a produção anual de matéria seca, porém não irá alterar a estacionalidade de produção de forragem e a eficiência de uso da água no período mais frio será reduzida.

A resposta das plantas à temperatura, porém, é variável. Estudos com plantas temperadas demonstraram que a temperatura base (temperatura que limita o desenvolvimento de uma determinada espécie) é característica para cada espécie e cultivar e que o uso de valores médios não é adequado (Unruh et al., 1996).

O conhecimento da temperatura base das diversas gramíneas forrageiras tropicais poderia auxiliar na escolha da espécie a ser implantada e na determinação da viabilidade da irrigação nas diferentes regiões do País.

Um trabalho apresentado por Medeiros et al. (2002) na última Reunião Anual da SBZ propõe um método para se estimar os valores de temperatura base inferior para gramíneas tropicais utilizando o conceito de unidade fototérmicas (conceito que associa fotoperíodo e temperatura). Neste trabalho, os autores estimaram que a temperatura base para o capim elefante é de 13oC. Esse valor é semelhante a outros dados citados na literatura e explica porque a maior parte da produção desta espécie ocorre no período do verão.

Comentário dos autores: a determinação da temperatura base para várias espécies poderia auxiliar no zoneamento climático das plantas forrageiras e também na determinação das espécies e regiões mais recomendadas para implantação de sistemas irrigados. O método proposto no trabalho de Medeiros et al. (2002) tem apresentado resultados bastante consistentes. Além disso, é possível encontrar na literatura dados para várias espécies que podem ser utilizados para este cálculo. A elaboração de um zoneamento para as espécies forrageiras, à semelhança do que têm sido feito para culturas agrícolas, auxiliaria muito o desenvolvimento da pecuária nacional.

Referências Bibliográficas:

GUELFI FILHO, H. Efeito da irrigação sobre a produtividade do capim elefante (Pennisetum purpureum Schum.) variedade napier. Piracicaba, 1972. Tese (doutorado) - Escola Superior de Agricultura "Luiz de Queiroz"/USP.
GUELFI FILHO, H. Efeito da irrigação sobre o capim colonião (Panicum maximum, Jacq.). Revista o Solo, p. 12-16, 1978.
MEDEIROS, H.R. de; PEDREIRA, C.G.S.; VILLA NOVA, N. A. Temperatura base de gramíneas forrageiras estimada através do conceito de unidade fototérmica. In: REUNIÃO ANUAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE ZOOTECNIA, 39., Recife, 2002. Anais. Recife: SBZ, 2002.
UNRUH, J.B.; GAUSSION, R.E.; WIEST, S.C. Basal growth temperature and growth rate canstants of warm-season turfgrass species. Crop Science, v.36, p.997-999, 1996.

2

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

ENILSON GERALDO RIBIERO

MOCOCA - SÃO PAULO - PESQUISA/ENSINO

EM 08/11/2002

Sou zootecnista e estudante de Doutorado em Produção Animal pela UENF (Campos/RJ), onde estou desenvolvendo a tese de doutorado com pastagens irrigadas. Trabalhando com capim elefante e mombaça, no período da seca, observamos uma melhor resposta do capim mombaça à irrigação. Todavia o experimento ainda está em andamento, com o período das águas iniciando agora em novembro. No mombaça irrigado estamos conseguindo, neste experimento, 21 arrobas de ganho por ha, no período da seca (140 dias), contra 17 @ no elefante irrigado, 15@ no elefante seco e 13@ no mombaça seco. Ainda não foram feitas analises estatística dos dados, porém estamos bastantes otimistas. Estamos trabalhando com 32 dias de descanso e 4 de pastejo, para ambos os capins e adubação de cobertura de 400 kg de N. Devo mencionar que houve uma ocorrência de mais de 180 mm de precipitação pluviométrica no período e os animais usados foram bovinos mestiços Red Angus/Nelore. Estou otimista com a irrigação e gostei muito deste artigo publicado por vocês. Gostaria de trocar informações com vocês e parte dos trabalhos deverá ser publicada na SBZ deste ano.
Um abraço, Enilson Ribeiro.
ROGÉRIO DOS SANTOS LOPES

GOIÂNIA - GOIÁS - INSTITUIÇÕES GOVERNAMENTAIS

EM 29/08/2002

Resultados mais recentes sobre irrigação de pastagens podem ser obtidos na tese de Lopes, R. S. realizada na UFV. Os resultados confirmam a expectativa de que a irrigação é mais eficiente no verão. A análise de custos sinaliza que os melhores resultados são obtidos quando a irrigação é realizada somente no verão, para solucionar os veranicos e a irregularidade das chuvas. Agora fica a pergunta, como indicar um sistema de irrigação que deverá ser utilizado somente no período de verão, para uma propriedade localizada no sudeste? Isto levando em consideração o custo de compra do equipamento e o risco de não faltar chuvas no período de utilização.
MilkPoint AgriPoint