ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
FAÇA SEU LOGIN E ACESSE CONTEÚDOS EXCLUSIVOS

Acesso a matérias, novidades por newsletter, interação com as notícias e muito mais.

ENTRAR SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Incrementando o desenvolvimento gastrintestinal em cordeiros

POR DANIEL DE ARAÚJO SOUZA

PRODUÇÃO DE LEITE

EM 29/04/2009

3 MIN DE LEITURA

2
0
Em todo o processo de produção de cordeiros, um dos itens que mais impactam os custos variáveis totais do sistema como um todo é a alimentação, de forma que o nível de eficiência dos animais na utilização dos diversos alimentos fornecidos possui um efeito de elevada significância.

A eficiência alimentar pode ser melhor visualizada por meio da conversão alimentar que, por sua vez, é representada pela relação entre a quantidade de matéria-seca consumida e a quantidade de ganho de peso adquirido (kg consumo: kg ganho). No entanto, para que níveis satisfatórios ou maximizados de eficiência alimentar sejam alcançados, é necessário que o animal tenha a oportunidade de ter um desenvolvimento gastrintestinal otimizado.

O desenvolvimento do neonato em um ruminante funcional envolve várias mudanças anatômicas, fisiológicas e metabólicas dos pré-estômagos (rúmen, retículo e omaso) que se iniciam a partir do momento em que os cordeiros passam a ingerir alimentos sólidos. Essas mudanças estão vinculadas ao desenvolvimento das papilas que revestem a superfície da mucosa nos pré-estômagos - responsáveis pela absorção dos produtos da fermentação microbiana e de alguns nutrientes - assim como das camadas musculares dessa mesma mucosa, responsáveis pelo tamanho, capacidade contrátil e mobilidade dos compartimentos.

Figura 1 - A ingestão precoce de alimentos sólidos é um pré-requisito para se alcançar níveis otimizados de eficiência alimentar na produção de cordeiros.


Enquanto o desenvolvimento das papilas está relacionado à produção de certos ácidos da fermentação dos alimentos (ácidos graxos voláteis, em especial o ácido butírico), o da musculatura está associado à estimulação física via fibra fisicamente efetiva. Dessa forma, dietas de alto grão estimulam a vascularização e a proliferação das células epiteliais da mucosa gástrica promovendo o aumento da altura e da densidade das papilas e de todo o epitélio, enquanto que, níveis apropriados de fibra fisicamente efetiva (volumoso) estimulam o crescimento do tecido muscular incrementado o desenvolvimento dos pré-estômagos e a motilidade ruminal, essenciais para a mistura dos alimentos, regurgitação, eructação dos gases e na movimentação do alimento para dentro do omaso, e a partir deste, para o abomaso e intestinos.

Para que todos esses processos ocorram de maneira significativa, uma das ferramentas essenciais é o creep feeding, permitindo que os cordeiros tenham acesso a alimentos sólidos logo na primeira semana de vida. Embora o consumo não seja significativo até 3 semanas de idade, as pequenas quantidades ingeridas desde os primeiros dias de vida são muito importantes para iniciar o desenvolvimento gastrintestinal, estabelecer a função ruminal e o hábito de comer, bem como condicionar o animal à dieta que receberá no confinamento ou a pasto, na fase de terminação.

Embora não seja comum a inclusão de alimentos volumosos em rações de creep, o uso de forragens de boa qualidade e com tamanho de partícula consistente em uma taxa de inclusão de 10% da matéria-seca resulta em animais mais pesados, com melhor eficiência alimentar e maior consumo voluntário, como conseqüência do incremento no desenvolvimento anatômico e muscular do retículo-rúmen.

Figura 2 - O consumo, concomitante e equilibrado, de grãos e forragens é essencial para o pleno crescimento e desenvolvimento de todo o trato gastrintestinal de cordeiros.


Sendo assim, o fornecimento e o consumo tanto de grãos quanto de forragens é vital para o cordeiro na sua transição de um animal pré-ruminante para um ruminante funcional, estimulando também o desenvolvimento intestinal pela sua ação trófica e indutora do processo mitótico, e permitindo o aparecimento precoce da população microbiana no rúmen.

Dessa forma, a ingestão precoce de alimentos sólidos pelo cordeiro por meio do creep feeding é fundamental para otimizar o desenvolvimento do trato gastrintestinal e maximizar sua capacidade digestiva e absortiva, o que é essencial para elevar a eficiência de utilização dos alimentos nas fases de pré e pós-desmama, garantindo desempenho ótimo, reduzida idade ao abate e menores custos do ganho por cordeiro produzido.

DANIEL DE ARAÚJO SOUZA

Médico Veterinário, MBA, D.Sc., especializado no sistema agroindustrial da carne ovina. Consultor da Prime ASC - Advanced Sheep Consulting.

Facebook.com/prime.asc

Twitter.com/prime_asc

2

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

DANIEL DE ARAÚJO SOUZA

FORTALEZA - CEARÁ

EM 05/08/2009

Olá Sérgio,

Curiosamente, a casca das frutas cítricas (como laranja, mexerica e limão) apresenta uma considerável palatabilidade para ruminantes (veja o exemplo da polpa cítrica peletizada), incluindo os ovinos, especialmente quando a mesma se encontra seca ou sem o alto nível de ácidos orgânicos que caracterizam os cítricos.

Mais curiosamente ainda, já vi animais, principalmente caprinos e ovinos, que comem tranquilamente, manga, banana, umbu e caju, com preferência pelas cascas.

As vezes esse tipo de comportamento está associado a um déficit alimentar a nível de forragem, levando os animais a ingerirem alimentos pouco comuns. Por outro lado, a fruta em si, pode ser apetecível e assim, ter boa aceitabilidade pelos animais.

Abraços e obrigado por sua participação!!

Daniel
SERGIO GOUVEIA CANCELLA

LIMEIRA DO OESTE - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 25/07/2009

Tenho uma pequena criação de carneiros(30 cabeças) e tenho como pastagem,bachiaria decumbens e grama estrela(derruba velho). Tenho fornecido sal mineral especifico para carneiros com um pouco de farelo de milho. Tenho um pomar e quando cai; laranjas,mexericas e até limão china(cravo) no chão eles comem tudo. Como posso entender essa vontade deles comerem até os limãos!
MilkPoint Logo MilkPoint Ventures