FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Efeito do estresse térmico durante a gestação e suas consequências no desenvolvimento das crias

POR ANDRÉ MACIEL CRESPILHO

PRODUÇÃO DE LEITE

EM 30/04/2009

6 MIN DE LEITURA

0
0
Em uma série de artigos anteriores publicados na seção "Radares Técnicos em Bem-Estar e Comportamento Animal" pudemos entender o que é o estresse, seu mecanismo de ação e algumas de suas conseqüências na produção animal. Nessa seção sobre Sanidade, iremos discutir alguns dos aspectos relacionados ao estresse térmico infringido à fêmea gestante que influenciam diretamente na saúde de cordeiros e cabritos, aumentando a susceptibilidade às doenças, diminuindo o vigor e peso ao nascimento e aumentando a mortalidade perinatal.

Mortalidade Perinatal

O período de maior vulnerabilidade na vida animal ocorre antes e imediatamente após o nascimento, período caracterizado como perinatal. Define-se como mortalidade perinatal de ovinos e caprinos as mortes que ocorrem entre os 60 dias de gestação e os 28 dias após o parto (NÓBREGA Jr. et al., 2005).

Nesse contexto, aproximadamente metade do total de mortes que acometem cordeiros ocorrem no dia do nascimento, enquanto que a taxa de mortalidade cai significativamente ao longo da primeira semana de vida (DWYER, 2008). Apesar de poucos trabalhos apresentarem dados sobre a mortalidade de cabritos recém nascidos, reconhece-se no complexo inanição/hipotermia e nas distocias os principais fatores associados a mortalidade perinatal (MEDEIROS et al., 2005).

Muitos fatores exercem influência sobre a mortalidade neonatal, incluindo as causas nutricionais (falha na ingestão de colostro), infecciosas e parasitárias, fatores ambientais e presença de predadores (TURINO & MATTOS, 2008).

No entanto, fatores inerentes a fêmea gestante podem exercer influência sobre a natalidade e viabilidade dos recém nascidos, como é o caso do estresse térmico durante o período gestacional.

Estresse Térmico

Em regiões tropicais e sub-tropicais, as variações na luminosidade e na temperatura ambiental podem ser apontadas como os principais fatores que influenciam a produção animal, atuando no controle da atividade reprodutiva e na disponibilidade de alimento, e em muitas situações, expondo os animais a condições de estresse.

A exposição de ovelhas a temperaturas elevadas resulta em redução na ingestão de matéria seca, queda do peso corpóreo, diminuição no ganho de peso diário e bloqueio dos processos reprodutivos, de acordo com Marai et al. (2007). Segundo os mesmos autores, em situações de estresse térmico o organismo animal responde de forma a dissipar o calor através da evaporação de água corpórea pelo sistema respiratório e pele, embora a cobertura lanosa presente em diversas raças dificulte tal processo de transpiração.

Quando os sistemas corpóreos falham em eliminar o excesso de calor ocorre o aumento da temperatura retal e início de drásticas alterações na fisiologia animal, caracterizadas por perturbações no metabolismo de proteínas, energia, sais minerais, reações enzimáticas e secreções hormonais.

O conjunto de alterações metabólicas ocorridas durante o estresse térmico são especialmente prejudiciais às fêmeas gestantes. O estresse causado pela exposição de fêmeas prenhes a altas temperaturas ambientais resulta em queda nas taxas de fertilização e aumento da mortalidade embrionária, segundo revisões de Brown et al., (1977).

O estresse térmico também pode interferir no desenvolvimento de cordeiros e cabritos, sendo que em condições de altas temperaturas ocorre diminuição do peso ao nascimento (BELL et al., 1989). Acredita-se que a razão para esse déficit de crescimento esteja diretamente relacionada a alterações no fluxo sangüíneo materno na tentativa de dissipar o excesso de calor, situação que dificulta a adequada perfusão placentária, reduzindo a quantidade de nutrientes para o feto. O estresse térmico também diminui o tempo de mamada dos cordeiros neonatos, favorecendo que o mesmo entre em inanição e hipoglicemia.

A Tabela-1 ilustra as principais alterações hemodinâmicas que ocorrem na fêmea gestante em situação de estresse térmico. De uma forma geral, o tamanho da placenta e sua capacidade de transferir nutrientes para a circulação fetal é que determinam a trajetória de crescimento do concepto (WALLACE et al., 2005). Nesse contexto, sob condições de estresse térmico (temperaturas ambientais em torno de 40°C) observa-se a queda significativa no fluxo sanguíneo placentário, e por conseqüência, uma menor quantidade de nutrientes e oxigênio chegam ao organismo fetal.

Tabela-1: Avaliação de características hemodinâmicas (pressão sanguínea no cordão umbilical, concentração de oxigênio, glicose e insulina na circulação materna e fetal) em ovelhas gestantes submetidas experimentalmente ao estresse térmico.



Em virtude das alterações hemodinâmicas ocorridas na fêmea gestante em condições de estresse térmico, o tamanho da placenta e dos anexos placentários (estruturas chamadas de cotilédones, responsáveis pelas trocas gasosas e de nutrientes entre a circulação materna e fetal), bem como o desenvolvimento dos diferentes órgãos vitais que compõe o concepto ficam comprometidos, situação que pode induzir a abortos, fetos natimortos (morte logo após o parto) ou parição de produtos subdesenvolvidos em relação ao tamanho médio de cada raça.

Konyali et al., (2007) apontam que o peso de cabritos Saanem ao nascimento encontra-se diretamente relacionado ao número de cotilédones e ao peso da placenta, conclusões que ratificam a dependência da saúde placentária para o pleno desenvolvimento dos fetos caprinos.

Tabela-2: Peso e comprimento fetal ao nascimento, peso da placenta e anexos placentários, e peso das vísceras oriundas de fetos gerados por ovelhas Suffolk mantidas em uma zona de conforto térmico (temperaturas em torno de 20°C) ou sob estresse térmico (temperatura ambiental de 40°C) durante a metade e o terço final da gestação.



A tolerância ao calor difere não apenas entre as diferentes raças de ovinos e caprinos. Mesmo em lotes homogêneos de animais de uma mesma raça podemos identificar grupos mais resistentes às variações ambientais. Segundo Quessada et al., (2001) a identificação de animais com maior resistência ao calor pode ser utilizada como ferramenta para o melhoramento genético animal, expressando a adaptabilidade ao clima da região.

Em virtude do exposto, conclui-se que o estresse térmico acarreta diversas alterações na fisiologia da fêmea prenhe, alterações essas que podem comprometer a produção de cordeiros e cabritos, alicerces da exploração animal. Em virtude da gravidade do problema, o produtor rural deve ficar atento aos prejuízos acarretados pelo estresse térmico e atuar de forma a garantir o conforto térmico dos seus animais.

Diversas medidas podem ser tomadas para amenizar o efeito da temperatura sobre a produção animal, incluindo o uso de sombreamento natural ou artificial, planejamento racional das instalações de manejo de forma a garantir uma plena circulação de ar, menor irradiação solar e, por conseqüência, maior conforto térmico.

Informações complementares sobre as estratégias a serem adotadas para garantir maior conforto térmico aos animais podem ser obtidas no artigo "Modificações Ambientais para o Clima Tropical" (RASLAN & TEODORO, 2007 - Radares Técnicos em Bem-Estar e Comportamento Animal).

Referências

BEEL, A.W.; McBRIDE, B.W.; SLEPETIS, R. et al. Chronic heat stress and prenatal development in sheep: I. Conceptus growth and maternal plasma hormones and metabolites. Journal of Animal Science, v. 67, p.3289-3299, 1989.

BROWN, D.E.; HARRISON, P.C.; HINDS, F.C. et al. Heat stress effects on fetal development during late gestation in the ewe. Journal of Animal Science, v.44, n.3, p.442-446, 1977.

CARROLL, J.A.; FORSBERG, N.E. Influence of stress and nutrition on cattle immunity. Veterinary Clinics - Food Animal Practice, v.23, p. 105-149, 2007.
DWYER, C.M. The welfare of the neonatal lamb. Small Ruminant Research, v.76, p.31-41, 2008.

KONYALI, A.; TÖLÜ, C.; DAS, G. et al. Factors affecting placental traits and relationships of placental traits with neonatal behaviour in goat. Animal Reproduction Science, v.97, p.394-401, 2007.

MARAI, I.F.M.; EL-DARAWANY, A.A.; FADIEL, A. Physiological traits as affected by heat stress in sheep - A review. Small Ruminant Research, v.71, p. 1-12, 2007.

MEDEIROS, J.M.; DANTAS, S.V.; RIET-CORREA, F. Mortalidade perinatal em cabritos. Pesquisa Veterinária Brasileira, p. 8-22, 2005.

NÓBREGA Jr., J.E.; RIET-CORREA, F.; NÓBREGA, R.S. et al. Mortalidade perinatal de cordeiros no semi-árido da Paraíba. Pesquisa Veterinária Brasileira, v.25, n. 3, p. 171-178, 2005.

QUESSADA, M.; McMANAUS, C.; COUTO, F.A.D. Tolerância ao calor de duas raças
de ovinos deslanados no Distrito Federal. Revista Brasileira de Zootecnia, v.30, n.3, p.1021-1026, 2001.

RASLAN, L.S.A.; TEODORO, S.M. Modificações ambientais para o clima tropical, 2007. Radar Técnico em Bem-Estar e Comportamento Animal. Disponível em: www.farmpoint.com.br. Acesso em 23/03/2009.

TURINO, V.F.; MATTOS, M.C.C. Diminuição da mortalidade de cordeiros: passo inicial para aumento da lucratividade. Radar Técnico em Sanidade Animal. Disponível em: www.farmpoint.com.br. Acesso em 23/03/2009.

WALLACE, J.M.; REGNAULT, T.R.H; LIMESAND, S.W. et al. Investigating the causes of low birth weight in contrasting ovine paradigms. The Journal of Physiology, v.565, n.1, p.19-26, 2005.

ANDRÉ MACIEL CRESPILHO

VetSemen - Primeiro laboratório privado especializado na análise de qualidade do sêmen utilizado em programas de inseminação artificial.

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint