ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
FAÇA SEU LOGIN E ACESSE CONTEÚDOS EXCLUSIVOS

Acesso a matérias, novidades por newsletter, interação com as notícias e muito mais.

ENTRAR SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Desvendando as margens ou o quanto sobra para a propriedade

POR CARINA BARROS

PRODUÇÃO DE LEITE

EM 17/02/2014

3 MIN DE LEITURA

8
0
Neste mês avançaremos mais um pouco nos conceitos e conheceremos as margens de forma clara e objetiva.

Certamente você já ouviu muito falar em margens... Margem bruta, margem líquida, margem de contribuição, mas sabe efetivamente o que significa cada uma delas? Como elas podem auxiliar sua gestão?

Já vimos nos artigos anteriores os conceitos de custo (Definindo custo de produção e Continuando com a definição de custo de produção), então vamos prosseguir, pois os utilizaremos aqui.

Margem bruta

A margem bruta é obtida pela divisão entre o lucro bruto e as receitas líquidas. Multiplica-se por 100 para converter em percentual. Dessa forma, temos a seguinte fórmula:

MB = (receita – custo) / receita x 100

Pode ser convertida em percentual dividindo o valor obtido na subtração pela receita. Quanto maior a margem bruta, melhor andam os negócios, já que representa o quanto a empresa obtém de resultado com sua atividade. Portanto, ela mede a eficiência. Deve-se tomar cuidado com a definição desse custo, pois dependendo dos itens que são considerados na sua composição há impacto grande nos resultados finais para análise.

Por exemplo, imagine um custo de 300 e receita de 400, então

MB = (400 – 300) / 400 x 100
MB = 25%.

Isso quer dizer que a cada 100 que se vende, 25 é lucro.

Margem líquida

A margem líquida é obtida pela divisão entre lucro líquido e receita, multiplicando-se por 100 para obter o resultado em percentual. Dessa forma, temos a seguinte fórmula:

ML = lucro líquido / receita x 100

O lucro líquido, por sua vez, refere-se ao resultado obtido na empresa após pagamento de impostos e despesas financeiras.

Por exemplo:

ML = 50 / 1.000 = 0,05 = 5%

Isso quer dizer que após os pagamentos restam 5%, ou a cada 100 em venda sobra 5.

Ela é utilizada em empresas com acionistas para identificar com facilidade quando sobra, ou seja, mede a rentabilidade para o acionista. A análise requer sempre a consideração do mercado onde a empresa está inserida e das empresas concorrentes.

Margem de contribuição

Você pode encontrar artigos que descrevem a margem de contribuição como um valor mágico! Isso porque ele orienta a tomada de decisão.

Calcula-se a margem de contribuição por meio da fórmula:

MC = PV – CV

Onde:

MC = margem de contribuição
PV = preço de venda
CV = custo variável

E o que essa fórmula quer dizer?

Se a margem de contribuição é o que sobrou do preço de venda após descontar o custo variável, isso significa que o custo fixo precisa ser coberto por esse valor e ainda deve sobrar algo para ocorrer lucro, certo?

Por exemplo, se:

PV = 1.000
CV = 500
CF = 200

Então:

MC = 1.000 – 500 = 500.

Com isso, podemos calcular o índice da margem de contribuição, que representa o % da MC sobre o valor da venda, ou seja:

IM = MC / PV

Continuando no exemplo anterior:

IM = 500 / 1000 = 0,5 = 50%.

Portanto, do preço de venda 50% é custo variável e 50% refere-se ao lucro e ao custo variável.

Sabendo que o CF é 200, descontamos da MC para verificar se temos lucro:

MC – CF = 500 – 200 = 300

Nesse caso, há um lucro de 300.

Perceba que se a MC for superior ao custo fixo há lucro, mas se for inferior ocorre prejuízo.

O valor da margem de contribuição ou do incide de contribuição precisa ser avaliado juntamente com o volume de vendas. Pois, se temos uma MC = 15% e o volume de vendas é elevado, ela pode ser ótima. Ou se temos MC = 40% e o volume de vendas é muito pequeno, ela pode ser insatisfatória.

Considerações finais

Abordamos mais três indicadores que podem ser empregados para análise das atividades. Percebemos que a margem bruta é o mais empregado na agropecuária, mas há diferenças nos conceitos dos custos empregados. Analisando algumas publicações notamos que os autores acabam considerando diferentes itens para compor seu custo. Dessa forma, não é possível comparar as margens brutas das propriedades se os critérios são diferentes. Por isso, é importante que você conheça os conceitos, já que assim será capaz de fazer suas análises com segurança.
 

ARTIGO EXCLUSIVO | Este artigo é de uso exclusivo do MilkPoint, não sendo permitida sua cópia e/ou réplica sem prévia autorização do portal e do(s) autor(es) do artigo.

CARINA BARROS

Médica veterinária
Mestre em Ciências Veterinárias UFPR
Doutora em Nutrição e Produção Animal FMVZ-USP
Pós-doutorado FMVZ-USP
Atuação na avaliação econômica e modelagem

8

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MARIANA POMPEO DE CAMARGO GALLO

PIRACICABA - SÃO PAULO

EM 16/05/2014

Para aqueles que tem interesse em cálculo do custo de produção, uma boa oportunidade é participar do Curso Online "Custos de Produção na Pecuária Leiteira".



No curso a instrutora e colunista do MilkPoint, Carina Barros, irá auxilia-lo a desenvolver uma planilha de custos com dados reais de sua propriedade além de, esclarecer as dúvidas que envolvem este assunto.



Para se inscrever, acesse: https://www.agripoint.com.br/curso/custos-producao/



Ou mande e-mail para: cursos@agripoint.com.br
VALDINEI

QUATIGUÁ - PARANÁ - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 24/02/2014

Drª Carina

Parabéns, mas eu me aproveitaria de vossa contribuição, e pediria que a Drª desenvolvesse uma planilia simples em Excel para facilitar a aplicação do conceito tão bem abordado e explicado.

Muito obrigado
VALÉRIO

LAVRAS - MINAS GERAIS - INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

EM 18/02/2014

Carina,

Parabéns! Precisamos aplicar esses conceitos no meio rural, principalmente na atividade leiteira.
ZANONE CAMPOS

LAGOA SANTA - MINAS GERAIS

EM 18/02/2014

Carina,

Boa tarde!



Parabéns pelo conteúdo e , pela objetividade nas informações. Também, concordo que Você deveria , a título de mais informação , definir , basicamente o que é custo fixo e o que é custo variável.

Excelente e com muita simplicidade. Parabéns, afinal , não é fácil fazer as coisas se tornarem simples para que os outros possam entender.
EDVARDO PEREIRA DE MELO

TERESINA - PIAUÍ - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 18/02/2014

Prezados debatedores, boa tarde.

É gratificante os debates entre técncios e produtores do setor, pois, assim tarz a luz vários temas de importância econômica para nossa pecuária seja de grandes o de pequenos animais.
MARCO ANTONIO COSTA

CAMPO BELO - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 18/02/2014

Bom dia Carina,

Para evitarmos inerpretações diversas sobre o custo, se for possivel, publique um rol de contas para que o produtor possa classifica-lo, como custo variavel ou fixo e ainda como direto ou indireto. Assim iniciamos uma padronização, pois todas as propriedades leiteiras tem basicamente as mesmas despesas.



Abraços



Marco Antonio Costa
EDVARDO PEREIRA DE MELO

TERESINA - PIAUÍ - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 18/02/2014

Excelente matéria, meu obrigado Dra. Carina.
ANTÔNIO NEVES BARBOSA

BELO HORIZONTE - MINAS GERAIS

EM 18/02/2014

Parabéns pela iniciativa. O setor carece muito, mas muito mesmo, dos mais elementares métodos de gestão, principalmente os médios e pequenos produtores. Uma pena que os governos não conseguem enxergar, ou até enxergam mas não tem interesse em suprirem essa deficiência.
MilkPoint AgriPoint