ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
FAÇA SEU LOGIN E ACESSE CONTEÚDOS EXCLUSIVOS

Acesso a matérias, novidades por newsletter, interação com as notícias e muito mais.

ENTRAR SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Custo para produção de cordeiros desmamados terminados em pastagem

VÁRIOS AUTORES

PRODUÇÃO DE LEITE

EM 12/02/2010

3 MIN DE LEITURA

7
0
Nos artigos anteriores abordamos a produção de cordeiros em diversos sistemas de terminação comparando os custos e resultados obtidos.

O objetivo deste texto é discutir a terminação de cordeiros desmamados mantidos em pastagens, as vantagens e desvantagens desse sistema.

Os dados apresentados foram obtidos a partir de experimento realizado no Laboratório de Produção e Pesquisa em Ovinos e Caprinos (LAPOC) da UFPR.

O módulo em questão foi composto de 150 ovelhas numa área de nove hectares de pastagem perene de Tifton-85 sobressemeada com azevém no inverno. Como instalações consideraram-se cercas, moradia para funcionário, bebedouros, comedouros, saleiros e um depósito. As máquinas e equipamentos utilizados foram roçadeira, geladeira, misturador de ração e balança, além dos equipamentos de manejo (tesouras, brincos, etc); as máquinas para manejo de pastagem foram alugadas. Para manejo dos animais e manutenção da propriedade utilizou-se um funcionário, e nas épocas de necessidade foram contratados alguns profissionais pagando diária de serviço. Todos os demais custos, como energia elétrica, combustíveis e impostos também foram considerados. Um ano de atividade produtiva foi avaliado.

Dos cordeiros nascidos, separou-se um percentual para repor as matrizes que foram descartadas e alguns animais para venda como reprodutores(as). Os demais cordeiros(as) foram desmamados com cerca de 18 kg e mantidos em pastagem de Tifton-85 com disponibilidade de folhas de 1.890 kg de MS.ha-1, 10% PB, 71% FDN e 33% FDA. Quando os cordeiros atingiram 35 kg foram abatidos, sendo esse tempo em média 145 dias.

Abaixo está representado o percentual de contribuição de cada item no custo operacional anual. Nesse cálculo não se considerou o custo de oportunidade do capital investido.



Alimentação: custos com pastagem e suplementação das matrizes quando necessário.

Custos não-caixa: depreciação

Assim como nos demais sistemas já estudados, a mão-de-obra e a alimentação são os principais custos e representam cerca de 63% do custo operacional. Portanto, são nesses itens que devemos focar.

O custo operacional anual foi de R$ 33.946,05, o que resulta num custo por quilo de cordeiro vivo de R$ 5,52 reais.

O custo por quilo é elevado em relação aos demais apresentados. Isso pode ser explicado devido à mortalidade maior nesse sistema. Quando os cordeiros foram desmamados aos 18 kg e mantidos na pastagem sem suplementação foram acometidos por verminose com mais frequência, sendo necessário maior acompanhamento desses animais e o uso de anti-helmínticos. Mesmo com todos os cuidados, a mortalidade foi de 10% dos animais nessa fase de terminação. Portanto, houve menor número de cordeiros para dividir pelo custo de produção.

Ao analisar o custo operacional anual percebe-se que é reduzido porque não se utiliza suplemento para os cordeiros e também paga-se menos impostos, já que a receita obtida é menor devido ao menor número de cordeiros terminados.

Outro ponto a se destacar nesse sistema é que o tempo de terminação acaba sendo muito longo. Dessa forma, demora muito tempo para o produtor obter a receita.

Os cordeiros desmamados e terminados em pastagem não apresentaram bom desempenho e a produtividade desse sistema foi menor em relação aos demais estudados. No caso do estudo, é mais interessante fazer o uso de suplementação para cordeiros desmamados e mantidos em pastagem ou mesmo a manutenção desses ao pé da mãe até a terminação (resultados apresentados anteriormente). Essa avaliação é necessária em cada propriedade respeitando a peculiaridade de cada sistema produtivo. Dessa forma o produtor pode selecionar com segurança o sistema mais adequado à sua realidade.

Referências bibliográficas

BARROS, C.S.; MONTEIRO, A.L.G.; PRADO, O.R. CUSTARE. 1 CD-ROM. custare@gmail.com

CANZIANI, J. R. F. Uma abordagem sobre as diferenças de metodologia utilizada no cálculo do custo total de produção da atividade leiteira a nível individual (produtor) e a nível regional. In: SEMINÁRIO SOBRE METODOLOGIAS DE CÁLCULO DE CUSTO DE PRODUÇÃO DE LEITE, 1., 1999, Piracicaba. Anais... Piracicaba: USP, 1999.

MATARAZZO, D. C. Análise financeira de balanços. 4. ed. São Paulo: Atlas, 1997. 463 p.

CARINA BARROS

Médica veterinária
Mestre em Ciências Veterinárias UFPR
Doutora em Nutrição e Produção Animal FMVZ-USP
Pós-doutorado FMVZ-USP
Atuação na avaliação econômica e modelagem

ALDA LÚCIA GOMES MONTEIRO

Coordena o Laboratório de Produção e Pesquisa em Ovinos e Caprinos (LAPOC) da UFPR

MARIA ANGELA FERNANDES

Médica Veterinária pela UFPR
Doutoranda do Programa de Ciências Veterinárias da UFPR
Integrante do LAPOC - Laboratório de Produção e Pesquisa em Ovinos e Caprinos da UFPR

7

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

DIOMAR BARRO

CAXIAS DO SUL - RIO GRANDE DO SUL - FOOD SERVICE

EM 25/07/2010

Pessoal! Para quem quer começar a abater cordeiro mamão na serra gaucha, quais os mercados que já existem? Supermercados, açougues, casas de carnes, restaurantes. Gostariamos de começar a manter contato com possiveis clientes!
Desde já agradecemos pelo retorno! Diomar (54) 3533 6192
CARINA BARROS

OSASCO - SÃO PAULO - PESQUISA/ENSINO

EM 19/02/2010

Prezado JOSÉ EVILÁZIO DE FREITAS RAMOS,

Antes de investir na atividade é necessário que pesquise bastante, consulte os produtores da região, busque informaçãoes em cooperativas ou associações disponíveis e invista também em cursos na área. Além disso, como não tem experiência seria interessante contar com uma assitência técnica, um profissional que possa te indicar raça, sistema de manejo e alimentação, enfim dar todas as orientações necessárias e treinar um funcionário para desempenhá-las.

Quanto a criar caprinos ou ovinos, o mais importante é fazer um estudo na sua região sobre o mercado: qual o preço que estão pagando por kg, se tem demanda para venda de animais para reprodução, qual espécie é mais procurada para consumo. O preço dos animais vai influenciar na receita e consequentemente no resultado econômico. Dessa forma, terá condições de avaliar o que sua região precisa para investir com mais segurança.

JOSÉ EVILÁZIO DE FREITAS RAMOS

FORTALEZA - CEARÁ - PRODUÇÃO DE OVINOS

EM 18/02/2010

Não posso fazer nenhum tipo de avaliação, pois eu gostaria de saber como começar uma criação de ovinos de corte, qual o tipo de raça, enfim, tudo o que for necessário para começar. Moro em Fortaleza. Além disso, pergunto se é melhor eu trabalhar com ovinos ou com caprinos.

CARINA BARROS

OSASCO - SÃO PAULO - PESQUISA/ENSINO

EM 18/02/2010

Prezado Thiago Golega Abdo,

Essa "ponto de equilíbrio" é o que todos buscam!!! E devem buscar! Nós como pesquisadores estamos fazendo experimentos para auxiliar nessas respostas! E é muito bom saber que cada vez mais as pessoas estão se interessando pela área de gerenciamento e custos, afinal sem esses conhecimentos fica mais difícil definir se realmente a atividade tem a lucratividade que se imagina! Conforme aumentam as pesquisas nessas área mais respostas vão surgindo!

CARINA BARROS

OSASCO - SÃO PAULO - PESQUISA/ENSINO

EM 18/02/2010

Prezado Renato Traldi Junior,

O que ocorre que não há uma solução única ou melhor opção para criação dos animais. Temos que avaliar caso a caso em cada propriedade. Se há pastagem de qualidade disponível pode-se pensar em utilizar sistemas de terminação em pastagem com ou sem suplementação, dependendo da qualidade e disponibilidade da mesmo. Quanto à suplementação, pode ser ótima alternativa quando se tem à disposição ingredientes de baixo custo típicos da região produtora. Entretanto, em casos onde não há grande área disponível, a terra tem alto valor, a pastagem não tem qualidade pode ser interessante o confinamento.

Portanto, há necessidade de profundo estudo na sua área produtiva, inclusiva considerando o que o mercado deseja a fim de estabelecer o que pode ser mais rentável para investimento.

E o importante é estar sempre avaliando as possibilidades, pois com o tempo o cenário muda e alterações no sistema produtivo.

Nesse contexto, a assitência técnica cm profissionais especializados na área torna-se interessante para facilitar a escolha!

RENATO TRALDI JUNIOR

JOINVILLE - SANTA CATARINA

EM 18/02/2010

Pois é então não consegui até agora chegar a uma conclusão exata de que tipo de terminação é melhor se em pastagens ou com suplementação.
THIAGO GOLEGA ABDO

CAMPO GRANDE - MATO GROSSO DO SUL - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 13/02/2010

Muito bom o artigo, esses dados apenas comprovam as peculiaridades que a ovinocultura tem em relação a bovinocultura, pois para produzir carne de cordeiro é necessário o creep + confinamento, quando se pensa em produzir cordeiros, essa é a idéia que devemos ter. Mas também vem a pergunta, qual a melhor idade ou peso de abate de cordeiros, já que somos produtores de carne e nos pagam por Kg de carcaça, qual o melhor sistema, superprecoce, precoce, abate de borregos, gostaria muito de achar qual o "ponto de equilíbrio" entre rendimento de carcaça e qualidade de carne que traga vantagem não só para o frigorífico e o consumidor, mas também para o produtor que vende o kg da carne.
MilkPoint AgriPoint