ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Conhecendo melhor nossos animais

POR RAFAELA CARARETO POLYCARPO

PRODUÇÃO DE LEITE

EM 14/03/2012

4 MIN DE LEITURA

6
0
Introdução

Com a intensificação dos sistemas de produção de leite, tem aumentado a preocupação de técnicos e produtores com questões relativas ao conforto animal. Vários são os fatores que afetam o conforto animal, dentre eles destacam-se o estresse provocado pelo calor, por problemas de comportamento social das vacas, pelo uso de instalações inadequadas e até mesmo erros de manejo na rotina da fazenda. Para avaliar o nível de conforto do animal, o mais importante é saber como ele age naturalmente. Quanto mais natural for o seu comportamento no confinamento, estábulo ou em áreas de pastagens, maiores serão as chances de este animal estar dentro de sua zona de conforto. Porém, ainda há muita dificuldade em conhecer os animais, seus hábitos naturais e também as suas limitações. Neste artigo vamos conhecer um pouco mais sobre a visão, audição, zona de fuga e hierarquia social dos bovinos.

Visão

Bovinos enxergam o mundo de maneira um pouco diferente de nós humanos. Eles possuem maior campo de visão, podem ver por 300 graus em torno de seu corpo (figura 1), enquanto que nós humanos enxergamos apenas 180 graus. Porém os bovinos enxergam com menor nitidez e apresentam dificuldades na percepção de profundidade, só conseguem enxergar melhor dentro de um campo de 60 graus a sua frente, enquanto que nós temos uma boa visão vertical em até 140 graus. Devido a esta limitação na visão vertical e falta de percepção de profundidade, uma simples sombra no chão pode representar uma fenda de quilômetros de profundidade. Por este motivo recomendam-se currais, troncos e embarcadouros fechados diminuindo as sobras e diminuindo a área exposta aos animais.



Figura 1: Vacas podem ver 300 graus ao seu redor, com um ponto cego apenas na parte de trás de suas cabeças.

Audição

Os bovinos são mais sensíveis a sons de alta freqüência (8000 Hz), enquanto que nós somos altamente sensíveis a sons com freqüências entre 1000 a 3000 Hz. Por esta razão, as vacas podem ser mais sensíveis a barulhos como de metal esfregando ou batendo em outro metal como o barulho de portões batendo por exemplo. Sons intermitentes e estranhos são especialmente estressantes para vacas. Em um estudo do Texas, um telefone tocando aumentou significativamente a freqüência cardíaca dos bezerros no pasto. O uso contínuo de rádio em um nível de som normal pode ajudar as vacas a tolerar ruídos inesperados.

Zona de fuga

Todos os animais possuem uma zona de fuga ou escape, e os bovinos não são diferentes, eles possuem sua própria zona de fuga e quando outro animal ou uma pessoa passa a fronteira da zona o animal irá reagir, atacando, socializando ou escapando. O tamanho da zona de depende do caráter do animal; uma vaca calma possui um espaço menor do que uma vaca nervosa. Novilhas precisam de um maior espaço de fuga do que animais mais velhos. Durante a vida de uma vaca, sua zona de fuga diminui à medida que ela se torna mais acostumada com as pessoas e sua rotina diária. Com a idade as vacas freqüentemente passam a ocupar um lugar mais elevado na hierarquia do grupo, e com isso passam a ter menos medo das outras vacas.
Os funcionários que conduzem os animais para ordenha, piquetes ou aos cochos de alimentação, terão mais sucesso permanecendo no limite da zona de fuga dos animais, pois se permanecerem fora da zona (ponto A figura 2), os mesmos podem parar de se locomover e se adentrarem de sobremaneira (ponto B da figura 2), os animais podem ficar estressados.



Figura 2. O condutor pode controlar o movimento do animal. Se estiver no ponto A, fora da Zona de fuga, o animal vai parar de se mover para frente e se passar para o ponto B o animal tende a se afastar do condutor.

Hierarquia Social

A hierarquia social em um grupo é estabelecida na idade jovem e têm componentes de experiências prévias, herança, gênero, características físicas, medo e emocionais. Dominância vem sendo definida quando um animal inibe o comportamento de outro e a ordem de dominância em um grupo engloba todos os relacionamentos. Um encontro inicial de dois animais freqüentemente causa algum tipo de resposta. Se um animal for claramente maior, mais saudável, mais forte, e mais velho, a troca entre os dois pode ser apenas um simples gesto, podendo impor a submissão ou produção de espaço físico entre eles. O medo talvez contribua significativamente para o estabelecimento da dominância. A dominância é estabelecida em um novo grupo em média em uma semana, após algumas brigas e ameaças. E esta, é freqüentemente mantida por um simples gesto de ameaça. As brigas frontais representam 60% dos confrontos que ocorrem para formar o ranking em um rebanho, em seguida, aparecem brigas de cabeça-pescoço e de flanco ou lado.

Referência:

Stephen Boyles, Jeff Fisher, Gary Fike. Cattle Handling and Working Facilities. Bulletin 906. Ohio State University Extension.

RAFAELA CARARETO POLYCARPO

Profa. Dra. Universidade de Brasília - UnB

6

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

CLAUDIO BRANCAGLIONE RIBEIRO

EM 08/06/2017

Professora Rafaela



Gostaria de saber se existe uma frequência sonora que mantenha o gado longe de um local, que irrite ou espante ?
CÁSSIO RODRIGO GEHRKE

AUGUSTO PESTANA - RIO GRANDE DO SUL - ESTUDANTE

EM 08/05/2013

Excelente artigo, gostaria de saber se o uso de música na hora da ordenha ajuda a acalmar os animais. Desde já agradeço
RAFAELA CARARETO POLYCARPO

PLANALTINA - DISTRITO FEDERAL - PESQUISA/ENSINO

EM 21/03/2012

Prezado João Resende,

obrigada.

Infelizmente a maioria dos trabalhos sobre Zona de Fuga ainda são internacionais.

De qualquer modo, segue referência de um bom livro sobre o assunto:

ALBRIGHT, J. L., ARAVE, C.W. The Behaviour of Cattle. CAB International, Cambridge, UK, 1997.
JOAO REZENDE

GOIÂNIA - GOIÁS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 15/03/2012

Professora Rafaela,

Parabéns pelo excelente artigo, gostaria de obter mais informações(literatura, artigos,etc) sobre o limite da Zona de fuga, como mensurar esta distância?
MARCOS GOULART PEREIRA (MARKITO.'.)

LAVRAS - MINAS GERAIS - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 15/03/2012

Professora Rafaela

Saudações

Interessante artigo e muito importante para as Boas Práticas Agropecúarias.

Sr . Alberto Magno Benvindo levantou um assunto interessante, encontrei que um pesquisador Bulgaro LOSAVOV desenvolveu  trabalhos sobre o assunto, mas não consegui encontrar as referências científicas;  relatos sobre o uso de música clássica lenta seja a mais indicada para as vacas durante a ordenha.

Att.

ALBERTO MAGNO BENVINDO

CASCAVEL - PARANÁ - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 14/03/2012

Eu quero colocar som na minha sala de ordenha. Será que vai tirar o barulho da ordenha, e as vacas soltarão mais o leite?
MilkPoint AgriPoint