FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Como a dieta interfere na formação do flavour da carne de ovinos?

PRODUÇÃO DE LEITE

EM 08/10/2015

4 MIN DE LEITURA

6
0
*Autores do artigo:

Carlos Emanuel Eiras e Ivanor Nunes do Prado
Programa de Pós-Graduação em Zootecnia - Universidade Estadual de Maringá


O consumo brasileiro de carne, além do alto valor nutritivo envolvido, se deve ao prazer e aos hábitos regionais de alimentação que apresentam influência sobre a intenção de compra dos consumidores (espécie, raça, sexo etc). A cor e a maciez da carne são considerados fatores de grande importância durante a seleção do produto. Entretanto, o flavour é um atributo sensorial determinante ao ato de compra da carne de ovinos (Guerrero et al., 2013).

O sabor e os odores (flavour) presentes durante o preparo e consumo da carne atuam sobre a percepção sensorial dos consumidores e as experiências adquiridas estão relacionadas com o grau de aceitabilidade da carne. O “sabor típico da carne de ovinos, sabor rançoso” ou ainda ‘‘sabor de fígado” comumente descritos por consumidores definem percepções sensoriais obtidas que afetaram a aceitabilidade final do produto e por muitas vezes determinam avaliações mesmo antes da compra ou degustação da carne. No entanto, o flavour presente na carne de ovinos não está relacionado somente à espécie animal, mas também a uma serie de variáveis do sistema produtivo de pequenos ruminantes.

O termo ‘‘sabor típico da carne de ovinos’’ algumas vezes utilizada pelos consumidores para descrever o flavour obtido durante a degustação da carne estaria relacionado a fatores determinantes pela espécie animal (‘‘specie flavour’’), como: idade, processo de castração e composição de ácidos graxos de cadeia ramificada presente no tecido adiposo dos animais (Resconi et al., 2010). Entretanto, o sistema produtivo no qual os animais são mantidos pode alterar o flavour da carne, incentivando a presença de um flavour desagradável técnicamente caracterizado como ‘‘pastoral flavour’’ e comumente descrito como ‘‘sabor rançoso’’ ou ‘‘sabor de fígado’’ pelos consumidores durante o consumo da carne de ovinos (Schreurs et al., 2008).

A ação de fatores intrínsecos e extrínsecos aos animais e as condições de manejo pré- e pós-abate estão diretamente relacionadas à qualidade nutricional e sensorial da carne (Tabela 1). A espécie, raça, sexo, peso corporal, dieta, tempo de maturação e suas interações são considerados como agentes formadores do flavour e apresentam influência sobre a aceitabilidade do produto pelos consumidores (Khan et al., 2015). Dessa forma, a estratégia nutricional adotada no sistema produtivo dos animais representa um fator de grande importância na formação dos tecidos corporais, sendo considerada como fator decisivo na composição química e sensorial da carne.


As características físicas (concentrado, pasto etc) e químicas (energia, proteína etc) da dieta são determinantes da eficiência produtiva do sistema, mas as suas utilizações e associações devem ser avaliadas com cautela. O aproveitamento dos ingredientes da dieta pelos microrganismos do rúmen pode resultar na formação de inúmeros compostos voláteis que apresentam ação sobre o aspecto sensorial da carne. Dessa forma, a biohidrogenação da dieta pelo ambiente ruminal pode estimular a formação de fenóis, terpenos, indóis, compostos sulfurados, entre outros compostos que serão incorporados ao tecido adiposo e apresentar influência sobre o flavour da carne de ovinos.

A utilização de dietas com altas proporções de concentrado apresenta-se como estratégia nutricional para intensificar a produtividade dos animais por meio da formação de ácidos graxos voláteis pelo ambiente ruminal. No entanto, a excessiva produção de propionato a partir dos carboidratos não fibrosos da dieta pode sobrecarregar a capacidade hepática de metabolização e aumentar a absorção de ácidos graxos de cadeia ramificada pelo tecido adiposo, intensificando o ‘‘sabor típico da carne de ovinos’’ durante o consumo de carne (Duncan & Garton, 1978).

No entanto, o pastejo de forrageiras com elevado teor de proteína também pode alterar a qualidade sensorial da carne de ovinos. A elevada relação entre proteína/carboidratos não fibrosos presente em pastagens frescas estimula a deaminação protéica pelos microrganismos ruminais, resultando na formação de ácidos graxos voláteis de cadeia ramificada e 3-metilindol (escatol) pela fermentação microbiana no rúmen (Schreurs et al., 2008).

A excessiva solubilidade e degradabilidade ruminal da proteína intensifica a formação de grandes quantidades de triptofano destinado a metabolização pelos microrganismos ruminais, elevando a absorção de 3-metilindol pelo ambiente ruminal e adesão ao tecido adiposo dos animais. Assim como, a extensa deaminação oxidativa de aminoácidos essenciais (valina, leucina e isoleucina) pode elevar a concentração de ácidos graxos voláteis de cadeia ramificada (isobutírico, isovalérico e 2-metil-butírico) que serão absorvidos pelo epitélio ruminal e metabolizados em ácidos graxos de cadeia ramificada pelo organismo animal, influenciando o flavour da carne de ovinos (Figura 1).

Figura 1. Metabolismo envolvido na formação do flavour da carne de ovinos.



Portanto, o flavour da carne de ovinos é estritamente relacionado à dieta consumida pelos animais, uma vez que a proporção e a composição nutricional dos alimentos ingeridos atuam na formação de compostos voláteis pelo ambiente ruminal que podem alterar o aspecto sensorial da carne de ovinos.

Referências bibliográficas

Duncan, W. & Garton, G. 1978. Differences in the proportions of branched-chain fatty acids in subcutaneous triacylglycerols of barley-fed ruminants. British Journal of Nutrition, 40, 29-33.

Guerrero, A., Valero, M. V., Campo, M. M. & Sañudo, C. 2013. Some factors that affect ruminant meat quality: from the farm to the fork. Review: Acta Scientiarum. Animal Sciences, 35, 335-347.

Khan, M. I., Jo, C. & Tariq, M. R. 2015. Meat flavor precursors and factors influencing flavor precursors - A systematic review. Meat Science, 110, 278-284.

Resconi, V. C., Campo, M. M., Montossi, F., Ferreira, V., Sañudo, C. & Escudero, A. 2010. Relationship between odour-active compounds and flavour perception in meat from lambs fed different diets. Meat Science, 85, 700-706.

Sañudo, C., Sanchez, A. & Alfonso, M. 1998. Small ruminant production systems and factors affecting lamb meat quality. Meat Science, 49, Supplement 1, 29-64.

Schreurs, N. M., Lane, G. A., Tavendale, M. H., Barry, T. N. & McNabb, W. C. 2008. Pastoral flavour in meat products from ruminants fed fresh forages and its amelioration by forage condensed tannins. Animal Feed Science and Technology, 146, 193-221.

 

6

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

RICARDO SERPA

SÃO LOURENÇO DO SUL - RIO GRANDE DO SUL

EM 21/11/2017

Boa noite,tenho um confinamento de cordeiros em São Lourenço do Sul,gostaria de saber quais os produtos que mais alteram o sabor da carne de ovinos(milho,farelo de soja,farelo de trigo,farelo de arroz,casca de soja etc). Qual o tempo de permanência que começa a alterar o sabor da carne?
JOSÉ ANTONIO DE OLIVEIRA

CACHOEIRA DE MINAS - MINAS GERAIS

EM 25/03/2016

Tenho uma propriedade em cachoeira de minas/ sul de minas/ MG  e gostaria de criar ovinos pra corte ou de leite, são 5 hectares e gostaria de saber se é viável este tipo de criação nessa região, desde já agradeço.       
HAROLDO BADIN

JABOTICABAL - SÃO PAULO - PRODUÇÃO DE GADO DE CORTE

EM 30/11/2015

Bom dia:



Pelo que entendi da pesquisa os itens de maior peso são: modo de conservação, modo de preparo e hábito de consumo, itens alheios ao produtor portanto acredito que os maiores investimentos teriam que ser nos pontos de venda e na educação do consumidor.
LEVI GOMES DE SANTANA

MARANHÃO - OVINOS/CAPRINOS

EM 25/11/2015

Bom dia.

Aqui na minha região não constatei ainda este sabor, mas de agora em diante vou obeservar.
VITOR HUGO SARAIVA

IBITUVA - PARANÁ

EM 20/11/2015

Boa tarde!!!



Ha alguma restrição na inclusão de "triguilho" na dieta de ovinos?



Att
ELICIAS PEREIRA SANTOS

LAVRAS - MINAS GERAIS - OVINOS/CAPRINOS

EM 02/11/2015

Pelo que entendi do artigo tanto o uso de forrageira quanto o concentrado na alimentação dos ovinos pode causar o Flavour desagradável na carne. Pensando que alimentação influencia nesse Flavour desagradável, o que seria ideal?
MilkPoint AgriPoint