FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Capim-tanzânia apresenta maior tolerância ao alumínio que outros cultivares comerciais de Panicum

POR MARCO A. A. BALSALOBRE

E PATRICIA MENEZES SANTOS

PRODUÇÃO DE LEITE

EM 18/10/2006

2 MIN DE LEITURA

6
0
O alumínio é um elemento tóxico às plantas. A sua presença inibe o desenvolvimento do sistema radicular, reduzindo o volume de solo explorado, e interfere na absorção de nutrientes essenciais ao desenvolvimento das plantas.

Os níveis de alumínio são mais elevados nos solos ácidos, característicos da maior parte do território brasileiro. Apesar do alumínio ser facilmente neutralizado por meio da correção do solo, a extensa área de pastagens do Brasil inviabiliza a adoção desta técnica em todos os locais devido a problemas como: dificuldade de transporte, logística, custo e infra-estrutura da propriedade. A busca por capins tolerantes ao alumínio, portanto, é um dos critérios utilizados nos programas de seleção de novos cultivares de gramíneas forrageiras coordenados pela Embrapa.

A Embrapa Gado de Corte avaliou, recentemente, 23 tipos de Panicum (cinco cultivares comerciais e 18 materiais do programa de avaliação e seleção de novos cultivares) quanto à sua tolerância ao alumínio (Laura et al., 2006). O experimento conduzido em casa-de-vegetação. Plantas com 21 dias de crescimento foram cultivadas em copos plásticos de 500 mL preenchidos com areia grossa e recebendo solução nutritiva, conforme o tratamento. Foram testadas três concentrações de alumínio: zero para a testemunha, 12 mg/L e 24 mg/L. A massa seca de raízes foi determinada na implantação do experimento e ao final de 28 dias. A partir destes dados, foi possível calcular a inibição do crescimento radicial e o índice de tolerância relativa ao alumínio.

As figuras 1 e 2 mostram a inibição do desenvolvimento radicial dos tipos de Panicum avaliados. Os capins foram classificados como: sensíveis (valores de inibição maiores que 2,7%), intermediários ( inibição entre -41,0 e 2,7%) ou tolerantes (inibição menor que -41,0%).

Os resultados apresentados mostram que há diferença entre os diversos tipos de Panicum com relação à tolerância ao alumínio, sendo que a maior parte dos materiais avaliados mostrou-se sensível ou com tolerância intermediária. Dentre os cultivares comerciais, o capim-tanzânia mostrou-se como o mais tolerante e o capim-massai o mais sensível à presença de alumínio.

Clique na figura para ampliá-la


Figura 1. Inibição (%) da produção de biomassa radicial para 23 tipos de Panicum em 12 mg/L de alumínio
Fonte: Laura et al. (2006)

Clique na figura para ampliá-la


Figura 2. Inibição (%) da produção de biomassa radicial para 23 tipos de Panicum em 24 mg/L de alumínio
Fonte: Laura et al. (2006)

Comentários: A maior parte dos solos brasileiros apresenta elevada acidez e, conseqüentemente, presença de alumínio. A tolerância das plantas ao alumínio é, portanto, uma característica importante e que deve ser levada em consideração nos programas e avaliação e seleção de novos capins. O experimento conduzido por Laura et al. (2006) mostra que os diversos tipos de Panicum apresentam níveis distintos de tolerância ao alumínio, o que dá margem para o lançamento de novos cultivares mais tolerantes a este elemento no futuro. O capim-tanzânia e o capim-milênio foram considerados como de intermediários (24 mg/L de Al) ou tolerantes (12 mg/L de Al), a depender do teor de alumínio na solução nutritiva. O capim-aruana e o capim-mombaça foram considerados intermediários na concentração mais baixa (12 mg/L) e sensíveis na concentração mais alta (24 mg/L) de Al. Já o capim-massai foi considerado sensível nas duas concentrações de Al testadas. O capim-massai, o capim-mombaça e o capim-aruana, portanto, não devem ser implantados em áreas com presença de alumínio, a menos que este seja neutralizado por meio de calagem.

6

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

SAULO CARVALHO PINTO

POÇOS DE CALDAS - MINAS GERAIS - INDÚSTRIA DE INSUMOS PARA A PRODUÇÃO

EM 05/05/2010

Fiz estágio na EMBRAPA Gado de Corte e também tinha a informacão de que o cultivar Massai era mais tolerante ao Al. Qual seria a informacão correta?
GUSTAVO DAFICO BERNARDES DE OLIVEIRA

GOIÂNIA - GOIÁS - PRODUÇÃO DE GADO DE CORTE

EM 21/10/2009

Muito interessante. A EMBRAPA Gado de Corte lançou o cultivar Massai como o mais tolerante ao alumínio tóxico, conflitante com esta pesquisa. E aí?
ANDERSON AMORIM DE SOUZA

CAMPO VERDE - MATO GROSSO - INSTITUIÇÕES GOVERNAMENTAIS

EM 04/05/2007

Esta matéria foi muito interessante para tomada de decisão em minha região, devido em certas áreas a saturação de alumínio ser alta, agente aqui está testando o capim Massai, e como mostra a pesquisa é uma forrageira sensível ao alumínio.
LEONARDO SILVA CARVALHO

SANTO ANTÔNIO DA PLATINA - PARANÁ - ZOOTECNISTA

EM 09/04/2007

Ótimo artigo ainda mais para nós que ainda estamos aprendendo

Parabéns
JOÃO BATISTA ROSOLEM

SÃO PAULO - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 22/12/2006

Achei o trabalho de grande importância econômica ao pecuarista. Embora a calagem possa resolver em grande parte o problema de pH, ainda existem grandes áreas onde esta prática, por questões de logística, acabam por acabam por acontecer.

Com estes dados, pode-se optar pelos cultivares mais apropriados, tolerantes ao AL tóxico do solo.
LEONARDO RODRIGO SALLUM BACCO

RANCHARIA - SÃO PAULO - PRODUÇÃO DE GADO DE CORTE

EM 21/10/2006

Gostaria de parabenizá-los pela qualidade dos artigos que vêm apresentando no site. Tratam de coisas aparentemente simples, mas que não chegam ao conhecimento do produtor.

Idéia interessante + texto de leve leitura = artigo nota 10.

MilkPoint AgriPoint